Especial Lady Bunny | Pt3: Go-Go Boy por 40 dólares

Três décadas depois de aterrissar em Nova York com RuPaul, Lady Bunny reina como a rainha suprema de Nova York, mesmo quando uma geração mais nova morde seus calcanhares.

Modo Noturno

Lady Bunny cresceu em Chattanooga, Tennessee, onde ela era uma exceção desde o começo.

“Ele adorava vestir roupas e brincar com as crianças da vizinhança”, disse a mãe de Bunny, Becky Ingle, uma enfermeira aposentada que ainda mora na mesma casa que o marido.

Nós costumávamos morar ao lado de um florista, e eles jogavam fora as fitas em um lixo. E ele fez uma roupa para uma pequena peça que fez, onde amarrou todas essas fitas. Ele tinha cerca de 6.

O pai de Bunny, H. Larry Ingle, foi professor de história na Universidade do Tennessee em Chattanooga. A política liberal da família fez deles ovelhas negras no Tennessee dos anos 1960. Os Inlgels eram fortes opositores da moradia discriminatória e da Guerra do Vietnã, e pressionaram a Câmara dos Vereadores para acabar com a parada do Dia das Forças Armadas de Chattanooga.

Quando Bunny tinha 11 anos, seu pai recebeu uma bolsa Fulbright e transferiu temporariamente a família para Gana, onde seus pais se converteram ao quakerismo do congregacionalismo. “Foi o melhor ano da minha vida”, disse Bunny, lembrando-se de bananeiras no quintal e de uma sucuri que atravessava a rua.

>  Silvetty Montilla estrela a peça: O Nome Dela É Valdemar
>  Drag Me Down the Aisle | Drag queens realizam casamento dos sonhos em programa especial

Ainda deixo boquiabertos os taxistas da África Ocidental falando as reminiscências do Fante. Só posso dizer algumas coisas, mas isso as agrada loucamente.

Mas ficou mais difícil se encaixar.

Quando eu tinha 15 ou 16 anos, havia tensão em casa, porque eu era uma jogadora. Meu pai dizia: ‘Jon, tudo o que você quer fazer é ficar por aí jogando conversa fora e experimentando roupas’.

Para “endireitá-la”, seus pais a enviaram para um colégio Quaker em York, Inglaterra.

Eu me especializei em beber, em que os ingleses são bons. Era o auge da new wave, disco e punk, e eu era super interessada em música. Sylvester era meu ícone. E era um segredo conhecido que eu era gay, mesmo que eu tenha conseguido passar pela escola sem ter sido perseguida por ser gay.

>  Drag queens compartilham mensagens de apoio após Bolsonaro ser eleito presidente
>  Vedete, personagem de Super Drags, é dublada por Silvetty Montilla

Quando retornou a Chattanooga dois anos depois, ela se matriculou com relutância na universidade de seu pai, mas a essa altura sua visão de mundo era muito ampla. Inquieta, ela se transferiu para a Georgia State University, onde ela estava menos interessada na aula do que na florescente cena drag em Atlanta, que ela chamou de “a Meca do Sul gay”.

Lá, ela conheceu RuPaul Charles, um ambicioso bichano do glamour dois anos mais velho que ela. Eles se tornaram go-go dancers para uma banda new wave local, a Now Explosion, se vestindo de roupas exóticas de brechó.

>  Fã expõe golpe que levou de Robbie Turner
>  O épico encontro de Sasha Velour e Ikaro Kadoshi

Nós fomos frequentemente despejados, ocasionalmente trabalhando na ‘Popeyes chicken’ – você sabe, crianças de rua, essencialmente. Em um ponto, Ru viramos moradores de rua juntos, e íamos com quem quer que nos levasse depois que a noite da boate acabava. Nós éramos lixo chamativo.

Em 1983, ela seguiu RuPaul até a cidade de Nova York, onde por algum tempo dividiram um apartamento no distrito ainda não-especializado de frigoríficos. O epicentro do distrito de East Village era o Pyramid Club, na avenida A, e RuPaul e Lady Bunny (como ela agora se chamava) tornaram-se rainhas internas, dançarinas go-go por 40 dólares por noite.

Registro raro de RuPaul e Lady Bunny (desmontada) mais novos.
>  Gia Gunn | 30 Dias em Transição pt1
>  S11 | Billboard entrevista: Mercedes Iman Diamond

Em Sua primeira vez se apresentando, ela disse:

Eu fiz uma vibrante lip-sync de ‘I Will Survive’ e caí na metade, perdi minha peruca e perdi um sapato. Mas há aquela pequena calmaria na música logo antes do fim, e de alguma forma eu me levantei, peguei minha peruca de volta e terminei o número com um sapato.

Uma noite, depois que o clube fechou, Bunny e alguns outros foliões entraram no Tompkins Square Park.

Começamos a fazer palhaçadas no palco na frente de alguns moradores de rua que estavam cansados ​​de nossos gritos e tentando dormir às 5 da manhã. E nós acabamos de ter a ideia de parodiar Woodstock e fazer isso como Wigstock. Tenho certeza de que a ideia teria morrido com a ressaca do dia seguinte, mas eu realmente disse: ‘Vou solicitar uma permissão’.

Continua aqui.

Especial Lady Bunny

Pt1: Ela ainda é a rainha mais shady

Pt2: Conheça seu “gêmeo mau”

Pt3: Go-Go Boy por 40 dólares

Pt4: Reaproximando de RuPaul

Pt5: Eu sou o Wigstock

Wigstock: o festival drag de New York está de volta

DEIXE UMA RESPOSTA

Conecte com




Please enter your comment!
Please enter your name here