Conecte-se conosco

Hi, what are you looking for?

Drag Queens

Who’s That Queen? Tammie Brown

Desde criança ela sonhava em ser drag, vestir-se como uma mulher, ser artista. 21 anos depois, Tammie Brown continua se vendo nas revistas, mas agora você pode vê-la na nova edição da WHO’S THAT QUEEN?

Compartilhe!
🕓 8 min de leitura

Aperte o cinto, escolha seu Teletubbie predileto e prepare-se: ela não vê as crianças andando na natureza e vai nos levar direto para Marte. “Eu sou Tammie Brown e eu vou fazer sua cabeça girar e girar”, afirma a participante da primeira temporada de “RuPaul’s Drag Race” (2009) e “RuPaul’s Drag Race All Stars 1” (2012).

Sobre Tammie muito já foi dito, mas a história que eu vou contar, esta você ainda não conhece. Quando entrei em contato com ela pela primeira vez, via e-mail, meu objetivo era fazermos uma entrevista sobre música. A dela e de outros artistas, claro. Após alguns e-mails, fui instruído pela própria a usar o WhatsApp para prosseguir entrevistando-a. Por lá eu recebi o áudio abaixo, poliglota e nonsense, tipicamente Tammie Brown:

“Olá, Arthur, como você está? Olá é legal. Nós vamos falar sobre… Nós não vamos falar sobre isso, nós vamos falar sobre Tammie Brown, HotSkunx/Zorrillos Calientes, Porta Potty Prostitute, a Little Bit of Tammie, Love Pinata, más fuerte, más duro, hola, tudo bem? Isso é um oi, how are you? C’est bon, c’est bom. Obrigado”.

Depois de ouvir esta saudação curiosa, para dizer o mínimo, preocupei-me em extrair, musicalmente, o máximo possível de Keith Glen Schubert, 40 anos, ator, cantor, compositor e ativista americano, nascido no dia 15 de setembro de 1980, na litorânea Corpus Christi, no estado do Texas.

>  AS5 | Ongina diz como é voltar à Drag Race após 11 anos
>  RuPaul e RuGirls aparecem em “You Need to Calm Down” de Taylor Swift

Durante a infância, Keith começa a demonstrar interesse por elementos como vestidos, sapatos e maquiagem, muito associados a profissão que, anos depois, lhe daria dinheiro e fama: ser drag queen. Este mundo passa a ser melhor desvendado ao longo da infância e adolescência, vividas em cidades texanas como Rockport e Fulton: nesta última, na década de 90, no ensino médio, estudou moda na escola e participou do coral, o que lhe permitiu viver sua fantasia de, finalmente, ter uma drag persona. Atkinson, um de seus professores nesta fase, foi o responsável por tornar público o talento de Keith ao lhe proporcionar as primeiras experiências no palco, como ator.

No baile de formatura, Keith surgiu montado e chocou a sociedade conservadora da terra onde cresceu. Mesmo em um ambiente onde a diversidade não é bem-vinda, ele contou com o apoio de, inclusive, alunos e professores heterossexuais, o que o ajudou neste período. Aos 18 anos, na “Club Divas”, boate de sua terra natal, Keith dá os primeiros passos como drag. Anos depois, já na faculdade, tem aulas de maquiagem. Neste momento, o rosto conhecido pelo grande público de hoje inicia sua viagem até a Hollywood de ouro, marcada por nomes como Joan Crawford e Marlene Dietrich. Desta atriz alemã, Tammie pinta a boca de forma semelhante. Seus lábios e cílios são suas regiões preferidas para maquiar. Sua estética mistura o antigo e o contemporâneo, porém, com pitadas autorais, sem espaço para quem tenta padronizar a arte drag.

“Eu acho que é exatamente o que as pessoas querem, colocar rótulos em tudo e você tem que fazer do jeito que elas querem fazer. É apenas um traço humano que todo mundo precisa para colocar rótulos em tudo e julgar o que eles acham adequado”.

