Conecte-se conosco

Hi, what are you looking for?

Brasil

Academia de Drags S1: Gysella Popovick

É winner que chama, né? Encerrando este especial Academia de Drags, fecha na lata e pode dar like: é Gysella Popovick, rainha coroada da primeira temporada deste web reality show. Confira a última matéria a seguir.

Compartilhe!
🕓 7 min de leitura

Com ela as coisas funcionam de duas formas: gostou? Like. Não gostou? Pode dar deslike, não tem babado. Linda, bonita, gordinha e gostosa, fecha na lata que o poder dela é revelado, mas vai ter que obedecer. Aqui é rainha P.O.P.O.V.I.CK, a danada que fica de bunda no paredão.

Capricorniana nascida no dia 16 de janeiro de 1992, em Recife, Pernambuco, Gysella Popovick radicou-se em São Paulo, capital, em 2006, local no qual vive até hoje e o mesmo onde criou sua drag, um ano depois (2007).

Durante sua infância na década de 90, no nordeste, Genival Alexandre Ferreira Neto, filho de Gena Gomes e criador de Gysella, teve seus primeiros contatos com a arte do transformismo, através do programa “Gente que Brilha”, no SBT, apresentado por Silvio Santos. Nomes como Marcinha do Corinto lhe chamavam atenção e mal sabia Gysella que ela estava sendo apresentada a sua futura profissão.

Na capital paulista, mais especificamente na boate Ultradiesel, pelas mãos das drags Morgana Striker e Lauanda do Mor, Gysella experimentou se montar pela primeira vez. Foi o primeiro passo para o que viria a seguir: como eu vou me chamar? Gysella Mclaren? Gysella Beauthy? Hum… Gysella… CHEGA. “Ficaria mais bacana Popovick pois você é comunicativa, divertida, falante e lembra a Silvia Poppovic”, ouviu de um amigo.

O começo de carreira foi marcado por dificuldades, a principal delas? Falta de verba para dar um acabamento melhor a sua personagem, porém, mesmo com o desejo inicial quase que comum entre drag queens de se montar apenas por close, Gysella já sabia que a profissionalização poderia lhe levar longe.

Entre um concurso e outro, Gysella começou, pouco a pouco, a marcar seu nome na noite paulistana. Ter vencido a Hora do Gongo, na Danger Dance Club, ajudou nesse sentido, assim como quando foi escolhida “Drag New Face” da Parada LGBT de São Paulo, em dois de junho. No dia 12 do mesmo mês, entra no Instagram. Ambas as atividades em 2013.

Todos estes acontecimentos foram fundamentais para a grande virada que chegaria em breve para Gysella, mais precisamente no dia 13 de outubro de 2014 quando, entre 71.442 inscrições recebidas, a dela foi uma das oito selecionadas para integrar o elenco da primeira temporada do web reality show Academia de Drags.

Advertisement. Scroll to continue reading.

Elenco da primeira temporada de Academia de Drags.

Assista a primeira temporada completa de Academia de Drags aqui.

>  Shangela fala sobre como foi trabalhar com Bradley Cooper e Lady Gaga em 'A Star Is Born'
>  Pabllo Vittar fala sobre inspiração musical, agenda de shows e drag queen

Durante sua participação neste programa, chama atenção como o número um lhe acompanhou durante toda a competição: Gysella foi a primeira drag a entrar no Academia, venceu um desafio e, apesar de ter sido a segunda a garantir sua vaga para o lip sync da grande final, foram os seus strass e glitter que saíram na foto com o título de número um e de drag queen mais completa do Brasil com uma viagem internacional com acompanhante, uma peruca de cabelo humano da Lully Hair e um show produzido na boate Blue Space.

“Eu simplesmente amei participar, aprendi e cresci muito como pessoa e me beneficiei como profissional pois foi uma alavancada em meu trabalho. Ganhar o concurso foi ainda mais incrível, mas todas as participantes merecem os créditos e serem consideradas vencedoras pelo simples fato de darem a cara a tapa em um projeto novo aqui no Brasil”, disse sobre participar e vencer o Academia, para a Fourton Magazine.

Por fim, Gysella como winner é muito significativo porque estamos falando de uma drag big girl nordestina que não é caricata desafiando os padrões que todos conhecemos desde sempre e, durante muito tempo, foram forçados como únicas opções de corpos, afetos, relações e sexo. É de tomar nota, caro leitor.

