O que é o HIV? | Uma entrevista com Trinity K. Bonet

Modo Noturno

Existem muitos equívocos em torno do vírus e o que isso pode significar se alguém receber um diagnóstico. LetsGetChecked acompanhado de Trinity K Bonet, da sexta temporada de RuPaul’s Drag Race, a partir deste especial vem quebrar estigmas e equívocos ao contar sua história de saúde sexual em homenagem ao Mês de Conscientização sobre Saúde Sexual.

Trinity K Bonet, também conhecida como Joshua Jones, foi diagnosticada com HIV em 2012: “Foi um check-up aleatório que o detectou. Tive a sorte de pegá-lo enquanto meus números ainda estavam no intervalo normal”.

Bonet falou pela primeira vez de seu diagnóstico durante a 6ª Temporada de RuPaul’s Drag Race. Hoje, ela é uma defensora da conscientização e prevenção do HIV/AIDS e se junta à LetsGetChecked para compartilhar sua experiência de viver com o HIV, como ela lidou com seu diagnóstico e como ela espera derrubar os estigmas associados ao HIV, hoje, através de sua defesa da saúde sexual.

“Você só vive uma vez! Faça tudo o que puder enquanto puder. Viva a vida com propósito e de propósito”.

 

>  Glória Groove dubla Aladdin na versão live action da obra

Que conselho você daria para Trinity K antes de se tornar Trinity K?

Meu conselho seria escolher um nome unissex. Tipo a Ru. Ser constantemente chamado de Trinity vem com seu próprio conjunto de problemas.

Quais os sintomas que você teve no início do diagnóstico?

Eu não tive nenhum sintoma antes de ser diagnosticada. Depois que eu descobri, não fiquei deprimido ou triste comigo mesmo. Eu sabia que era algo que eu tinha que lidar. Tive a sorte de ser diagnosticada e receitaram uma medicação que não inclui efeitos colaterais negativos para mim.

Você acha que é importante usar sua experiência para conscientizar as pessoas que vivem com o HIV?

Absolutamente! Eu sinto que esse foi o propósito de receber essa plataforma. A única maneira pela qual podemos apagar os estigmas associados ao HIV é educar aqueles que não estão cientes do que é o HIV, como preveni-lo e como tratá-lo.

Por que você se tornou uma defensora?

Para quem muito é dado muito é necessário. Sendo que eu tenho uma plataforma como a de RuPaul’s Drag Racel, é importante usar essa plataforma para melhorar a vida das pessoas ao meu redor. A defesa do HIV é como escolhi ajudar a minha comunidade.

>  Conchita Wurst revela ser HIV+ após ex-namorado ameaçar expor sua sorologia

Qual foi a primeira coisa que passou pela sua cabeça quando você recebeu seus resultados?

Eu só queria saber o que eu precisava fazer para me manter viva. Desde então, tenho participado de muitos painéis conversando com adolescentes sobre o HIV. Eu tenho organizado arrecadações para apoiar esta grande causa. Em 1º de dezembro de 2018, que é o Dia Mundial da AIDS, eu apresentarei o Rock The Know 2018, que é um desfile da Red Ribbon em Atlanta, Gerogia. Vamos arrecadar dinheiro e, claro, oferecer testes gratuitos de HIV, além de informações sobre locais e programas que estão disponíveis para aqueles que podem ter sido diagnosticados com HIV como eu tenho.

Você trabalha com a Lambda Legal – o que você espera alcançar com essa organização?

Espero poder fazer ainda mais para apoiar o trabalho das comunidades LGBTQIA e Trans. O Lambda Legal tem estado na linha de frente lutando pela igualdade de nossa comunidade. Tenho a honra de integrare uma organização tão grande. Fiz parceria com a Lambda Legal para aumentar a conscientização entre as comunidades de drag e das pessoas de não-conformidade de gênero. Fui abençoada por me tornar o rosto da Lambda Legal para uma campanha na DragCon NYC 2018.

Você acha que ainda existe um estigma em torno das doenças sexualmente transmissíveis?

Sim existe. É por isso que algumas pessoas preferem não saber. Fora de vista está fora da mente. Isso definitivamente não é uma coisa boa quando se trata do HIV.

>  Segredos dos primeiros 10 anos de Drag Race, pt1

“Conhecimento é poder. Poder amar a si mesmo e poder viver uma vida saudável.”

Você acha que há uma falta de conhecimento em torno da saúde sexual LGBT, particularmente para aqueles que estão fazendo uma transição de gênero?

Nem todo mundo sabe tudo. É nosso trabalho, como defensores, educá-los. Mesmo com o conhecimento, você tem que ter a mentalidade de fazer melhor. Muitas pessoas sabem que sexo desprotegido coloca você em risco, mas elas ainda mantêm relações sexuais desprotegidas. Não é sempre sobre falta de conhecimento. Algumas pessoas têm naturezas impulsivas e assumem riscos, independentemente das informações ou fatos que possam ter conhecimento.

O que pode ou deve ser feito para combater essa falta de consciência?

Informá-los. Faça-os conscientes. Tudo se resume a educá-los e esperar que eles façam o que for necessário depois disso. Você pode levar um cavalo à água, mas não pode fazê-lo beber.

>  Violet Chachki interpreta Marilyn Monroe em campanha da Prada

Você já enfrentou discriminação por causa do seu diagnóstico?

Muitas vezes. Fui envergonhada por ser soropositiva. Fui atacada on-line por admitir que ainda faço sexo. Meu status não me impede de fazer sexo. Existem preservativos. PrEp e Pep (A profilaxia pré-exposição é o uso de medicamentos preventivos, que devem ser tomados por pessoas que ainda não foram expostas a um vírus). Eu tomo diariamente Genvoya e atualmente sou indetectável.

Que conselho você daria para alguém que acabou de descobrir que é HIV positivo?

Entre no tratamento. É tão simples como uma pílula por dia. Não se preocupe com a percepção das pessoas sobre você.

“Continue a viver ou comece a viver!”

O que você gostaria de ver acontecer em torno do discurso da saúde sexual e como as pessoas veem e lidam com o estigma em torno da saúde sexual?

Eu gostaria de ver um tempo em que não haja estigma e as pessoas possam viver suas vidas sem julgamento.

Como você acha que essa mudança pode ser feita?

Cada um ensina um. Se dedicarmos tempo para educar os que nos rodeiam, podemos fazer parte da mudança que é necessária.

“Eu gostaria de incentivar todos os que estão lendo [este artigo] para cuidar de si mesmos. Se você é soropositivo, ainda pode viver uma grande vida”.

Leia sobre o que é HIV aqui.


Como faço para testar o HIV?

O teste para o HIV requer uma pequena amostra de sangue. Você pode fazer o teste gratuitamente visitando o CTA (Centro de Testagem e Acolhimento) de sua cidade ou região. Procure o CTA mais perto de você clicando aqui.

Via LetsGetChecked.

DEIXE UMA RESPOSTA

Conecte com




Please enter your comment!
Please enter your name here