AS4 | Por que as rainhas negras de Drag Race incomodam tanto o fandom?

Modo Escuro

RuPaul’s Drag Race é um fenômeno cultural que nos  encanta desde que foi lançado em 2009. Por ser um fenômeno cultural, obviamente ele impacta na sociedade, assim como recebe seu impacto. E por conta disso é marcante os elementos sociais que são reproduzidos pelo show e por seu público.

Ao mesmo tempo que temos a maravilhosa representatividade gay, negra, latina, gorda e outras no show, é com tristeza que percebemos que o programa incorre em opressões também, tipo transfobia e machismo, ao impedir que mulheres trans e cis participem da competição.

Contudo grande parte do problema de Drag Race vem de sua própria fã base, que mesmo sendo composta em sua maioria por homens gays, prova não ter nenhuma empatia as outras minorias que o show apresenta, mostrando que ser oprimido, não impede ninguém de oprimir. O que deveria ser uma lição, a opressão que sofrem, acaba se tornando um combustível para perseguirem àqueles que não desfrutam dos mesmos privilégios. E o pior é que o fandom de Drag Race usa da desculpa do “é só shade” ou “é só minha opinião” para falar barbaridades contra as rainhas, especialmente as negras, a fim de camuflar seu racismo, transfobia, xenofobia e por aí vai.

Já se passou metade do All Stars 4, e a competição tem se revelado cada vez mais acirrada, com o top 7 – Latrice, Manila, Monet, Monique, Naomi, Trinity e Valentina – mostrando que são queens muito boas, todas capazes de levar a coroa para a casa. O show tem exibido semanalmente entretenimento de qualidade e em vez dos fãs simplesmente curtirem, eles gastam seu tempo livre atacando e perseguindo as queens negras.

Foi preciso que Valentina usasse suas redes sociais para pedir aos seu “fãs”, uma das maiores fã bases dessa temporada, que deixassem suas companheiras negras de competição em paz. Ela defendeu Monique do ódio deles e ponderou ao dizer que não pode afirmar que essas pessoas são suas fãs, pois essa não é a postura esperada de quem gosta dela e de sua arte drag. E mesmo com tal posicionamento os ataques não pararam. É preciso ressaltar que Valentina também é vitima de muito ataques virtuais, tudo porque muitos não entendem a personagem que ela criou para essa temporada, bem digna de uma vilã de novela mexicana. Para quem já odiava a queen, ver seus devaneios é a desculpa perfeita para atacá-la à vontade.

>  AS4 | Valentina critica fãs racistas
>  WOW+ legendará All Stars 4 em português

Então chegamos às queens negras

Monique tem tido um dos melhores desempenhos desse AS4, ainda assim leio diariamente que ela é fraca, que não deveria estar ali, que está sendo arrastada. As mesmas ofensas recaem sobre Monet, que embora tenha um desempenho irregular, prova que merece seu lugar na competição, ainda assim lhe sobram ofensas e ataques. Eu perdi as contas de quantas vezes li que as duas não merecem estar ali, que são péssimas artistas, mesmo mostrando desempenho melhor que de outras competidoras. Naomi Smalls, que mesmo tendo destaques nos desafios, vinha sendo apagada pela edição, recebeu a alcunha de arrastada, que está ali só pela sua magreza.

Por fim, temos Latrice Royale, uma das rainhas mais amadas da história de Drag Race que em poucos episódios passou a ser odiada. Nesse All Stars 4 a queen, de fato, parece não ter evoluído muito sua arte desde suas participações anteriores no show, o que não deveria ser problema, pois ela continua sendo uma lenda que inspirou e inspira muitos artistas drags. Latrice até então sempre foi usada como token* pelo fandom de Drag Race (“Racista eu? Nunca, eu amo a Latrice”), mas agora passou a ser uma das mais novas drags odiadas do show, tudo porque ela tem mostrado seu lado mais venenoso que o grande público não conhecia. Latrice não curtiu a desculpa de Monique por tê-la eliminado; e na fantasia de Royale ela foi ótima nos desafios do AS4 e Monique só a eliminou para salvar sua melhor amiga, Monet.

