Conecte-se conosco

Hi, what are you looking for?

POSE

Pose | S03E04 | Take me to Church

E A CATEGORIA É VIVA, ARRASE E POSE! Confira a resenha crítica do quarto episódio da temporada final de POSE.

Compartilhe!

Entre pro nosso canal do Telegram aqui!

APADRINHE A DRAGLICIOUS: Ajude a manter a Draglicious viva celebrando a arte drag, doando pelo nosso PIX, chave: draglicious@outlook.com. Ou doe pelo meu PicPay na conta @saullete, o link é: https://app.picpay.com/user/saullete. Ou nos apadrinhe em padrim.com.br/draglicious.

🕓 6 min de leitura

“Você não quer que nossa história tenha um final diferente?”

A fala, entregue pelo amor adolescente de Pray Tell, agora um homem de Deus aparentemente ansioso para deixar sua família e fugir para a cidade de Nova York para passar os últimos meses de Pray com ele, poderia muito bem servir como toda a filosofia de narrativa de Pose. Afinal de contas, no papel, um programa centrado em mulheres negras trans e gays ambientado no auge da epidemia de AIDS na cidade de Nova York parecia evocar uma narrativa pré-escrita. Nós conhecíamos as histórias (e finais) que esses tipos de personagens têm proporcionado, tanto na vida real quanto em telas grandes e pequenas.

No entanto, mais uma vez, Pose encontrou maneiras de subverter essas narrativas. Não é tanto que o show pintou uma visão cor de rosa do início dos anos 90 de Nova York, mas que se recusou a se deixar ser encaixotado em clichês desgastadas que muitas vezes são implantadas em prol da autenticidade. Há um otimismo que permeia essas histórias, por mais trágicas, dolorosas ou angustiantes que possam ser. Isso é o que eu ficava pensando enquanto Vernon (Norm Lewis) professava seu amor por Pray Tell (Billy Porter) e deu a ele o mais próximo de um discurso de comédia romântica num ato final como alguém pode dar a um ex-amor que você não vê há décadas que acabou de saber que pode ter apenas mais seis meses de vida.

>  POSE | S02E04 | Never Knew Love Like This Before
>  POSE | S01E06 | Love Is The Message

Oh sim, devemos retroceder um pouco. Acho que agora é verão e Pray voltou da reabilitação. (O episódio encobre isso, mais ou menos da mesma forma que escreveu sobre Damon alguns episódios atrás, com uma fala sobre ele ter ido embora.) Mas, indo direto ao ponto, “Take Me to Church” nos dá as notícias que esperávamos nunca ouvir: Pray desenvolveu linfoma e seu médico acaba de lhe informar que ele tem, na melhor das hipóteses, alguns meses restantes. No verdadeiro estilo de Pray, ele recebe a notícia na esportiva: “Nenhum homem branco com um jaleco e sapatos baratos vai me dizer para jogar a toalha”. No entanto, ele está decidido a fazer as pazes com seu passado, então ele volta para casa para contar a notícia para sua mãe.

Acontece tanta coisa durante a volta ao lar de Pray que quase desejei que tivéssemos conseguido um arco de dois episódios aqui. Porque, além do reencontro de Pray com seu amor amor adolescente (que se casou com a melhor amiga de Pray e se tornou parte integrante da igreja), temos momentos difíceis entre Pray e sua mãe (por causa do abuso sexual que ele sofreu nas mãos de seu padrasto ), bem como conversas espinhosas sobre fé, sexualidade, casamento e as muitas cicatrizes que Pray ainda carrega consigo desde que se revelou para sua família. Qualquer um desses tópicos – aqueles flashbacks de um jovem Pray na igreja, os confrontos acalorados sobre o abuso sexual, os debates sobre a homofobia na igreja – poderia ter criado episódios cativantes próprios.

De fato, alguns têm momentos tão lúcidos de diálogo (“A paz é mais importante do que a verdade”, “Eu precisava que você acreditasse em mim e o deixasse”) que fiquei querendo mais espaço para sentar com cada um deles. Juntos, porém, eles se sentem um pouco apressados. Mas talvez essa sensação de estar sobrecarregado seja o ponto. Não há como uma viagem para casa, uma conversa, uma descoberta, que desfaça décadas de traumas.

Mas voltando a Vernon e Pray. É uma prova da abordagem de contos de fadas do programa que eu não ficaria surpreso se Norm finalmente aparecesse no ponto de ônibus e deixasse tudo para trás. O mundo que escritores como Steven Canals, Janet Mock e Brad Falchuk criaram em Pose é aquele que faz essa demonstração de amor de um homem negro para outro parecer totalmente plausível. Pray pode dizer que ele sabe como sua história termina (“Reescrever meu passado não vai mudar meu futuro”, ele lamenta), mas essa troca, no entanto, abre possibilidades que já teriam parecido inimagináveis para o jovem. o ônibus vai embora. Vê-lo íntegro, orando rodeado pela Casa Evangelista, dando-nos uma visão da família queer e da espiritualidade individual que ele veio a abraçar, é em si uma reescrita talvez não de um futuro, mas do presente que ele está fazendo para si mesmo.

