Connect with us

Hi, what are you looking for?

Drag Queens

Como Nymphia Wind se tornou uma improvável embaixadora para Taiwan

Nymphia Wind está se tornando uma embaixadora cultural e representará Taiwan como artista em eventos culturais durante as Olimpíadas de Paris. Leia a matéria especial completa a seguir.

Compartilhe!
🕓 6 min de leitura

Desde o momento em que subiu no palco de RuPaul’s Drag Race, Nymphia Wind abraçou a cor amarela não apenas como uma escolha de moda, mas como parte de sua identidade.

Para aquela primeira aparição, ela empilhou pares de óculos escuros amarelos em sua peruca alta e usou um sobretudo amarelo, sob o qual escondeu uma banana de pelúcia recheada na virilha. Subindo no palco, ela cometeu um deslize cômico após pisar em uma casca de banana. Desde então, ela usou amarelo mais do que qualquer outra cor.

“O amarelo representa a cor da minha pele”, disse ela em entrevista antes da final de RuPaul’s Drag Race 16, preferindo deixar que suas roupas, em vez de suas palavras, lembrassem aos espectadores que ela é a única competidora asiática na temporada. “Ao usar amarelo, espero aumentar a consciência e a admiração asiática”.

Nymphia Wind, a personagem drag do estilista taiwanês-americano Leo Tsao, de 28 anos, chegou aos top 3, colocando-a no caminho certo para se tornar a segunda vencedora asiática em 16 anos da franquia principal do programa.

Seu primeiro nome vem de um personagem Pokémon do tipo fada, enquanto “Wind” [vento] reflete sua aspiração “de ser livre e invisível”, disse ela. Em chinês, “vento” é um homófono de “loucura”, e esse tem sido o clima dos seus fãs em casa desde o anúncio da sua participação na corrida.

>  Who's That Queen? Divina de Campo
>  RPDR S16 | Rumor | Spoilers do episódio 5

Todos os sábados – dia em que o programa vai ao ar em Taiwan – multidões lotam bares gays em Taipei para assistir ao último episódio, vestindo amarelo para apoiar a rainha que eles chamam de “Buda da Banana”. (Ela chama seus fãs de “Banana Believers”.)

Com a sua ascendência, Nymphia Wind, que nasceu em Los Angeles, mas cresceu em Hong Kong e Taiwan, encontrou um palco internacional onde Pequim – que muitas vezes empurra Taiwan para fora de tais espaços – não tem influência e onde pode promover a vibrante inclusão da sociedade taiwanesa.

Advertisement. Scroll to continue reading.

“Mesmo os políticos que trabalham duro no exterior podem não obter esse tipo de exposição para Taiwan”, disse Lawrence Jheng, 32 anos, parte de uma multidão alegre reunida em um clube de Taipei para a exibição do episódio em que Nymphia Wind declararia que estava “muito orgulhoso de me chamar de taiwanês”.

“Nunca me ocorreu que drag pudesse ter tanto poder para romper a luta diplomática de Taiwan”, disse Jheng.

O lugar de Taiwan no cenário mundial é muitas vezes ofuscado pela China, que reivindica soberania sobre a ilha democrática autónoma e não permite que esta seja reconhecida na maioria das organizações internacionais, incluindo as Nações Unidas. As suas equipes desportivas são até obrigadas a participar sob a designação “Taipei Chinês”.

Mas enquanto a China sufoca a sua comunidade LGBTQ, Taiwan tem uma cena drag vibrante e promove os direitos queer – o governo da ilha tornou-se o primeiro na Ásia a legalizar o casamento entre pessoas do mesmo sexo. E Nymphia Wind está se tornando uma embaixadora cultural dessa abertura: ela representará Taiwan como artista em eventos culturais durante as Olimpíadas de Paris neste verão.

“O governo de Taiwan apoia muito os direitos dos homossexuais. Somos o primeiro país da Ásia a legalizar o casamento entre pessoas do mesmo sexo e tenho muito orgulho de dizer que sou taiwanesa”, disse ela.

>  The Vixen divulga poderosos versos para American de RuPaul
>  #54 | Drag Race S11E07: Farm to Runway

O início da arte Drag em Taiwan

Cross-dressing não é um conceito novo em Taiwan. Nos anos após o fim da lei marcial em 1987 e Taiwan ter iniciado a sua transição para uma democracia, espectáculos de drag underground começaram a aparecer nas boates de Taipei. Os cross-dressers masculinos floresceram no cenário do entretenimento local na década de 1990, apresentando canções tradicionais de Taiwan e trazendo sucesso comercial a programas que borravam o conceito de gênero.

As performances de drag no estilo ocidental decolaram na mesma época, embora geralmente apresentando rainhas estrangeiras. Tornaram-se mais populares à medida que a sociedade taiwanesa se tornou mais liberal e inclusiva socialmente, com o surgimento das rainhas taiwanesas.

Advertisement. Scroll to continue reading.

Mas a ascensão de Nymphia Wind ao estrelato ajudou a cultura a ampliar seu apelo dominante.

