Conecte-se conosco

Hi, what are you looking for?

POSE

Pose | S03E03 | The Trunk

E A CATEGORIA É VIVA, ARRASE E POSE! Confira a resenha crítica do terceiro episódio da temporada final de POSE, o melhor até agora!

Compartilhe!

Entre pro nosso canal do Telegram aqui!

APADRINHE A DRAGLICIOUS: Ajude a manter a Draglicious viva celebrando a arte drag, doando pelo nosso PIX, chave: draglicious@outlook.com. Ou doe pelo meu PicPay na conta @saullete, o link é: https://app.picpay.com/user/saullete. Ou nos apadrinhe em padrim.com.br/draglicious.

🕓 6 min de leitura

Saber que esse episódio se chamava “The Trunk” significava que eu assistiria ansiosamente sabendo (ou melhor, pensando que sabia) o que estava por vir. Aqueles de nós que assistiram ao episódio “Butterfly/Cocoon” da segunda temporada depois de ler o artigo de Jeanie Russell Kasindorf na New York Magazine de 1994 “The Drag Queen Had a Mummy in her Closet” [A Drag Queen tinha uma múmia em seu armário] sabiam que era apenas uma questão de tempo antes que Pose voltasse a este ponto mais infame das tramas.

E então, quando vi Elektra sendo escoltada para fora de seu negócio por um par de policiais nos minutos iniciais do episódio, pensei que poderíamos chegar a uma conclusão para esta saga ficcional de Dorian Corey de forma lúgubre ao estilo das séries Cold Case e Law & Order. Em vez disso, embora este episódio escrito por Janet Mock e Brad Falchuk seja estruturado em torno do esqueleto literal escondido no armário da Elektra, bem, “trunk”, logo ficou claro que isso não se tornaria um drama policial. (Como Blanca coloca mais tarde no episódio, “O sistema nos culpa quando é o sistema que falha conosco”; e a esse respeito, Pose nunca iria permitir que seus personagens fossem enquadrados em um estereótipo que glorifica os sistemas existentes.)

Em vez disso, o que temos aqui é o melhor episódio desta temporada final. Sim, é sobre “The Trunk”, mas é sobre o que aquele baú significou para Elektra – como uma criança escondendo vestidos Halston longe dos olhos julgadores de sua mãe, como uma House Mother muito feliz por construir um novo lar para si mesma, e sim, mais tarde ainda como um lembrete das escolhas indescritíveis que ela teve que fazer para sobreviver.

>  RuGirls e artistas internacionais se posicionam contra Bolsonaro #EleNão
>  POSE | S02E10 | In My Heels

Esses flashbacks de 1978, 1983 e 1984 dão ao episódio uma qualidade quase autocontida, como se estivéssemos parando para olhar para trás antes que todo o impulso em direção à conclusão inevitável da série comece a aparecer. E quem melhor para nos conduzir no caminho da memória do que a própria lendária Elektra Abundance Evangelista Wintour?

Mostrar de onde Elektra veio, enquadrar ainda mais sua visão da maternidade como uma correção na maneira como sua própria mãe a tratou, é uma maneira adorável de completar o ciclo de sua personagem. Enquanto ela sorri sobre a admissão de Blanca na escola de enfermagem no final do episódio, você não pode deixar de lembrar o momento em que ela adotou Angel, Cubby e Lemar no cais, mesmo que as interações com sua própria mãe ajudem a enquadrar melhor o endurecido exterior de Elektra há muito tempo construído. Sua postura, “The Trunk” nos lembra, que é tanto uma proteção quanto uma arma, e você vê porque ela tem tanta dificuldade em superá-la e assim se tornar vulnerável – mesmo entre aqueles que ela agora chama de família.

O que há muito faz de Dominique Jackson uma artista tão cativante em Pose é sua capacidade de ser agridoce por excelência; ela pode ser abrasivamente dura às vezes, mas você nunca duvida que seu coração está no lugar certo. Pegue uma frase como “Procure por Blanca e não se assuste. Ela tem um bom coração sob aquela peruca infeliz”.  É uma gongação deliciosa, sim, mas também é uma admissão comovente do quanto ela se preocupa com sua filha. Permitindo que este episódio reforçasse a história de Elektra, dando-nos um olhar sobre a mãe que nunca poderia vê-la como ela era, bem como os momentos-chave que levaram a estréia triunfal da lendária House of Abundace na cena ballroom em 1984, não é apenas um deleite, mas uma chance bem-vinda de dar a Jackson amplo espaço para mergulhar nas complexidades (e aspectos mais suaves) de um dos personagens mais cativantes da série.

Honestamente, o momento em 1983 em que Elektra, de pé na frente de sua mãe, abandona sua afetação arrogante e volta às cadências vocais que sua mãe reconheceria é uma coisa bela. É um lembrete da maneira como a voz de uma pessoa (seja seu tenor, sua inflexão, seu sotaque) é uma parte importante de sua identidade, mesmo que permaneça tão maleável quanto seu guarda-roupa.

Advertisement. Scroll to continue reading.