Pronto, Latrice agora virou uma drag amarga, recalcada, sem talento que nem merecia estar ali. E é curioso notar que quando Monique está brilhando no show, ela também não merece estar ali, mas a partir do momento que confronta Latrice, vira automaticamente a justiceira que o fandom precisa. Nada mais conveniente que duas negras brigando, e assim poder usar uma delas como escudo para ser racista sem medo. É tanto ódio que não cabe num fandom só. E pior, um fandom composto em sua maioria de pessoas LGBTs.

Mas esse ódio tem explicação, pois a mudança de Latrice é uma afronta ao padrão do que é ou não aceitável de uma drag queen negra: ser mãezona, carismática, que tem obrigação de arrasar nas dublagens e que em hipótese alguma ouse afrontar alguma drag branca fanfavorite. Assim foi a passagem de Latrice na quarta temporada e no All Stars 1 de Drag Race, mas como agora ela não desempenha mais esse papel virou alvo de ataques e perseguições.

>  Tyra fala sobre racismo no fandom de Drag Race
>  Latrice Royale não tem permissão legal para votar, então ela quer que você vote

Sobre o Ruvenge (Episódio 6 do AS4)

Eu não achei nada demais no que Latrice fez ao confrontar Monique. Royale foi chata? Foi, mas está na mesma onda de Gia e Valentina, criando história pra ter tempo de tela. Se não tivesse drama no início no episódio, não teria o ápice final do lipsync de Latrice e Monique. Dá para ver que foi encenado, pois nos momentos finais Latrice dá um abraço em Monique  e é perceptível a alegria dela em ver sua “rival” salva. Então não comprei esse ar de vilã que ela passou, mesmo ela tendo sido implicante.

A Jasmine mesmo não entrou na onda de fazer drama e passou apagadíssima pela edição. Gia idem, voltou outra pessoa nesse ruvenge e saiu apagada. Latrice poderia muito bem ter seguido a postura madura de Jasmine, Royale a manteve até o 3º episódio, mas aí não teria tempo de tela. E manas, as drags ganham cachê por episódio. Logo, quanto mais drama, mais tempo de tela, mais tempo na temporada e mais cachê elas recebem.

Por outro lado, muitos que atacaram Latrice por ser vingativa com Monique acharam maravilhoso Farrah Moan, justamente eliminada, confrontar Valentina por tê-la dado sashay away. Coerência para quê não é?

Voltando ao racismo do fandom

Quando Phi Phi O’Hara eliminou Alyssa Edwards no All Stars 2 por ter tido o pior desempenho daquela semana, todos acharam ruim sua decisão e amaram quando Alyssa voltou e eliminou Phi Phi… “A justiça foi feita”, gritaram os fãs. Se ignorarmos o fato de O’Hara ser uma das drags mais odiadas pelo fandom de Drag Race (o que por si só é pura babaquice) e que várias outras drags já reclamaram do comportamento de estrela de Alyssa que Phi Phi também reclamou (falta a eventos, chega atrasada, etc, leia aqui), a queen foi justa em sua eliminação, assim como Monique… Mas Phi Phi é odiada, então merece ser perseguida, ainda mais por barrar a fanfavorite Alyssa, mas aí quando a eliminada é Latrice, o discurso já muda, pois ela virou “a pior drag do show”, logo merece ser perseguida.

Latrice está shady sim, mas que drag não é? Latrice tem sido exageradas em suas reações e auto-percepção e o que isso difere de Trinity sempre dizendo que vai arrasar e que é uma das melhores ali? “Ah, mas Trinity está vencendo desafios e lipsyncs”. Assim como Monique, mas qual das duas é venerada? Uma drag negra shady, empoderada, ótima no que faz e convicta do poder de sua arte, pelo visto, incomoda e muito.

