Drag Queen do Ano | 2019 | Elenco

Alaska revelou as participantes do seu concurso “Drag Queen do Ano”, que procura ser diverso: tem desde mulher cis até participante de Dragula. Confira.

Modo Escuro

Em 2007, antes mesmo de ser a vencedora da segunda temporada de RuPaul Drag Race: All Stars que nós a conhecemos como hoje, Alaska Thunderfuck foi a pior de um concurso de drag. Sim, é isso mesmo. Ela ficou arrasada em último lugar. A queen revelou para a OUT:

“Foi o segundo show de drag que eu fiz na vida – eu não recomendo fazer isso. Mas eu me saí tão bem no meu primeiro show de drag que senti que era imbatível, que estava em chamas, que era invencível. Então eu entrei em um concurso de drag em Pittsburgh chamado de Miss Pegasus Pageant. Os concursos de Pittsburgh não são brincadeira – eles são muito, muito sérios e muito, muito rigorosos e eu estava fora do campo. Eu acabei em último”.

E então uma estrela nasceu?

Thunderfuck percorreu um longo caminho desde aquele primeiro concurso. Na verdade, ela ganhou seu segundo concurso, alguns anos depois, chamado de Miss Happy Hooker, também em Pittsburgh. E claro, ela competiu em RuPaul’s Drag Race, que é uma espécie de concurso. Agora, enquanto a competição televisiva entra no ar elisabetano para a Vogue (link aqui), Alaska está preparando um concurso de sua própria criação.

“Isso é algo que eu tenho vontade de fazer há um tempo”, diz ela, relembrando um evento que realizou em 2017 numa boate “Night of 5.000 Alaska’s” [noite das 5000 Alaskas] celebrando seu aniversário, que ela lançou para seu aniversário como precursor do atual concurso. “Eu fiquei tão impressionada que tantas pessoas apareceram e as performances incríveis que as pessoas fizeram para um show bobo de bar, que eu queria levar isso  para o próximo nível”. Esse próximo nível vai estrear durante o DragCon LA 2019, intitulado Drag Queen do Ano.

>  Latrice Royale não tem permissão legal para votar, então ela quer que você vote
>  Trinity The Tuck ataca Bolsonaro ao defender Amazônia
>  Alaska e Willam fazem revelações dos bastidores de RuPaul's Drag Race

Com um prêmio de 10 mil dólares (via PayPal), uma coroa, faixa e buquê de flores em disputa, Thunderfuck espera que o evento se diferencie com seu ímpeto inclusivo. “Eu adoro concursos”, disse ela, apontando para eventos como Miss Continental como um de seus favoritos. “Eu sou a primeira pessoa a sentar na primeira fila e gritar e berrar. Mas algo que eu não vi ainda é uma abertura mais acessível para quem pode candidatar-se”. Por exemplo, enquanto o concurso Miss Continental tem sido historicamente considerado trans-inclusivo, há muitos concorrentes barrados por terem realizado cirurgia na bunda. Mulheres cisgênero também não estão autorizadas a competir. Em contraste, a Drag Race Tailândia que aparentemente permite que os homens cisgêneros, assim como todas as mulheres, possam competir – Angele Anang, uma mulher trans, venceu a temporada mais recente (leia aqui).

“Então, isso é uma espécie de experiência: se um concurso é aberto a todos – o que este é – quem vai se inscrever? Quem vai competir? Como vai ser?”

Alaska declarou e então revelou para a OUT as oito concorrentes de sua competição.

Escolhidas por um Conselho Anônimo de Drag Idosas que peneirou muitos pedidos (“milhões,” Thunderfuck riu quando pressionada), as rainhas escolhidas visam não apenas ser as candidatas mais fortes, mas representantes da diversidade do grupo de inscritas. Há verdadeira rainhas de concurso competindo (uma ex-Miss Gay USofA, de fato), mulheres cisgêneras, assim como uma antiga competidora de Dragula.

“Eu viajo pelo mundo e faço o show da Alaska”, disse Thunderfuck depois de explicar que o evento contará com categorias de competição semelhantes a outros concursos.

“E esse é o meu trabalho e isso é ótimo, mas essa é uma oportunidade de transformar isso em torno de si mesmo e fazer com que não seja apenas sobre a Alaska, mas que seja sobre todos. É uma chance de regar as plantações e dar algo de volta para a comunidade drag que não está necessariamente em RuPaul’s Drag Race ou representada por RuPaul’s Drag Race”.

>  Pabllo Vittar desmente fofoca sobre namorar suposto Bolsominion
>  S10E04 | Runway | Alaskan Winter Realness
>  Werq The World, show com RuGirls, retorna ao Brasil em novembro

CANDIDATAS AO TÍTULO ‘DRAG QUEEN DO ANO’

ABHORA (Miami)

“O que me faz diferente de outras drag queens é que estou ativamente tentando destruir o ‘drag’”.

ASTRUD AURELIA (Phoenix)

“A arte que me excita tende a existir em planos e lugares mais subversivos do queas drag queens que tradicionalmente conquistam imediata atenção da mídia, tendendo para a música underground, os videogames, a moda, a comédia e os ícones pessoais”.

AURORA SEXTON (Los Angeles)

“O que me faz diferente da maioria das drag queens é que eu sou uma artista transexual, abrigando 2.387.547 personalidades na minha cabeça”.

>  DragCon 2018 | Destaques do 3º Dia
>  Entrevista | Alaska fala sobre seu concurso Drag Queen do Ano
>  S11 | MTV entrevista: Silky Nutmeg Ganache

CALYPSO JETE (Los Angeles)

“O meu estilo é uma plataforma para os jovens se inspirarem e ensinarem através da minha narrativa, produções e uso do meu corpo para dar vida à imaginação e se divertirem enquanto você faz algo pelo qual você tem paixão”.

GIGI MONROE (Juneau, Alasca)

“Um camaleão nem sequer começa a descrever minhas habilidades de drag. Eu posso fazer ilusão de personagem, glamur, rock and roll trevosa, bizarrice, dançarina drag, uma anfitriã elegante, a modelo, a performer, o palestrante … qualquer que seja o local e o pedido do público, eu posso entregar”.

KAT SASS (Chicago)

“Eu acho que a primeira coisa que as pessoas notam é o tamanho e a escala do meu trabalho, porque muitas das minhas fantasias são absolutamente massivas em escala e conceito”.

>  Dragula | As monsters invadem a DragCon
>  Eureka | Carta de amor para a comunidade LGBTQ
>  Relato | Show da Alaska em São Paulo

LYLE (Los Angeles)

“Acho que é hora de competir em uma competição como a Drag Queen do Ano, porque já era hora de compartilhar minha arte com o povão que eu sei que apreciaria a maneira como eu vejo o mundo”.

SABBYIANA (Montebello)

“Sou uma dançarina latina gay profissional de Montebello. Eu sou basicamente a Gloria Anzaldua do drag”.

Estas são as oito participantes que irão competir no concurso Drag Queen do Ano no domingo de 26 de maio, durante a DragCon, em Los Angeles, no The Montalban Theatre.

DEIXE UMA RESPOSTA

Conecte com




Please enter your comment!
Please enter your name here