Advertisement. Scroll to continue reading.

>  RuPaul's Drag Race e Pose se destacam nas indicações ao Emmy 2021
>  #64 | Pose: Temporada 2 (parte 2)

Tens Across the Board

Podemos falar sobre o elenco glorioso deste episódio? Norm Lewis como Vernon é inspirado, sim, mas reunindo Anna Maria Horsford (Amem), Janet Huber (Um Maluco no Pedaço) e Jackée Harry (Todo Mundo Odeia o Chris), todas as quais desempenharam papéis essenciais no final dos anos 80 e início dos anos 90, as sitcoms negras era simplesmente divina. É o tipo de toque de elenco que nos ajuda a sentir que conhecemos a família de Pray – mesmo que estejamos pegando emprestado essa familiaridade desses outros programas. Isso também torna suas interações transbordantes de calor humano, embora você veja onde Pray pode ter obtido seu dom para o shady (“Você nem sempre foi um cisne” é o tipo de shade a que você apenas tem que se curvar). É também o que torna a cena final com a Jada (de Harry) ainda mais poderosa; você apenas sabe que ela vai cuidar dele e lutar por ele, amando-o do jeito que ela não amou todos aqueles anos atrás. Porque esse é o tipo de figura maternal que todos nós sabemos que Jackée Harry é.

>  Os poderosos discursos do GLAAD Media Awards 2019
>  POSE | S01E04 | Fever

Continuando a usar escândalos que chamaram a atenção para nos manter firmes em 1994, o episódio termina com uma discussão na hora do jantar sobre Lisa “Left Eye” Lopes e seu infame incêndio criminoso (também conhecido como aquela vez em que ela incendiou a mansão de Andre Rison, uma história que é quase tão selvagem do que você pode imaginar).

“Seu marido é homossexual”. Não posso ser o único que imediatamente relembrou uma das cenas mais famosas de Angels in America, em que o Prior Walter disse sem rodeios a uma Harper frenética: “Seu marido é um homo”. É um momento que se você piscar você perde, mas o eco parecia apropriado, já que Ebony, assim como Harper, não pode deixar de rejeitar essa descrição para que não destrua a imagem idílica de um casal perfeito que construíram juntos. E, assim como aquele opus de Tony Kushner, “Take Me to Church” explicitamente luta com a interseção de ser queer e a fé.

A música sempre foi uma parte central da história de Pose e “Take Me To Church” não foi diferente. Desde “Killing Me Softly With His Song” de Roberta Flack, que compõe o relacionamento de Pray com Vernon, até a visão comovente de Billy Porter em “This Day” (deixando Pray viver sua fantasia de Whitney Houston), não há como negar que às vezes é mais fácil suportar tudo com uma música.

“Achei que fosse sua casa”. Eu observei o quanto Pose é sobre família, mas adorei a maneira como “Take Me To Church” quase remixou esse tema com uma exploração do que significa conversar e encontrar uma casa. Desde a música que abre o episódio (“Nenhum túmulo deve segurar meu corpo, Esta terra ainda é minha casa”) à memória de Pray do que Vernon uma vez disse a ele (“Eu pensei que era sua casa”), o conceito de “casa” continuou soando o tempo todo – não como um lugar ou mesmo um sentimento, mas como um corpo.

Este episódio merece 4 coroas, foi o melhor da temporada até agora.

Resenha por Vulture. Para ler mais notícias de Pose clique aqui.

Advertisement. Scroll to continue reading.
Compartilhe!

Entre pro nosso canal do Telegram aqui!

APADRINHE A DRAGLICIOUS: Ajude a manter a Draglicious viva celebrando a arte drag, doando pelo nosso PIX, chave: draglicious@outlook.com. Ou doe pelo meu PicPay na conta @saullete, o link é: https://app.picpay.com/user/saullete. Ou nos apadrinhe em padrim.com.br/draglicious.

Clique para comentar

Deixe uma resposta

Veja Também

Notícias

RuPaul's Drag Race e Pose fazem bonito no Emmy 2021 e conquistam 20 indicações ao todo, incluindo Melhor Programa de Competição, Melhor Apresentador e...

POSE

Confira a resenha final dessa lendária série que nos ensinou bastante e fará muita falta. VIVA, ARRASE E POSE! 

POSE

E A CATEGORIA É VIVA, ARRASE E POSE! Confira a resenha crítica do penúltimo episódio da temporada final de POSE, o casamento de Angel...

POSE

E A CATEGORIA É VIVA, ARRASE E POSE! Confira a resenha crítica do quinto episódio da temporada final de POSE.

Propaganda

We're born naked & the rest is drag. Portal de notícias, humor e babados sobre RuPaul's Drag Race, drag queens, arte drag, comunidade LGBTQ+ e cultura pop.

Contato: draglicious@outlook.com

Draglicious 2021 © Todos os direitos reservados.