Conecte-se conosco

Hi, what are you looking for?

Brasil

Academia de Drags S1: Rita Von Hunty

Ela conquistou o Brasil sem dar espacates, piruetas e acrobacias. Musa esquerdista, Ministra da Diversidade do Vale dos Homossexuais, saiba por onde anda Rita Von Hunty, 6 anos depois da S1 de Academia de Drags.

Compartilhe!
🕓 5 min de leitura

No próximo dia 13 de outubro, completa-se seis anos exatos de exibição da primeira temporada do Academia de Drags, web reality show pioneiro, criado e dirigido pelo cineasta Alexandre Carvalho.

Apresentado por Silvetty Montilla e tendo como jurados fixos o estilista Alexandre Herchcovitch e o maquiador Cabral, esta competição apresentou, durante sete episódios, o trabalho de oito drag queens de diferentes estados brasileiros, como São Paulo (SP), Brasília (DF), Cascavel (PR), Dourados (MS) e Recife (PE).

No programa as drags tinham aulas com temas centrados em seu universo: maquiagem, moda, dança, humor, entre outros. Para as “alunas” ficarem com a lição na ponta da língua, jurados especiais como Alexia Twister, Marcia Pantera, Tchaka, Titi Muller e Grace Gianoukas compartilhavam suas experiências e, mais a frente, enquanto professores, faziam conselho de classe para decidir o destino das bichas, o que incluía a vencedora, as que seguiriam para a próxima semana e, claro, duas piores para a recuperação: uma dublagem.

No final das contas, a pernambucana Gysella Popovick venceu a primeira temporada do Academia de Drags e este feito é também importante por dois motivos: uma big girl abocanhou o principal título competitivo da nossa primeira tentativa de competição drag nos moldes que todos conhecem hoje. Sim, em 13 de outubro de 2014, data da estreia desta temporada, o Drag Race já estava em sua sexta edição americana e tendo exibido sua primeira temporada do formato All Stars.

Elenco da primeira temporada de Academia de Drags.

Assista a primeira temporada completa de Academia de Drags aqui.

>  S11 | MTV entrevista: Silky Nutmeg Ganache
>  YBK | Ariela Moss

Quando me dei conta de que até hoje não temos um Drag Race tupiniquim e de que o Academia de Drags foi nossa tentativa mais próxima de levar drag ao mainstream, percebi que sim, caro leitor, nós precisamos voltar a falar de Academia de Drags. Temos que conversar sobre um show pautado na cultura LGBTQIA+ quando ninguém, até então, o havia feito por estas bandas do mundo onde o fascismo tem nos dado pauladas religiosamente.

Motivado para tal, fui em busca do elenco. Entrei em contato com cada uma delas para saber de suas carreiras, projetos, como tem sido trabalhar como drag e, principalmente, como elas foram marcadas pelo Academia e o que este projeto representa para elas, seis anos após tudo começar.

A primeira delas, que inicia esse especial dividido em partes, é a namoradinha do Brasil, vedete do Lula e garota-propaganda do comunismo. Ainda não sabe quem é, arrombadinhe?

Advertisement. Scroll to continue reading.

“Meu nome é Rita Von Hunty. Além de drag queen, também sou esposa, mãe de dezesseis crianças e dona de lar. Lavo, passo, cozinho… eu disse COzinho, seu pervertidinho”, afirma em seu perfil no Youtube.

>  Silvetty Montilla desabafa sobre Parada Virtual LGBT
>  Aquaria é a grande campeã da S10 de RuPaul's Drag Race, Monet a Miss Simpatia

Paulistana com pouco tempo de carreira antes de entrar no Academia, Rita infelizmente não chegou a final, mas garantiu o quinto lugar e o posto de Miss Arrasa Bicha, equivalente a Miss Simpatia. Obteve um histórico bom, porém, após dublar, pela segunda vez, contra Yasmin Carraroh, foi eliminada, ao som de Lorena Simpson. Curiosamente, Lorena também é a cantora de Brand New Day, lip sync da estreia, em que Rita performou contra Laurie Blue. Neste momento, elas protagonizaram o primeiro duplo shantay da herstória do Academia.

Após sua passagem pelo programa, Rita cresceu e apareceu. Em 23 de abril de 2015, entrou no Youtube. Hoje em dia, seu canal, Tempero Drag, tem 651 mil inscritos. O que começou com receitas culinárias virou um grande negócio: o vídeo “Bíblia: a escritura sagrada”, com 809.000 views, é o mais assistido, e não estou mencionando outros que ultrapassam meio milhão de visualizações.

