Connect with us

Hi, what are you looking for?

POSE

Pose | S03E02 | Intervention

E A CATEGORIA É VIVA, ARRASE E POSE! Confira a resenha crítica do segundo episódio da temporada final de POSE.

Compartilhe!

Entre pro nosso canal do Telegram aqui!

APADRINHE A DRAGLICIOUS: Ajude a manter a Draglicious viva celebrando a arte drag, doando pelo nosso PIX, chave: draglicious@outlook.com. Ou doe pelo meu PicPay na conta @saullete, o link é: https://app.picpay.com/user/saullete. Ou nos apadrinhe em padrim.com.br/draglicious.

🕓 7 min de leitura

O título do segundo episódio da temporada final de Pose (que foi ao ar em conjunto com sua estreia) sugere exatamente o que domina o desenrolar da história por uma hora. Apenas, talvez tivesse sido mais preciso se o título fosse no plural. “Intervenção” pode sugerir a reunião encenada em que Blanca (Mj Rodriguez) e a Casa de Evangelista amorosamente tentam fazer Pray Tell (Billy Porter) reconhecer o fato de que ele tem um problema com a bebida, mas houve várias cenas durante todo essa mesma dinâmica (como: Papi e Angel, Elektra e Lulu).

Mas a franqueza do título do episódio fala também à estrutura tacitamente compreendida do show. Sempre houve um didatismo bem-vindo em Pose, um entendimento de que o drama FX espera ser  “Barrados no Baile” desta geração. Ou, melhor, sua parceira contemporânea. Vistos lado a lado, especialmente quando operam na veia de “episódio muito especial” que uma entrada como “Intervenção” tanto lembra, Barrados no Baile e Pose quase parecem programas irmãos, com a intenção de servir como narrativas de auto-ajuda que encorajam os espectadores jovens e velhos a entender por que algumas pessoas fazem escolhas mal concebidas. Pose é um corretivo tardio e uma reformulação fabulosa desse tipo de narrativa, filtrada pela especificidade de seus personagens queer e trans, muitos dos quais (como Pray) carregam consigo traumas e fardos que atravessam gerações.

Então, sim, se há alguns momentos no episódio que parecem um pouco desajeitados ou um pouco exagerados, estou inclinado a olhar além deles. Não é só que eu não poderia imaginar ver os tipos de conversas sobre vício ligadas ao luto pelo HIV/AIDS em um programa como Barrados no Baile quando eu era adolescente, mas que agora, nos meus 30 anos, vendo essas mesmas conversas parece poderoso por si mesmo: Muito se fala sobre o que uma série como Pose está fazendo para as gerações mais jovens, mas eu sou constantemente lembrado (especialmente naqueles momentos em que as rivalidades e solidariedade entre gerações aumentam, como entre Pray e Lemar, ou Pray and Ricky) que esta crônica do passado queer é um poderoso chamado à luta em nosso presente.

>  POSE | S01E07 | Pink Slip
>  POSE | S02E04 | Never Knew Love Like This Before

Assistir Blanca, por exemplo, em um almoço conciso com os pais de Christopher repleto de farpas eufemísticas (sua mãe acha a perspectiva de Blanca ter um salão de manicure “estimulante” e ela crescer no gueto algo “colorido”) apenas para então vê-la se defender para si mesma é tão reconfortante quanto fortalecedor. Ela pode alegar que perdeu a autoconfiança, mas há algo em Blanca que sempre a fará se destacar e se defender. Crédito onde é devido: a capacidade de Rodriguez de capturar uma resiliência frágil, mas rígida é o que torna Blanca uma grande revelação; observe-a nessas duas cenas “encontre os Huxtables” e observe como ela está constantemente oscilando entre encolher-se para ser apreciada e cerrar os dentes por obrigar-se a fazê-lo. Quando ela se levanta (literalmente), parece uma visão da Blanca que conhecemos, aquela por quem Christopher se apaixonou pela primeira vez. É um momento glorioso de auto-capacitação que é acompanhado por uma demonstração amorosa de apoio: o jantar foi refeito e Christopher aceitou o desafio quando, talvez em um show diferente, ele pode ter falhado.

Volto aqui, como fiz em minha recapitulação anterior, para a maneira como isso sinaliza um aspecto sutil, mas inegável da escrita em Pose: estas são pessoas que não estão apenas torcendo por seus personagens, mas ativamente criando mundos (tão imaginários como são autênticos) que permitem que eles sejam os “eus” que merecem ser. É por isso que mesmo quando o programa coloca um personagem como Pra Tell em uma situação em que ele está claramente no caminho da autodestruição, você sabe que haverá uma luz no fim do túnel. Isso priva o show do que normalmente chamaríamos de tensão narrativa porque acreditamos que um final feliz será inevitável? Talvez. Mas, como Pray neste episódio mostra, isso não impede que Pose extraia todo o drama de tal enredo.

O que quer dizer: este episódio sozinho poderia ganhar com folga para Billy Porter outro Emmy de melhor ator de série dramática.

Pense nisso: no espaço de uma hora, podemos ver o ator realizar uma dublagem matadora (para En Vogue!), entregar uma série contundente de shades muito pessoais (“Se eu quisesse o conselho de uma viciada em crack, eu sairia na rua e pediria”), desabari em lágrimas quando confrontado com a perspectiva de perder Ricky e, finalmente, encontraria o caminho de volta à sobriedade antes de se internar na reabilitação no interior do estado. Porter dá-lhe tudo: o entorpecimento que vem com o alcoolismo, a euforia que vem com uma performance enérgica no ball, a frustração justa que vem ao ver amigos e ex-amantes morrendo – tudo ao mesmo tempo mostrando às crianças o que um artista experiente pode fazer com um tempo perfeitamente cronometrado.

