Conecte-se conosco

Hi, what are you looking for?

Drag Queens

Who’s That Queen? Rebecca Glasscock

“Quando o show veio foi a revolução drag. Estávamos acariciando a curiosidade de todos. Quem são essas nove drag queens?”, questiona Rebecca Glasscock, da 1° temporada de RuPaul’s Drag Race, nessa entrevista exclusiva.

Compartilhe!

Entre pro nosso canal do Telegram aqui!

APADRINHE A DRAGLICIOUS: Ajude a manter a Draglicious viva celebrando a arte drag, doando pelo nosso PIX, chave: draglicious@outlook.com. Ou doe pelo meu PicPay na conta @saullete, o link é: https://app.picpay.com/user/saullete. Ou nos apadrinhe em padrim.com.br/draglicious.

🕓 9 min de leitura

Imagine a seguinte situação: 12 anos atrás, alguém ligou a televisão e assistiu, pela primeira vez, um certo programa baseado em uma arte underground e subversiva. O x no calendário marca a data de dois de fevereiro de 2009, segunda-feira. O programa é RuPaul’s Drag Race, exibido pela Logo.

Então apresentado por RuPaul ao lado dos jurados fixos Merle Ginsberg e Santino Rice, a primeira temporada deste reality show é um documento histórico que desafia a binariedade e heteronormatividade de um mundo feito por e para pessoas brancas, afinal, estamos falando de uma competição protagonizada por nove drag queens que não se desculpam por serem quem são: negras, gordas, afeminadas, latinas e genuinamente queers, humanas.

Entre estas primeiras Rugirls apresentadas por RuPaul, uma delas você conhece e tenho certeza que não passou impune por ela. Finalista e com um honroso terceiro lugar, é a pessoa perfeita para esta edição da Who’s That Queen?

“Ela é muito bonita, ela está borbulhando. Ela é muito desmiolada e avoada. Rebecca definitivamente confia na beleza, mas ela é muito engenhosa… Rebecca sempre consegue o que quer”.

A definição acima, de Rebecca Glasscock, é um bom lembrete da espirituosidade de sua drag queen, um aspecto infelizmente pouco lembrado pela maioria, portanto, para melhor entendê-la, vamos direto a Javier José Rivera Nieves, a Rebecca: “Sou apenas um garoto da ilha de Porto Rico vivendo a vida ao máximo e tomando tempo para cheirar as rosas”, afirma nas redes sociais.

Nascido no dia 24 de maio de 1982, em San Juan, Porto Rico, Javier é o caçula de cinco irmãos. A vivência latina fora interrompida quando ele tinha dez anos: sua família se radicou na Flórida, Estados Unidos. Além da adaptação, Javier tinha outro problema: o idioma, o qual não falava ainda.

Em solo americano, Javier vive uma experiência que lhe serviria como base para o futuro, ao estudar na Piper High School, em Sunrise, Flórida. Neste ponto, ele participa do clube de teatro e começa a ter aulas de teatro musical:

Advertisement. Scroll to continue reading.

“Depois de me formar, recebi uma bolsa de estudos para teatro para cursar a Universidade de Porto Rico, em Rio Piedras, PR. Meu primeiro papel foi aos 15 anos, onde interpretei Randolph McAffee na produção do High School de Bye Bye Birdie”, conta.

Quatro anos depois, em 2001, aos 19 anos, por meio de um desafio ocorrido no Zamunda Inside, um bar gay porto-riquenho, Javier começa a fazer drag. Um de seus amigos era bartender e lhe disse que ele era lindo e só precisaria de brilho labial e rímel para parecer uma garota: “Então, uma noite meu melhor amigo Andy e eu aparecemos em drag e o surpreendemos. Depois disso, nos vestimos de drag uma ou duas vezes por semana e logo depois eu fiz minha primeira apresentação naquele bar”, conclui.

Iniciada a nova carreira, tudo caminhando, mas espera aí. E o nome drag? No princípio, Javier era Roxy Lame, logo trocado pelo famoso Rebecca Glasscock. Rebecca vem de sua melhor amiga na época; o restante surgiu de forma inusitada: Misty Eyez, sua mãe drag, que a ajudou a aprender o inglês, lhe escutava ler a seção de correspondência de uma revista gay. De repente, Rebecca percebe um homem perfeito para ela: mais de um metro e noventa, tatuado e gentil. Seu sobrenome? Glasscock.

