Conecte-se conosco

Hi, what are you looking for?

Crítica

Para falar da Matheusa

🕓 3 min de leitura

A vontade é de abaixar a cabeça em frente à tela do computador e chorar. Mas abaixar a cabeça é justamente a última opção quando eu vejo a foto da Matheusa desfilando num tecido preto transparente, toda segura de si, exibindo seu corpo para uma plateia grande. Tem tanta vida nessa foto que chega a me dar energia e coragem pra parar de fugir de assuntos doloridos e, pelo menos, tentar escrever alguma coisa que possa fazer sentido.

Falar de morte é visceral. Ler os dados numéricos sobre assassinatos de pessoas LGBT no Brasil é quase rotineiro, ainda que assustador, porque os números estão em todo lugar, só somam e só fazem crescer a sensação de impotência. Mas eu sempre me recuso a falar de número, eu falo é de pronome. Theusinha aparentemente não ligava para os pronomes de gênero. Eu digo “aparentemente” porque não a conheci, mas sinto que de alguma forma a conheci sim. Ela tinha a faixa etária dos meus amigos que também desconstroem os pronomes, ela falava do que eles falam, ela lutava pelos direitos dela, deles e nossos. Direitos de cidadão livre. Olhando para o seu rosto eu vejo o rosto dos meus, e dói bastante imaginar o tanto de coisas prováveis e possíveis de nos acontecer. Coisas que aconteceram a ela e que quando acontecem a um de nós, acontecem a todos nós. E eu não estou querendo me incluir numa luta que não é minha ou assumir algum lugar de fala em que não me encaixo, afinal eu e Theusinha temos corpos diferentes, mas eu encaro a luta dela como a de qualquer pessoa que acredita na liberdade de expressão artística, de gênero, de pensamentos, de espaço. E quando alguma dessas pessoas é arrancada da gente, a dor é coletiva. Se morasse em São Paulo, com certeza ela frequentaria os mesmos lugares que eu e nós falaríamos sobre todas as crenças sociais que temos em comum. Talvez ela dormisse aqui em casa numa sexta-feira e me ensinasse coisas que eu sinto falta de aprender. Talvez até a gente tenha sim se cruzado em algum museu ou festa alternativa num fim de semana que ela possa ter passado pela cidade. Olhando seu instagram é quase como se eu já a acompanhasse há muito tempo.

>  AS4 | Como a edição está pintando Gia Gunn de vilã no All Stars 4

Ao ler sobre Matheusa, o que mais me impressionou foi saber que tão jovem ela já estava envolvida em tantos projetos de arte, moda e engajamento social enquanto estudava, sonhava e tentava sobreviver com 500 reais mensais. Parece que sua energia vital era inacabável. E acredito que seja mesmo, afinal, a vida dela pulsa em várias vidas que ela tocou enquanto esteve aqui, e pulsa em mim agora também. A vontade é de passar mais algumas horas olhando para suas fotos e criando memórias de diálogos e momentos que não vivemos juntas. É pegar o telefone e ligar para os meus amigos. É explicar pra cada ouvido disposto a me escutar que existir é resistir e que a união é a nossa maior arma contra todas as armas que nos apontam. É fazer o que a Theusinha podia estar fazendo agora.

>  Repercussão do Assassinato de Marielle Franco entre RuGirls

O que prevalece é a sensação de que tudo o que Matheusa ainda poderia ter realizado vai nos fazer muita falta, mas tudo o que ela conseguiu realizar nos preenche como água regando sementes. Prova disso é a linda apresentação feita pela drag queen Aqua no último fim de semana. Antes da performance da Aja numa festa em São Paulo, Aqua fez uma homenagem emocionante à Matheusa e outras vítimas de violência LGBT, exibindo suas fotos para o público ao som de Indestrutível da Pabllo Vittar.

>  Miz Cracker causa polêmica em show no Rio de Janeiro

“Como Drag Queen, me sinto na responsabilidade de usar minha voz para chamar a atenção para situações que sofremos todos os dias, os riscos que passamos por apenas ser quem somos. Escolhi essa música por ter uma letra que tem exatamente o que queria transmitir para quem assistiu. Mas fazer as pesquisas de todas as mortes que mostro nas folhas não é algo “confortável”, ler como essas pessoas morreram, ver vídeos, fotos, como aconteceu, enfim, é algo pesado, mas é muito necessário falar disso e temos que falar. Ser drag pra mim não é só dar close na noite ou viver uma fantasia, é, acima de tudo, usar dessa plataforma para continuar na luta contra o preconceito e dar a cara na sociedade.” – Aqua.

Matheusa vive.

Advertisement. Scroll to continue reading.
Compartilhe!
Clique para comentar

Deixe uma resposta

Veja Também

Moda

 Entre para nosso canal do Telegram! Hello uglies! voltamos para comentar mais um episódio e os looks do reality mais repulsivo da internet. Dessa...

Drag Queens

“Drag me deixa confiante e a música me fortalece". Confira a segunda parte da reportagem especial da Gay Times com a drag queen brasileira.

Drag Queens

“Pabllo Vittar é uma anomalia maravilhosa”. Confira a primeira parte da reportagem especial da Gay Times com a drag queen brasileira.

Cultura

 Entre para nosso canal do Telegram! Comunicado importante, Quando criei a Casa 1 ela tinha um tempo de início, meio e fim. Na minha...

Propaganda

We're born naked & the rest is drag. Portal de notícias, humor e babados sobre RuPaul's Drag Race, drag queens, arte drag, comunidade LGBTQ+ e cultura pop.

Contato: draglicious@outlook.com

Draglicious 2020 © Todos os direitos reservados.