Advertisement. Scroll to continue reading.

>  Pose | S03E06 | Something Old, Something New
>  POSE | S01E08 | Mother Of The Year

Mais uma vez, a narrativa de Pray parece muito bem dividida, muito organizada mesmo em meio à tendência de Pose de manter seus episódios bem embalados. Quer dizer, o episódio é intitulado “Intervenção”; obviamente, isso não foi projetado como um arco de uma temporada, apesar de seu rico conteúdo temático. Mas, mesmo com esse ritmo acelerado, não há como negar que Porter recebeu um banquete de um episódio (créditos a uma fala muito inteligente e até piegas como: “Eu bebo porque me odeio. E me odeio porque bebo”).

E assim como com o enredo de Blanca (engraçado como esses dois primeiros episódios deixaram de lado os personagens coadjuvantes da série, não?), Os momentos de auto-reflexão de Pray atingiram um ponto forte precisamente porque vocalizam o que muitos então (e talvez até hoje) carreguem consigo enquanto enfrentam a vida à sombra do HIV/AIDS. O que você faz com tanta dor? O que você faz com o trauma? Como você continua com sua vida quando todos os dias são rondados pela morte? A Casa Evangelista está certa em reclamar de Pray sobre sua bebida, mas eles realmente não têm muitas respostas sobre a melhor forma de continuar quando seu corpo, sua vida, seus amigos são lembretes constantes do que parece ser um desfecho inevitável .

Isso é o que tornou sua explosão durante sua intervenção tão dolorosa. Seja chamando Elektra por seus delírios de grandeza ou criticando Papi por andar na cauda do casaco de Angel, você viu Pray brandindo sua língua afiada em seus entes queridos com a mesma verve que ele sem dúvida reserva para si mesmo. Não havia generosidade ali, apenas o ataque de alguém com dor pegando a lâmina que ele estava usando para machucar todos ao seu redor. O fato de seus ataques também ecoarem sua presença de palco e seu papel como mestre de cerimônias meramente enfatizava como suas performances com discursos ácidos sempre escondiam uma forma mais sombria de ver o mundo. Mas onde, em meio ao brilho dos balls, ele transformou essa habilidade em um momento brilhante de leviandade, aqui ela foi engolida inteira pela escuridão que tanto o consome.

Vai ser interessante ver como é um Pray pós-reabilitação e sóbrio, dentro e fora dos holofotes. Vamos apenas esperar que isso dê a Porter notas ainda mais fabulosas para tocar enquanto ele esboça os episódios finais de um dos personagens mais fascinantes da televisão.

>  #63 | Pose: Temporada 2 (parte 1)
>  #34 | Pose S01E08: Mother of The Year

Tens Across the Board

“Quem você está chamando de queer? Eu sou uma mulher transexual com orgulho!”, eu adorei a frase quase descartável de Lulu durante a preparação da intervenção: foi um rápido comentário sobre a forma como rótulos de guarda-chuva como “queer” muitas vezes podem obscurecer as experiências vividas específicas daqueles que eles estão tentando incluir.

Ainda estou boquiaberto com o conjunto de penas de Elektra. E o terninho cintilante de Pray.

Eu sei que a série há muito enquadra Blanca como a figura materna central (ela foi chamada como tal pelo próprio Pray neste episódio), mas podemos parar um momento para nos alegrarmos com as excelentes habilidades maternas da Sra. Elektra? Pode ser que ela nunca consiga uma estátua como a de Pietà, mas sua abordagem direta e dura de amor (com Lulu: “A categoria é: costureira!”, Com Blanca: “Você é tudo, porra!”, E até com Pray: “Pense em sua rotina de cuidados com a pele pelo menos!”) é especialmente bem-vinda, especialmente durante as cenas em que a escrita da série corre o risco de se tornar muito enjoativa.

Advertisement. Scroll to continue reading.

Qualquer programa que consegue apresentar Toni Braxton, En Vogue, Janet Jackson e Mariah Carey em um único episódio merece crédito extra.

Este episódio merece 3 coroas pois o clima continuou pesado, com pouco alívio dramático.

Resenha por Vulture. Para ler mais notícias de Pose clique aqui.

Compartilhe!

Entre pro nosso canal do Telegram aqui!

APADRINHE A DRAGLICIOUS: Ajude a manter a Draglicious viva celebrando a arte drag, doando pelo nosso PIX, chave: draglicious@outlook.com. Ou doe pelo meu PicPay na conta @saullete, o link é: https://app.picpay.com/user/saullete. Ou nos apadrinhe em padrim.com.br/draglicious.

Click to comment

Deixe uma resposta

Veja Também

Notícias

RuPaul's Drag Race e Pose fazem bonito no Emmy 2021 e conquistam 20 indicações ao todo, incluindo Melhor Programa de Competição, Melhor Apresentador e...

POSE

Confira a resenha final dessa lendária série que nos ensinou bastante e fará muita falta. VIVA, ARRASE E POSE! 

POSE

E A CATEGORIA É VIVA, ARRASE E POSE! Confira a resenha crítica do penúltimo episódio da temporada final de POSE, o casamento de Angel...

POSE

E A CATEGORIA É VIVA, ARRASE E POSE! Confira a resenha crítica do quinto episódio da temporada final de POSE.

Advertisement

We're born naked & the rest is drag. Portal de notícias, humor e babados sobre RuPaul's Drag Race, drag queens, arte drag, comunidade LGBTQ+ e cultura pop.

Contato: draglicious@outlook.com

Draglicious 2022 © Todos os direitos reservados.