Conecte-se conosco

Destaques

Resenha | AJ and the Queen

Robert e AJ fazem a viagem de suas vidas, no meio de muito drama, humor, lipsyncs, glitter, shade e situações inesperadas que nos fazem torcer pelo sucesso da dupla. Confira a seguir a resenha da primeira temporada de AJ and The Queen!

Compartilhe!

Publicado

on

🕓 7 min de leitura

Anunciada em 2018, AJ And The Queen conta a história de Robert Lee, um homem gay de meia idade, que após levar um golpe de milhares de dólares do seu namorado, decide fazer uma turnê pelos Estados Unidos se apresentando em várias boates como a drag queen Ruby Red. Mas os planos precisam ser ajustados quando Robert descobre escondida em seu trailer uma garotinha chamada Amber Jasmine (AJ), que foi abandonada pela mãe.

E assim caímos neste que é um trabalho completamente diferente do que estamos acostumados a ver de RuPaul. Embora haja muita performance, dublagens e bate cabelo, não se trata de mais uma versão de Drag Race, mesmo que várias rainhas do programa apareçam no decorrer dos episódios. Por dez episódios vemos Robert tentando reerguer sua vida após ver seus planos de abrir sua própria boate destruídos, enquanto tenta levar AJ para morar com seu avô no Texas.

Não se deixem enganar pela premissa simples, a série é ótima e consegue tratar com leveza e humor temas sérios, como a solidão de homens gays mais velhos e o abandono parental. Mas até chegar nessa entendimento e cair de cabeça de vez na história enfrentamos alguns obstáculos.

>  Uma Década de Drag Race | S4 | Jiggly Caliente
>  S10 | Billboard entrevista: Kalorie

A CHATICE DE AJ

O primeiro deles é com certeza a chatice de AJ. Por ela ser uma das protagonistas, tem bastante tempo de tela, o que é um problema se a personalidade irritante e malcriada dela te incomodar. E no meu caso incomodou bastante. Contudo, isso faz parte da construção da personagem.

AJ é chata? Sim! Mas com o tempo a gente consegue entender a razão. Amber Jasmine foi negligenciada e abandonada pela mãe, que é usuária de drogas e garota de programa, então ela desconfia de todos e vive tentando aplicar golpes em quem aparece na sua frente. A criança que se sente enganada pela figura adulta que deveria protegê-la não consegue confiar em mais ninguém, então é um desafio e tanto para Robert quebrar a dura casca que AJ construiu em torno de si para se proteger desse mundo tão cruel. E é nessas tentativas que a magia da série acontece, seja no acampamento que AJ se transforma em um homem para performar Grease ou quando ela vai parar num hospital após machucar o braço brincando num balanço com Robert.

Vários espectadores criaram uma grande resistência com a personagem infantil, sem se esforçar em entender de onde vinha tanta fúria e revolta com o mundo. Essa aversão à AJ de certa forma serve como uma auto-avaliação dos privilégios daqueles que foram criados em um ambiente seguro e saudável, o que não se aplica a Amber. O que ela faz, faz por necessidade e criança nenhuma devia passar pelas provações que AJ passou.

O que achei curioso é que se a RuPaul de Drag Race não tem paciência para conversar dois minutos com as rainhas do show se não for diante das câmeras, duvido que na vida real ela aguentaria uma criança insuportável como AJ é nos primeiros episódios. Mas isso são apenas suposições…

>  As pessoas heterossexuais estão "roubando" RuPaul's Drag Race?
>  S3 | Elenco

A INGENUIDADE DE ROBERT

A primeira vista Robert Lee, um homem de mais de 40 anos, parece muito ingênuo por ter caído na lábia de alguém que conhecia tão pouco e deixou em suas mãos todas as economias de sua vida. Robert não sabia onde Hector morava, não conhecia sua família e tão pouco sabia importantes informações da vida dele. Contudo, isso é tão comum entre pessoas LGBTs.

Ainda vivemos em uma sociedade muito é intolerante, muitos namoros entre LGBTS são sigilosos e quando o casal decide torná-lo público é depois de um longo tempo juntos. Se então adicionarmos nessa equação raça e idade as coisas são ainda mais complicadas. Um homem gay negro já na meia idade, tendo experimentado rejeição por toda sua vida, ao se deparar com um “príncipe” estilo Disney acaba se entregando para esse amor sem ressalvas, para poder viver o que nunca teve, tornando-se a vítima perfeita do príncipe que não passa de um sapo.

Robert Lee adolescente

E no decorrer da série vemos as várias rejeições que Robert Lee sofreu: na adolescência, era o amigo gay que brincava escondido com a amiga hétero; nas boates sempre entrando em atrito com outras drags, tornando-se uma figura solitária; com AJ a certeza que nunca poderia ser seu guardião legal…

Mesmo com tanta negatividade AJ and The Queen é uma série sobre superar as adversidades com muito brilho e glamour. Como Robert sempre procura ver o mundo por uma lente de otimismo e positividade não temos tempo de embarcar numa onda de tristeza. Então nos entregamos a toda fantasia que o drama nos propõe. E essa magia ocorre graças a ótima química entre AJ e a maravilhosa drag Ruby Red.