Em seguida, Gysella pôde colher os louros de seu trabalho árduo e expandir seu campo de atuação. Antes restrita a São Paulo, sua drag começou a chegar nas demais capitais brasileiras, como Brasília, onde apresentou-se pela primeira vez em 27 de fevereiro de 2015. Baladas pelo Brasil todo foram recebendo a rainha coroada que sim, bate cabelo, mas também sabe se virar e entregar outras coisas para o público.

No Youtube, por meio do canal TV GYSELLA POPOVICK, ela entrevista diversos artistas, faz vlogs e tutoriais. Também nele disponibilizou, em 22 de fevereiro de 2019, o videoclipe de “Meu Poder”, seu primeiro single, composto por Mc Santini com direção musical de Malharo, disponível nas principais plataformas digitais.

>  Academia de Drags S1: Lavynia Storm
>  RuPaul revela que celebridade faria no Snatch Game

A seguir, para encerrar este especial Academia de Drags, você confere, na íntegra, a conversa que tive com Gysella. Falamos sobre carreira, como ela foi parar no programa, projetos futuros, Academia de Drags 3, entre outros assuntos não menos interessantes. Confira:

Quase seis anos depois da exibição do Academia, como você analisa essa experiência? Qual foi o peso dela na sua careira?

Advertisement. Scroll to continue reading.

Amigo, o Academia de Drags foi um divisor de águas pra mim. Ela veio no momento certo, numa hora certa, na qual eu tava batalhando pra ser reconhecido como profissional na área, que a gente sabe o quanto é difícil. Naquela época ainda, seis anos atrás, pra você ser um profissional reconhecido, renomado e respeitado pelas pessoas, pelos artistas, não bastava você ter talento, mas você precisava passar por concursos famosos, concursos de boates, você ganhar um concurso pra você ser visto como um profissional: “Olha, ela ganhou um concurso tal, ela já tá pronta pra trabalhar em casas”. Isso eu ter ganhado o Academia me ajudou muito como profissional.

Depois do Academia minha carreira deslanchou, porque as pessoas aqui em São Paulo já me conheciam, algumas pessoas. Eu já era do meio centro aqui e quando eu ganhei o Academia, devido ao Youtube, repercussão que deu, as pessoas do Brasil inteiro começaram a me conhecer, onde que eu comecei a trabalhar, viajar e ter a oportunidade de trabalhar em boates que eu nunca tinha pisado na minha vida como profissional, como convidada, entre Blue Space, Danger [Dance Club], Tunnel, Freedom [Club], Cantho [Club], Bubu [Lounge], The Week, Planet G [Club], na época que tinha, entre outras boates que fecharam também. Foi um divisor de águas incrível na minha vida.

Como você ficou sabendo das inscrições? Consegue lembrar o que passou na sua cabeça no primeiro dia de gravação?

Eu vi um post sobre as inscrições no Facebook, perfil Academia de Drags falando um pouco sobre o projeto e como funcionaria e ir lá pra você se inscrever. Eu me inscrevi umas dez vezes, não, desculpa, dez não, mais ou menos dez vezes, sim, dez vezes. Eu mandava show meu e meus dados, o que eles pediam de dados pessoais e mandava um vídeo de um show meu, um show aleatório. Pegava um show do Youtube e mandava e eu não era chamada. Eu via várias amigas minhas do meu lado que mandaram vídeo e foram chamadas, umas acabaram recusando porque não se sentiam preparadas e eu fiquei meio frustrado por não ser chamado, por não ter recebido o convite, óbvio, como qualquer pessoa ficaria querendo participar muito de um projeto, até que um amigo meu falou: “Popovick, como é que você tá mandando o vídeo?”. Eu mandava um vídeo de um show aleatório. Ele falou assim: “Não, eles pedem pra você falar um pouquinho da sua drag, descrever um pouco da sua drag”.

Então eu resolvi mandar um vídeo falando, eu filmei pelo meu celular, falando um pouquinho de mim, de menino, depois eu mostrei minha drag, isso e aquilo e nesse vídeo eu fui chamado. Eu recebi uma ligação numa quinta-feira e as gravações começavam três dias depois, que era num domingo. Eu fiquei muito feliz. Tentei pegar tudo que eu tinha em casa de show, de roupa, de peruca, peruca de amigo pra levar pro Academia porque uma vez que a gente levasse todos os materiais, a gente não podia tirar nada e nem levar mais nada, então foi incrível, incrível. Essa foi a forma que eu me inscrevi, essa foi a forma que eu fui chamado. Eu fiquei muito feliz e eu realmente não acreditava. Quando eu recebi a ligação da produção eu fiquei assim, tipo em êxtase. Eu falei: “Eu vou dar o meu melhor”.

