Conecte-se conosco

Hi, what are you looking for?

Drag Queens

Who’s That Queen? Mrs. Kasha Davis

Ela tem muitas bolas para ser uma lady: conheça mais de Mrs. Kasha Davis, a queen da S7 de RuPaul’s Drag Race, que sempre tem tempo para um coquetel, em nossa entrevista exclusiva!

Compartilhe!
🕓 6 min de leitura

Se você nunca ouviu falar de Scranton, não tem problema algum. É desta cidade média-pequena, no estado da Pensilvânia – onde pessoas trans não podem servir nas forças armadas e terapia de conversão em menores de idade acontece em certos locais – que vem a próxima entrevistada do Who’s That Queen?

Ela é conhecida como uma dona de casa celebridade internacional e por sempre ter tempo para um coquetel:

“Senhora Kasha Davis é uma dama. Qualquer um pode ser uma garota, mas tem que ter muitas bolas pra ser uma dama”.

Antes de criar Mrs. Kasha Davis, Ed Popil, a pessoa por trás da personagem, formou-se em teatro na Universidade Marywood e trabalhou, por 18 anos, como diretor, na Dial America, empresa de call center.

No campo familiar, Kasha divide-se entre duas famílias: uma com Steven Levins, seu marido, com o qual cria duas filhas; a outra com sua falecida drag-mother, Naomi Kane, o que a torna drag sister de Darienne Lake, RuGirl da sexta temporada, e tia de Pandora Boxx, da S2.

Mrs Kasha Davis com suas filhas e marido

>  Phi Phi O’Hara anuncia "fim" de carreira drag
>  The Vixen retruca fãs que a compararam com Valentina

Atualmente Kasha está radicada em Rochester, Nova York. Foi neste local que, 16 anos atrás, sua drag foi criada. Kasha é homenagem para seu primeiro cachorro, um poodle branco. Davis é uma rua de Michigan. Junto ao parceiro, Davis, anos atrás Kasha assistiu um show de Miss Richfield 1981, no qual ela contava histórias bem-humoradas e cantava. Neste momento, ela percebeu como seria sua persona drag.

No dia dois de março de 2015, a grande reviravolta: estreia de RuPaul’s Drag Race Season 7. Eliminada na quarta semana pela latina Kandy Ho, Kasha soube aproveitar a oportunidade. Resultado? Can I Get An Amen, clássico de RuPaul, ganhou versão dela inclusa no álbum RuPaul Presents CoverGurlz 2, lançado em fevereiro de 2015. Cocktail, seu primeiro single, composto por ela mesma, Mr. Davis, Michelle Taylor e Danny Hoskins, estreou em março do mesmo ano.

Ainda em 2015, em parceria com Adam Barta, Kasha divide os créditos da composição de Seasoned Queen, música lançada em novembro, junto ao videoclipe oficial. Dois anos depois, em dezembro de 2017, Kasha repete a dobradinha com Adam e participa, junto com Eureka O’Hara e Kennedy Davenport, da faixa natalina One Last Christmas Card. Basic, escrita por Joseph Adam Hodges, chegou às plataformas digitais em abril de 2018 e encerra sua discografia até o momento.

Advertisement. Scroll to continue reading.

Depois de tudo isto, será que valeu a pena deixar o emprego formal para viver full time in drag e substituir shows parcos, aqui e ali, por turnês mundiais com plateias sedentas? Abra sua caixa de vinho e descubra agora mesmo com esta entrevista exclusiva dada para a Draglicious:

Kasha, você nasceu na Pensilvânia. Como é a cena drag de lá?

Eu nasci em Scranton (PA) e menino, oh menino, foi um tempo diferente em relação às pessoas estarem confortáveis em ser gay. Era muito um segredo para qualquer um quem era gay e todos fingiam ser heterossexuais. No primeiro bar gay que fui lá cheguei com minha então esposa e estava literalmente tremendo. Ela me perguntou por que eu estava tão nervoso! Foi porque não só eu era gay, mas a “cena” não era como eu me via vivendo e eu estava com medo. Hoje as coisas em Scranton são melhores, mas em geral não é um lugar que eu corro de volta para visitar.

Quantos anos de carreira drag? Em todo esse tempo, o que você acha que contribuiu para fazer essa arte chegar ao mainstream?

Comecei oficialmente a fazer drag em 2004. Eu digo oficialmente porque eu estava sempre muito intrigado por celebridades femininas e o que as mulheres vestiam! Eu costumava experimentar o sutiã acolchoado da minha mãe e batom em segredo e os vestidos da minha esposa. Eu fiz um papel em uma peça de uma bruxa e foi o meu primeiro encontro em drag e EU AMEI. Me lembro de ouvir ‘Cover Girl’ da RuPaul e meu tio dizendo: “Isso não é uma mulher” e eu estava fascinado. Nós cantamos ‘Shante shante shante’ e sacudimos nossas botas para a música. Quando eu comecei a fazer drag foi a tempo parcial e me permitiu realizar meus desejos de teatro depois do meu trabalho de dia e eu amei muito, porque eu estava no comando de tudo! O som, a personagem, a música, a dança, TUDO era eu e o Senhor Davis, claro. Ele está sempre ao meu lado. Drag indo para o mainstream agora é incrível, porque para mim como uma criança não havia espaço para ser gay, diferente, questionamento de gênero… nada disso. Se de fato foi discutido, foi perverso ou doente. Hoje estamos encorajando crianças de todas as idades a aceitar e amar seu eu genuíno com esta forma de arte e sendo tão popular é verdadeiramente fantástico.

