Conecte-se conosco

Hi, what are you looking for?

All Stars 5

AS5 | Nada pode parar as rainhas All Stars de Drag Race

Uma pandemia não vai derrubar o feroz elenco do All Stars: “Você não pode abrir uma porta para uma drag queen e depois pensar que isso vai se fechar na cara dela”. Confira matéria especial do All Stars 5!

Compartilhe!
🕓 15 min de leitura

Você não saberia apenas olhando Shea Couleé – a confiança fria em seus olhos, o vestido texturizado (um presente de Marc Jacobs) caindo em cascata em seu corpo flexível – mas o mundo do lado de fora da janela dela está em caos absoluto.

É uma manhã brilhante em meados de maio, e a superestrela drag está trancadaa dentro de sua casa, socialmente distanciada e protegida devido ao surto em curso do COVID-19 que a impediu de se apresentar em público após o fechamento dos estabelecimentos em todo o país (sem shows de teatro ou turnês mundiais) e as restrições às reuniões (adeus, gorjetas) provocaram uma parada potencialmente catastrófica em sua carreira.

Com uma equipe de produtores treinando-a na mais recente sessão de fotos de capa digital da Entertainment Weekly via Zoom, Couleé não parecia incomodada enquanto fazia poses na frente de um cenário feito por ela mesma. A cadeira de plástico transparente apoiando-a brevemente no enquadramento, entre flasheas de penas pretas (um acessório transparente nunca entra em conflito), e é evidente que a finalista da S9 de RuPaul’s Drag Race pensou em todos os aspectos desta produção. Mesmo a ameaça de uma pandemia não pode impedir uma rainha de encontrar uma maneira de transformar qualquer assento velho em trono.

Alguns dias depois, Shea e sua corte real de irmãs drags se juntaram em uma videoconferência. As dez integrantes do elenco da quinta temporada de RuPaul’s Drag race All Stars – Couleé, Alexis Mateo, Blair St. Clair, Derrick Barry, India Ferrah, Jujubee, Mariah Balenciaga, Mayhem Miller, Miz Cracker e Ongina – para conversar sobre seu retorno ao programa competitivo da VH1. No entanto, por mais que pareçam telefonar de locais diferentes, nenhuma dessas garotas é uma rainha coroada no reino de RuPaul. De fato, a razão pela qual eles estão disputando um lugar no Hall da Fama de Drag Race é porque, bem, eles violaram a regra cardeal de Mama Ru: eles fuder*m com tudo da primeira vez.

“Todos nós nos damos mal alguns dias e, às vezes, esses são os dias em que você é mandada para casa”, diz Couleé, relembrando sua primeira tentativa de conquistas a coroa do show em 2017. “Fico feliz que tenhamos a chance de nos redimir”.

Na realidade, seja na distante história de Drag Race como Ongina (primeira temporada) ou competindo pela terceira vez Jujubee (S2 e AS1) ou representando jovens rainhas criadas na estética comercial do show (Blair St. Clair da S10), cada personalidade do All Stars 5 foi convidada a voltar porque elas incorporam a excelência de Drag Race, tanto no ar quanto pelo que conquistaram em suas carreiras pós-show. E essas lendas estão voltando com dois objetivos: entreter-nos nesses tempos sombrios e reescrever seus próprios destinos como as estrelas tenazes que nasceram para ser – tudo contra obstáculos sem precedentes aos seus estilos de vida.

“Eu digo isso a cada episódio: com grande poder, vem uma grande responsabilidade”, reflete RuPaul em sua casa em Los Angeles, onde ele filmou recentemente a reunião da 12ª temporada e seu final virtual em quarentena:

“Minhas estrelas já competiram antes e experimentaram a montanha-russa da fama que vem depois dessa exposição global. Quando eles retornam para o All Stars, todos os aspectos da competição aumentam para 11. Se o Drag Race é uma competição de talentos, o All-Stars é uma super aula de como sobreviver no show business”.

