Connect with us

Hi, what are you looking for?

Drag Queens

Who’s That Queen? Bunny Be Fly

“Fui para o programa, foi difícil para mim, mas eu estava tentando”, diz Bunny Be Fly, da 1° temporada de Drag Race Thailand.

Compartilhe!

Entre pro nosso canal do Telegram aqui!

APADRINHE A DRAGLICIOUS: Ajude a manter a Draglicious viva celebrando a arte drag, doando pelo nosso PIX, chave: draglicious@outlook.com. Ou doe pelo meu PicPay na conta @saullete, o link é: https://app.picpay.com/user/saullete. Ou nos apadrinhe em padrim.com.br/draglicious.

🕓 13 min de leitura

Você não sabe disto, mas, durante o ano de 2021, especificamente com a exibição da sexta temporada do spin-off All Stars e da primeira de RuPaul’s Drag Race Down Under, o trabalho dela passou pela sua televisão e eu lhe pergunto: percebeu?

A roupa promocional de Jan e o look Sea Sickening, de Scarlet Adams, foram confeccionados por Bunny Be Fly, drag queen que concorreu na edição inaugural de Drag Race Thailand, transmitida de 15 de fevereiro à cinco de abril de 2018. “Você está no lugar certo? Onde está a borda do mundo?“, disse no programa.

Nesta versão tailandesa da competição de RuPaul, Bunny, a rainha criada por Kritmeth Seethan, nascido em 23 de maio de 1991, é a décima e última concorrente a entrar na sala de trabalho. Salva no primeiro episódio, Contestant’s Story, de costura, garantiu sua vaga para a próxima semana, que prometia.

The Power of Love, episódio de 22 de fevereiro de 2018, representa a precoce saída de Bunny do jogo, afinal, após falhar no desafio principal, uma sessão fotográfica de pré-casamento e de não convencer totalmente os jurados com sua passarela, ela acabou tendo como destino o bottom 2 ao lado de Petchra. Juntas dublaram I Don’t Want Love Yet, uma faixa de Marsha Vadhanapanich, a trilha sonora da despedida de Bunny.

Segunda eliminada e nona classificada, esta Rugirl se define como ‘surreal, além da imaginação, criada com táticas artísticas’. Seu nome drag surgiu quando era caloura na faculdade. Neste período, costumava andar para lá e para cá com uma garrafa de Flying Rabbit: Mist Salol Et Menthol, um produto tailandês famoso que lhe rendeu o apelido de Bunny.

Artista drag e de aquarela, ilustradora, designer, figurinista, Bunny está na extremidade do mundo e não tem mais nada além de arte. Graduada pela Faculdade de Pintura, Escultura e Artes Gráficas da Universidade Silpakorn, também atua como freelancer com foco na criação de vestidos, fantasias, cosplay e figurinos teatrais no geral.

Sua vida profissional começou aos 14 anos, como professor de arte, e não parou mais, como você verá logo abaixo, na nossa entrevista, entre outros assuntos não menos interessantes. Confira na íntegra, Dragliciosa!

Advertisement. Scroll to continue reading.

Quando você soube que Drag Race Thailand ia acontecer, como foi o processo de inscrição? Melhor do que você imaginou ou mais difícil?

A única coisa difícil não era o processo, mas a minha vida naquela época. Eu estava muito ocupada nessa fase. Antes de entrar na competição deixei minha vida de freelancer e fui professor de arte por quase um ano.

Um trabalho totalmente diferente da vida como drag queen.

E por esse ser um trabalho de rotina eu descobri que é muito difícil arrumar tempo para a audição e a filmagem promocional. Deixar minha vida de freelancer me fez começar a investir em drag novamente já que eu não tinha muito material de drag sobrando. Então, foi um investimento muito caro para mim naquela época. Fui para Drag Race, foi difícil para mim, mas eu estava tentando e não foi deixada de lado esta oportunidade.

Eu percebi que você não gosta de ser chamada de costureira. Explica isto melhor?

