O que é HIV?

Existem muitos equívocos em torno do vírus e o que isso pode significar se alguém receber um diagnóstico positivo.

Modo Noturno

Existem muitos equívocos em torno do vírus e o que isso pode significar se alguém receber um diagnóstico positivo. LetsGetChecked acompanhada de Trinity K Bonet, da sexta temporada de RuPaul’s Drag Race, a partir deste especial vem quebrar estigmas e equívocos ao contar sua história de saúde sexual em homenagem ao Mês de Conscientização sobre Saúde Sexual.

O que é o HIV?

HIV significa Vírus da Imunodeficiência Humana (em inglês Human Immunodeficiency Virus, daí HIV). O HIV é um vírus transmitido pelo sangue que é transmitido, predominantemente, através da exposição sexual, por fluidos corporais, nomeadamente sémen e fluido vaginal. Ele também pode ser transmitido compartilhando agulhas ou recebendo produtos de sangue infectados. Uma mãe pode passar o vírus para o bebê durante a gravidez, parto ou amamentação.

Simplificando, o vírus ataca o sistema imunológico permitindo que outros vírus sejam uma passagem fácil para o corpo.

A principal diferença entre o HIV e a AIDS é que o HIV é classificado como um vírus, que pode continuar a se desenvolver naqueles que têm o vírus e ser transmitido para aqueles que não o têm. A AIDS é classificada como uma condição ou grupo de condições que enfraquecem o sistema imunológico e também é conhecida como estágio 3 do HIV.

O HIV e a AIDS causam uma deterioração da capacidade do sistema imunológico de combater doenças. O HIV não tratado pode desenvolver AIDS, o que coloca os pacientes em maior risco de contrair infecções oportunistas.

O HIV não tratado estimula uma resposta imune para atacar as células CD4. As células CD4 são responsáveis ​​pela regulação das reações imunes e pela ativação das células envolvidas no sistema imune inato. Diagnóstico da AIDS pode ser medido através de células CD4. Se o seu número de células CD4 cair abaixo de 200 células por milímetro cúbico de sangue (200 células/mm3), seu diagnóstico será classificado como AIDS.

AIDS significa Síndrome de Imunodeficiência Adquirida. Uma síndrome refere-se a um grupo de condições com as quais se pode sofrer de uma só vez, o que descreve apropriadamente o que pode ser sofrer de HIV ou AIDS.

>  S11 | Pabllo Vittar fala sobre sua suposta participação em Drag Race

Os Sintomas

Os sintomas do HIV variam dependendo da pessoa e em que estágio da doença elas estão.

1) INFECÇÃO AGUDA: sintomas semelhantes aos da gripe que ocorrem dentro de um mês após a contração do vírus.

2) LATÊNCIA CLÍNICA: o sistema imunológico está enfraquecido à medida que a infecção pelo HIV se torna crônica. Isso pode durar décadas.

3) AIDS: a AIDS é diagnosticada quando a contagem de CD4 cai abaixo de 200 células/mm3.

>  Ongina se manifesta sobre Grindr compartilhar sorologia HIV de seus usuários com terceiros

Infecção Primária (HIV agudo)

No estágio primário de infecção, as pessoas geralmente experimentam sintomas semelhantes aos da gripe dentro de um mês ou dois após o vírus entrar no corpo. Este processo é referido como “soroconversão”.

Sintomas de Soroconversão

Os sintomas de soroconversão incluem:

  • Febre
  • Arrepios
  • Erupção cutânea
  • Suor noturno
  • Dores musculares
  • Dor de garganta
  • Fadiga
  • Linfonodos inchados
  • Úlceras na boca

Você não deve presumir que tem HIV apenas porque tem algum destes sintomas. Cada um desses sintomas pode ser causado por outras doenças. E algumas pessoas que têm HIV podem ser assintomáticas por anos.

Qualquer pessoa que seja sexualmente ativa deve ser verificada regularmente em busca de HIV. Se forem diagnosticadas precocemente, as pessoas soropositivas com a medicação correcta podem viver uma vida relativamente normal com uma esperança de vida normal.

>  Grindr alerta usuários brasileiros para redobrarem segurança após eleições

Sintomas Latentes do HIV

Após a soroconversão, a doença passa para um estado dormente. Durante esta fase, o HIV ainda está ativo, mas se reproduz em níveis muito baixos. As pessoas podem não ter nenhum sintoma de HIV durante este tempo, mas é importante notar que alguém ainda pode transmitir o HIV durante este estágio. Este estágio pode durar 10 anos ou mais, mas alguns pacientes progridem através do HIV latente em um ritmo mais rápido.

