Conecte-se conosco

Hi, what are you looking for?

Drag Queens

Who’s That Queen? Leona Winter

“Fico muito feliz em poder fazer essa entrevista que me permite chegar a minha base de fãs latina”, conta Leona Winter, vencedora da 2° edição do The Switch Drag Race, nesta entrevista exclusiva.

Compartilhe!

Entre pro nosso canal do Telegram aqui!

APADRINHE A DRAGLICIOUS: Ajude a manter a Draglicious viva celebrando a arte drag, doando pelo nosso PIX, chave: draglicious@outlook.com. Ou doe pelo meu PicPay na conta @saullete, o link é: https://app.picpay.com/user/saullete. Ou nos apadrinhe em padrim.com.br/draglicious.

🕓 10 min de leitura

Se você, caro leitor, assim como eu, é uma pessoa que nunca antes tinha escutado falar de Céret, na região da Occitânia, na França, não tem problema algum. Durante muito tempo meus parcos conhecimentos de francês me resumiram a cantar apenas “Voulez-vous coucher avec moi, ce soir?

De qualquer forma, é nesta pequena cidade francesa que começa a nossa história de hoje. Nela Rémy Solé, a mente criativa, a pessoa que dá vida a Leona Winter, nasceu no dia 20 de março de 1995 e agora estrela a mais nova edição da Who’s That Queen?

Criado em uma família humilde próximo a cidade de Perpinhão, desde a infância Rémy teve o apoio dos seus pais para se expressar artisticamente, apesar de uma considerável resistência de seu pai para aceitar sua profissão, o que rendeu um ano de esforços de Remy para que ele entendesse que este é, de fato, um trabalho sério.

A mãe e sua avó são incentivadoras da drag de Rémy e lhe dão o suporte necessário no campo pessoal, o que, infelizmente, não o impediu de conhecer o pior violão de pessoas LGBTQIA+ na escola: o bullying.

Devido a sua androginia, Rémy sofreu o preconceito de duas formas, ambas dolorosas a seu jeito: insultos homofóbicos e, não suficiente, agressões físicas. Muito mais do que adiar sua jornada de descoberta da própria identidade sexual, estes momentos são dores e gatilhos de uma época que exigiu reflexão para o aprendizado necessário que vem em seguida.

Desta forma, ele acabara estudando, já aos oito anos de idade, no “Atelier Des Arts du Spectacle”, instituição focada em linguagens como a dança, canto, teatro e improviso. Dos 11 aos 15 anos o foco foi no teatro. A estreia solo, profissionalmente falando, aconteceu aos 16 anos, em um show em Arles-sur-Tech. Esta oportunidade o levou a outras apresentações em restaurantes nas cidades vizinhas. Em seguida, outro país o faria lembrar-se dele para sempre em sua biografia.

Após nove anos de estudos, Rémy, que também praticou tênis, rúgbi e judô na adolescência, radicou-se na Espanha com Laurent, seu então namorado. Nesta época ele tinha 17 anos e o calendário marcava o ano de 2012, um dos mais significativos de sua vida.

Advertisement. Scroll to continue reading.

Vivendo no município de Sitges, Rémy e seu parceiro Lorenzo, melhor dizendo, Laurent, apelido recebido devido a este período na Espanha, organizaram, no bar do casal, o Le Backstage, um cabaré com temática invertida: homens vestidos de mulheres e mulheres vestidas de homens em um karaokê. É aqui que tudo fica mais interessante.

Em um certo momento, Lorenzo indaga o namorado sobre subir ao palco e cantar como mulher. Segundo ele, sua voz ficaria perfeita como cantora em uma festa cuja maioria do público era de mulheres caracterizadas como homens.

Neste instante, aquela magia que sela o destino das pessoas cutuca Rémy que, não hesitante, se apresenta para a plateia pela primeira vez como Leona Winter.

Leona vem da cantora Leona Lewis, um nome que ela adora. O sobrenome tem uma origem particular: quando se apresentava com a drag queen Lady Diamond, elas eram “The Lady & The Miss”, porém, para participar do Miss Europa Continental, concurso o qual venceu em 2017, não era permitido o uso do nome “Miss”.

Rémy adotou o Winter porque, além de combinar com as iniciais de seu parceiro, Laurent Werner, o permitia explorar o slogan “o inverno está chegando”, tudo a ver com a série Game of Thrones, em alta nesta época.

Já com os primeiros passos como drag devidamente dados na Europa, por exemplo, Leona também trabalhou na França, Bélgica e suíça antes de arrumar suas malas e mudar de vida de novo, mas agora no Chile.