Pois quem me segue sabe que me sinto bastante amarga quando me chamam de “costureira” porque me considero mais uma figurinista. Um trabalho como esse precisa de muita perseverança, principalmente no início, que as experiências são efusivas, pode dificultar a gente de lidar com elas. Pode fazer com que as pessoas desistam de seus sonhos. Independentemente de qualquer trabalho relacionado ao artesanato, temos que pesquisar e aprender coisas novas o tempo todo. E não podemos apenas aprender, mas temos que fazer, praticar, até que sejamos habilidosos e agora capazes de lidar com todos os obstáculos que surgem nos processos de trabalho. É por isso que não me chamo de “costureira”, mas uso meu pensamento, minha criatividade e minha inovação sempre que crio meu trabalho.

Vamos supor que alguém vai começar a trabalhar nesta área: quais são os três principais conselhos que você tem para dar a esta pessoa?

Advertisement. Scroll to continue reading.

Meus três conselhos para o sucesso, não importa em qual carreira você esteja, são: primeiro, você deve ser perseverante até o fim. Você deve fazer qualquer coisa para atingir seu objetivo da melhor forma porque isso significa que você tem integridade e responsabilidade por seu trabalho. Em segundo lugar, não pare de ser inovador. Você tem que ter a mente aberta porque isso abrirá a porta da criatividade. No mundo de hoje onde tudo se alia a um diferencial, esta qualidade será um motor de sucesso em relação à qualidade do seu trabalho. E, por último, sempre que pensarmos que somos invencíveis ou sentirmos que somos superiores a todos na profissão, nos tornaremos completamente perdedores. Isso nos deixará cegos para não vermos nossos arredores, que estão repletos de mudanças e desenvolvimento. Eu uso isso para saciar meu orgulho. Porque eu sei que a vida é repleta de aprendizado infinito, trabalho também. Não importa a profissão, não seja uma pessoa descuidada que só vê e admira a si mesma.

Vamos falar sobre redes sociais: no Twitter, há uma conta sua, com 50 tweets, inativa desde nove de junho de 2018. Você não tem Facebook e não posta nada em seu canal no YouTube há um ano. Isso nos deixa com o Instagram, onde você mantém um perfil ativo. Como está sua relação com as redes sociais? Você quer investir mais nessa área?

Porque eu sou tão estúpida. Sou muito pouco tecnológica e não sei fazer nada. Além disso, um dos meus hábitos pessoais é que sou uma pessoa que ama e valoriza meu espaço pessoal. Não gosto da intervenção de ninguém e não quero me destacar na multidão porque, pessoalmente, amo e me orgulho da minha capacidade. E o Twitter, na Tailândia agora, está cheio de informações negativas que podem afetar minha saúde mental. Portanto, prefiro procurar minha inspiração e referência no Pinterest ou talvez seja melhor encontrar algo para enriquecer minha mente observando pessoas que têm sucesso em seus caminhos e usá-las como inspiração para mim. Tenho Facebook, mas o uso para me conectar com meus amigos próximos e expressar meu sentimento excessivo dentro da minha cabeça, murmurando, para ser mais exata. Meu Facebook é como a penseira de Alvo Dumbledore em Harry Potter. E meu principal lugar espiritual tem que ser meu amado Instagram. Tem muito significado para mim porque é o meu único meio para o mundo e outras rainhas. Além disso, é o lugar onde crio a motivação poderosa da vida da minha carreira. A ordem dos meus trabalhos vem principalmente do Instagram. E para o YouTube, eu realmente gostaria de fazer algum conteúdo novo, se você me perguntar. Mas como eu disse, não sei como fazer.

Já se passaram mais de três anos desde que a primeira temporada de Drag Race Thailand foi ao ar. Depois de todo este tempo, como você avalia sua participação no programa?