Esse testemunho de resistência não poderia ter chegado em um momento melhor. Mesmo sem os desafios de uma crise de saúde pública, não é fácil para uma rainha se sustentar a longo prazo na economia massiva – mas cada vez mais lotada – de Drag Race.

>  AS5E05 | Runway | Prom Queen
>  Pabllo Vittar: 'Brasil já era paraíso gay muito antes de eu nascer'

Após 11 anos no ar, com um elenco grande de superestrelas ddrags, em suma: a competição continua a crescer. Com 153 rainhas disputando 12 temporadas regulares em duas emissoras diferentes, o fenômeno Drag Race se transformou em uma marca global que conquistou 13 Emmys e agora inclui convenções globais, spin-offs de TV internacionais e um show de teatro permanente em Las Vegas (atualmente em pausa devido ao COVID). Independentemente de terem vencido a competição ou terem feito as malas no primeiro episódio, todas essas oportunidades podem promover as concorrentes da marca em artistas confiantes com uma renda estável. Ainda assim, a chance de voltar para outra trama televisionada para arrebatar a coroa é um presente que a equipe do All Stars 5 não despreza.

“Em vez de fazer isso por outra pessoa, como minha família ou amigos, agora eu fiz isso por mim”, explica India Ferrah da terceira temporada. Para ela, o All Stars é uma chance de aumentar sua renda no circuito do mundo real e reintroduzi-la no crescente grupo de fãs mais jovens de Drag Race. Preencher a lacuna de geração é fundamental, uma década após sua primeira chance para se tornar a America’s Next Drag Superstar terminar abruptamente uma semana depois de Mimi Imfurst, sua frenemy da S3, a carregar nos ombros durante uma dublagem. Foi um momento chocante (e perversamente divertido) que acabou mandando Imfurst para casa, mas assombraria a carreira de Ferrah por anos:

“Todo show que eu fazia era:‘ O que você achou quando Mimi te carregou? Você a odeia? Você ainda fala com ela? ‘Era sempre sobre Mimi Imfurst, nunca era sobre o que eu estava trazendo para o show. Isso pode fud*r com você, mentalmente…. Felizmente, o All Stars 5 me deu [redenção], e eu posso mostrar meu crescimento e mostrar a Índia 2.0”.

O episódio de estréia do All-Stars 5, com participação de Ricky Martin, rolou na sexta-feira (5 de junho), depois de dar a suas rainhas experientes uma lousa limpa para se reintroduzirem em um espetacular show de variedades. Em exibição durante o primeiro desafio da temporada, estavam os tipos de habilidades necessárias para se destacar em uma indústria superlotada, como pole dance, canto, coreografia, personificações cômicas e até mesmo um número de rap inspirado no meme icônico do olhar penetrante de Mayhem Miller.

Advertisement. Scroll to continue reading.

Foi tudo muito polido e marcou um ponto glamuroso de evolução na história em expansão dessa forma de arte, um notável afastamento da estética das principais corajosas e anti-padrão Drag como as rainhas transgêneros Marsha P. Johnson e Sylvia Rivera (veja aqui), que lutaram pela igualdade LGBTQ e deu rosto à cena corajosa e rebelde que criou RuPaul nos anos 80 e 90. De pé sobre os ombros de tais ativistas, Drag Race é revolucionário por si só, tendo mudado a face da representação queer na grande mídia. Mas, assim como a Drag Race levou os reality shows de baixo orçamento a novos patamares, a estréia do All Stars 5 mostrou exatamente como seus concorrentes evoluíram ao longo da última década, moldando-se em ícones auto-sustentáveis ​​que alguns de seus ancestrais drags podem ter sonhado de se tornar.

“Nós não vamos para a faculdade e nos formamos em drag”, diz Derrick Barry, competidora da 8ª temporada conhecida por personificar Britney Spears, que agora está determinado a se livrar dessa pele performativa. A showgirl de Las Vegas credita a dinâmica da família escolhida de Drag Race por ajudá-la a aprender melhores habilidades de maquiagem e conhecimento de negócios suficiente para esculpir uma passarela como artista individual versus um clone de celebridade. “Somos autodidatas e aprendemos uns com os outros … Ninguém nos ensinou a fazer nada na escola quando se trata de fazer drag e deixar sua marca”.