Durante cinco meses de 2016, Leona gravou a segunda temporada da primeira franquia internacional de RuPaul’s Drag Race: The Switch Drag Race – Desafío Mundial, somente exibido a partir de 25 de março de 2018.

Advertisement. Scroll to continue reading.

Em 31 episódios, Leona protagonizou uma jornada digna de coroa: com três vitórias em desafios principais, ela sagrou-se como a segunda e, por hora, última vencedora deste reality show, o que definitivamente não significa que fora sua última participação em programas do gênero.

Gia Gunn e Leona Winter na final de The Switch 2, após Leona ser anunciada vencedora da temporada.

>  Who's That Queen? Alaska
>  Who's That Queen? Nina Flowers

Em 2019 Leona participou da oitava temporada da versão francesa do programa The Voice, o que por si só já é digno de nota, visto que ela foi a primeira drag queen da história a se apresentar neste programa. Nele, dois jurados viraram as cadeiras para ela: Jenifer e Julien Clerc. A primeira recrutou Leona para o seu time, após ouvir uma releitura incomum neste tipo de competição.

Logo em sua entrada no The Voice, Leona interpretou “La Voix”, anteriormente interpretada por Malena Ernman, no Eurovision, em 2009. Sua voz de contratenor barítono marcou uma versão operística que, se por um lado entregava uma influência da velha escola de canto, por outro a ajudava a executar agudos altos, associados ao cantar feminino. O namorado de Remy, que era seu professor de canto, é, novamente, o grande incentivador para que Leona tenha participado do The Voice.

Em seguida, encerrando sua trilogia particular de reality shows, Leona participa da décima segunda temporada de Les Anges, para o qual foi convidada, pela produção, depois de sua participação no The Voice. Coroando seu ano de 2020, Leona lança, no dia 30 de outubro, seu aguardado primeiro single, “Como Soy”. Depois de experimentar e conhecer diversas bases musicais, ela conseguiu chegar ao produto final, que você conhece melhor através do videoclipe oficial, disponível no YouTube desde sete de dezembro do ano passado.

Um segundo single, sonoramente similar a estreia, será lançado em breve, mas não se deixe enganar pela estética electro-pop feliz deste trabalho. Um EP está sendo produzido e nele canções inéditas e lentas, como baladas, estarão presentes, por representarem um lado que Leona gosta de exercitar: da cantora intensa com coração na garganta que, sim, até sofre, mas sem borrar a maquiagem.

Fora do campo musical, atualmente Leona está casada e, se você for verificar no Instagram dela, a última postagem data de 27 de janeiro deste ano, ou seja, quase quatro meses de silêncio. Será que algo acontece? É o que você descobre logo abaixo, na íntegra, na entrevista que fiz com ela. Confira.

Como uma drag queen francesa foi parar na versão chilena de RuPaul’s Drag Race, a primeira franquia do programa, a propósito?

Em primeiro lugar, The Switch é realmente semelhante a RuPaul’s Drag Race, mas não é a mesma franquia, então há muitas diferenças entre essas duas franquias.

Advertisement. Scroll to continue reading.

Concordo com você. A dinâmica é bem diferente.

Eu tinha apenas 20 anos quando me chamaram para fazer parte do The Switch 2, e eu estava começando a trabalhar cada vez mais na Europa. Eles estavam procurando uma drag queen, cantando ao vivo e falando espanhol, que também pudesse dançar e atuar. O artista mais completo possível. No início, decidi não participar do The Switch porque não tinha certeza de ser tão completa como uma drag queen, mas meu marido me convenceu a experimentar e viver uma experiência inesquecível e construtiva. E ele se saiu bem, risos!

Quais são, por ordem de importância, suas quatro performances favoritas no The Switch Drag Race: Desafío Mundial?

Uma pergunta tão difícil. Em primeiro lugar: adorei poder cantar My Way para a minha música final, essa performance tem sido tão intensa emocionalmente. Vivo pelo look e pela apresentação que criei. Segunda escolha: La Voix. Essa música é uma das minhas favoritas e a parte operística é tudo! Salvei minha vaga na competição graças a esse momento, então me lembro como uma música vibrante no The Switch. Para a terceira escolha, hesito muito entre On the Radio, Caruso ou Simply the Best…

Ótimas escolhas. Também as destacaria.

Digamos Simply the Best pelo poder da música e a incrível apresentação com fogo no palco.

Há rumores de que uma versão francesa de RuPaul’s Drag Race está chegando. Se você pudesse selecionar algumas drags para o elenco, quem estaria no programa?

Advertisement. Scroll to continue reading.

Não conheço tantas drag queens francesas, mas adoraria ver La Grande Dame ou Cookie Kunty nisso. Por que não ver um artista como Chez Michou ou Madame Arthur, as instituições de drag francesas ?