É como se você parasse de andar de bicicleta por 20 anos e depois precisasse descobrir como andar de bicicleta novamente, e ficava estranho. Acho que não estava pronta de muitas maneiras. Eu, fortemente, não acredito que para ir para o programa não precise de dinheiro. As pessoas que disseram isso são mentirosas. Você simplesmente não pode entrar na competição de mãos vazias. Quando recebi um telefonema da equipe dizendo que eu consegui, fiquei muito feliz e senti que meu sonho se tornou realidade. Por outro lado, como posso pagar todas as coisas de que preciso? Já dei todas as minhas coisas para outras pessoas e não tenho muito tempo para prepará-las porque minha agenda está muito ocupada. Então, é meio que bagunçado.

Você consegue imaginar sua carreira sem ter participado da competição?

Se eu não tivesse entrado no programa acho que ainda teria a mesma vida. Na verdade, eu me monto muito porque entrei no programa. Do contrário, provavelmente gasto todo o meu dinheiro em cores, telas e pincéis em vez de perucas e cosméticos, e vivo minha vida humilde.

Advertisement. Scroll to continue reading.

>  Who's That Queen? Vanda Miss Joaquim
>  Who's That Queen? Veneno Drag

Quando você se lembra dos dois episódios de Drag Race Thailand que participou, quais são seus três momentos favoritos em ordem de importância?

1) Eu realmente gosto do momento em que entrei na sala de trabalho. Eu estava muito animada porque havia um monte de gente. Foi o dia em que eu disse a mim mesma que não desistiria do meu sonho novamente e faria o que quisesse, iria ao extremo e daria o meu melhor.

2) O primeiro mini desafio foi um dos meus momentos favoritos. Eu estava caindo na piscina com maquiagem, enchimentos e cílios nos olhos das outras rainhas, o que me fez pensar que não há nada a perder, então, vá em frente.

3) Eu gosto tanto da minha foto no desafio principal [episódios dois]. Eu realmente gosto até hoje em dia. Não importa como as pessoas vão pensar em qualquer coisa ou achar que eu não ganhei, eu ainda gosto.

Você mantém contato com as suas irmãs da temporada?

Algumas, mas não muitas. Eu vou encontrá-las nos bastidores da cena, não em um show porque eu não tenho um. Além disso, estou fazendo minha própria casa drag e treinando seriamente minhas cinco filhas drags para que eu não me sinta isolada em tudo da comunidade drag.

E você fala com Pangina e Art Arya?

Advertisement. Scroll to continue reading.

Para Art Arya ela geralmente trabalha comigo enquanto trabalhamos da mesma forma e eu a conheço mais do que outras. E me deixe dizer uma coisa: algumas pessoas falam que eu não sou tão legal porque eu pareço feroz e séria e não gosto muito das coisas virais delas. Então, eu sempre li a mim mesma que eu não sou mais uma rainha, mas sim uma viúva dispensada.

17.093 quilômetros separam o Brasil da Tailândia. Como você apresentaria a cena drag tailandesa para os brasileiros que ainda não a conhecem?

Drag tailandês é tailandês. Por mais confiantes que sejamos, deve haver algo que represente o tailandês que é a modéstia. Eu acredito que as rainhas tailandesas serão bem-vindas, amigáveis e educadas com quem elas abordarem. E outra coisa para a rainha tailandesa é que ficamos grandes ou voltamos para casa. Portanto, colocamos nosso esforço em tudo: o show, a fantasia. Tudo.

Todos os seus desenhos são muito bons, mas quero destacar aqui principalmente os de nudez masculina. Como surgiu este interesse?

Bem, eu realmente gosto da figura do corpo. Gosto do corpo, da pele e das coisas que obtivemos por criação da natureza. Na verdade, já fiz isso antes, mas fiquei com muito medo de mostrá-los porque o sexo ainda é desigual até no mundo da arte. “Um gay que desenha homens nus não é uma arte. É obsceno”. Foi da boca do meu professor conservador que uma vez me desprezou quando eu estudava na minha universidade. Isso realmente me faz querer dizer aqueles de mente pequena que a arte não tem sexo. É um meio de estética. Isso refletirá a personalidade do artista. Portanto, não defina a arte pela vida pessoal do artista. Então, eu continuo fazendo isso sem me importar com mais ninguém.

Você é dançarina desde 2013, mas há quanto tempo você faz drag? Qual data começou?