Dessa forma, Drag Race é uma universidade de prestígio e um empregador autossustentável que recicla os graduados de volta à máquina. Ser uma RuGirl geralmente significa unir-se a uma família e a um paraíso comercial, produzindo novos eventos ao vivo e projetos de TV com a World of Wonder, a produtora por trás do programa de TV. Mas o que começou em 2009 como uma brincadeira campy filmada “na garagem da casa de alguém”, brinca Ongina, expandiu-se rapidamente para se tornar uma poderosa dinastia.

“Essa franquia sempre teve vida própria. É como uma drag queen louca – uma jovem drag queen louca, e estamos lá para continuar a desenvolvê-la”, diz Randy Barbato, co-criador de Drag Race. Juntamente com os produtores executivos Fenton Bailey e Tom Campbell, Barbato ajudou a conceber o show como um projeto de transição para a carreira de RuPaul em meados dos anos 2000, depois que o ícone drag teve um hiato de oito anos no centro das atenções para renovar sua vida pessoal e profissional. Ainda assim, o grupo não tinha ideia de que iria comandar o fenômeno até 2020, pois ganhou seguidores e impulso ao tomar para si o que a sociedade não estava disposta (ou pronta) a dar por conta própria. “O programa definiu para nós que seria uma marca global, não era engenharia.”

Barbato atribui o sucesso à abordagem viciante (e variada) das rainhas em sua arte. Seis anos após a corrida de Drag Race, ficou claro para ele que a paixão pelo programa havia crescido demais para ser contida dentro dos limites de uma tela de TV e que precisava de um centro físico. Então, a World of Wonder reuniu oa fãs para apoiar seus ídolos. E foi assim que nasceu a RuPaul’s DragCon.

Advertisement. Scroll to continue reading.

DragCon UK 2020, Dia 1: RuPaul e várias rainhas na abertura do evento

>  Aquaria tem uma mensagem muito importante para o fandom de Drag Race
>  Entrevista Exclusiva: Bruno Alcântara, pitcrew de Drag Race

“Parecia a coisa certa a se fazer ao prestar um serviço aos fãs e uma oportunidade para as rainhas ganharem dinheiro”, explica Bailey. A DragCon (basicamente uma Comic-Con para queers) atraiu 10.000 participantes e 115 estandes de fornecedores para sua estréia em 2015 em Los Angeles. Entre as edições de Los Angeles e Nova York, esse número cresceu para 100.000 quatro anos depois, e gerou 8,2 milhões de dólares em vendas de mercadorias de 441 fornecedores ao todo em 2019.

O poder monetário não é garantido sem um produto desejado no centro da franquia, e os mentores de Drag Race sabiam que, com a chegada do All Stars 5, teriam que ajustar a receita para alimentar a fome dos fãs, assim como as rainhas devem se reinventar para entreter em escala global. A chave para chocar o sistema estabelecido é lançar um conjunto exigente, como evidenciado pelo trabalho do co-showrunner e produtor executivo Mandy Salangsang, um titã de reality show que trabalhou em projetos como Flavor of Love e Rock of Love até RuPaul’s Drag Race, onde aterrizou na quarta temporada. “Nós olhamos para quem entra nesta plataforma e tira vantagem disso, e quem vai dar um ótimo show para nós”, diz ela, explicando que parte da diversão é explorar estilos diversos de drag e as almas igualmente ecléticas por baixo de cada persona.

