Conecte-se conosco

Hi, what are you looking for?

Drag Queens

Who’s That Queen? Samantha Gold

“Eu acredito que reality de TV com drag queens veio para ficar. É uma plataforma perfeita para mostrar nossa arte”, diz Samantha Gold, de Queen of Drags.

Compartilhe!

Entre pro nosso canal do Telegram aqui!

APADRINHE A DRAGLICIOUS: Ajude a manter a Draglicious viva celebrando a arte drag, doando pelo nosso PIX, chave: draglicious@outlook.com. Ou doe pelo meu PicPay na conta @saullete, o link é: https://app.picpay.com/user/saullete. Ou nos apadrinhe em padrim.com.br/draglicious.

🕓 8 min de leitura

Bernd, o alemão nascido no dia oito de janeiro de 1983, atualmente radicado em Hamburgo, a pessoa por trás da drag queen Samantha Gold, pode bater no peito orgulhoso quando falamos de sua curta, porém eficiente participação na primeira temporada de Queen of Drags, reality show da Alemanha apresentado por Heidi Klum com a própria também no corpo de jurados, ao lado da rainha barbada Conchita Wurst e do cantor Bill Kaulitz.

Na estreia desta edição inaugural, originalmente transmitida em 14 de novembro de 2019 pela ProSieben, a competição começa no episódio The Art of Drag, onde Samantha, ao lado de nove drag queens, é desafiada a mostrar quem sua drag é no palco principal. Até aqui tudo bem, com exceção do detalhe que a jurada convidada, Olivia Jones, é justamente a mãe drag da estrela de hoje desta Who’s That Queen?

De qualquer forma, mais a frente, Samantha é a única do elenco que canta uma canção ao vivo, enquanto todas as suas irmãs dublam músicas diversas. Certa estava ela de investir em “Für mich soll’s rote Rosen regnen”, de Hildegard Knef. A façanha musical lhe garantiu 21 pontos, sete deles de Heidi, seis de Olivia, outros seis de Bill e apenas dois de Conchita.

Salva para arrasar na segunda semana competitiva devido ao quinto lugar conquistado no primeiro episódio, Samantha jamais esquecerá do dia 21 de novembro de 2019, quando Future Universe, episódio dois, fora exibido.

Na ocasião, as nove drags restantes encararam uma missão dupla pela frente: a feitura de uma roupa com lixo e uma performance, ambos com o tema futuro e ficção científica. Samantha opta por dublar Move in The Right Direction, da banda Gossip. Diferente do que sugere esta faixa, talvez não tenha sido o caminho certo para Samantha.

Com quatro pontos no placar total, cada um deles dados pelos três jurados fixos e mais um concedido pela convidada Amanda Lepore, Samantha deu adeus a Queen of Drags. “Essa é uma punhalada no coração para mim”, disse a mesma, no Instagram, na época.

Agora, quase dois anos após o fim de sua participação neste programa, o que a primeira participante plus size dele tem a dizer além do fato de que seu drinque preferido é o Cosmopolitan? Logo abaixo você descobre. Confira!

Advertisement. Scroll to continue reading.

Reality shows sobre drag queens se tornaram uma tendência em todo o mundo. É a melhor plataforma para lançar novos talentos?

Eu acredito que reality de TV com drag queens veio para ficar. É uma plataforma perfeita para mostrar nossa arte às massas e aumentar a conscientização.

Realmente é muito eficiente para isto.

E, entre outras coisas, novos talentos podem ser encontrados e outros podem ser incentivados. Para mim, posso viver tanto quanto uma drag, mas também posso causar um impacto. Posso ficar no palco, posso inspirar as pessoas, posso mostrar que você pode fazer algo grande com arte, com maquiagem e vestidos. É sempre uma ótima experiência levar as pessoas para outro mundo, para deixá-las maravilhar-se e deixar o dia a dia para trás.

E drag queens cumprem este papel muito bem. O que mais você quer, Samantha?

Quero alcançar pessoas com a minha gentileza e também posso observar como as pessoas ao meu redor reagem à minha aparência. Aqui você pode ver que muitos reagem a mim de forma muito positiva e aberta. Fascínio e espanto substituem o medo do contato e pensamentos negativos – acho isso ótimo e deve continuar da mesma forma.