Eu sou a maior fã de cabaré tailandês. A Tailândia é a primeira e única que usa mulheres trans como performers, o que eu gosto e me inspira a ser uma performer de cabaré um dia. E até o final de 2012 conheci a maior estrela do time da Calypso Bangkok e ela me recomendou para me inscrever. Ela pensou que eu queria me candidatar para o artista masculino. No dia da audição, eu não tinha certeza. Eu preparei duas músicas para uma audição porque eu preferia ser uma artista feminina. Até que eu estava indo para me preparar, conheci uma das performers sênior e decidi perguntar a ela: “Você acha que eu (no meu eu de menino) posso me candidatar para o papel feminino (na equipe, todas são mulheres trans)?”

Advertisement. Scroll to continue reading.

O que ela lhe disse?

Ela respondeu o que me deixou impressionada: “Não importa se eles vão escolher você, a única coisa que importa é você escolher quem você é. Se você passar neste teste, terá que conviver com isso. Se você está feliz por ser uma artista feminina, basta escolher”.

Algo para se pensar, no mínimo. E o que mais aconteceu?

Depois de ouvir isso, acabei de separar o CD das músicas masculinas e fui com a música feminina, Single Ladies, da Beyoncé. Finalmente consegui o papel. Infelizmente, o ponto de virada disso é que fui muito intimidada pelas outras. No teatro, a maioria das performers são mulheres trans. Elas provavelmente não podem me suportar, uma aberração que, quando o dia acaba, eu sou um homem com aparência biológica masculina. Felizmente, muitas delas são adoráveis e gostam do jeito que eu sou. Um dia, encontrei minha sênior no ponto de ônibus e ela me disse que eu sou muito legal. Quando estou no palco, mato perfeitamente. Quando os trabalhos terminam, sou tão tranquila. Não precisa ser fingido. Pode ser um menino quando quiser. Isso é uma chatice. Então, resolvi estudar mais e além disso, gosto muito de drag graças a Priscila (As Aventuras de Priscilla, A Rainha do Deserto). O filme é muito criativo e me faz sentir que não preciso me preocupar em parecer mulher ou não.

Você mora em Nakhon Ratchasima, correto? Como é ser uma drag queen na terceira maior cidade da Tailândia? Quais são as dificuldades?

Nakhon Ratchasima é meu local de nascimento, uma cidade natal, eu diria, mas agora eu vivo em Bangkok. A dificuldade real não é suficientemente difícil como a atitude das pessoas naquela sociedade que sabem que você é gay. Bem, eu estou supondo porque eu os vi quando eu era criança. Mas eu vim e cresci em Bangkok, então, agora eu não sei como poderia ser.

Quais são as duas músicas de cantoras tailandesas que toda drag queen tem que performar pelo menos uma vez na vida?

Advertisement. Scroll to continue reading.

Eu não costumo ouvir músicas tailandesas. Eu escuto principalmente músicas internacionais. Mas se eu tiver que escolher pode ser “Pra-wat-sard” (“História”, “ประวัติศสตร์”), ou talvez “Gin Joob Jib”, de Pornchita Na Songkhla (“Coma pouco a pouco”, “กินจุ๊บจิ๊บ”). Aquela que Genie, Tormai e Vanda Miss Joaquim fizeram lip sync por suas vidas na 2ª temporada.

Como ser um estudante de arte acrescentou a sua drag? Você se formou quando e onde?

Eu estudei arte desde os 16 anos. Eu me formei na minha educação vocacional na Faculdade de Belas Artes e também me formei no bacharelado na Universidade Silpakorn, na Faculdade de Pintura, Escultura e Artes Gráficas, Licenciatura em Litografia. E foi mal interpretado por todos que me formei em design de moda. Então, posso dizer que todo o meu conhecimento, desde o início até a minha formatura, em 2016, é tudo de ampla aplicação.

Você fez bastante coisas, academicamente falando.

