Conecte-se conosco

Hi, what are you looking for?

POSE

Pose | S03E07 + 08 | Series Finale

Confira a resenha final dessa lendária série que nos ensinou bastante e fará muita falta. VIVA, ARRASE E POSE! 

Compartilhe!

Entre pro nosso canal do Telegram aqui!

APADRINHE A DRAGLICIOUS: Ajude a manter a Draglicious viva celebrando a arte drag, doando pelo nosso PIX, chave: draglicious@outlook.com. Ou doe pelo meu PicPay na conta @saullete, o link é: https://app.picpay.com/user/saullete. Ou nos apadrinhe em padrim.com.br/draglicious.

🕓 6 min de leitura

Pray Tell voltou para casa e se sentou em frente ao espelho de maquiagem. Ele remove uma sobrancelha. Então outra. Ele remove a maquiagem lenta e cuidadosamente. Ele está olhando para si mesmo, mas também para além de si mesmo. A câmera sabe que deve ficar com ele, nos deixando assimilar cada segundo desse momento. O tempo todo, “Say a Little Prayer” de Aretha Franklin toca ao fundo, talvez dando voz ao que está se passando na mente de Pray. E o que, por sua vez, Pose está nos dizendo em seu último episódio: “Para todo o sempre, você ficará no meu coração e eu vou te amar”.

Como os melhores momentos da série, essa cena é poderosa por sua simplicidade. Às vezes, tudo que você precisa é o vencedor do Emmy e do Tony, Billy Porter, para mantê-lo extasiado enquanto ele atualiza o que é indiscutivelmente um dos momentos mais icônicos da televisão do século 21 e dá um toque queer. O momento fala muito pela quantidade de informações que retém, uma restrição que Pose raramente se permite. Assistindo, você sabia muito bem o que Ricky encontraria na manhã seguinte, quando entrasse no apartamento de Pray. Mas isso não diminuiu o impacto nem um pouco. A temporada tem, de certa forma, sempre levado à morte de Pray. Devemos ser gratos por ele ter saído em seus próprios termos, após uma performance de baile brilhante e incandescente.

Então é isso… não mesmo. Você realmente só precisa se deleitar com sua fabulosidade. Não requer nenhum comentário adicional. Outro, talvez, além de nos lembrar da alegria que essas cenas de ballroom capturaram durante o mandato de Pose. Desde aquela passarela de “Realeza” digna de entrar pra história da House of Abundance no episódio piloto do programa, aquela “sala sem ar” (como Elektra a descreve) tem sido um refúgio seguro, um espaço de possibilidades. Não importava o que acontecesse lá fora, a comunidade dentro daquelas paredes oferecia conforto. Faz sentido Pray sentir que finalmente poderia partir depois de uma despedida tão deliciosa e alegre.

O que tivemos em ambos os lados dessa perda dolorosa foi um episódio que nos mostrou todas as razões pelas quais Pose permanecerá para sempre uma grande conquista. Co-escrito por Ryan Murphy, Brad Falchuk, Steven Canals, Janet Mock e Our Lady J, o “Series Finale” em duas partes é um retrato de uma comunidade, uma crônica histórica urgente e uma carta de amor aos seus personagens, presenteando uma dignidade que sempre foi deles, mas que esteve ausente em nossas pequenas telas por muito tempo. A maior força de Pose (e possivelmente seu maior fardo) foi a maneira como se plantou e se conheceu como mais do que um programa de televisão. Esta foi uma declaração sobre o que a televisão poderia ser. Sobre quais histórias podem ser contadas. Sobre quem pode contar essas histórias. E, mais importante, sobre o que os telespectadores, os críticos e a indústria aprendem quando uma mulher trans negra latina é o centro gravitacional de um drama a cabo.

Da mesma forma, este episódio final cumpriu sua promessa de iluminar os tipos de narrativas que se tornam centrais quando mulheres como Blanca e homens como Pray são o coração de sua narrativa. Cobrindo tudo, desde racismo médico, (a atrasada) coalizão arco-íris da ACT UP, à culpa do sobrevivente e inação do governo (“Uma pilha de negros mortos é uma ótica ruim. Uma pilha de brancos mortos é uma tragédia nacional”.), Este episódio final não deixa seus personagens serem figuras singulares, poupadas da dor e da raiva que ainda prevalecem em suas próprias comunidades. Como Pray observa no início do episódio, de que adianta saber que você vai sobreviver quando isso significa que muitos outros vão morrer?

É aqui que a “maternidade” que o programa tanto defendeu se tornou uma filosofia óbvia de construção de comunidade. Uma mãe – como Blanca, por exemplo – entende que cuidar de outra pessoa não é colocar as necessidades dela acima das suas, mas saber que o bem-estar dela está intrinsecamente ligado ao seu: trata-se de incentivar as pessoas para cima e ao lado de você, reconhecer que há força em números, sobre perceber que cuidado é um ato político. É o que fez essas ações de protesto parecerem tão urgentes. Eles permanecem desconfortavelmente oportunos.

Imagens de policiais agredindo manifestantes pacíficos e jogando corpos negros no chão. Visões de civis furiosos pedindo ao governo que faça melhor por suas comunidades marginalizadas, pois muitas estão morrendo. Assistir a essas cenas em 2021 é ter a história falando no tempo presente.

Advertisement. Scroll to continue reading.