Sim, e a sua drag é a plataforma para isto.

Advertisement. Scroll to continue reading.

Como Samantha é mais fácil chegar às pessoas, porque tenho a atenção desde o início por causa da minha aparência. Você pode abordar e discutir questões delicadas com mais facilidade e é mais fácil fazer a diferença porque mais pessoas ouvem e querem saber o que tenho a dizer – automaticamente você tem uma plataforma e deve usá-la. Especialmente como uma drag queen, você frequentemente percebe que muitas pessoas se aproximam de você, mostram interesse e fazem perguntas.

Como eu agora com a seguinte pergunta: se você pudesse formar um grupo pop de garotas com mais quatro drag queens, quem você escolheria e por que motivo?

Fizemos shows ao vivo em Berlim como parte do Queen of Drags em janeiro.

Eu soube. Adoraria ter assistido.

Este é exatamente o conceito que eu poderia imaginar perfeitamente para uma banda de garotas. Seria então uma banda de dez integrantes, porque todas nós dez, rainhas da primeira temporada, somos tão diferentes e únicas.

Concordo com você. São muitos estilos de drag diferentes na mesma edição.

Eu não gostaria de perder nenhuma delas. Poderíamos fazer apresentações em pequenos grupos, todo o grupo também poderia se apresentar e cada uma de nós poderia fazer apresentações individuais. Nós definitivamente seríamos uma ótima banda de garotas, eu realmente posso imaginar isso.

Advertisement. Scroll to continue reading.

Quais foram as três principais coisas que você aprendeu com a Samantha de Sex and The City?

Samantha é uma homenagem à Samantha de “Sex and the City” – uma mulher perversa, feminina e sexy, com curvas e um grande coração.

Sobrenome?

E o sobrenome Gold surgiu porque eu queria ter algo angelical como contrapartida, porque meus professores e amigos falavam que eu parecia um anjo com meu cabelo loiro, mas que eu era um demônio. E o ouro também representa glamour, brilho e exclusividade. Minhas principais coisas que aprendi com Samantha é me apresentar como uma mulher orgulhosa e forte, com uma opinião, e ser uma amiga verdadeira em todas as situações.

No meio gay, infelizmente, ainda existe muito preconceito contra pessoas gordas. O que causa a gordofobia que gera o não afeto pelos corpos gordos?

Com meu último projeto, “Live Unique”, quero dar às pessoas uma plataforma para apresentarem a si mesmas e suas histórias a um público mais amplo e criar uma comunidade para oferecer troca e ajuda mútua. Foi muito importante para mim retratar as pequenas afirmações e frases cotidianas de vergonha do corpo pictoricamente e dar uma cara ao bullying.

>  Who's That Queen? Natalia Pliacam
>  James Ross, Tyra Sanchez, é preso por vandalismo

Estou imaginando como este processo funcionou para você. Interessante!

Advertisement. Scroll to continue reading.

Gostaria de falar brevemente sobre os protagonistas dos vídeos para sublinhar minha declaração.

Claro, fique à vontade. Pode continuar.

É sempre importante para mim, como uma figura da arte, não apenas fazer um show, mas sempre transportar uma mensagem e uma mensagem importante.

Sempre penso que toda drag deve levar alguma mensagem que nos faça refletir.

Muitas pessoas comentam sobre tudo e todos, porque é tão aprendido, ou também para ser descolado e não oferecer superfície de ataque. Pessoas que envergonham os outros têm, em minha opinião, pouca autoconfiança e talvez um ou outro problema consigo mesmas. Elas projetam sua própria energia negativa nos outros para que tenham uma aparência ou se sintam melhor.

E fazem mal a si mesmas e as outras pessoas, principalmente.

O incrível poder de envergonhar o corpo e o que isso pode fazer à psique de outras pessoas é totalmente subestimado na sociedade em geral. Frases do dia a dia que parecem uma punhalada no coração para as pessoas afetadas são ditas descuidadamente – isso deve finalmente chegar ao fim.