Aprender estratégias de pensamento e habilidades artísticas é aprender a transmitir a imaginação para se comunicar com o espectador de uma forma razoável. Desse modo, a arte não é algo ilógico e emocional como a maioria das pessoas entende. O nome ‘Bunny Be Fly’ também foi criado quando estudei na minha universidade. Eu uso todo o meu conhecimento para melhorar minha costura, por exemplo, a forma como uso a Teoria da Cor, a colocação de padrões no tecido e assim por diante. O DNA da minha marca é o padrão que aprendi no estudo da arte. Também afeta meu estilo de drag.

>  Who's That Queen? Anastarzia Anaquway
>  Pabllo Vittar está pronta para seu close-up no vídeo de 'Flash Pose'

Era minha próxima pergunta, mas continue.

Claro, eu sou uma Look Queen, então, todos os meus looks, da cabeça aos pés, passaram pelo processo de pensamento com meu conhecimento artístico que me trouxe aqui hoje. Não fico nem um pouco incomodada se as pessoas vêm até mim e dizem que eu não tenho potencial, então fui eliminada tão rápido.

Advertisement. Scroll to continue reading.

O que não quer dizer absolutamente nada em relação ao talento da rainha.

Porque não importa o quão difícil ou extravagante seja, eu posso fazer todos eles [looks]. Posso desenhar o padrão, as cores ou mesmo escolher o material por conta própria. Eu posso produzi-lo e a qualidade é altamente aceitável porque tenho colaborado com muitas marcas de moda famosas na Tailândia. Isso tudo é o que ganhei por ser uma estudante de arte.

Drag Race Thailand demorou bastante para ser renovado para uma nova temporada que, enfim, acontecerá. Você soube de algo que ocasionou este atraso?

Eu realmente não sei o que está acontecendo com esse problema porque depois do final da minha temporada eu realmente tive que ficar sozinha. Eu não tenho nenhum trabalho na frente da cena drag e todo o meu trabalho foi nos bastidores. E as pessoas esquecem quem eu sou. Alguns nem sabem que eu realmente existo nesta versão de Drag Race Thailand, mesmo que assistam ao programa desde o início. Houve um problema interno de que o reality show seriamente não tinha patrocinadores.

Eu ouvi algo neste sentido também.

O preço do mini desafio e do desafio principal estava realmente lá nas alturas porque nossa anfitriã e coapresentadora procuraram o patrocinador sozinhas. E sem um endosso sério, a principal indústria do entretenimento e o showbiz não aceitam ou conhecem tanto o programa, o que nos faz voltar à sociedade das boates novamente.

É bem triste saber de tudo isto, mas que bom que Drag Race Thailand retornará no primeiro semestre de 2022.

Advertisement. Scroll to continue reading.

Outra coisa é que há muitos fãs que assistem e apoiam o programa e ao mesmo tempo tem aqueles que não estão trazendo as rainhas das temporadas tailandesas para comparar com as rainhas das temporadas dos americanos ou, pior ainda, menosprezar as rainhas da Tailândia.

Sua família aceita você como uma pessoa LGBTQIA+? Eu não entendi se você tem um irmão ou irmã trans.

Minha segunda irmã é uma mulher trans e este é o primeiro exemplo de LGBTQIA+ na minha família. Ela é talentosa, boa ganhadora de dinheiro e trabalhadora, mas ela tem um temperamento raivoso e violento, de sua própria personalidade, para que as pessoas ao nosso redor sintam que as pessoas LGBTQIA+ são desconfortáveis de estar como ela. Sei que não é verdade, mas sempre recebi a pressão o tempo todo.

Dos seus pais?

Não dos meus pais porque eles nunca me empurram. As pessoas ao meu redor são as que me empurram. Elas falam com meus pais sobre ter um filho “homo”, alguns me disseram que eu vou ser trans também por causa da minha segunda irmã e isso foi doloroso.

O preconceito continua sendo uma ameaça terrível!

Sinto pena, empatia e tenho atenção com meus pais, então, guardei o segredo por 26 anos. Tentei sair tantas vezes de casa, mas não tive sucesso porque estava com medo. Às vezes, minha mãe nem percebe pelo que fiz. E. como eu disse na final da temporada de estreia de Drag Race Thailand, eu finalmente fui aceita na família e me sinto tão aliviada depois de tirar isso do meu peito.