Influenciada por grupos femininos de K-pop no ensino médio, ela se aventurou no cross-dressing e mais tarde abraçou o drag durante seus estudos de design de moda em Londres. Sua primeira apresentação foi em uma competição de drag em Taipei em 2018 e a levou aos holofotes. Desde então, ela apareceu em documentários e programas de TV, ampliando o alcance da cultura drag na ilha, à medida que continua se apresentando em bares.

“Sempre que ela se apresentava, ela enchia todo o lugar de risadas”, disse Alvin Chang, que apresenta shows de drag queens desde 2001 e agora dirige o Café Dalida, conhecido como “o berço das drag queens em Taiwan”. Ele também está organizando festas de exibição de “RuPaul”.

“Ela não oferece apenas um show de talentos. Ela interage com o público para fazer todos rirem. Você a vê e se sente feliz”, disse Chang. A mãe de Nymphia Wind, que apoia sua carreira drag desde o primeiro dia, costuma trazer seus amigos para sentar na primeira fila do café para assistir sua apresentação.

Nymphia Wind ainda chama o Café Dalida de seu “bar-lar”, mas esse palco não foi suficiente. Em 2022, para se desafiar, ela se mudou para Nova York e fez o teste – com sucesso – para RuPaul’s Drag Race.

Aos olhos das drag queens taiwanesas, Nymphia Wind tem sido uma inspiração. “Ela é ambiciosa e ousa sonhar, mas também está sob imensa pressão para representar uma comunidade tão grande”, disse Bagel Rimrim, uma das seis filhas drag de Nymphia Wind, como são conhecidas suas protegidas.

“Ela sempre nos disse para parar de fazer as coisas pela metade e mostrar determinação, e você pode ver seu perfeccionismo em seus looks”, disse ela. “Se eu pudesse ver suas performances quando crescesse, me sentiria menos solitário e veria o que poderia me tornar”.

Advertisement. Scroll to continue reading.

Embora Nymphia Wind seja um modelo para rainhas mais jovens, ela está tentando alcançar um público mais amplo – e mais velho – em Taiwan.

Ela apresentou um show drag inovador em um templo taoísta em Taipei em outubro, desfraldando uma gigantesca bandeira de arco-íris em um palco semelhante a um pagode, enquanto jovens e velhos celebravam uma rainha que, como ela disse, havia “descido do céu para abençoar os queer mortais”.

“Os idosos são meu público-alvo. Eu simplesmente sinto que eles poderiam se divertir um pouco mais, sabe?” ela disse em uma entrevista após a apresentação no templo.

Ela planejou continuar sua experimentação, incorporando o folclore tradicional asiático em suas performances drag e, esperançosamente, tornando-se uma embaixadora do turismo em Taiwan.

“Não vou me limitar”, declarou ela. “Talvez na minha próxima apresentação no templo eu desembarque de um helicóptero”.

>  RPDR 16 | RuView do episódio 6
>  S11 | Comentários do 8º episódio

Como foi crescer na Ásia

Nymphia Wind – que tem procurado infundir nos seus trajes feitos por si e nas suas performances a cultura asiática, incorporando elementos como a ópera taiwanesa, a dança japonesa Butoh e os nós tradicionais chineses – também está a ganhar apelo em toda a Ásia. Seus esforços foram elogiados pelos jurados por exibir “excelência asiática” nas passarelas, e ela foi contratada para shows no Japão e nas Filipinas.

Mas ela não irá para a China tão cedo.

Advertisement. Scroll to continue reading.

Na verdade, os fãs chineses de RuPaul’s Drag Race parecem estar fazendo de tudo para evitar falar sobre o sucesso de Nymphia Wind, aparentemente com medo de serem apanhados pelas crescentes tensões através do Estreito de Taiwan. As contas de fãs de Drag Race no site de microblog chinês Weibo disseram que minimizariam as discussões sobre Nymphia para “proteger sua cena drag nascente”.

O episódio em que ela falou sobre Taiwan como um país independente atraiu ataques nas redes sociais chinesas. Para capitalizar seu sucesso no programa, Nymphia Wind quer promover a cultura drag em toda a Ásia.

“O conceito de drag queens modernas é muito ocidental, então acho que preciso usar drag para mostrar mais perspectivas asiáticas. Eu só queria mostrar mais estética drag asiática. Dando a tudo um toque asiático”.

Via Washington Post. Leia mais notícias de Drag Race 16 aqui.

Compartilhe!

APADRINHE A DRAGLICIOUS: Ajude a manter a Draglicious viva celebrando a arte drag, doando pelo nosso PIX, chave: draglicious@outlook.com. Ou nos apadrinhe em padrim.com.br/draglicious.

Click to comment

Deixe uma resposta

Veja Também

All Stars

Assista à prévia do episódio 4 de RuPaul’s Drag Race All Stars 9.

All Stars

Saiba como será o episódio 4 de RuPaul’s Drag Race All Stars 9 à seguir.

All Stars

Confira os looks que as rainhas desfilaram na categoria “A Tail and Two Titties” do episódio 3 de RuPaul’s Drag Race All Stars 9....

All Stars

Confira a resenha do episódio4 3 de RuPaul’s Drag Race All Stars 9 à seguir.

Advertisement

Portal de notícias sobre arte drag, RuPaul's Drag Race e suas rainhas.

Contato: draglicious@outlook.com

Draglicious 2024 © Todos os direitos reservados.