Tyra fala sobre racismo no fandom de Drag Race

Modo Escuro

Tyra Sanchez deu uma entrevista recentemente em que ela fala sobre sua vida, politica, Trump, racismo e diversos outros assuntos. A seguir uma parte muito interessante do bate-papo.

Revista: Vamos falar sobre políticas de drag e queens negras e de minorias. parece que os bookings e eventos não parecem se igualar. Por que você acha que isso acontece?

Tyra: Isso não é novo, tem acontecido por anos! Eu acredito que existe muito conflito racial na comunidade drag. Queens negras sao constantemente ridicularizadas e maltratadas. Isso acontece com frequência na fanbase de Drag Race. Tweets e comentários com ofensas raciais são direcionados à queens negras o tempo todo. Se você chama a atenção deles por isso, eles se defendem dizendo “não somos racistas, nós amamos aquela queen negra e aquela outra também” (o famoso token ne rs), o que na minha opinião é a pior resposta porque as queens que eles dizem amar são drags que são a definição de esteriótipos negros que não-negros amam celebrar. A Mãezona e a Amiga Negra do Gueto.

>  S11 | Yvie e Plastique mandam mensagens para os haters

“A mãezona” é normalmente grande e gorda e é considerada a figura maternal. Ela é completamente dessexualizada. Ela ganha fãs pela habilidade de dar lições de vida e conselhos. Ela é forte e emotiva, e consegue seguidores pelo senso de carinho. A mãezona é a que mantem a família junta.

“A amiga negra do gueto” normalmente é barulhenta e descarada. Ela é ousada. Puro entretenimento e sempre mantida por perto pra boas risadas e um bom tempo. Ela reproduz a maioria de esteriótipos de mulheres negros, por isso pessoas não-negras amam tanto ela e a imitam!

E além do amor por esteriótipos, também há um duplo peso. Eu já passei por isso em mais de uma ocasião. Alguns exemplos: Na minha temp, eu tive dois momentos bitchy e mesmo depois de anos eu continuo sendo punida por isso, mas uma outra participante da mesma temp teve muito mais momentos em que ela foi bitchy e mesmo assim ela é aplaudida por isso. No reunited, eu pedi pros fãs rezarem por mim e meu filho. Eu fui condenada e tratada de maneira injusta por anos, mas dois anos depois uma queen grita saudando satã e ela é mega aplaudida. Outro exemplo é em 2011, quando eu fui presa por porte de maconha. Eles me atacaram muito, chegaram a tweetar pra Rupaul “ConDRUGulations, você coroou uma viciada” e alguns anos depois umas das minhas irmãs coroadas são aplaudidas por fumar em folhas da biblia. Sem mencionar uma participante que toda sua estética gira em torno de maconha, e ela é celebrada por isso.

>  RuPaul dá entrevista ao Jimmy Kimmel e fala sobre foto com a bebê chorando

Último exemplo e eu tenho certeza que esse pode causar um alvoroço. Me surpreende que alguém possa me mandar tweets de ódio e quando eu respondo com um tweet dizendo “girl kill yourself”, como você diz pras suas amigas quando estão te irritando, e eu sou a pessoa que é atacada e condenada pela fanbase. Porém esse tipo de comentário é perfeito pra uma certa comedy queen fazer em quase todos os seus shows de stand-up. Ela é celebrada e vista como um ícone.

Agora pra deixar tudo claro, não tem inveja alguma aqui. Eu amo todas as minhas irmãs e as aplaudo pelo seu sucesso. Eu nunca desmereceria suas realizações merecidas! Eles não são a causa da tensão racial no mundo drag (Bem, talvez a Sharon… haha, brincadeira!), mas seria legal se eles falassem sobre esses assuntos pra que isso não continue acontecendo.

>  S10 | Billboard entrevista: Yuhua Hamazaki

Entrevista completa dela aqui. Recomendo muito vocês lerem. Tyra é inteligente, engajada e fala muito bem, fora a personalidade maravilhosa que tem.

Texto traduzido por Thomas Dali.

DEIXE UMA RESPOSTA

Conecte com




Please enter your comment!
Please enter your name here