Gia Gunn | 30 Dias em Transição pt5

Modo Noturno

“30 dias em transição” é um compilado especial de Gia Gunn relatando seu processo de transição. Confira a seguir a quinta parte.

13º Dia (12 de abril) | FAMÍLIA

Minha família imediata consiste de minha mãe e seu namorado, meu pai e sua esposa, minha irmã mais velha e seu namorado que acabaram de ter um bebê. Também muito ativa na minha vida desde o nascimento são minha tia, tio e avó que me apoiaram todos esses anos. Embora eu soubesse que eles tinham suas suspeitas e talvez já vissem minha transição vinda de longe, senti um grande senso de responsabilidade de contar minha decisão. É sempre bom lembrar que não somos os únicos a lidar com essa mudança, é uma transição para todos e ninguém merece ficar para trás. Uma vez eu estava usando hormônios por cerca de 5 meses e, obviamente, claro que esta era a maneira que eu ia continuar a viver a minha vida, pedi um jantar em família, a fim de colocar tudo sobre a mesa. Ficou claro que todos estariam a bordo, exceto, talvez, minha avó. Ela era a única pessoa para a qual eu nunca “saí do armário” e agora aos 90 anos, como ela reagiria à minha decisão? Talvez ela nunca tenha ouvido falar de pessoas transexuais antes? Eu nervosamente decidi falar com ela em particular porque eu queria que não houvesse confusão e que ela ouvisse isso da minha boca. Por alguma razão, eu podia aceitá-la sem saber que eu era gay, mas não conseguia entender que ela não estava sendo informada sobre minha nova identidade enquanto era chamada de um nome diferente do que ela conhecia, e se vestia claramente como uma mulher. Eu estava emocionada e com medo que ela não aprovasse. Felizmente, a conversa transcorreu tranquilamente e senti sua sensação de acolhimento. Ela deixou muito claro que ela me amaria independentemente e ela entendeu a decisão que eu estava tomando. Agora que eu tinha o apoio da minha família, estava pronto para enfrentar o mundo. Percebo que sou abençoada por ter uma família solidária e entender que nem toda pessoa em transição tem. No entanto, o mais bonito em pertencer à comunidade LGBTQ + é o fato de que podemos escolher nossa família e encorajo todos vocês a fazerem isso. Família são pessoas com as quais nos relacionamos, não necessariamente com quem nos relacionamos.

>  RuPaul’s Drag Race recebe 12 indicações ao Emmy 2018

14º Dia (13 de abril) | TERAPIA DE REPOSIÇÃO HORMONAL

Terapia de Reposição Hormonal: Hormônios compõem muito quem somos como homens e mulheres. Na maioria dos casos, as mulheres do gênero cis têm um nível mais alto de estrogênio, e os homens têm um nível mais alto de testosterona. Como uma pessoa trans, você simplesmente quer que seus níveis hormonais combinem com os de uma pessoa biologicamente feminina ou masculina. Isso permite que se sinta emocional, mental e fisicamente alinhado com sua identidade de gênero. Isso significa que desde que nasci uma pessoa masculinamente biológica, meu corpo produz testosterona naturalmente, e o resultado é que tenho que diminuir meu nível de testosterona e aumentar meu estrogênio. Há um grande equívoco quando se trata de transições químicas e muitas pessoas pensam que, se não se tomar hormônios, então eles serão menos homem ou mulher. Isso não é verdade, simplesmente porque somos todos tão diferentes e quem deve nos dizer do que um homem ou uma mulher são feitos? É sua escolha como você escolhe estruturar seu processo. Para mim, eu sabia desde o começo que queria tomar hormônios principalmente para obter o resultado físico feminino que acontece durante esse processo. Vamos falar sobre os componentes que entram na TRH. Primeiro, há estrogênio, o hormônio responsável pela maioria das características femininas. Causa as mudanças físicas de transição e muitas das mudanças emocionais. O estrogênio pode ser administrado como uma pílula, por injeção ou por uma série de preparações para a pele. Eu escolho injetar meu estrogênio, e por experiência, percebi que é assim que eu alcanço o máximo de resultados. Ao tomar estrogênio, é como se seu corpo passasse por uma segunda puberdade. Seus seios começarão a se desenvolver, a espessura do cabelo diminuirá, a pele se tornará mais lisa, a gordura começará a se acumular ao redor dos quadris e coxas, e os músculos dos braços e pernas ficarão menos definidos, criando uma aparência mais suave. Você também pode esperar que sua massa muscular e força diminuam significativamente. Para manter o tônus ​​muscular e para sua saúde geral, recomendo que você faça exercícios. Você também começará a sentir mais emoções. Você vai encontrar-se chorando por infinitos períodos de tempo ou apenas mentalmente drenado do intenso processo de pensamento.

>  Michelle Visage e Fenton Bailey falam sobre como RuPaul’s  Drag Race mudou o cenário para reality shows

15º Dia (14 de abril) | SEXO

Desde que comecei minha transição médica, uma das maiores áreas de mudança foi o sexo. Você nunca sabe realmente o papel que a testosterona desempenha em sua vida cotidiana até que ela desapareça. Antes, sentia uma necessidade constante de fazer sexo ou “me aliviar” para ser completamente franco. A constante necessidade de ter contato sexual veio da necessidade de sentir-me desejada por um homem. Desde que eu não estava vivendo minha verdade autêntica na época, eu fazia sexo, principalmente, vestida como uma menina. Mas de alguma forma isso ficou ultrapassado e o sexo sempre sendo uma prioridade tornou-se problemático. Agora que meu nível de testosterona foi diminuído, meu desejo sexual diminuiu, quase pela metade. Para alguns, isso pode parecer horrível e não natural. Mas para mim, parece completamente certo. Ser capaz de acordar sem a necessidade de soltar e não apenas ficar com os homens por um momento de satisfação é um grande alívio. Relacionamentos sexuais podem ser difíceis para alguns indivíduos trans. Você quer ser a pessoa ideal, mas para a outra pessoa, você pode não se encaixar na ideia do homem ou mulher ideal e isso pode ser frustrante. Cheguei a aceitar que não sou e nunca serei uma fêmea biológica e isso pode significar muito ou pouco, dependendo de como você deixa se afetar por isso afetar. Pelo que presenciei, há casos em que as pessoas estão insatisfeitas com sua vida sexual atual e pensam que, se se tornarem uma garota em tempo integral, elas ganharão melhores experiências sexuais. Embora isso possa funcionar como um Band-Aid, eu imagino que essas pessoas possam ter problemas internos com o amor próprio. Eu tenho muito orgulho do meu corpo e ser “diferente” é uma vantagem para mim. Certa vez, um cara me disse: “Você é 99% feminino e eu estou muito na sua, mas 1% não me permite ficar com você por completo”. Significando que minha genitália não combinava com sua definição de mulher, eu não estava mais em seu radar. O sentimento de não ser “bom o suficiente” pode ser desafiador e freqüentemente atrapalha as relações sexuais e não sexuais. Simplesmente nos dizer que somos suficientemente bons deve nos permitir saber que a percepção de todos é irrelevante e um dia encontraremos alguém que nos aceita 100% como somos, e não pela nossa constituição física.

>  T02E15 | S10E14 - Grand Finale

Confira as demais partes deste especial (você acabou de ler a parte 5):

Pt1 | Pt2 Pt3 | Pt4 | Pt5 

Pt6Pt7 | Pt8 | Pt9 | P10

DEIXE UMA RESPOSTA

Conecte com




Please enter your comment!
Please enter your name here