>  Blair St Clair faz história ao estrear em #1 em parada da Billboard
>  S5 | Elenco

LIPSYNCS

Em todos episódios temos a chance de ver Robert se metendo em alguma confusão e sendo salvo por seu alter ego drag Ruby Red, que quando não está se apresentando, está se passando por uma enfermeira da Jamaica. Há dublagens em, praticamente, todos os episódios. Mas não espere ver performances de tirar o fôlego.

Embora mama Ru faça sincronias labiais ótimas e use looks deslumbrantes, o peso da idade é perceptível, o que faz Ruby Red se manter em sua zona conforto, com simples passos de coreografia, balançando os braços e as pernas, sempre fazendo o carão que tanto admiramos.

E isso que importa, a confiança extrema que a drag passa em suas performances compensa a falta de acrobacias e death drops, afinal dublagem não é apenas malabarismos e revelações.

>  Monique expõe comportamento de Eureka na S10 de Drag Race
>  A drag Ada Vox faz história no American Idol

OS VILÕES

Na série temos basicamente dois vilões principais, Lady Danger e Ramirez/Damien Sanchez, a dupla que deu o golpe em Robert Lee. Os dois seguem no encalço de Robert para fazê-lo pagar por tê-los denunciado à polícia.

Porém não espere muito dos vilões, pois são muito canastrões e sem nenhum carisma. A gente nem torce para que eles se deem mal, apenas que sumam e não apareçam mais na tela, pois eles aparecendo tiram a chance de outras personagens mais interessantes de brilharem. FOi uma dupla completamente sem sal e perdida no roteiro.

As vilãs vividas pelas drags como Kennedy Daveport, Mariah Paris Balenciaga, Jade Jolie e Trinity The Tuck, foram de longe os melhores e mais divertidos momentos de vilania da série. Então fica a dica para uma possível segunda temporada.

>  RuPaul ganha estrela na Calçada da Fama
>  Como RuPaul foi aclamada pelo mundo pt2

AVALIAÇÃO FINAL

Trinity the Tucke como Danielle Dupri e Cocoa Butter

A série começa num ritmo lento, com personagens pouco cativantes à primeira vista. Exceto por Cocoa Butter que é incrível em todas as cenas que aparece, com certeza a melhor personagem da série, seu solo de piano simplesmente perfeito. Mas conforme vamos acompanhando a trajetória do desiludido Robert e da desbocada AJ, nos identificamos com suas histórias de vida, dramas e sonhos.

E então, quando menos esperamos já estamos apegados a pequena AJ e torcendo para que tanto ela quanto Robert consigam superar as adversidades de suas vidas.

Adicione a isso muito glitter, shade, emoção, lições de vida, humor e uma trilha sonora perfeita e o desejo que fica é de rolar uma segunda temporada com essa dupla maravilhosa conhecendo mais cidades dos Estados Unidos. Mesmo porque tivemos um final de temporada com muitas questões em abertas que precisam ser exploradas em um novo ano.

E caso role uma segunda temporada, algumas coisas precisam ser melhoradas, como alguns discursos problemáticos e preconceituosos. Tipo a cena em que Robert apenas por uma fotografia avalia um rapaz negro como sendo mau caráter, reforçando assim esteriótipos negativos ligados à criminalidade que corpos negros sofrem constantemente numa sociedade racista. Por ser uma série que busca retratar o universo de drag queens e pessoas LGBTs é preciso ser mais sensível a forma que se retrata outras minorias sociais marginalizadas.

Nessa obra tivemos a chance de conhecer melhor o RuPaul ator, que nos deixou tão encantado quanto a RuPaul drag. E o prazer de ver Izzy G, uma atriz mirim com tanto talento, em ação.

E a cereja do bolo com certeza fica para as inúmeras rainhas, especialmente as que passaram por Drag Race, que fizeram participações especiais no decorrer dos 10 episódios, sendo vilãs e mocinhas, sempre um divertido alívio cômico na tela. Poder assistir Latrice Royale, Monique Heart, Chad Michaels, Jinkx Monsoon, Kennedy Davenport, Ginger Minj, Trinity The Tuck e várias outras fora do ambiente competitivo do reality foi um frescor, provando que elas precisam de mais oportunidades para brilhar e mostrarem seus talentos.

Por isso AJ AND THE QUEEN merece 4 coroas. Uma série leve e gostosa de assistir que expande cada vez mais o império de entretenimento criado por RuPaul.

RuPaul, Izzy G e várias drags na festa de lançamento de ‘AJ and The Queen’

Compartilhe!

Saullete é preto, gay e comunicólogo que criou a Draglicious com o intuito de compartilhar com outros fãs seu amor pela arte drag e por Drag Race. Além de informar e entreter seu público, Saullete levanta discussões relevantes para amantes da arte drag e para a comunidade LGBT.

Propaganda
Clique para comentar

Deixe uma resposta

We're born naked & the rest is drag. Portal de notícias, humor e babados sobre RuPaul's Drag Race, drag queens, arte drag, comunidade LGBTQ+ e cultura pop.

Contato: draglicious@outlook.com

Draglicious 2019 © Todos os direitos reservados.