E então tem a reviravolta do All Stars 5, talvez o maior ajuste no formato da competição até o momento. Normalmente, o All Stars reúne duas vencedoras do desafio semanalmente, que fazem um lipsync para determinar quem será a eliminada do grupo. No All Stars 5, no final de cada episódio, RuPaul ainda nomeia um vencedor do desafio principal e as rainhas com o pior desempenho da semana. Mas a rainha principal agora faz a dublagem pelo seu legado contra uma lipsync assassin do programa que retorna apenas para este duelo. Se a rainha do All Stars 5 vencer a batalha, ela ganha 10 mil dólares e o poder de eliminar uma rainha do bottom. Se a lipsync assassin vencer, a maioria dos votos expressos (realizada antes da dublagem) decidirá quem do bottom2/3 será eliminada, e a gorjeta de 10 mil vai acumulando até que uma rainha All Stars finalmente triunfe num lipsync. Pode ser uma jogada espetacular para os espectadores, mas a reviravolta acrescentou um nível de paranóia para algumas rainhas da temporada. “Você pode votar em segredo nos Estados Unidos”, diz Miz Cracker, exibindo seu sorriso maroto, travesso, aninhado sob uma nuvem de cabelo loiro.

“Mas em Drag Race, a verdade será revelada e nem sempre a libertará. Às vezes, isso vai te mandar para casa, por isso é uma democracia muito mais assustadora em Drag Race!”.

Embora sejam irmãs em arte, competir contra o seu clã Drag Race no mundo real dos negócios fora da competição televisionada pode parecer um duelo amargo de valor de mercado. Embora a exposição não seja um problema – mesmo para rainhas eliminadas pela primeira vez como Vanessa Vanjie Mateo, da 10ª temporada, que se tornou uma advogada da comunidade após sua icônica temporada de um episódio – os locais que contratam uma RuGirl (e o seu cachê) são pelo menos parcialmente ditados por qual posição ela terminou na competição.

Pegue Blair St. Clair – um ex-garoto de teatro de olhos arregalados e obcecado pela Broadway – que terminou em nono lugar em 2018. Desde então, ela superou o que sua performance medíocre na décima temporada sugeriu sobre seu poder de estrela, emergindo como uma artista musical cujo single de 2019 “Easy Love” marcou o primeiro lançamento no importante acordo de publicação da agência de gerenciamento de drags Producer Entertainment Group com a Warner Music. A rinha diz que:

Advertisement. Scroll to continue reading.

“É um investimento quando você volta [ao All-Stars] para fazer isso, porque está dizendo: ‘Vou colocar minha carreira em risco para que todos examinem e julguem’. Porque isso acabará voltando para mim e minha carreira”.

Mesmo que esse compromisso valha a pena com uma coroa do All Stars e seu cheque de 100 mil dólares, as rainhas ainda lutam para serem levados a sério como artistas, apesar de se terem o status como alguns dos artistas mais lucrativos do mundo, em sua área. Eles comandam fãs gritando que lotam seus shows em massa – o ícone Drag Race Shangela liderou uma turnê mundial ao longo de 2018 por 184 cidades em locais que variam de boates a cinemas com lotação de 1.000 lugares, enquanto a campeã da 6ª temporada Bianca Del Rio se tornou a primeira drag queen solo a se apresentar na Arena Wembley em Londres com capacidade para 12.500 pessoas em 2019 – frequentemente para o choque de ações heteronormativas.

“Muitos desses locais ficam tipo, ‘Oh, você está fazendo um show de drag antigo? Ótimo”, Trixie Mattel, campeã do All Stars 3, cantora e comediante, disse anteriormente à EW nos bastidores de sua turnê Grown Up durante uma pausa em fevereiro. Mattel também estrelou um documentário, a série do YouTube UNHhhh, e lançou três álbuns produzidos de forma independente (ela diz que o mais recente, Barbara, recuperou suas despesas de produção duas semanas após o lançamento).

“Nós nos apresentamos e vendemos 10 bilhões de dólares em bebidas, esgotamos os ingressos, vendemos o meet and greet e eles ficaram tipo ‘Huh?’ Acabamos sendo uma lição. Nós vendemos um milhão de ingressos e 15 dólares por cabeça em mercadorias, enquanto sua pequena banda vende quatro [camisas]”.