No transcorrer dos anos e munida de sete anos de experiência como drag queen, Rebecca vive o sonho americano de grande parte das drag queens: virar uma Rugirl. No verão de 2008 ela começa a gravar a primeira temporada de RuPaul’s Drag Race, uma experiência que exigiu mudanças.

Me mudei para Nova York em janeiro de 2009, antes do lançamento da primeira temporada. Enquanto estava em Nova York trabalhei como ator, maquiador, além de atuar em drag no lendário The Stonewall Inn and Boots and Saddles. Eu apareci em Gossip Girls, Men in Black 3 ao lado de Will Smith e no Tyra Banks Show (onde ganhei o concurso de beleza Queen of Kims- Kim Kardashian), para citar alguns. Fui introduzido no Screen Actors Guild em 2011. Eu também sou um membro da Actors Equity. Eu era um agente imobiliário licenciado no estado de Nova York enquanto eu morava lá também”, explica.

E esta mudança de rumo profissional prossegue, afinal, com a saída de cena de Rebecca, Javier trabalha desde 2019 como comissário de bordo em uma importante companhia aérea. O jejum como drag foi quebrado apenas em 28 de junho de 2018, quando a final da décima temporada de RuPaul’s Drag Race foi exibida e Rebecca fez uma dublagem ao lado de Dusty Ray Bottoms.

Hoje em dia, além de costurar roupas por diversão e viajar pelo mundo, Javier vive uma vida tranquila em Wilton Manors, na Flórida, com seu marido. Foi de lá que ele me concedeu a entrevista disponível logo abaixo, na íntegra. Confira!

Advertisement. Scroll to continue reading.

Já se passaram 12 anos desde a exibição original da primeira temporada de RuPaul’s Drag Race. Até hoje, há pessoas na internet discutindo sua participação no programa, sobre a qual não há meio termo: ou amam, ou odeiam. O que você acha disso?

Fomos as pioneiras. Fizemos algo que nunca havia sido feito antes. Fomos as primeiras a participar de um reality show de competição, totalmente dedicado ao drag. Abrimos o caminho para o que agora é conhecido internacionalmente como RuPaul’s Drag Race em todo o mundo. As pessoas não sabiam como lidar com isso (o show); algumas amaram e algumas odiaram, mas todos estavam assistindo.

>  Who's That Queen? Willam Belli
>  Who's That Queen? Janey Jacké

Eu falo com você aqui do Brasil. Qual é a sua relação com o meu país?

Eu amo os brasileiros! Não apenas pelos motivos óbvios (eles são pessoas lindas), mas porque são extremamente extrovertidos e amigáveis, muito parecidos com o meu povo em Porto Rico. Meu marido é brasileiro e eu sou porto-riquenha e posso te dizer, é uma combinação perfeita! Ambas as nossas culturas são muito apaixonadas e atenciosas. Mais importante ainda, somos muito voltados para a família e temos grandes valores. Temos um grande coração. Além disso, eu absolutamente amo a comida! Coxinhas são minhas favoritas!

Eu amo coxinha. Qual é a que você gosta mais? A minha é a de frango com catupiry.

Essa mesma, minha preferida também.

Coincidência boa, hahaha! Mas voltemos ao Brasil.

Advertisement. Scroll to continue reading.

Eu estava planejando visitar o Brasil, mas isso foi adiado devido à Covid-19. Ainda estou praticando meu português e melhorando a cada dia para poder conversar com todos quando for visitar.

Atualmente você não faz drag. O que é mais difícil: começar a trabalhar como drag queen ou parar? O que fez você se aposentar? Quando isto definitivamente aconteceu?

Estou oficialmente aposentada. Eu odeio dizer isso porque é uma declaração tão finita e eu acredito fortemente em “nunca diga nunca”. No entanto, por enquanto, parei com as performances de drag por agora. Eu lentamente e silenciosamente me afastei de cena cerca de 6 anos atrás para me concentrar em outras coisas na minha vida. Eu fiz drag sem parar por 16 anos. Acabei dando um tempo, e isso se transformou em uma aposentadoria. É muito difícil parar de fazer drag. É uma droga!

Fico realmente triste de você ter parado de fazer drag.