>  Entrevista Exclusiva: Bruno Alcântara, pitcrew de Drag Race
>  YBK | Mamie Vergara

Como anda sua carreira nos dias de hoje? Projetos, singles novos, vídeos?

A minha carreira hoje, graças a Deus, anda muito bem, não tenho do que reclamar. Viajo o Brasil todo: Roraima, Macapá, Amazonas, Campo Grande, o nordeste, Recife, Piauí, Fortaleza, interior de São Paulo. Trabalho nas melhores casas de shows de São Paulo, sou elenco Blue Space, desde outras casas e festas que eu faço aqui. Já me aventurei em várias coisas, com programa do Youtube, tenho um single na internet com um clipe que é o “Meu Poder” que foi um divisor de águas também. Um projeto que me convidaram pra fazer, pra gravar e eu fui, meti a cara, a gente fez e arrasou e a gente já tá com outra música engavetada, quer dizer… que eu já tô tirando da gaveta, que já tá gravada. Em breve a gente vai lançar clipe e vai ser incrível.

Advertisement. Scroll to continue reading.

Você já conhecia a Silvetty antes do programa? Qual a importância dela para o seu trabalho?

A Silvetty eu já conhecia sim antes do programa, eu já conhecia ela, mas eu não tinha vínculo com ela. Meu contato com a Silvetty era em boate quando eu tava participando de concurso, ela apresentava. Quando eu via ela nas boates eu cumprimentava, ela sempre gentil, cumprimentando a gente e tal e coisas mil. Então esse era meu vínculo com a Silvetty, eu nunca tive um vínculo de frequentar a casa dela, dela me ligar, isso e aquilo. Esse vínculo veio depois que eu ganhei o Academia de Drags, a gente se aproximou um pouco mais e eu considero ela a minha mãe da noite. Ela me indica pra trabalhos, me leva pra trabalhos com ela, inclusive ela me levou pra casa da Ana Maria Braga quando a gente fez um show, agora no final de 2019, numa confraternização no natal. A Silvetty é muito importante pra mim, não só pra mim, como pra noite LGBTQIA+ do Brasil, nossa rainha suprema.

O que acha de uma terceira temporada do Academia de Drags? Tem que rolar? Seria jurada?

Eu acho que tem que ter a terceira temporada sim, porque a gente precisa disso, a gente necessita disso. É um projeto que enaltece a nossa arte, descobre novos talentos, coloca novos talentos no mercado, porque drag é isso, é se renovar, fazer e acontecer e eu super apoio a volta do Academia de Drags. Saudade de todas as minhas manas da primeira e da segunda temporada. E olha, vamos levantar essa hashtag: #VoltaAcademiaDeDragsComTudo.

Siga a rainha em suas mídias sociais: Instagram, YouTube e Facebook.

Se você não conhece ou gostaria de rever a primeira temporada completa de Academia de Drags clique aqui. Para ler mais sobre Academia de Drags clique aqui.

E assim encerramos este incrível especial, confira as outras entrevistas do elenco a seguir:

Advertisement. Scroll to continue reading.
>  Academia de Drags S1: Hidra e Musa Von Carter
>  Academia de Drags S1: Laurie Blue
>  Academia de Drags S1: Lavynia Storm
>  Academia de Drags S1: Rita Von Hunty
>  Academia de Drags S1: Xantara Thompson
>  Academia de Drags S1: Yasmin Carraroh
Compartilhe!
Clique para comentar

Deixe uma resposta

Veja Também

Brasil

Alerta de emergência: webhore e drag cantora na área. Aviso: Frimes, drag queen de São Luís, no Maranhão, quer carinho, digo, stream em seu...

Brasil

Há mais mistérios entre o salto alto e a escada do que sonha nossa vã filosofia e Laurie Blue sabe bem disso. Confira por...

Brasil

Não é Chitara, é Xantara, sobrenome Thompson. Na 5° parte do especial Academia de Drags, saiba por onde anda a drag brasiliense Xantara Thompson,...

Brasil

Ao contrário do que você possa pensar, elas não são a versão tupiniqueen de Thelma & Louise. Hidra e Musa Von Carter marcaram, cada...

Propaganda

We're born naked & the rest is drag. Portal de notícias, humor e babados sobre RuPaul's Drag Race, drag queens, arte drag, comunidade LGBTQ+ e cultura pop.

Contato: draglicious@outlook.com

Draglicious 2020 © Todos os direitos reservados.