Conecte-se conosco

Hi, what are you looking for?

Destaques

Who’s That Queen? Maxi Glamour

“Devemos lutar por nossos irmãos queer e trans”, Maxi Glamour, a drag monstra não binária de Dragula nos concedeu uma entrevista exclusiva, em que fala sobre sua arte, racismo e a importância de mostrar diversidade na TV.

Compartilhe!
🕓 4 min de leitura

Maxi Glamour, a drag monster psicodélica!

Nas redes sociais e vida pessoal, ela é feroz e muito combativa sobre direitos das minorias e diversidade no geral; em drag, é conhecida pela alcunha de Rainha Demoníaca da Polka e Baklava.

“I put fun in defund the police” [eu coloco diversão em cortar o financiamento da polícia], escreveu Maxi Glamour no Instagram. Ela nasceu em St. Louis, Missouri, EUA, uma pessoa negra e artista não binária, marcada pela multiplicidade artística e por seu rosto comumente pintado na cor azul.

Em 2019, Maxi pôde elevar o alcance de sua arte ao integrar o elenco da terceira temporada de Dragula, programa competitivo que busca encontrar a próxima Drag Super Monstro dos EUA.

Neste reality show, Maxi durou quatro episódios e, como é de praxe, as eliminações são pesadas. Ela foi fatiada ao meio com uma serra. Dublagem pela vida? NOT TODAY, SATAN!

Felizmente, aqui no mundo real, Maxi segue viva, inteira, fazendo música e, como boa drag monster que é, acatou com muito entusiasmo o pedido de entrevista da Draglicious que pode ser conferida a seguir.

>  Dragula S3 | Comentários e looks do episódio 07
>  Naomi Smalls não se arrepende de ter eliminado Manila Luzon do All Stars 4

Maxi, como foi o processo para você participar da 3° temporada de Dragula? Você havia assistido as edições anteriores?

Bem, eu vi a primeira temporada e decidi que queria me candidatar. Quando a segunda temporada saiu eu pensei em me candidatar, mas hesitei. Quando a terceira temporada saiu eu sabia que era a minha vez.

Advertisement. Scroll to continue reading.

Ainda falando sobre a 3° temporada de Dragula: um drag king a venceu e uma mulher cis estava no elenco. Qual a importância do programa mostrar diversidade na televisão?

Penso que nós como pessoas marginalizadas, ainda somos explorados devido às nossas identidades interseccionais para aludir à diversidade. A diversidade é um grande passo no caminho para a equidade. Dragula estabeleceu um novo padrão do que um programa de TV drag pode oferecer quando se trata de diversidade de elenco. Eu gostaria de ver isso evoluir e inspirar Dragula e outros shows a se aventurarem em elenco e apresentação mais equitativos.

>  Como a superestrela drag, Sasha Velour, se mantém responsável pela comunidade LGBT
>  Uma Década de Drag Race | S1 | Ongina

Um dia, um amigo meu foi na padaria aqui na esquina da minha casa. Esse amigo, uma pessoa negra, se identifica como não binário, afeminado e tudo com muito orgulho. Antes de chegar à padaria, ele foi parado pela polícia porque, segundo eles, se encaixava no perfil do suspeito. Detalhe: ele estava usando um vestido amarelo e um gorro da mesma cor. A “coincidência” policial com negros subestima minha inteligência. Quero que comente sobre isso.

Humanos negros em todo o mundo são submetidos ao racismo institucional, tanto no Brasil quanto nos EUA há uma hierarquia que coloca os negros em posições de opressão. Com o cruzamento de identidade de ser também não-binário e queer adiciona apenas marginalização e vilanização pela sociedade. É horrível como o mundo trata nossos negros trans e humanos não binários.

Maxi, seu rosto pintado de azul é sua marca registrada e eu penso que toda queen deve ter algo associado apenas a ela. Como isso começou para você e quando percebeu que estava acrescentando para sua marca?

Meu personagem drag é inspirado por criaturas de ficção científica/fantasia, particularmente deuses e demônios de culturas em todo o mundo. Eu iniciei minha marca numa idade precoce e comecei a moldar quem me tornei na cena noturna por volta dos 14 anos.

Se você tivesse chegado na final da sua temporada, o que teria feito para os números de filth, horror e glamour? Tenho essa grande curiosidade até hoje, admito. Nunca poderia, por exemplo, esquecer a performance da Melissa Befierce.

Advertisement. Scroll to continue reading.

Hmmmmmmmmm, essa é difícil. Arrumei minhas roupas e criei minhas ideias, mas com o passar do tempo e vi como drag evoluiu desde o show, talvez eu tenha que rever essa ideia para dar uma resposta concreta. Eu sei que meu visual glamour seria magnífico.

>  Bianca Del Rio fala sobre All Stars All Winners, sua passagem por Drag Race e sua carreira pós reality
>  The Boulet Brothers, Dragula: Falam sobre como se sentem sobre o show ser comparado com RuPaul’s Drag Race

Algumas pessoas tem falado sobre uma nova temporada All Stars para o Dragula. Você diria sim ou não?

Agora não, em alguns anos, totalmente!

Max, quero agradecer pela sua disponibilidade e pedir que envie uma mensagem positiva aos fãs brasileiros e à nossa comunidade, pois estamos sendo exterminados por um fascista, homofóbico, transfóbico, racista e fã de Trump, chamado Jair Bolsonaro.

A opressão tem muitas faces e nós, como pessoas, precisamos enfrentá-la. Devemos lutar diligentemente por nossos irmãos queer e trans e implementar políticas públicas que aliviem diretamente os marginalizados da opressão sistêmica. Nossas vozes são algumas das coisas mais poderosas, então use-as para falar contra a injustiça. Unidos e levantados com coragem e vigilância, para que as futuras gerações possam desfrutar a vida de maneiras que nunca poderíamos.

Para conhecer mais de Maxi Glamour visite seu site oficial maxiglamour.com; e a siga em suas mídias sociais: Facebook, InstagramTwitter e YouTube.

Sou Arthur Vilhena, jornalista paraense radicado em Curitiba que mantém o sotaque porque não é metido a besta! WHO’S THAT QUEEN é uma série de entrevistas semanais com drag queens ao redor do mundo: do Chile ao Estados Unidos, passando por México e Nova Zelândia, onde tem drag performando, tem a gente entrevistando.

Advertisement. Scroll to continue reading.
Compartilhe!
Clique para comentar

Deixe uma resposta

Veja Também

Entrevistas

A rainha brasileira Rhubarb Rouge, que vive na Nova Zelândia, nos concedeu entrevista exclusiva em que relembra o começo da carreira, explica sua paixão...

Drag Queens

Por onde anda Scaredy Kat? Um ano após sua passagem em Drag Race UK, a rainha vegana que gosta de novelos de lã e...

Dragula

Boulet Brothers lançam podcast cheio de revelações: planejavam um evento no Brasil, confirmam 4ª temporada de Dragula e preparam outras surpresas para os fãs.

Cultura

O reality das drags monstras agora faz parte da Netflix e em breve estará disponível no Brasil.

Propaganda

We're born naked & the rest is drag. Portal de notícias, humor e babados sobre RuPaul's Drag Race, drag queens, arte drag, comunidade LGBTQ+ e cultura pop.

Contato: draglicious@outlook.com

Draglicious 2020 © Todos os direitos reservados.