Gia Gunn | 30 Dias em Transição pt3

Modo Noturno

“30 dias em transição” é um compilado especial de Gia Gunn relatando seu processo de transição. Confira a seguir a terceira parte.

7º Dia (6 de abril) | ESTILO DE VIDA

Desde que fui adotada pela marca Drag Race, meu estilo de vida mudou imediatamente. De repente, estar nos olhos do público e se sentir julgada pelo personagem que eu criei na TV foi chocante. De mensagens constantemente enviadas, tanto negativas quanto positivas, nas mídias sociais, para serem reconhecidas na mercearia local, foi um sentimento que nunca senti antes. Mas o sentimento parecia certo, como eu sempre quis ser bem conhecida por algo que eu era boa, certo? Agora foi a minha oportunidade. Comecei a percorrer o mundo e viver o que chamamos de “vida de evento”. Do aeroporto para o hotel, para a boate e viver com uma mala durante meses. Essa rigorosa rotina de trabalho começou a se desgastar no meu corpo e me afetar emocionalmente. No começo, tudo parece realmente fascinante porque é como se você fosse pago para viajar. Mas então você sente a solidão que vem de viajar sozinho e percebe que isso é trabalho, não férias. Você se encontra querendo apenas ir para casa e deitar em sua cama, longe de toda a emoção. Este estilo de vida pode vir com drogas e álcool e eu tive que aprender a ser forte e dizer “não, obrigada” quando as coisas foram oferecidas. Eu aprendi muito sobre mim levando essa vida por 5 anos, mas a coisa mais importante que descobri foi minha necessidade de independência e meu próprio espaço. Aprendi com isso uma pausa quando o meu corpo precisa e não corro atrás de cada dólar se isso vai me atrapalhar. Neste momento da minha vida, posso dizer honestamente que estou feliz com o ritmo em que as coisas estão indo e feliz por agora estar vivendo um estilo de vida genuíno.

>  RuPaul's Drag Race vence 4 Emmys, incluindo o de melhor apresentador de reality show para RuPaul

8º Dia (7 de abril) | ANDROGINIA

Até este ponto, vivi a vida de menino, homem gay e agora uma drag queen. Mas de alguma forma eu comecei a duvidar de mim e do meu gênero. Comecei a sentir que não estava mais me identificando com meu lado masculino, mas estava convencido de que não era transgênero, embora a curiosidade nunca tivesse me deixado desde que eu tinha 18 anos. Mas antes decidi que isso era um problema e precisava dar os passos  para resolvê-lo, decidi viver de forma andrógina, que é alguém que é parcialmente do sexo masculino e parcialmente feminina na aparência. Isso me permitiu nunca ser excessivamente feminina ou excessivamente masculina. Eu usava todas as roupas pretas com unhas pretas acrílicas e meu longo rabo de cavalo preto. Eu nunca usei meu cabelo para baixo, porque isso era “muito feminino”, a menos que eu estivesse como drag. A escolha de viver assim me permitiu surfar pelo mundo como menino e menina. As pessoas às vezes me chamavam de madame e às vezes, senhor. Qualquer pronome que eles usavam não me incomodava. Eu sempre usei o banheiro masculino, embora não me sentisse confortável porque sabia que não parecia feminina o suficiente para usar as mulheres e, se fosse para lá, ficaria ainda mais desconfortável. Mas haveria momentos em que eu achava que parecia super masculino, mas ainda assim me tratavam por madame. Isso foi muito confuso para mim e a pior parte foi que eu nem sabia por que estava confusa. Na minha opinião, quando alguém se apresenta como um determinado gênero, é assim que deve ser percebido. No entanto, isso nem sempre é o caso. Especialmente quando você se sente preso no meio entre se sentir masculino e feminino.

>  Shangela fala sobre como foi trabalhar com Bradley Cooper e Lady Gaga em 'A Star Is Born'

9º Dia (8 de abril) | CONFUSÃO

Uma coisa é ficar confuso sobre o que vestir hoje, mas é outra quando você nem quer se vestir, porque agora sua roupa define seu gênero. Pelo menos foi o que nos ensinaram desde cedo. As meninas usam rosa e os meninos usam azul. Mas nem tudo é preto e branco. Há muita área cinza, especialmente dentro do espectro de gênero e precisamos nos concentrar mais nessas áreas cinzentas e não apenas em homens ou mulheres. Cheguei a um ponto em que fiquei tão confusa. Gia Gunn era apenas uma personagem feminina que foi inventada na minha cabeça? Ou foi realmente quem eu era como pessoa? Enquanto outros artistas mudavam e saíam do drag, senti que me desnudara para um corpo sem gênero ligado a ele. Com o passar do tempo, me vi cada vez menos viva do lado de fora do drag.  Dormir o dia todo e esperar para ganhar vida à noite parecia ser a única maneira que eu podia sentir como se estivesse vivendo a vida. O desejo de sair ao sol e ter orgulho de andar por minha própria pele estava acontecendo cada vez menos. Eu estava me perdendo para a incerteza e deixando essa confusão tirar o melhor de mim, em vez de abraçar ser diferente e tentar lidar com a dor. Pouco depois, caí em depressão profunda. Absolutamente nada poderia me tirar da cama, nem mesmo drag e foi quando eu soube que era uma situação ruim. Eu não queria fazer nada além de dormir, comer e fugir da realidade do que exatamente estava acontecendo. Eu não estava me sentindo bonita. Eu só queria puxar as cobertas sobre a minha cabeça e esperar que eu acordasse não mais sofrendo com essa confusão. Eu simplesmente não conseguia descobrir o que estava errado. Eu tinha inúmeras coisas pelas quais ser grata. Mas isso não foi suficiente e então eu de alguma forma pensei que o suicídio era a resposta. Como alguém ia me amar em meu estado confuso? Os pensamentos de me afastar desse mundo cruel passeavam pela minha mente diariamente. Minha família e amigos estavam muito preocupados. No entanto, eu sabia que esta era a minha própria batalha e eu era a única que poderia trazer clareza para esta situação. A longo prazo, não há problema em ficar confuso, mas em algum momento você tem que trabalhar com seus demônios e encontrar clareza.

>  S10 | Prévia do nono episódio

Confira as demais partes deste especial (você acabou de ler a parte 3):

Pt1 | Pt2 Pt3 | Pt4 | Pt5 

Pt6Pt7 | Pt8 | Pt9 | P10

DEIXE UMA RESPOSTA

Conecte com




Please enter your comment!
Please enter your name here