Advertisement. Scroll to continue reading.

Vamos voltar no tempo, mais precisamente para 14 de novembro de 2019: estreia da primeira temporada de Queen of Drags. Só me diga, o que vem à sua mente agora, quando você pensa sobre isto?

Esse foi o primeiro momento que vi as competidoras de Queen of Drags novamente e eu estava realmente ansiosa por isso com antecedência. A estreia em Berlim foi um evento muito emocionante e único. Estabelecemos um marco na televisão alemã e estou muito orgulhosa de fazer parte disso.

Até hoje acho que você foi eliminada muito cedo no episódio dois. Se você pudesse resumir sua trajetória em Queen of Drags para quem ainda não vu o programa, o que você diria?

Não me arrependo nem por um segundo – o tempo no Queen of Drags foi um momento único e ainda estou orgulhosa de ter feito parte da 1ª temporada. Foi um marco na história da TV dar às drag queens uma plataforma onde pudessem apresentar sua arte para as massas. Heidi, Bill e Conchita sempre nos trataram olhando nos olhos e com muito respeito. O tempo na vila e durante as filmagens sempre foi emocionante. Com dez drag queens em uma villa, brigas de gato eram naturalmente inevitáveis. Mas também havia amizades verdadeiras e coesão real – eu levei cada drag queen para o meu coração!

Já se passaram seis anos desde sua primeira experiência como drag em 2014. Desde então, quais foram as principais mudanças que ocorreram na cena drag alemã e o que você destaca?

Tenho uma família muito divertida que dá festas temáticas há muitos anos. Em uma dessas festas, as mulheres de nossa família se vestiram de homens – e vice-versa. De minhas sobrinhas e sobrinhos aos meus avós, todos ficaram emocionados e disseram que eu parecia incrivelmente boa como mulher e de alguma forma isso me deu o impulso para me transformar com mais frequência e deslizar para outros papéis. Especialmente vestidos, saias e corpetes me fazem ganhar vida como Samantha Gold. Samantha Gold é glamorosa e pomposa, começando pelo cabelo e terminando nos looks. Trago uma grande dose de elegância e um grande coração. Meu estilo livre como “Srta. Tuntenball Áustria” foi uma honra muito especial para mim, uma época em que me lembro com muito carinho. Sim, você pode dizer que foi o início da minha carreira de drag queen como Samantha Gold.

Era a minha próxima pergunta, Samantha.

Advertisement. Scroll to continue reading.

Em 2014 estive pela primeira vez no Graz Tuntenball – lá fui coroada Miss Tuntenball um ano depois, em 2015. Em 2016 ganhei minha primeira experiência em Hamburgo como drag queen e em 2017 fui coroada Miss Tuntenball Alemanha no Dresden Tuntenball.

Um belo currículo. Condragulations!

Quase ao mesmo tempo, consegui fazer um noivado com Olivia Jones e outras grandes festas e eventos em Hamburgo, onde pude expandir ainda mais a arte drag. Outro grande marco de 2019 foi a participação no programa de TV Queen of Drags. Tive permissão para apresentar a mim mesma e minhas performances na frente de Heidi Klum, Bill Kaulitz e Conchita Wurst e, assim, definir outro sinal de tolerância e aceitação.

Percebi que você gosta muito de competir, até ganhando alguns títulos. O que te atrai no mundo das competições além de vencê-las?

Adoro viver o meu sonho e – fiel ao meu lema “viver único” – inspirar e encorajar as pessoas com a minha arte. Não me sinto como algo especial, sou única – assim como cada pessoa é única! Eu criei uma figura artística que representa igualdade, uma sociedade moderna e diversidade – e ainda assim as tradições e os costumes são importantes para mim. Isso não é uma contradição para mim – viver único. É um grande prazer combinar esses dois caminhos opostos em minha vida.

Gostaria que você falasse sobre o vídeo abaixo: como foi a preparação e por que você escolheu esta música? Tenho um carinho especial pelas drags cantoras.