Em 2017, ao lado de Ikaro Kadoshi e Penelopy Jean, Rita tornou-se apresentadora de Drag Me As A Queen, o primeiro programa brasileiro apresentado somente por drags e no qual elas montam mulheres. Em paralelo a outros trabalhos, esta foi mais uma experiência que contribuiu para aumentar o monopólio online de Rita: no Instagram são 506 mil seguidores, número que a coloca entre as dez drag queens mais seguidas do Brasil.

Ciente de tudo isso e com o receio natural de falar com alguém que faz o meu QI se igualar ao de um peru, mandei uma carta em papel carbono endereçada a uma pensão cubana onde, dizem as boas e más línguas, Rita está infiltrada com “um bando de gente queer” tramando a mudança do design da bandeira do nosso país. Parece que ela será substituída por outra, em tons de vermelho sangue com uma estrela. Enquanto isso não acontece, confira a entrevista exclusiva dada a Draglicious:

>  Glitter | Primeira temporada completa (parte 3)
>  YBK | MAGIC G

Já se passaram quase seis anos desde a exibição do primeiro Academia de Drags. Quando você pensa nessa experiência, quais são seus três momentos favoritos na competição?

Meus três momentos favoritos da competição são a chegada, acho que quando a gente pôde se conhecer, conhecer as outras participantes e competidoras, esse momento foi muito importante pra mim. Eu guardo amigas queridas desde então. Eu gosto muito do desafio de atuação das famílias com as crianças LGBT na minha temporada, isso me divertiu muito. E gosto também da minha eliminação, acho que eu disse ali palavras com as quais eu concordo até o dia de hoje.

Muitos criticam o formato competitivo de reality show quando o tema é drag. Para você, além do entretenimento, qual a importância de programas assim?

Advertisement. Scroll to continue reading.

Bom, eu também não sou um grande entusiasta de competições, eu preferia cooperações, mas parece que elas não são aceitas pelo público, não são bem-aceitas pelo público. É bem verdade que se a gente forma um novo público, ele passa a buscar novos tipos de programa. Então há de haver a formação de um novo público primeiro pra que a gente possa mudar isso. E a importância de programas assim é romper com o preconceito, com estereótipo, ajudar as pessoas a humanizarem artistas, a olharem pras drag queens como pessoas que tem questões, etc, não ficar apenas na esfera do entretenimento.

>  RuPaul dá entrevista ao Jimmy Kimmel e fala sobre foto com a bebê chorando
>  James Ross critica Drag Race, Michelle Visage e Kennedy Davenport

Numa possível edição futura do Academia, teríamos a namoradinha comunista do Brasil na bancada de jurados? Dona Rita toparia?

Eu adoro Academia de Drags, eu toparia tudo, toparia voltar num All Stars, toparia voltar pra bancada do júri. Eu acho que é um grande projeto, eu adoraria vê-lo florescer ainda mais.

Siga a rainha em suas mídias sociais: Instagram, YouTube e Facebook.

Se você não conhece ou gostaria de rever a primeira temporada completa de Academia de Drags clique aqui. Para ler mais sobre Academia de Drags clique aqui. Em breve publicaremos a próxima parte deste especial! 

Compartilhe!
Clique para comentar

Deixe uma resposta

Veja Também

Brasil

Alerta de emergência: webhore e drag cantora na área. Aviso: Frimes, drag queen de São Luís, no Maranhão, quer carinho, digo, stream em seu...

Brasil

É winner que chama, né? Encerrando este especial Academia de Drags, fecha na lata e pode dar like: é Gysella Popovick, rainha coroada da...

Brasil

Há mais mistérios entre o salto alto e a escada do que sonha nossa vã filosofia e Laurie Blue sabe bem disso. Confira por...

Brasil

Não é Chitara, é Xantara, sobrenome Thompson. Na 5° parte do especial Academia de Drags, saiba por onde anda a drag brasiliense Xantara Thompson,...

Propaganda

We're born naked & the rest is drag. Portal de notícias, humor e babados sobre RuPaul's Drag Race, drag queens, arte drag, comunidade LGBTQ+ e cultura pop.

Contato: draglicious@outlook.com

Draglicious 2020 © Todos os direitos reservados.