À medida que Pose encerrava suas histórias, me ocorreu que o que é mais tocante em seu enredo de uma década é a maneira como enfatizava a solidariedade intergeracional. De Elektra a Blanca, de Blanca a Angel, de Pray a Ricky, de Ricky aos membros mais novos da Casa de Evangelista, Pose serve como um exemplo de porque é importante olhar para essas histórias recentes não como peças de museu que precisam ser embalsamados, mas como testemunhos vibrantes que vivem naqueles que ainda estão aqui.

O que me traz de volta à cena de Pray em frente ao espelho, que fica ainda mais comovente quando emparelhada com aquele tête-à-tête final e sonhador que ele tem com Blanca: “Para sempre, e sempre, você vai ficar no meu coração e Eu vou te amar”.

A linha, é claro, é espelhada mais uma vez. Pray pode ter dito essas palavras a si mesmo, mas ele também as estava ouvindo como proferidas por aqueles que o amam há muito tempo – nós inclusive. A voz de Aretha Franklin estava falando por aqueles de nós que assistiram Pose durante sua exibição de três temporadas. Há uma intimidade ali que não começa nem termina em um lado da tela. Ao criar este mundo onde Papi e Angel podem obter um filme feliz para sempre, onde Blanca pode ganhar o status de lendária enquanto vive uma vida plena fora do salão de baile e onde Elektra pode dominar seu próprio império de negócios, Pose há muito escolheu ver seus fãs como membros da família. O ethos do programa sempre foi o de construir uma comunidade e, com este episódio final, fez com que personagens e espectadores soubessem que nunca seriam esquecidos.

Podemos estar nos separando e tal, mas sempre teremos Pose.

>  Indya Moore se irrita ao descobrir que atores cis estão dublando as personagens mulheres trans de POSE
>  Pose | S03E01 | On the Run

Tens Across the Board

Não pense que eu perdi aquele pôster “Esperando para expirar” bem quando Pray e Ricky se encontram nas ruas de Nova York.

“Quero ser lembrado como uma representação de tudo o que os bailes poderiam ser: esperança e alegria e família. Às vezes maldade”. Pose pode ter deixado a maldade para trás durante grande parte de sua existência (até mesmo o exterior frio de Elektra foi lentamente desmontado para mostrar uma alma calorosa e voltada para a caridade), mas não há como negar isso mais do que elevou aqueles outros marcadores do ballroom.

Lição de História I: Saiba mais sobre o “Coro de Homens Gays de São Francisco (SFGMC)” e sua agora famosa foto no Chronicle de 1993, sem dúvida a inspiração por trás do Coro de Homens Gays que encontramos neste episódio.

Advertisement. Scroll to continue reading.

Lição de História II: Saiba mais sobre as ações do ACT UP Ashes realizadas em 1992 e 1996 no gramado da Casa Branca (inspirado por ninguém menos que David Wojnarowicz) que representam o pano de fundo para os protestos aqui fictícios.

 

Quão lindo foi aquele momento entre as duas “mães” de Pray? Além disso, é comovente e gracioso ver uma mãe admitir tão prontamente seus próprios erros e abrir espaço para aqueles que se colocaram em seu lugar.

“Essas meninas vieram para a cidade para fazer sexo?” é uma frase de Elektra perfeita, o tipo de leitura improvisada e não intencional que só ela poderia soltar com tanta alegria e ainda assim soar como um veneno indiferente. À parte: para sua consideração Dominique Jackson merece concorrer na categoria de Melhor Atriz Coadjuvante de Drama no Emmys. Ela merece.

“Finais felizes são para filmes”, diz Blanca. É por isso que ela acredita que devemos celebrar os momentos felizes, não importa o quão fugazes, em vez disso. Uma filosofia tão bela para se viver quanto qualquer outra coisa que “Vovó Blanca” divulgou durante este episódio. Lembrete: para sua consideração MJ Rodriguez merece concorrer na categoria de Melhor Atriz de Drama no Emmy. Ela merece.

Este episódio merece 5 coroas, foi um grande encerramento para uma série lendária. VIVA, ARRASE E POSE! 

Resenha por Vulture. Para ler mais notícias de Pose clique aqui.

Advertisement. Scroll to continue reading.
Compartilhe!

Entre pro nosso canal do Telegram aqui!

APADRINHE A DRAGLICIOUS: Ajude a manter a Draglicious viva celebrando a arte drag, doando pelo nosso PIX, chave: draglicious@outlook.com. Ou doe pelo meu PicPay na conta @saullete, o link é: https://app.picpay.com/user/saullete. Ou nos apadrinhe em padrim.com.br/draglicious.

Clique para comentar

Deixe uma resposta

Veja Também

Notícias

RuPaul's Drag Race e Pose fazem bonito no Emmy 2021 e conquistam 20 indicações ao todo, incluindo Melhor Programa de Competição, Melhor Apresentador e...

POSE

E A CATEGORIA É VIVA, ARRASE E POSE! Confira a resenha crítica do penúltimo episódio da temporada final de POSE, o casamento de Angel...

POSE

E A CATEGORIA É VIVA, ARRASE E POSE! Confira a resenha crítica do quinto episódio da temporada final de POSE.

Celebridades

Billy Porter descobriu o diagnóstico em 2007 e conta que foi o pior ano de sua vida, mas declara "Eu tenho vivido isso e...

Propaganda

We're born naked & the rest is drag. Portal de notícias, humor e babados sobre RuPaul's Drag Race, drag queens, arte drag, comunidade LGBTQ+ e cultura pop.

Contato: draglicious@outlook.com

Draglicious 2021 © Todos os direitos reservados.