Sou totalmente fã do Eurovision Song Contest e ouço música dele o ano todo. A vencedora da competição, Netta, de Israel, me inspira e empolga muito e também adoro ouvir e cantar suas canções. Eu estava lá ao vivo em Portugal quando ela ganhou o Eurovision. Este foi um momento realmente único! Ela é uma pessoa incrível com uma mensagem importante.

Advertisement. Scroll to continue reading.

>  Who's That Queen? Reggy B
>  Para Raja novas rainhas de Drag Race precisam "ter boas maneiras"

Você pretende lançar sua própria música, um single?

Já pensei nisso antes, mas não é uma pergunta fácil de responder.

Haha, imagino.

Gosto de muitos estilos diferentes de música e para concretizar minhas ideias provavelmente teria que lançar um álbum inteiro. Mas sempre seria importante para mim apresentar uma mensagem com cada música.

Quem você gosta de escutar?

Além de músicas selecionadas do Eurovision Song Contest, eu amo grandes divas como Whitney Houston, Celine Dion, Mariah Carey, Jennifer Hudson ou Adele, mas também estou sempre feliz com novas descobertas e recém-chegados. Muitas vezes sou tocada por uma música apenas por causa da frase com a qual me identifico.

Advertisement. Scroll to continue reading.

Compositores costumam sofrer negligência nos aplicativos de música, que não os creditam como autores da letra. Mas continue.

Eu também sou uma fã absoluta de musicais. Elisabeth, Rebecca e Rudolf, por exemplo, estão entre meus favoritos. Também costumo ouvir musicais quando estou me maquiando e me transformando na Samantha.

Para dizer adeus: neste momento o Brasil é governado por um fascista chamado Jair Bolsonaro. Ele odeia a comunidade LGBTQIA+. Que mensagem você gostaria de enviar sobre isto?

Vivemos no século 21, mas infelizmente o comportamento dos líderes dos países ainda não chegou aqui. Com os meios medievais, especialmente a comunidade queer é discriminada, perseguida e em parte até condenada e morta por isso.

Bastante condenada.

Esse comportamento simplesmente não deve ter lugar em nossa sociedade. Devemos mostrar ainda mais que somos todos seres humanos – independentemente de aparência, sexo, religião ou outras diferenças culturais. Somos todos únicos e bons do jeito que somos!

Todos deveriam pensar desta forma.

Advertisement. Scroll to continue reading.

Concluindo, só posso dizer novamente: viva de maneira única! Sempre acredite em si mesmo e sempre faça o que quiser. Não se deixe abater e não dê ouvidos aos outros. Lembre-se sempre: viva de maneira única – faça o que quer e lute por seus objetivos.

Siga Samantha Gold no Facebook, Instagram, YouTube e Twitter.

Para ler outras entrevistas exclusivas do Who’s That Queen clique aqui.

Compartilhe!

Entre pro nosso canal do Telegram aqui!

APADRINHE A DRAGLICIOUS: Ajude a manter a Draglicious viva celebrando a arte drag, doando pelo nosso PIX, chave: draglicious@outlook.com. Ou doe pelo meu PicPay na conta @saullete, o link é: https://app.picpay.com/user/saullete. Ou nos apadrinhe em padrim.com.br/draglicious.

Clique para comentar

Deixe uma resposta

Veja Também

Drag Queens

“Eu não me candidatei ao emprego. Fui solicitada pela RuPaul. Tive dois dias para me preparar”, diz Delta Work sobre ser cabeleireira de RuPaul...

Drag Queens

“Espero que os fãs de RuPaul’s Drag Race em todo o mundo abram seus corações e nos assistam na WOW Present Plus”, diz Srimala,...

Drag Queens

“Como uma drag queen tailandesa, quero representar as artes, a cultura tailandesa e nossa identidade através de mim o máximo possível”, diz Tormai, da...

Drag Queens

“Nunca fui uma opção, mas sim uma prioridade, portanto, como Argentina fui a única finalista em ambas as temporadas”, diz Sofía Camará, de The...

Propaganda

We're born naked & the rest is drag. Portal de notícias, humor e babados sobre RuPaul's Drag Race, drag queens, arte drag, comunidade LGBTQ+ e cultura pop.

Contato: draglicious@outlook.com

Draglicious 2021 © Todos os direitos reservados.