>  Indya Moore se irrita ao descobrir que atores cis estão dublando as personagens mulheres trans de POSE
>  Bem-vindos aos anos 90, por Pablo Villaça

Inclusive já espero comentários do tipo, “para de passar pano para a Latrice, você só faz isso porque ela é sua favorita”. Claro, porque não tem nada de racista em comentários do tipo “Latrice é Chernobyl, devia ter continuado presa”. Se a defendo, assim como as demais rainhas negras, é porque o racismo do fandom de Drag Race não tem diminuído, só muda de endereço a cada nova temporada. E é impressionante o esforço hercúleo que esses “fãs” fazem para justificar que seu ódio não é racismo, mas somente “opinião”.

Em resumo, queens brancas, shady sendo “vingativas” em Drag Race são veneradas, mas vai uma negra fazer o mesmo e vira alvo de ódio. É muito incoerente e desesperador como o fandom de Drag Race opera, sempre com dois pesos e duas medidas gritante.

Quando aponto esse comportamento racista do fandom do show não é para obrigar ninguém a achar as rainhas negras superiores e melhores que a brancas. É para perceberem como rainhas como The Vixen, Tyra, Monique, Latrice, Bob The Drag Queen e várias outras recebem ódio muito mais facilmente que rainhas brancas que tiveram comportamentos semelhantes no programa.

Todas as drag queens que participam do programa podem ser criticadas sim. E isso faz parte da graça de acompanhar um reality show de competição, julgar seus participantes, seja pelo comportamento, seja pelo desempenho. Mas é surreal a forma como as drags negras são cobradas e criticadas, passa do limite do bom senso e do que é considerado aceitável. A proporção de ofensas e ataques que drags negras recebem, que incluem até ameaças de morte, é muito maior se for comparadas quando o alvo é uma white skinny bitch.

E isso tudo para mim é o racismo se manifestando nas pessoas. E por isso racismo é uma das maiores mazelas sociais de nossa sociedade, assim como machismo e LGBTfobia. Como somos criados numa sociedade racista, machista, lgbtfóbica, tudo ao nosso redor exala tais características, portanto se livrar disso é uma luta. Se o fã é opressor sem perceber, quando lhe é apontado a opressão que comete, sua primeira ação é ofender de volta e atacar ainda mais, em vez de refletir sobre suas ações.

O fandom de Drag Race não é, necessariamente, racista de propósito. Mas o fato de crescermos numa sociedade que tem suas bases fincadas no racismo, faz com que as pessoas sejam mais propensas a serem racistas, mesmo que não o queiram. E por isso sempre exigem muito mais de drags negras, exigências que não fazem as rainhas brancas.

Se desconstruir não é nada fácil e pode ser trabalhoso e demorado. Mas é recompensador perceber que não alimentamos comportamentos opressores e não tornamos pior a vida de potenciais vítimas.

>  AS4 | Rumor | Spoilers do sétimo episódio
>  Tyra fala sobre racismo no fandom de Drag Race

Mas parece que esse não é um ideal que muitos do fandom de Drag Race almejam atingir, pois é mais recompensador para eles as curtidas, compartilhamentos e visualizações de seus “shades”, ataques e ódio direcionados às rainhas negras.

Por isso deixo esses questionamentos no ar: por que os fãs não podem simplesmente curtir Drag Race pelo que ele é, um programa de televisão, com intuito de nos entreter? Por que não podem entrar na fantasia de Valentina e rir de seus devaneios? Por que é tão difícil aceitar que Naomi, Monique e Monet são drags incríveis? Por que não aceitam que Latrice também pode ser uma shady bitch e que não há problema nenhuma nisso?

A única conclusão que eu chego é a triste percepção de que os haters de Drag Race são seus próprios fãs.


Antes do All Stars 4 começar eu escrevi o artigo Cinco rainhas negras, cinco desculpas para o fandom de Drag Race ser racista, que pode ser lido aqui.


*Token: Token é o comportamento problemático de se apropriar de pessoas ou grupos oprimidos para se justificar um ponto de vista ou para se isentar de ser preconceituoso ou opressor. Exemplo: “Não sou racista, tenho até amigos negros”. 

DEIXE UMA RESPOSTA

Conecte com




Please enter your comment!
Please enter your name here