>  AS5 | Rumor | Spoilers do segundo episódio
>  Drag Race All Stars 5 será exibido na VH1, Showtime fora

O argumento da Mattel é um exagero, é claro, mas é baseado na realidade. Antes do estouro de popularidade do programa, drag simplesmente não estava comandando os números massivos, a venda de ingressos e o apoio popular que ele recebe agora. E coisas como a DragCon e a ascensão de Drag Race através de anúncios comerciais ajudaram a “colocar no mapa que somos artistas plenamente realizados”, observa St. Clair. Mariah Balenciaga, diva sem noção da terceira temporada, dá mais crédito à Drag Race por contribuir e mudar o negócio das rainhas, o suficiente para que elas possam chegar a um patamar onde investir milhares de dólares em roupas, maquiagem e cabelo para um retorno ao All Stars seja possível.

Advertisement. Scroll to continue reading.

“Antes do Drag Race, as garotas de concurso eram as melhores na escala salarial”, diz Balenciaga, referindo-se aos artistas que, como os amplamente conhecidos Miss America ou Miss Universe, ganharam fama na indústria através de concursos de beleza drag mais padronizados e glamourosos. “Quando chegamos, não sabíamos qual era o nosso valor de mercado ou qual era o nosso valor. Não sabíamos o quanto as boates estavam pagando baseado em nossos nomes em um reality show. “

Após sua eliminação na terceira temporada, Balenciaga se lembra de ter sido enganada financeiramente por caçadores de talentos falsos, graças a – diferentemente do campo atual – falta de agências de credibilidade de gerenciamento de carreiras drag e, apesar de sua nova fama na TV, ser explorada pelos proprietários de boates que, ela diz, pagavam-lhe menos do que o que outras personalidades de reality de TV ganhavam.

“Snooki e o elenco de Jersey Shore… não precisavam fazer o próprio cabelo ou maquiagem. Eles seriam cuidados e não precisariaam fazer nada quando fossem à boate, mas receberiam 10 mil dólares por comparecer“, teoriza Balenciaga. Ela acrescenta que a agitação no circuito, tanto como uma personalidade da televisão quanto como uma artista autodidata, a forçou a aplicar uma atitude severa para ganhar respeito na cena. “[Agora] vou entrar em um bar ou clube e tenho uma ideia geral do preço, vejo quantas mesas estão ocupadas. Eu sei melhor porque sei [quanto dinheiro] a noite vai gerar”.

O impacto do programa também chegou à cena local. Agora, há mais interesse do que nunca na arte de artistas queer de todos os gêneros e sexualidades. “Não acho justo dizer que Drag Race veio e salvou o mundo da drag”, diz Cracker, uma rainha da cidade de Nova York. “Mas criou uma economia de expectativa para que as meninas pudessem dizer: ‘Ei, valho algo como drag queen. Independentemente de eu estar ou não em um programa, mereço essa quantia de dinheiro X. Isso não existia antes”.

É certo que o elenco do All Stars 5 tem privilégios distintos, pois, enquanto permanecerem na competição nos próximos dois meses, seus rostos serão transmitidos nacionalmente na VH1, mas muitos artistas drag sofreram golpes devastadores enquanto os locais em que se apresentam continuam fechados em virtude do COVID-19. Das drags com maiores cachês aos artistas locais que buscam dinheiro fora dos holofotes, não está fácil para ninguém: as performers do setor sofreram. Vigor Mortis, um drag king trans de Nova York, contabilizou a perda de cerca de 1.500 dólares de um mês que seriam de eventos já pagos, mas que já foram cancelados. E a Catrina Lovelace, do Bronx, perdeu 2.500 dólares em de cachês no mesmo período. Na parte superior, antes do adiamento da DragCon de Los Angeles (e posteriormente mantido on-line como uma apresentação digital), a concorrente da 11ª temporada de Drag Race, Soju, esperava que as vendas de mercadorias rendessem uma quantia semelhante à do ano passado, em torno de 10.000 dólares. A vencedora da 9ª temporada, Sasha Velor, também diz que perdeu pelo menos 100.000 mil dólares após as datas europeias de sua turnê Smoke & Mirrors terem sido canceladas em março.

Advertisement. Scroll to continue reading.