Eu estaria mentindo se dissesse que não senti falta, mas estou feliz com a forma como minha vida está agora. É extremamente difícil parar com algo que não só você ama, mas que você fez por tanto tempo. Aquele “alto” quando você está no palco se apresentando para o público é o que mais sinto falta. Além disso, conhecer todos os tipos de pessoas e artistas maravilhosos.

Quando você se vê na sua temporada, quem é a Rebecca Glasscock que o público assiste nela? Apresenta ela para a gente com sua visão atual?

Acho que o público se identificou muito com a Rebecca. Ela era jovem, era ousada, era polêmica, estava lá para vencer. Na realidade, ela não sabia em que diabos tinha se metido, mas rolou com os socos. Anos depois do show, ela realmente evoluiu. Sua maquiagem, suas roupas, um ar mais maduro para ela e menos infantil e mais crescido (mais experiente). É uma pena que nunca pude fazer o All Stars porque eu adoraria ter mostrado o crescimento que tive depois do programa. Infelizmente, isso é algo que não vai acontecer. Vejo os fãs leais de Rebecca sempre querendo que eu participe do All Stars todos os anos e eu amo e agradeço a todos vocês pelo amor, mas aquele navio partiu, então, nada de All Stars.

Advertisement. Scroll to continue reading.

A primeira temporada é uma fonte de rumores e histórias até hoje. Dizem que faltavam recursos financeiros, os alimentos eram escassos e as condições ruins no geral. Quanto disso é verdade, afinal?

Não há dúvida de que agora eles têm um orçamento muito maior para fazer o show. Não tenho queixas sobre as condições nem me importava naquela época se o orçamento era baixo ou não, só estava feliz por estar lá. Não sabíamos o que diabos estávamos fazendo, fizemos primeiro! Muitas tentativas e erros. Mal sabíamos, estávamos pavimentando o caminho para o renascimento drag. Antes do programa, se você fizesse drag, as pessoas não queriam nada com você. Você era evitado e ainda acontece hoje, mas muito menos. Agora as pessoas veem isso como arte e que legal, vamos encarar isso, todo mundo quer ser uma drag queen hoje em dia. Eu digo para fazer e se divertir!

Como foi a gravação da final da 10ª temporada de RuPaul’s Drag Race? O que o público não viu sobre você lá? A propósito, você estava linda!

Obrigada. Eu tive uma explosão! Foi tão bom ver Mama Ru novamente, todas as garotas da primeira temporada e caminhar na estrada da memória. Eu me diverti muito conhecendo todas as novas garotas e vendo o quanto o programa cresceu e melhorou ao longo dos anos. Definitivamente, havia uma sensação de orgulho pelo que conquistamos. Eu gostaria que o público visse o quanto nos divertimos nos bastidores, foi o último untucked!

Elenco da S1 na grande final da S10 de Drag Race.

>  Entrevista: Alexis Mateo fala sobre All Stars 5
>  Nome drag de Lala Ri não tem origem racista

Você faz parte das nove primeiras Rugirls apresentadas por RuPaul. O programa hoje chegou ao mainstream. Qual a importância da sua temporada para que isto acontecesse?

Drag está por aí desde o começo dos tempos. As pessoas sempre gostaram. Aqui nos Estados Unidos drag era conhecido, mas definitivamente não era mainstream. Quando o show veio, a bomba explodiu. Foi a revolução drag. Estávamos acariciando a curiosidade de todos. Quem são essas nove drag queens? Sobre o que é esse programa? Não era um show gay, ele atravessou completamente, se tornou mainstream e todo mundo estava falando sobre isso. Éramos celebridades instantâneas. Não poderíamos ir a lugar nenhum sem que alguém nos reconhecesse e quisesse uma foto ou autógrafo. Não estávamos prontas para isso. Quando o show foi da Logo para VH1 o mundo desabou. Sem o sucesso da 1ª temporada, essa mudança de rede nunca teria acontecido. Nós abrimos a trajetória.

Ainda falando sobre Rugirls: como é sua relação com elas? Você mantém contato com as suas irmãs de temporada? E quanto as outras?

Da minha temporada sempre mantive contato com a Bebe. Costumávamos fazer um show juntas em Nova York e eu a via muitas vezes quando morava lá. Outras garotas, como a Miss Fame, porque tínhamos uma amizade antes dela estar no programa.

Advertisement. Scroll to continue reading.