HIV sintomático

Durante o estágio latente, o vírus está continuamente quebrando o sistema imunológico do corpo. Depois de bastante dano ao sistema imunológico, uma pessoa infectada pode começar a sentir sintomas de um sistema imunológico enfraquecido, como:

  • Candida oral/sapinho
  • Diarréia recorrente
  • Perda de peso rápida
  • Febre recorrente ou suores noturnos profusos
  • Letargia/mal-estar
  • Úlceras orais ou genitais
  • Verrugas recorrentes ou persistentes
  • Problemas de pele

Lembre-se de que cada um desses sintomas também pode estar relacionado a outras doenças. Portanto, a única maneira de saber com certeza se você tem HIV é fazer o teste.

>  Cardi B elogia performance de Trinity K. Bonet

Progressão para o HIV em fase tardia/AIDS

Se o HIV não for tratado, eventualmente o vírus terá danificado o sistema imunológico do corpo a tal ponto que progredirá para o estágio tardio do HIV, também conhecido como AIDS. Muitos dos sintomas mais graves que os pacientes com HIV em estágio terminal podem experimentar provêm de infecções oportunistas que atacam e tiram proveito do sistema imunitário danificado do doente, tais exemplos incluem tuberculose ou linfoma.

PrEp e resultados positivos

Estudos australianos apresentaram resultados positivos que ilustram que tomar medidas preventivas pode melhorar drasticamente a qualidade de vida daqueles que são HIV positivos.

A Universidade de New South Wales, em Sydney, relata que 92% dos homens gays e bissexuais soropositivos para HIV estão experimentando uma carga viral indetectável, como resultado do tratamento anti-retroviral bem-sucedido, ou drogas anti-retrovirais conhecidas como ARV.

Uma carga viral é definida como o nível de infecção pelo HIV no corpo em um determinado momento. Alguém que pode ter sido diagnosticado com o HIV é dito ter uma “carga indetectável” quando existe um risco de 0% associado à transmissão da infecção ao (s) parceiro (s) sexual (ais). Quebrando um recorde de sucesso pelo terceiro ano consecutivo, o estudo relata que mais de 90% dos homens não podem mais transmitir o HIV.

>  AS4 | Sétimo episódio não aparece na Netflix e revolta fãs de Drag Race

Outro relatório ilustra que o número daqueles que tomam medidas preventivas quando se trata de HIV e AIDS está a aumentar ano após ano. Um Relatório Anual de Vigilância informa que o número de homens gays tomando o PrEp como medida preventiva aumentou de 1% em 2013 para 16% em 2017. A hipótese é de que a aceitação por parte daqueles que receberam o PrEp foi incentivada pelo financiamento da saúde pública em 2016.

O Instituto Kirby relata que os heterossexuais representam 20% dos diagnósticos de HIV, mas 55% dos heterossexuais são diagnosticados com HIV tardiamente, o que pode indicar que são necessárias maiores campanhas de conscientização preventiva para esse grupo demográfico.

O diagnóstico e o prognóstico do HIV entre mulheres que fazem sexo com mulheres são em grande parte indocumentados. Existe um risco menor de transmissão de HIV e AIDS entre lésbicas ou mulheres que fazem sexo com mulheres, de acordo com os Centros de Controle e Prevenção de Doenças, que afirmam:

“O risco bem documentado de transmissão do HIV entre mulheres e homens mostra que as secreções vaginais e o sangue menstrual podem conter o vírus e que a exposição da membrana mucosa (por exemplo, oral, vaginal) a essas secreções tem o potencial de levar à infecção pelo HIV”.

>  Jaden Smith confirma Tyler, the Creator é seu namorado

Isso não significa que isso possa ser descartado. Lésbicas e mulheres bissexuais ainda correm risco, especialmente se tiveram ou fazem sexo regularmente com homens, usam ou compartilham agulhas para fins de uso de drogas, estão freqüentemente em um ambiente médico, têm tatuagens ou se envolvem em práticas sexuais que podem tirar sangue ou fluidos corporais.

A única maneira de se proteger totalmente, independentemente da sua orientação sexual, é fazer o teste regularmente. O CDC recomenda que todos entre 13 e 64 anos sejam testados pelo menos uma vez por ano como parte de sua rotina de saúde. Aqueles que são percebidos como “alto risco” devem fazer o teste a cada três meses. A demografia de alto risco depende da sexualidade, fatores de estilo de vida e histórico familiar.

Como faço para testar o HIV?

O teste para o HIV requer uma pequena amostra de sangue. Você pode fazer o teste gratuitamente visitando o CTA (Centro de Testagem e Acolhimento) de sua cidade ou região. Procure o CTA mais perto de você clicando aqui.


Confira a entrevista da Trinity K Bonet sobre sua condição de soropositivo para HIV: aqui.

Via LetsGetChecked.

DEIXE UMA RESPOSTA

Conecte com




Please enter your comment!
Please enter your name here