Mas também houve um aumento na inovação por parte dos artistas drag. Biqtch Puddin, que venceu a segunda temporada de Dragula, apresentou o evento Digital Drag Show, que transmitiu performances virtuais (incorporando projeção avançada e apresentações gráficas), enquanto incentivava que o público desse gorjetas todas as noites de sexta-feira no serviço de streaming do Twitch, desde 20 de março.

“Drag queens são incrivelmente engenhosas”, diz Bailey da World of Wonder. ”Tudo isso remonta a não ter dinheiro ou recursos e não obter respeito cultural. Tem sido uma arte do tipo faça você mesmo, e é ainda mais inventiva e vital para isso”. Barbato concorda: “Tantas drag queens estão chegando e não vão a lugar algum… A indústria do entretenimento acaba de começar a abrir suas portas para elas. E você não pode abrir uma porta para uma drag queen e depois pensar que isso vai se fechar na cara delas”.

>  AS5E08 | Runway | All Stars Eleganza
>  RuPaul's Drag Race All Stars 5 terá Untucked

Como Balenciaga observa, a atual necessidade de superar as limitações relacionadas ao coronavírus e ganhar dinheiro “é a mãe de toda invenção”, e a perseverança que queens, kings e artistas de drags LGBTQ incorporaram como párias da sociedade antes do reinado de Drag Race permite que eles adaptem-se ao presente enquanto cria novas plataformas e meios sustentáveis ​​de renda que podem prosperar mesmo após o término da pandemia. Em quarentena, Ongina sente que agora está exibindo totalmente seus talentos como agente de produção, editora e diretora criativa, algo que Couleé diz ser inerente à profissão:

“Em nossa essência, somos produtores. Criamos shows. Sabemos usar pouco e transformar isso em uma fantasia completa…. Tivemos que mudar e contornar essa curva de aprendizado, mas quando se trata de conteúdo doméstico que estamos vendo de [mentes] criativas, as rainhas drags estão no topo do totem porque estamos definindo um nível tão alto. Nós já sabemos como produzir rapidamente”.

E de sua posição de drag suprema líder, mama vê orgulhosamente suas filhas prosperarem, RuPaul diz:

Advertisement. Scroll to continue reading.

“Quando as coisas ficam duras, os duros se reinventam. Na minha vida, as drag queens estiveram na linha de frente de Stonewall, na crise da AIDS e na luta pelo casamento igualitário. Vai ser preciso muito mais do que a senhorita Corona Virus para nos derrotar. Onde há drag, há esperança”.

Olhando para o futuro, Bailey e Barbato prevêem mais adições ao império de Drag Race. Além das adaptações existentes na América do Sul, Canadá, Reino Unido, Tailândia e Austrália, existem pelo menos três outros territórios internacionais que podem receber versões próprias de Drag Race. E isso não é tudo. “A coisa mais louca [já lançada] é a idéia de Randy de um parque temático de Drag Race”, diz Bailey. Barbato sustenta que é uma proposta séria: considere que a Modelland, de Tyra Banks, com tema de moda na Califórnia – que se baseou no sucesso de America’s Next Top Model – seria inaugurada em maio, mas foi adiado devido ao COVID-19. Uma fantasia mais realista com a qual ambos concordam é o sonho de construir um cassino de Drag Race em Las Vegas, talvez ao lado de Drag Race Live! residência que foi lançada no hotel Flamingo em janeiro.

As rainhas prevêem que continuarão na linha de frente com a ajuda da exposição oferecida por sua plataforma mais popular, e utilizarão seu palco global para interromper tudo da “vida normal fora do teatro”, como Cracker espera, desde a fortaleza de Hollywood às fortalezas da moda que escolhiam as artistas de drag, em vez de incluí-las no processo.