A estreia como Tammie Brown, de fato, aconteceu no Hamburguer Mary’s. Ali, no palco deste bar e restaurante, em Long Beach, coração da Califórnia, a Tammie nasceu. Ela também radicou-se neste estado em 2003 e, desde então, entre as muitas coisas que fez, uma delas tem sido constante: música.

No dia 28 de abril de 2007, Tammie lança “Whatever”, seu debute. Em 27 de novembro, é a vez de “Shaka Buku U”. Estes singles antecederam o álbum de estreia que estava por vir, “Popcorn”, de 18 de março de 2009. Formado por sete faixas, sendo quatro delas divididas com Stacey Lee Big, rendeu cinco singles para Tammie.

Advertisement. Scroll to continue reading.

Disponível somente no iTunes e Amazon Music, “Hot Skunx/Zorillos Calliente”, é o segundo álbum de Tammie. Chegou ao mundo em 11 de março de 2014. Neste trabalho, Michael Catti faz participação especial em quatro músicas, mesmo número de singles: deles, o penúltimo lançado desta era, é “Walking Children In Nature”, de 14 de junho. A promoção encerrou com “I Stay Connected”, em 11 de maio de 2015. Antes disto, Tammie lançou, solitariamente, “Love Pinata”, também em 2015.

A carreira musical segue com o lançamento do EP “Little Bit Of Tammie”, em 27 de setembro de 2018, e “Schubert”, seu álbum mais recente, de 18 de outubro de 2019, também com diversos singles trabalhados.

Hoje em dia, Tammie pode orgulhar-se de seus 21 anos como drag queen, completados no último dia 19 de outubro deste ano. Para celebrar o aniversário desta virginiana, confira a seguir a entrevista abaixo, na qual falamos do começo de sua carreira musical, parceiros importantes, drag music, língua espanhola, custos para fazer um videoclipe, qual música brasileira ela escuta, quem são suas referências musicais, entre outros assuntos.

Tammie, desde sua estreia com “Whatever”, em 2007, você já lançou três álbuns de estúdio, um EP, vários singles e videoclipes. Quando tudo isso começou, você imaginou que esta indústria cresceria e mudaria tanto?

Sempre fui aberta à indústria musical, eu sempre soube de outros artistas e sempre estive disponível para estar em um nicho de mercado no qual eu estou… ou seguindo um culto. E eu sempre acreditei que a indústria seria acessível para mim, você só tem que continuar e acreditar.

Também percebo, em sua trajetória musical, uma constância de parceiros, como Michael Catti, Kelly Mantle, entre outros. Como esses artistas influenciam e inspiram você?

Advertisement. Scroll to continue reading.

Trabalho com Rodrigo Beroso desde o “Clam Happy!” e até no último álbum, “Schubert”. Michael Catti e eu ainda estamos trabalhando juntos e eu acho que influenciamos um ao outro. As pessoas amam a dinâmica entre Michael e eu. Nós gostamos de chamar de Brown e Catti. Há Kelly Mantle. Não estamos mais em uma banda juntas, mas nós nos divertimos na série The Browns.

Gostaria que você contasse sobre como “I Love You, I Love You, I Love You” nasceu. Desde que a escutei pela primeira vez, ela não saiu mais da minha cabeça.

Essa música foi apenas uma música divertida que eu escrevi um tempo atrás. Michael Catti estava um pouco hesitante em trabalhar nela sendo que é tão inocência romântica, mas eu me inspirei em The Ronettes e os anos 60. Sinto que eu escrevi a letra e Michael ajudou a compor a música.

>  Gigi Goode fura quarentena para filmar com Jeffree Star
>  Who's That Queen? Maxi Glamour

Quando a drag music estava engatinhando, por assim dizer, você e alguns outros já estavam lançando músicas, desenvolvendo trabalhos musicais. Com a popularização do drag, como você vê seu papel nesse cenário? Claro que tivemos nomes inesquecíveis como Divine, mas há uma clara retomada da música drag de uma década atrás.

