Gia Gunn | 30 Dias em Transição pt7

Modo Noturno

“30 dias em transição” é um compilado especial de Gia Gunn relatando seu processo de transição. Confira a seguir a sétima parte.

19º dia (19 de abril) | MARCADOR DE GÊNERO

Para a maioria das pessoas, o gênero não desempenha um papel na vida cotidiana, muito menos coisas simples, como o M ou F na sua identidade, também conhecido como “marcador de gênero”. Para homens e mulheres trans, essas coisas desempenham um papel enorme em nossa vida cotidiana e me ensinaram a ser mais consciente na maneira como eu me aproximo das pessoas e continuamente me educo sobre as várias identidades de gênero que existem no mundo. Ter seu marcador de gênero modificado é provavelmente a coisa mais fácil de se fazer primeiro e é tão libertador ao mesmo tempo. Finalmente, ser capaz de entregar sua identidade e ter seu sexo confirmado por um documento legal e não apenas por sua apresentação física ou correção verbal, é uma sensação incrível! Eu decidi que estava pronto para dar os passos para mudar meu marcador. Para fazer isso, você tem que ter documentação legal de um médico afirmando que você é clinicamente de fato transgênero. Felizmente, o @HowardBrownHC em Chicago oferece assistência superior com esses tipos de coisas, e foi em pouco tempo que recebi minha carta de confirmação. Depois de esperar na fila do DMV (DETRAN dos EUA) por horas, eu andei até o balcão com M na minha carteira de motorista e sai com um F. O sentimento que tomou conta de mim quando eu olhei para baixo e vi isto foi inesquecível, mas meu nome ainda era de nascimento e logo isso teria que ser corrigido também.

>  Shea Couleé, Miss Vanjie e Mayhem Miller estrelam clipe de Iggy Azalea, Sally Walker

20º (20 de abril) | MUDANÇA DE NOME

Eu escolhi o nome Gia depois de ter sido inspirado pela supermodelo Gia Carangi, cuja vida foi transformada no filme “GIA”, estrelado por Angelina Jolie. Sua história é uma de muitas e exalta o que eu acredito que mulheres fortes e bonitas representam. Embora Gia Gunn tenha sido originalmente criado para a minha personagem drag, revelou-se aparentemente que não era apenas uma personagem, mas na verdade minha realidade, então eu não senti a necessidade de mudar meu nome para outra coisa. Sem mencionar que o mundo já havia sido apresentado a mim como Gia. Depois de conversar com meus pais, cheguei à decisão de dar o próximo passo legal e ficar diante de um juiz na esperança de que meu nome mudasse. Como eu fiz isso? Em Chicago, existe um grupo chamado Projeto de Lei da Justiça Transformativa, que fornece apoio com todas as questões legais para mudar sua identidade. Como você pode imaginar, o pensamento de ter que fazer isso sozinho sem direção pode ser esmagador e até um pouco desanimador. Sou grato por haver serviços para fazer isso o mais rápido possível. As pessoas mudam seu nome o tempo todo, se ele está mudando para um sobrenome ou simplesmente querendo uma nova identidade, mas eu estava tão nervosa conforme a data da minha audiência em 20 de abril de 2017 se aproximava. A data chegou e eu estava com medo de que o juiz recusasse meu pedido porque eu era trans ou “não era mulher o suficiente”. No entanto, estas provaram ser minhas próprias inseguranças porque naquele dia saí oficialmente como Gia Ichikawa.

>  Pearl fala sobre abuso sexual que sofreu na adolescência, uso de drogas, traumas e prostituição

21º Dia (21 de abril) | CERTIDÃO DE NASCIMENTO

Quando as leis de uso de banheiro começaram a rolar nos Estados Unidos eu estava viajando muito, então foi trazido à minha atenção que eu não seria capaz de usar o banheiro das mulheres em certos estados. Foi imediatamente naquele momento que decidi que era necessário mudar meu nome, mas também o gênero na minha certidão de nascimento. Este foi um grande passo para mim, como eu não acho que estava pronta para mudar isso na época, mas o pensamento de ter que usar o banheiro dos homens, devido ao sexo no meu certificado não combinar com minha identidade de gênero estava me dando pesadelos. Eu então assumi a responsabilidade de fazer essa alteração legal. É lamentável que às vezes temos que fazer coisas que não queremos ou nos sentimos prontos para fazer por causa da pressão/julgamento da sociedade, mas este é o mundo em que vivemos e como uma mulher transgênero eu escolhi assumir a responsabilidade por minha transição, para que eu pudesse ser o mais confortável e confiante possível. Se isso é algo que você está interessado em fazer, sugiro que você procure sua clínica LGBT ou trans específica para ter alguma ajuda durante este processo, pois pode ser muito demorado. Eu, às vezes, acho que minha família gostaria que eu tivesse esperado para fazer essa mudança, pois em seus olhos eu tecnicamente nasci um menino e não uma menina. Honestamente, você pensaria que essa mudança o ajudaria a ganhar mais confiança, mas no final das contas as pessoas não têm ideia do que seus documentos legais dizem. Então, embora você possa se sentir super completa e confiante, porque você é mulher, há momentos em que você ainda será incapaz de perceber isso. Muito obrigado por se juntar a mim em minha jornada e eu não posso esperar para ouvir algumas de suas histórias!

>  AS4 | Para Gia Gunn looks de RuPaul são horrorosos

Confira as demais partes deste especial (você acabou de ler a parte 7):

Pt1 | Pt2 Pt3 | Pt4 | Pt5 

Pt6Pt7 | Pt8 | Pt9 | P10

DEIXE UMA RESPOSTA

Conecte com




Please enter your comment!
Please enter your name here