Os podres da Murray & Peter Present

O que a M&P fez com Monét e Ginger é só a ponta do iceberg. A empresa coleciona maus-tratos e abusos na relação empregatícia com as Drag Queens.

Modo Noturno

Murray & Peter Present (M&P) é uma promotora de eventos que realiza varias turnês drags, já fez o A Drag Queen Christmas, turnê natalina, e atualmente está com o Hater’s Roast. A empresa ganhou atenção negativa nos últimos dias após excluir Monét X Change da turnê atual, porque a queen decidiu cancelar um de seus shows para gravar clipe com Madonna (leia aqui). Isso além de ter gerado revolta entre vários fãs e RuGirls, Trinity The Tuck até rompeu com eles (leia aqui), trouxe à tona vários podres da M&P no tratamento que dá as drags que contratam para seus shows.

Os podres da M&P

A empresa não deixa que as rainhas interajam com os fãs, a não ser que paguem um alto valor para o Meet & Greet, que é apressado e dá direito a somente uma foto. Naomi Smalls até tentou interagir com alguns fãs e tirar fotos fora do palco. Aí um produtor passou, cutucou a cabeça da queen como se ela fosse um animal de estimação e a mandou ir para o camarim.

Katya apresentou a turnê de divulgação da S8 de RuPaul’s Drag Race. A queen foi forçada a fazer uma sessão de perguntas e respostas. Mas ela não curtiu a forma como estavam lidando com essa parte dos shows, pois faziam piadas sobre os problemas de vício da queen, além dos promotores ficarem a insultando nos bastidores.

>  Pabllo Vittar se apresentará em parada LGBT de Nova York
>  AS4 | Por que as rainhas negras de Drag Race incomodam tanto o fandom?
>  As rainhas negras da S10 de RuPaul's Drag Race são revolucionárias

Em 2017 um furacão devastou Porto Rico, causando muita destruição por lá. Phi Phi O’Hara então decidiu fazer um show beneficente que levantasse fundos para ajudar Porto Rico, o Queens United. A M&P não liberou a participação de Farrah Moan e Trinity The Tuck para o evento, mesmo a turnê das duas rolando na mesma cidade e na mesma semana que o evento organizado por Phi Phi.

Ceejay, namorado de Ginger Mini trabalhava para a M&P e foi demitido, após tirar um tempo de licença para ficar ao lado de Minj, pois a avó da queen havia falecido. A própria Ginger foi excluída da turnê Haters Show por conta de uma oportunidade de gravar um filme (leia aqui).

>  Alaska escreve carta de "Dia dos Namorados" para os fãs
>  Monét X Change recebe apoio da mãe para fazer sua arte drag
>  Pabllo Vittar e Aretuza Lovi rompem com marca que se diz pró-LGBT, mas que apoia Bolsonaro

Várias drags, como Vander Von Odd (winner da S1 de Dragula) e Laila McQueen, pontuaram que o papo de ser “impossível contratar uma drag de última hora” que a M&P usou como justificativa para demitir Monét não passa de uma porca desculpa, já que há muitas drags disponíveis para trabalhar. Phi Phi O’Hara até compartilhou o contato realizado pela M&P, tentando contratá-la em cima da hora para preencher algumas datas da Haters Roast.

A equipe da M&P vive enviando fotos não solicitadas de seus pênis para as drags. Além disso a M&P fala mal das rainhas que se recusam a trabalhar com eles, daquelas que eles demitem e até mesmo das queens com quem trabalham.

Esses são alguns dos fatos a cerca do tratamento que a M&P dá as drags, maltratando e descartando-as como objetos, substituindo-as imediatamente após as demitirem, como se não estivessem enriquecendo às custas das RuGirls. As rainhas merecem muito mais do que essa péssima empresa.

Bob The Drag Queen fez um chamado convocando as drags queens para juntas organizarem uma turnê (leia aqui), e assim não se submeterem mais à ganância e maus tratos desses produtores e empresários sacanas. Espero que essa ideia vá para frente, que essa turnê role e viaje pelo mundo, especialmente, vindo para o Brasil. E é sempre bom lembrar: APOIEM SUAS DRAGS LOCAIS!

DEIXE UMA RESPOSTA

Conecte com




Please enter your comment!
Please enter your name here