A primeira das suas 1.147 publicações no Instagram é uma foto com a Miss Fame. Percebi isso ao ver sua timeline.

Ainda mantenho contato com muitas garotas. Algumas mais do que outras por causa da proximidade de onde vivemos. Por exemplo: esbarro em Serena ChaCha o tempo todo, porque nós duas vivemos na mesma vizinhança gay, vamos para a mesma academia e damos grandes abraços uma na outra. Ela é uma ótima rainha e boa amiga. Quando eu morava em Los Angeles, via Eureka e minha irmã Boricua Jessica Wild, eu a amo. Todas temos vidas muito ocupadas e algumas de nós agora estão casadas, mas o amor está sempre lá. Nós mantemos o controle umas sobre as outras através de nossas mídias sociais ou nos enviamos textos nos feriados, etc.

O que a profissão de drag queen lhe deu que você só conseguiu através dela?

Confiança e autoaceitação. Eu cresci em uma casa de 5 meninos em um ambiente católico tradicional. Eu sou o bebê. A cultura daquela época era muito homofóbica e hiper machista. Quando saí do armário, passei por um período muito difícil. Não fui recebido de braços abertos pela minha família. Me disseram que minha vida não valia nada e que eu morreria de AIDS. Eu era suicida e ainda estava navegando em minha recém-descoberta sexualidade e nos desafios que vêm em ser um gay afeminado no mundo. Eu tive que fazer uma nova família para mim.

>  Pabllo Vittar concorre como "Melhor Artista Brasileiro" no "MTV: EMA Bilbao 2018"
>  Who's That Queen? Catherrine Leclery

Infelizmente, esse ainda é o destino de muitos de nós…

Fiz para mim uma família gay, com outras pessoas LGBTQIA+ que haviam passado ou estavam passando pela mesma coisa que eu. Comecei a me vestir para expressar o meu lado feminino. Eu fazia muita drag andrógina durante o dia. Quando comecei a fazer drag como Rebecca, encontrei minha armadura. Rebecca me deu confiança para ser eu mesma, para ser assumidamente gay e fabuloso. Isso me permitiu explorar minha sexualidade, minha criatividade, aprender a amar e me aceitar.

A sua jornada até aqui é incrível, Rebecca. Obrigado por compartilhar sua história conosco.

Advertisement. Scroll to continue reading.

Serei eternamente grato por drag porque isso me salvou de muitas maneiras. Agora sou capaz de compartilhar esse amor incondicional que tenho por mim mesmo com outras pessoas que precisam. Adoro ver os jovens queers, as drag queens bebês, a juventude trans e dizer a eles: vocês são dignos, vocês são lindos, vocês são apoiados e amados. Tenho esperança e sei que há um futuro muito brilhante pela frente para minha família LGBTQIA+.

Siga Rebecca/Javier no Instagram, Twitter e Facebook.

Para ler outras entrevistas exclusivas do Who’s That Queen clique aqui.

Compartilhe!

Entre pro nosso canal do Telegram aqui!

APADRINHE A DRAGLICIOUS: Ajude a manter a Draglicious viva celebrando a arte drag, doando pelo nosso PIX, chave: draglicious@outlook.com. Ou doe pelo meu PicPay na conta @saullete, o link é: https://app.picpay.com/user/saullete. Ou nos apadrinhe em padrim.com.br/draglicious.

Clique para comentar

Deixe uma resposta

Veja Também

Drag Queens

"Acho que o Drag Race ajudou a tornar a música pop original, divertida e algo que os amantes da música podem levar a sério",...

Drag Queens

"Penso que o que diferiu na minha 8ª audição para a temporada 9 foi que finalmente acho que a abordei como: ‘Isso é quem...

Drag Queens

"Não posso te dizer... talvez o meu grupo pop já tenha sido formado e esteja trabalhando em algo. Possivelmente", afirma Mayhem Miller, nesta entrevista...

Drag Queens

"O mundo precisa ser mais reconhecido pela diversidade LGBTQIA+ e queer, especialmente na Ásia", afirma Angele Anang, vencedora da S2 de Drag Race Thailand,...

Propaganda

We're born naked & the rest is drag. Portal de notícias, humor e babados sobre RuPaul's Drag Race, drag queens, arte drag, comunidade LGBTQ+ e cultura pop.

Contato: draglicious@outlook.com

Draglicious 2021 © Todos os direitos reservados.