No que diz respeito à música, eu gosto de entreter e sempre quis ser uma grande artista musical entertainer como Tina Turner. Eu amo a música da Divine, eu até gostei de “Supermodel (You Better Work)” da RuPaul e músicas como “Snapshot”. Não importa para mim se a música é popular ou não, eu só gosto de transmitir boas mensagens, música divertida, letras peculiares, às vezes exageradas, algo que você tem que ouvir, na verdade. Eu até escrevo músicas em espanhol. Eu também gostaria de mencionar a diva disco, ele mesmo, Sylvester.

Fiquei impressionado com os primeiros discos dele. Ouvi no Spotify e, aproveitando o momento: quando comento sobre drag music as pessoas viram o rosto no geral. Quase sempre optam por: “Eu não ouvi e não gostei”. O que você acha de reagirem tão estranhamente a uma arte feita por nós, merecedora de registros e aplausos, por sinal?

Advertisement. Scroll to continue reading.

Bem, eu acho que as pessoas precisam relaxar porque eu sempre ouvi música drag. Havia uma drag chamada “Pussy Tourette”, havia também “Kiki and Herb” e tantos outros. Eu acho que é importante relaxar e, quero dizer, às vezes há alguma música que não é realmente palatável e eu entendo isso também.

Sua relação com a língua espanhola me chama atenção. Você pretende um dia gravar um álbum em espanhol?

Aprendi meu espanhol no México. Morei no México por cinco anos. Eu estudei e fui para a escola e aprendi muito sobre a arte do México, então, é uma grande influência na minha vida, meu coração está no México. Sim, eu estou atualmente escrevendo duas músicas em espanhol que eu vou trabalhar com Michael Catti. Elas são um pouco mais no gênero folk, mas vamos ver. E sim, um dia eu tenho a fantasia de lançar um álbum de estilo mexicano latino-americano espanhol.

Hoje em dia, um vídeo ajuda uma música a acontecer na internet. Tornou-se uma tendência e algo que você tem feito em sua carreira. Foi gosto pessoal, intuição de mercado? O que te motiva a registrar as músicas dessa forma?

Pelo contrário, eu não diria que hoje em dia um vídeo ajuda essa música, eu acho que os vídeos sempre ajudaram as músicas, é que a indústria musical mudou drasticamente. A MTV não toca mais videoclipes, então, eu não diria que os vídeos ajudam a empurrar a música junto. Às vezes você paga mais dinheiro para fazer um vídeo do que você fazer essa música.. Quanto aos direitos autorais da minha música, acho muito importante que eu possa ter os royalties a que tenho direito para criar minhas pequenas obras-primas. Todo mundo deveria publicar suas músicas se eles escreverem uma música parte do negócio.

Tammie Brown (S1 e AS1)

>  Nina Bonina critica falta de ação de Drag Race contra racismo do fandom
>  As vencedoras de RuPaul's Drag Race refletem suas jornadas desde a vitória (pt2)

Quando comecei a ouvir drag music, imediatamente notei a cultura do coletivo, com pessoas colaborando entre si, sejam em feats ou participações especiais em vídeos. Concluo que uma cultura que sempre foi subjugada, precisa desse tipo de atitude para sobreviver. O que acha disso?

Algumas drag queens podem fazer todas as suas próprias músicas, como a Kelly Mantle, mas é bom sempre trabalhar com outros artistas e colaboração é uma coisa maravilhosa a se fazer. Eu sempre fui aberto à colaboração. Eu vou continuar a colaborar também elevando outros artistas. É muito importante para mim e para a minha marca.

Em suas músicas e vídeos, a referência a outras épocas e estilos é notável. Em que década a cabeça da Tammie cantora vive ou gostaria de viver? Por qual razão?

Advertisement. Scroll to continue reading.