Exato. O grande público precisa conhecer os grandes nomes das cenas drags locais de cada país.

Poderia me interessar também experimentar a versão francesa de RuPaul’s Drag Race.

Acredito que faria muito bem para você, além de ampliar bastante a sua plataforma.

Acho que pode ser uma experiência diferente, para aprender mais sobre minha drag e os outros.

Já comentei com meu marido e alguns amigos que até antes de morrer, vou me lembrar desta sua performance. É totalmente visceral, profunda e tecnicamente acima da média. Como foi a preparação para ela?

Advertisement. Scroll to continue reading.

Essa performance é, com certeza, uma das minhas favoritas. Essa música fala sobre meu pai e o quanto tem sido difícil para ele entender quem eu sou. Também me lembra dos meus momentos de faculdade e de todo o bullying que sofri. Sobre a preparação, tenho trabalhado para transmitir minha mensagem e minha experiência com essa música, mais do que cantar bem. E é por isso que esta apresentação é tão poderosa, eu acho. Eu não consegui conter minhas lágrimas.

Você participou da segunda temporada de The Switch Drag Race, da oitava temporada do The Voice e só então, em 30 de novembro de 2020, você lançou seu primeiro single. Por que demorou tanto? Estou esperando por isso desde o final de The Switch.

Bem, primeiro eu não demorei tanto, apenas 2 anos do The Switch, e apenas 1 ano do The Voice não é tão longo, eu acho.

É sim, haha. Mas foi lançado e é isso que importa.

O maior motivo é que não tive tempo de fazer um single. Tudo aconteceu muito rápido, competições internacionais como Miss Continental e tenho viajado muito ao redor do mundo pela minha arte. Então não estava em minhas prioridades fazer um single ou um álbum depois do The Switch, eu estava mais concentrada na minha drag e não na minha voz. Neste momento não me considerava uma cantora, mas sim uma transformista, e eu queria estar mais baseada na França; The Voice mudou meu ponto de vista, pois percebi que tinha mensagens para entregar em canções. Mas custa muito encontrar a equipe que irá segui-lo em suas ideias malucas e é muito dinheiro para fazer uma boa música e colaboração. Depois disso, fiz outro reality show 3 meses depois, em Hong-Kong e Tóquio, o que me permitiu conhecer um time maluco que me segue nas minhas ideias.

>  Who’s That Queen? Monikkie Shame
>  Who's That Queen? Roem

Como foi o processo de criação de Como Soy e como funciona o seu relacionamento com os compositores desta música? De que forma você os encontrou?

Os compositores de Como Soy têm trabalhado com artistas internacionais como Kylie Minogue e celebridades francesas. Eu os conheci em Hong-Kong, graças ao Les Anges, um outro reality show que fiz em 2019-2020. Quando falei com eles estava muito nervosa, mas eles me seguiram pelas mensagens de tolerância e respeito que represento, e também pela minha gentileza e, claro, pela minha voz. Procurava uma música electro-pop, com uma mensagem forte: isso é o que sou. Então, trabalhamos juntos na música e no texto e estou encantada com o resultado final!

Advertisement. Scroll to continue reading.

O videoclipe de Como Soy foi lançado em 7 de dezembro de 2020. Como fazer uma música acontecer nos tempos de hoje?

Se eu tivesse a resposta para essa pergunta, Como Soy e todas as músicas poderiam ser famosas em todo o mundo, risos!

Justo da sua parte.

Temos divulgado esse single, provocando nas redes sociais. Mas devido a esta situação de pandemia, é impossível promover mais do que isso. Espero que minhas canções futuras tenham a chance de ver mais spin-offs graças à melhora da crise de saúde. A propósito, fico muito feliz em poder fazer essa entrevista que me permite chegar a minha base de fãs latina, então, obrigada pela oportunidade de responder suas perguntas!

O prazer é todo meu. Lhe acompanho há uns anos e queria fazer esta entrevista há tempos.

O videoclipe do Como Soy está no YouTube e aqui está o link para baixar o single: https://fanlink.to/LeonaWinterComoSoy. Compartilhe isso.

Se você pudesse formar um grupo pop de meninas com mais quatro drag queens, quem você escolheria e por que razão?

Advertisement. Scroll to continue reading.

Gosto de trabalhar sozinha, fazer tudo sozinha e não devo nada a ninguém, mas se pudesse escolher 4 drag queens seriam amigos, pessoas em quem confio e que se mantêm profissionais em todas as circunstâncias. Prefiro trabalhar com pessoas com quem gosto, mais do que escolher drag queens famosas que não conheço.