Advertisement. Scroll to continue reading.

É bom ouvir isto de você, Bunny. Obrigado por este depoimento sincero.

Após o fim do episódio dois do programa postei uma foto minha chorando depois que fui eliminada e minha irmã mais velha me mandou uma mensagem.

>  Miz Cracker causa polêmica em show no Rio de Janeiro
>  Who's That Queen? Diva Houston

O que ela dizia?

“O que aconteceu? Mamãe e eu estamos chocadas, então, eu mandei uma mensagem para você”. Fui eliminada. “Jura? Eu não assisti o programa. Está tudo bem, está tudo bem. Mamãe e papai estão torcendo por você. Eles disseram que o último episódio foi muito legal e também disseram que você é tão incrível. Eles estão tão orgulhosos de você”.

Isto é uma verdadeira vitória.

Depois de falar com minha irmã, minha mãe me ligou e disse: “Está tudo bem. Às vezes ganhamos, às vezes perdemos, faz parte de uma competição. Mas quero ver você na TV de novo. Há mais alguma coisa? Você estará na TV de novo? Se estiver, por favor me avise porque seu pai e eu queremos vê-la lá novamente”.

É difícil deixar um jornalista sem palavras, Bunny, mas você conseguiu. Condragulations!

Advertisement. Scroll to continue reading.

A partir daquele momento fiquei aliviada. Era como se eu tirasse tudo do meu peito. Não me preocupo comigo mesma e mirei para o gol agora. O objetivo é que eu vou trabalhar tanto para poder cuidar da minha família, para a vida tardia dos meus pais. Retribuir a eles por seu amor, compreensão e aceitação que eles me deram toda a minha vida sem qualquer hesitação. Eles nunca me restringem a nada mesmo eu sendo uma estudante de arte.

Esta deveria ser a realidade de mais pessoas LGBTQIA+ por aí, entretanto, infelizmente não é. Ainda não é. Quem sabe um dia?

Acho que sou uma das LGBTQIA + mais sortudas do mundo. Tive muita sorte por ter recebido amor, felicidade e apoio da minha família, que é a base da minha vida. E eu nunca estou sozinha ou ansiosa por amor. Por causa dos meus dez anos de solteira, recebi um grande amor de meus pais e irmãs.

Siga Bunny Be Fly no Instagram.

Para ler outras entrevistas exclusivas da Who’s That Queen clique aqui.

Compartilhe!

Entre pro nosso canal do Telegram aqui!

APADRINHE A DRAGLICIOUS: Ajude a manter a Draglicious viva celebrando a arte drag, doando pelo nosso PIX, chave: draglicious@outlook.com. Ou doe pelo meu PicPay na conta @saullete, o link é: https://app.picpay.com/user/saullete. Ou nos apadrinhe em padrim.com.br/draglicious.

Click to comment

Deixe uma resposta

Veja Também

Drag Queens

“Precisamos de alguns brasileiros lindos aqui para colocar um pouco de cor em nosso pequeno país”, conta Betty Bitschlap, da 1° temporada de Queen...

Canada's Drag Race

“Eu me inscrevi para a 1ª temporada, mas minha fita de audição foi absolutamente horrível”, conta Eve 6000, da 2° temporada de Canada’s Drag...

Drag Queens

“Um enorme bravo para a minha base de fãs brasileira por sempre ser tão bonita, genuína e solidária. Obrigada, eu te amo”, diz Chy’enne...

Canada's Drag Race

“O sonho de toda garota é ser uma estrela. Quem não cantou no seu chuveiro e fingiu ser Beyoncé ou Pabllo Vittar”, diz Suki...

Advertisement

We're born naked & the rest is drag. Portal de notícias, humor e babados sobre RuPaul's Drag Race, drag queens, arte drag, comunidade LGBTQ+ e cultura pop.

Contato: draglicious@outlook.com

Draglicious 2021 © Todos os direitos reservados.