Eu fui influenciado por todos os tipos de música de todos os tipos de tempo. Eu diria que os anos 70 e 80, até os anos 90, têm sido uma grande influência na minha música e atualmente estou sempre criando novas músicas de acordo com o tempo, mas com meu próprio toque, minha própria originalidade. Eu diria, no entanto, que certos gêneros de música eu consideraria mortos, além dos fatores independentes, como música independente, que eu não sei o suficiente, mas eu gosto. Eu também me consideraria um artista que, por acaso, faz drag, misturado ao fato de ser uma pessoa de negócios. Meu próprio império que é administrado por uma equipe nossa.

Quando você acessa na sua memória, qual é a primeira lembrança de quando você estava no palco e percebeu: eu sou uma estrela?

Toda vez que estou no palco tenho essa sensação de que não há uma vez ou outra que eu não possa dizer que eu não tenha essa sensação de algo que vem comigo quando eu chegar ao palco. Quero dizer, sim, os outros são melhores do que os outros, mas isso é a vida.

Uma canção da banda The Ronettes que um dia você adoraria gravar?

Eu amo tantas das canções de chuva de sucesso. “I Wish I Never Saw The Sunshine” é uma das melhores, tão deprimente, mas bom, agora você vê porque eu não tenho amantes. Só brincando. Eu tenho muitos amantes. Eu sou Schubert!

Uma canção sua que você adoraria ver outra pessoa cantar?

Estou aberta a ter pessoas cantando qualquer música minha que queiram cantar, desde que isso as faça se sentirem bem e isso faz com que elas queiram fazer isso e ter que fazer isso. Estou planejando compartilhar algumas das minhas músicas. Na verdade, uma das minhas músicas de natal é chamada de “Blue Mistletoe” e pretendo compartilhar ela com minha querida amiga BarbieQ. Eu estou no processo de fazer novas músicas que serão uma vibração espetacular da sensação musical de Tammie Brown.

Advertisement. Scroll to continue reading.

Tammie Brown (S1 e AS1)

>  Asia O’Hara desabafa sobre ameaça racista de agressão que sofreu recentemente
>  Shangela fala sobre como foi trabalhar com Bradley Cooper e Lady Gaga em 'A Star Is Born'

Antes de nos despedirmos: quem você gosta de ouvir que ninguém imagina?

Quem eu gosto de ouvir que ninguém imagina, provavelmente, é o Jimmy Buffett. Há um álbum do Jimmy Buffett que eu amo até a morte: “Last Mango In Paris”.

Se você pudesse ter escrito uma música da Tina, qual seria?

River Deep Mountain High.

Você ouve o álbum de algum artista brasileiro?

Conheço uma música brasileira: a música La Lambada, que foi um sucesso internacional.

Por fim: drag é um ato político?

Eu acho que hoje em dia apenas o fato de quase viver é um ato político. E eu acredito que todos os nossos políticos são corruptos, eles são funcionários públicos e as pessoas precisam acordar para isso e responsabilizar eles pelas injustiças que estão acontecendo.

Advertisement. Scroll to continue reading.

Siga as redes sociais de Tammie Brown: Facebook, Instagram, Twitter e YouTube. Seu site é planettammie.com.

Compartilhe!
Clique para comentar

Deixe uma resposta

Veja Também

Drag Queens

Ela tem muitas bolas para ser uma lady: conheça mais de Mrs. Kasha Davis, a queen da S7 de RuPaul's Drag Race, que sempre...

Entrevistas

A rainha brasileira Rhubarb Rouge, que vive na Nova Zelândia, nos concedeu entrevista exclusiva em que relembra o começo da carreira, explica sua paixão...

Destaques

“Devemos lutar por nossos irmãos queer e trans”, Maxi Glamour, a drag monstra não binária de Dragula nos concedeu uma entrevista exclusiva, em que...

Drag Queens

Por onde anda Scaredy Kat? Um ano após sua passagem em Drag Race UK, a rainha vegana que gosta de novelos de lã e...

Propaganda

We're born naked & the rest is drag. Portal de notícias, humor e babados sobre RuPaul's Drag Race, drag queens, arte drag, comunidade LGBTQ+ e cultura pop.

Contato: draglicious@outlook.com

Draglicious 2020 © Todos os direitos reservados.