Neste exato momento, o Brasil é governado por um presidente fascista chamado Jair Bolsonaro. Ele odeia a diversidade e especialmente a comunidade LGBTQIA+. Qual mensagem você gostaria de nos passar?

Minha mensagem é fácil e clara: se proteja das pessoas que querem machucá-lo, enquanto continua a cultivar sua diversidade e identidade. Seja forte e generoso, a luz está sempre no fim do túnel.

Você precisa escolher entre ser uma drag ou uma cantora. O que você prefere?

Eu me expresso sendo uma drag queen e cantando ao vivo. Por que escolher entre as duas opções? Preciso da Leona e minha voz para alegrar minha vida, para me libertar das tensões que sofri e para compartilhar minhas experiências com quem precisa disso.

Uma apresentação inesquecível?

São todas inesquecíveis, mas uma das mais extraordinárias é aquela em que dividi o palco com Taylor Swift no The Voice.

Advertisement. Scroll to continue reading.

Quanto tempo como drag queen?

Criei a Leona no dia 16 de agosto de 2012, então, 8 anos e meio vivendo intensamente minha paixão, conhecendo gente bonita ao redor do mundo e curtindo cada experiência que a vida me dá para viver.

Como foi sua experiência na décima segunda temporada do reality show Angels?

Foi uma experiência incrível! É um reality show, então, para muitas pessoas isso representa pessoas estúpidas fazendo sexo, usando drogas e apenas procurando a frase que os tornará famosos. E eu tinha o mesmo preconceito. E finalmente descobri um universo relativamente saudável, com personalidades humanas que tomam esta aventura como um trabalho, e que aproveitam cada vantagem das atividades que lhes foram oferecidas e que nunca teriam feito sem toda essa produção.

>  Who's That Queen? Catherrine Leclery
>  Who's That Queen? Phoenix

Você é uma fã de Leona Lewis. Imagine que a pessoa não sabe nada do trabalho desta cantora e quer começar a ouvi-la. Quais faixas você indica?

Pessoalmente adoro Run, a minha música preferida do trabalho dela. Mas para descobrir Leona Lewis você tem que ouvir primeiro todas as músicas que ela fez no The X Factor, para descobrir a voz dessa diva, todas aquelas notas agudas maravilhosas que ela faz e sua doce personalidade.

As Boulet Brothers, que apresentam o reality show Dragula, costumam dizer que drag é arte, e como tal, é algo subjetivo, então, como lidar com as críticas dos juízes dos reality shows?

Advertisement. Scroll to continue reading.

Claro que drag é arte e arte é subjetivo. É a mesma coisa sobre pintura, música, escultura. Todo mundo tem sua própria opinião sobre arte. É por isso que é bom ter mais do que apenas um juiz em uma competição de reality show. Devemos aceitar todas as críticas que recebemos, que sempre podem ser construtivas, e nos conhecermos o suficiente para usar as críticas que vêm em nossa direção e deixar de lado aquelas que nos distorcem. É importante aprender com as experiências de outras pessoas, enquanto cultiva sua própria diferença.

Siga Leona Winter no Instagram, Facebook, TwitterSpotify.

Para ler outras entrevistas exclusivas do Who’s That Queen clique aqui.

Compartilhe!

Entre pro nosso canal do Telegram aqui!

APADRINHE A DRAGLICIOUS: Ajude a manter a Draglicious viva celebrando a arte drag, doando pelo nosso PIX, chave: draglicious@outlook.com. Ou doe pelo meu PicPay na conta @saullete, o link é: https://app.picpay.com/user/saullete. Ou nos apadrinhe em padrim.com.br/draglicious.

Clique para comentar

Deixe uma resposta

Veja Também

Drag Queens

"As pessoas são ricas aqui em Munique, porém, não querem nos pagar, drag queens, de maneira adequada", diz Janisha Jones, de Queen of Drags,...

Drag Queens

"Dragula me ajudou a lembrar quem eu sou e quem fui", afirma Maddelynn Hatter, da terceira temporada de Dragula, nesta entrevista exclusiva.

Drag Queens

"Esse dia foi incrivelmente estressante, foi muito ruim, foi como ir para a guerra", diz The Macarena sobre ser a primeira eliminada de Drag...

Drag Queens

"Este homem (Bolsonaro) realmente não presta e me entristece saber o medo que ele criou para a comunidade LGBTQIA+", afirma Jade, da primeira temporada...

Propaganda

We're born naked & the rest is drag. Portal de notícias, humor e babados sobre RuPaul's Drag Race, drag queens, arte drag, comunidade LGBTQ+ e cultura pop.

Contato: draglicious@outlook.com

Draglicious 2021 © Todos os direitos reservados.