Gia Gunn | 30 Dias em Transição pt2

Modo Noturno

“30 dias em transição” é um compilado especial de Gia Gunn relatando seu processo de transição. Confira a seguir a segunda parte.

4º Dia (3de abril) | COMUNIDADE

Depois de terminar o ensino médio e frequentar a escola de Cosmetologia, senti que era hora de me mudar para a cidade e começar uma carreira de cabeleireiro. Eu também queria explorar alguns dos espaços estranhos que eu vinha observando há algum tempo no Myspace e conhecer algumas das dançarinas que me surpreendiam. Sair para essas boates e shows parecia um sonho se tornando realidade. Finalmente, eu poderia estar entre os outros que eram como eu, me senti como eu e me representava. Uma comunidade de LGBTQ. Uma das primeiras pessoas que conheci e me aproximei foi a Ali Gunn que na época, era uma das artistas trans da cena. Nossa amizade cresceu organicamente e por causa dela eu pude conhecer tantos outros indivíduos, predominantemente mulheres trans e drag queens. Observei os estilos de vida que ambos viviam e percebi que eram totalmente diferentes, embora à distância parecessem iguais. Fazer parte de uma comunidade é algo que todos nós queremos, um lugar que nos dá uma sensação de pertencer a um grupo de pessoas em quem podemos nos apoiar quando os tempos são difíceis. A comunidade LGBTQ é um lugar seguro para quem procura aceitação e amor. Eu aconselho a todos a utilizarem seus centros LGBTs como local para um senso de direção, seja aconselhamento, teste de DSTs ou recursos para a transição. É nossa responsabilidade manter a comunidade limpa do ódio e criar consciência mesmo entre aqueles que já fazem parte da comunidade. A educação é fundamental e ninguém pode tirar isso de você!

>  S11 | Prévia do 4º episódio

5º Dia (4 de abril) | DRAG

Esse termo pode significar tantas coisas diferentes para muitas pessoas diferentes. Para mim, enquanto crescia significava “Vestindo-se como Garotas”, que é onde eles conseguiram a sigla DRAG (Dressing Up As Girls). Minhas primeiras lembranças de shows de drag incluíram drag queens femininas e mulheres trans. Para aqueles de nós que não têm certeza da diferença, uma drag queen é tipicamente um homem que também se identifica como homem, mas se veste de mulher por prazer ou trabalho. Considerando que uma mulher trans vive sua vida todos os dias como mulher e se identifica como mulher completa. Alguém pode perguntar: “Mas se elas são mulheres, por que elas estão se apresentando em um show de drags?” Quando tiramos o gênero e a sexualidade, ficamos com apenas “drag”, a própria forma de arte. No entanto, é importante lembrar que a mentalidade da pessoa que executa a arte nem sempre é a mesma, embora ambas sejam consideradas “drag queens”. Depois de anos assistindo meus amigos se montarem, era só questão de tempo para eu ficar curiosa. Tudo começou quando eu tinha 18 anos e meu amigo me ligou e disse: “Vamos garota, se monta de drag e vamos para o clube hetero!” Esse foi o primeiro dia que eu saí vestida de menina em público. Lembro-me da sensação de poder que tomou conta do meu corpo e imediatamente afetou minha presença geral. Eu tive pensamentos iniciais de transição, mas não conseguia entender a realidade. Eu continuei a fazer cross dress antes de decidir começar a me apresentar em shows de drag. Meu amor por apresentar e se comportar como uma garota estava subindo novamente, mas ao contrário da dança japonesa quando eu era criança, isso parecia ainda mais mágico. Foi me dada a oportunidade de provar à comunidade que eu era feroz e, pouco depois da minha estreia, a minha carreira de drag decolou. Eu fui a atração principal em todos os grandes clubes de Chicago em Boystown e ganhei vários concursos de bar na comunidade drag de Chicago. Depois de 3 anos, meu fotógrafo na época, Nestor, me convenceu a fazer um teste para RuPaul’s Drag Race. Ele viu algo em mim que eu obviamente não vi em mim e me empurrou para superar meus medos e falta de confiança. Enviei minha fita e recebi uma ligação dizendo que fui escalada!

>  Michelle Visage | Carta de amor para a comunidade LGBTQ

6º Dia (5 de abril) | RUPAUL’S DRAG RACE

Antes de Drag Race eu nunca soube realmente o que significava ser uma estrela. Quando criança, meus pais me perguntavam o que eu queria ser quando crescer e minha resposta sempre foi “ser bem conhecida por algo em que eu era boa”. Chegando a Los Angeles com 6 caixas de drag e sem ter certeza do que estava me metendo, eu estava determinada a fazer o meu melhor na competição. A oportunidade me apresentou a Hollywood e permitiu-me finalmente reconhecer o meu poder de estrela, enquanto me tornava mais confortável com as luzes, câmeras e ação. Ser jogado em uma sala com outros 12 artistas apaixonados, competindo ferozmente pela mesma coroa, foi esmagador no começo. Mas aprendi a ficar sozinha, sem confiar na ajuda de ninguém ou me incomodar por distração externa. Somente eu, eu e minha arte. Minha experiência no Drag Race foi totalmente positiva e o resultado foi incrível. Indo de uma rainha local para uma artista internacional me ajudou a apreciar o que eu tinha realizado. Eu também recebi uma tremenda plataforma e abençoada com incríveis apoiadores que acreditam em mim e fazem até mesmo essa transição possível. Eu também fui capaz de ganhar uma melhor amiga, Laganja Estranja, para que eu pudesse viajar pelo mundo e compartilhar nossa arte juntas. Mudar a vida das pessoas todos os dias, dando a elas esperança e força – se podemos, você também pode! Eu não posso imaginar qualquer outra plataforma que teria ajudado a moldar o meu futuro e me tornar a pessoa que sou hoje!

>  AS1 | Elenco

Confira as demais partes deste especial (você acabou de ler a parte 2):

Pt1 | Pt2 Pt3 | Pt4 | Pt5 

Pt6Pt7 | Pt8 | Pt9 | P10

DEIXE UMA RESPOSTA

Conecte com




Please enter your comment!
Please enter your name here