Mesmo além do reino do show, o drag agora é uma parte legítima da programação de TV a cabo e streaming de maneiras que seria impossível imaginar antes de Drag Race. A já mencionada Dragula das Boulet Brothers – uma mistura temática de horror de Fear Factor e Drag Race – ganhou popularidade na Amazon Prime e Netflix; o serviço de streaming de vídeos curtos Quibi utilizou a docuseries de Sasha Velour NightGowns como um dos títulos de lançamento da plataforma em abril; A TLC recentemente coroou a primeira temporada de seu projeto de transformação drag, o Dragnificent! (também apresentado por Jujubee do All Stars 5); e a HBO escalou as favoritas dos fãs de Drag Race Shangela, Bob the Drag Queen e Eureka para viajarem por pequenas cidades dos EUA durante a primeira temporada de seu programa, We’re Here. Ongina diz:

“Quero nos ver retratados como verdadeiros artistas drag. Eu não quero ser ‘drag queen assassinada extra’ [figurante]. Quero papéis criados especificamente para drag queens em sérios [projetos].”

Advertisement. Scroll to continue reading.

Blair St. Clair acrescentou:

“Quero ver as drags em publicações e revistas de moda como modelos. Nós usamos tantos cosméticos…. Nós influenciamos os designers do ponto de vista de moda. Eu adoraria ver que temos espaço nas publicações versus ‘Oh, eu tenho uma ideia de uma rainha, mas vou colocá-la em uma modelo em vez de uma drag queen’”.

>  Entrevista: India Ferrah fala sobre All Stars 5
>  Novas temporadas de RuPaul’s Drag Race

Tudo isso, projeta Jujubee que isso “criará espaços mais seguros para uma criança queer que quer ser levada a sério nas artes. Somos claramente artistas, [mas queremos] ser levados a sério como intérpretes”. Enquanto Mayhem Miller enfatiza que não podemos afrouxar os laços familiares vitais para orientar a comunidade enquanto o mundo se cura:

“Sempre conseguimos nos unir, elevar e prosperar conforme a ocasião. Quando isso acabar, todo mundo voltará ao trabalho e será igualmente feroz, se não melhor, porque todos tiveram tempo de reavaliar o que é importante. Todos se reunirão como uma comunidade, sabendo que precisamos voltar ao trabalho, apoiando um ao outro, indo a nossos bares e boates e garantindo que todos nós cuidemos [da comunidade]. Esse é o próximo passo”.

RuPaul, cuja propensão ao espírito renegado de drag não diminuiu, mesmo em quarentena, tem como objetivo revidar incentivando seu reino drag para os mais resistentes: “No próximo ano, espero que possamos realizar um Drag Race Rusical original na Casa Branca”, brinca.

Advertisement. Scroll to continue reading.

Para ler mais notícias do AS5 clique aqui.

Nota dos editores: Esta sessão de fotos e suas entrevistas foram realizadas antes dos protestos em torno da morte de George Floyd e da brutalidade policial. Para ajudar a combater o racismo e a transfobia sistêmica, considere fazer uma doação para a Sylvia Rivera Law ProjectColor of Change e o Equal Justice Initiative.

Compartilhe!
2 comentários

2 Comments

  1. Erica Suguimoto

    13 de junho de 2020 at 15:26

    Faltou a Cracker! E tem Ongina duas vezes. 🥺

    • Saulo Adelino

      14 de junho de 2020 at 11:11

      Ahhhh, valeu pelo toque. Já arrumei!

Deixe uma resposta

Veja Também

All Stars 5

All Stars 5 chegou na Netflix Brasil, vamos maratonar? Yassss!!!

All Stars 5

Alexis Mateo fez um desabafo sincero sobre a desvalorização de rainhas latinas em RuPaul’s Drag Race, afirmando que saem do show sem nada.

All Stars 5

Derrick Barry e Mayhem Miler fazem as pazes, após a impersonator de Britney desmerecer parte do elenco do All Stars 5, confira!

All Stars 5

Derrick Barry declarou que o elenco do All Stars 5 “tem poucas estrelas” e Mayhem Miller retrucou a irmã de temporada. Várias RuGirls se...

Propaganda

We're born naked & the rest is drag. Portal de notícias, humor e babados sobre RuPaul's Drag Race, drag queens, arte drag, comunidade LGBTQ+ e cultura pop.

Contato: draglicious@outlook.com

Draglicious 2020 © Todos os direitos reservados.