>  POSE | S02E03 | Butterfly/Cocoon
>  POSE | S02E01 | Acting Up

Falando em guarda-roupa, precisamos falar sobre o ball (a categoria é: Era uma vez). Observei na resenha anterior que Pose às vezes funciona como uma reviravolta queer emocionante nos tradicionais dramas familiares para TV, ancorado por mães amorosas como Blanca e Elektra. Mas quando a House of Abundance fez uma entrada matadora nos riffs dos anos 90 em contos de fadas antigos, lembrei-me de que esse gênero também desempenhou um papel na forma como essa série é concebida. Pontuada por “Era uma vez” de Donna Summer – “Ela viveu na terra do nunca-nunca”, ela canta, “Onde tudo o que é real é irreal e apenas os contos de fadas se tornam realidade” – o ball parece a conclusão da visão que Pose sonhou para seus personagens. Ao longo de suas três temporadas, o elenco e a equipe técnica recuperaram e reinventaram personagens tradicionais que tanto dominaram a narração de histórias sobre a comunidade queer e trans (a trabalhadora sexual negra trans, o extravagante homem preto gay) e os transformaram em exemplos a serem seguidos, heróis de suas próprias histórias, dando-lhes vida em sua própria versão de “Era uma vez”.

Uma jovem Angel (Indya Moore), por exemplo, saindo com uma roupa com capuz escarlate que evoca tanto a Sonja vermelha quanto o Chapeuzinho Vermelho nos mostra uma versão poderosa da feminilidade que luta contra aquele conto de fadas sobre garotas enfrentando homens predadores na floresta desde a infância e no mundo do ballroom (e conexões noturnas no cais). Da mesma forma, Blanca e Elektra virando o jogo sobre a Branca de Neve (“Ela não está comendo a maçã envenenada; ela está fazendo você comê-la!”) E a Rainha Má (“Tenho pena da princesa que cruza esta vadia!”) É uma oportunidade brilhante para ilustrar como donzelas e vilões são propensos à subversão sob um olhar queer. Mas também, quão apropriadas essas histórias permanecem para os membros da House of Abundance, que estão se aproximando cada vez mais (esperamos) de seus próprios “felizes para sempre”.

>  POSE | S01E02 | Access
>  Os poderosos discursos do GLAAD Media Awards 2019

Tens Across the Board

Elektra negociando para si mesma uma torta de maçã quente no McDonald’s após o programa além de sua taxa no cais em 1978 (“Eles pagam mais porque eu sou mais!”) É a perfeição.

Entre The Undoing, Made for Love e agora sua vez como a mãe severa de Elektra, Tasha, precisamos que Noma Dumezweni ganhe papéis maiores e mais suculentos nos próximos anos. Ela merece muito.

Ainda estou rindo da fala de Candy, Angelica Ross, “Achei que alguém sem um martelo tivesse dito alguma coisa!”. Tão adorável tê-la de volta, mesmo que por um breve período. (Bônus: ela, como todos os outros na estreia da House of Abundance, parecia divina.)

“Você me desapontou! A categoria é ‘Era uma vez’, não ‘Massacre da noite do baile!’ E o que é isso? O que é isso com asas de celofane de loja de artesanato? Você está tentando voar para longe da sua vergonha, Srta. Capri?!” Depois de um episódio que deu a Billy Porter algum material verdadeiramente sombrio para trabalhar, foi revigorante ver Pray Tell por volta de 1984 e encontrá-lo em sua forma mais espirituosa e extravagante, saboreando a chance de dar vida a uma Pray que ainda não via a escuridão à frente.

Arranje um homem que olhe para você do jeito que o Christopher, de Jeremy Pope, olha para Blanca. Qualquer homem que nem pisca quando ouve que sua namorada tem um corpo para se desovar (e que depois ajuda, sem vomitar, devo acrescentar, quando o dito corpo mumificado rola para fora de sua mala) é um homem que vale manter por perto, um príncipe encantado encarnado.

Este episódio merece 5 coroas, foi o melhor da temporada até agora.

Advertisement. Scroll to continue reading.

Resenha por Vulture. Para ler mais notícias de Pose clique aqui.

Compartilhe!

Entre pro nosso canal do Telegram aqui!

APADRINHE A DRAGLICIOUS: Ajude a manter a Draglicious viva celebrando a arte drag, doando pelo nosso PIX, chave: draglicious@outlook.com. Ou doe pelo meu PicPay na conta @saullete, o link é: https://app.picpay.com/user/saullete. Ou nos apadrinhe em padrim.com.br/draglicious.

Clique para comentar

Deixe uma resposta

Veja Também

POSE

Confira a resenha final dessa lendária série que nos ensinou bastante e fará muita falta. VIVA, ARRASE E POSE! 

POSE

E A CATEGORIA É VIVA, ARRASE E POSE! Confira a resenha crítica do penúltimo episódio da temporada final de POSE, o casamento de Angel...

POSE

E A CATEGORIA É VIVA, ARRASE E POSE! Confira a resenha crítica do quinto episódio da temporada final de POSE.

Celebridades

Billy Porter descobriu o diagnóstico em 2007 e conta que foi o pior ano de sua vida, mas declara "Eu tenho vivido isso e...

Propaganda

We're born naked & the rest is drag. Portal de notícias, humor e babados sobre RuPaul's Drag Race, drag queens, arte drag, comunidade LGBTQ+ e cultura pop.

Contato: draglicious@outlook.com

Draglicious 2021 © Todos os direitos reservados.