Você tentou entrar em RuPaul’s Drag Race 7 vezes. O que você fez de diferente para conseguir na sétima tentativa?

Meus erros foram que eu estava tentando dar a eles o que eles queriam, em vez de ser verdadeiro comigo mesmo e com Kasha. Quando filmamos, se o Sr. Davis e eu pensávamos que eu estava tentando muito ser alguém diferente, nós faríamos outra tomada até que parecesse verdadeiramente genuíno.

Advertisement. Scroll to continue reading.

>  Pabllo Vittar e Shangela viram bonecos FUNKO POP
>  Relato | Show da Alaska em São Paulo

Qual foi o conselho que Naomi Kane, sua mãe drag lhe deu e que você levou para a vida?

“KASHA, VOCÊ É UMA DRAAAAAG QUEEEN, não tente ser uma supermodelo” e “Sempre use unhas!”.

Naomi também cuidou de todo o nosso grupo de rainhas e fez com que cada uma de nós se sentisse como uma estrela que deveria brilhar nossa luz.

Basic é o nome do seu terceiro single. Dois anos após o lançamento, como você vê essa música?

Cada uma das canções que gravei foram feitas para gozar com as críticas que as pessoas fizeram de mim. Cocktail, Seasoned Queen e Basic são canções divertidas e simples e o Senhor Davis fez os vídeos para Cocktail e Basic e isso me deixa orgulhoso. Nunca nos levamos muito a sério. Mais recentemente eu estou trabalhando em música para o meu tempo de História com Criança e cada uma dessas músicas eu escrevi as letras e Andy Pratt, meu amigo e acompanhante, escreve a música. Estas canções tocam o meu coração.

Um novo grupo pop de garotas será lançado. Você escolhe quem serão as outras quatro drag queens que farão parte dele. Quem são elas e por qual razão?

Advertisement. Scroll to continue reading.

Darienne [Lake], Pandora [Boxx], Asia O’Hara, Katya e eu! Acho que seríamos um grupo FABULOSO e ENGRAÇADO!

Seu EP [It Takes A Lot Balls To Be A Lady, 2016] não está disponível no Spotify ou no YouTube. Alguma previsão de relançamento deste trabalho? Eu sempre quis ouvir. Como foi o processo de escolha das faixas?

O EP também não está atualmente no iTunes e eu acho que está tudo bem. A música era uma seleção de covers de canções que eu cantaria em meus shows de cabaré. Muito campy, música de cabaré antiga e da Broadway. Eu contava mini-histórias antes de cantar cada música, o que era muito divertido de gravar. Coisas pessoais sobre a importância da música.

Quero que nos diga algo que ninguém saiba sobre a gravação dos videoclipes de Cocktail e Seasoned Queen. Você planeja lançar mais vídeos musicais?

Quando ensaiamos para o Cocktail, a mulher que me ajudou me fez cantar de novo e de novo… FOR A COCK, FOR A COCK, FOR A COCK [para um pênis] para que eu pudesse pegar a nota certa e o Senhor Davis e eu rimos por horas. Seasoned Queen foi filmado em um pequeno apartamento do Queens fora de Nova York e eu tive que mudar todos os meus looks em um banheiro minúsculo onde o Senhor Davis me ajudou e nós dois estávamos suando muito! Tudo foi filmado em um dia em uma tela verde. Podemos dizer “baixo orçamento”.

Três canções da Liza que você ama performar? Por qual motivo?

Liza With A “Z”, Liza’s Back e NY NY! Liza With A “Z” é um lip sync difícil e uma canção de contar histórias; Liza’s Back é uma celebração de sua recuperação do vício (como eu) e New York, New York fala com a minha alma.

Advertisement. Scroll to continue reading.

Mrs. Kasha Davis e marido

>  Who's that queen? Scaredy Kat
>  Jaida faz emocionante depoimento sobre Drag Race

Neste momento a comunidade LGBTQIA+ brasileira sofre nas mãos de um presidente fascista, fã de ditador e amigo do Trump chamado Jair Bolsonaro. Que mensagem gostaria de nos dar?

Devemos fazer o que pudermos para nos erguermos e usar nossas plataformas para mensagens de amor e ESPERANÇA. Não importa o que aconteça, no final AMOR e ESPERANÇA sempre vencem.


Sou Arthur Vilhena, jornalista paraense radicado em Curitiba que mantém o sotaque porque não é metido a besta! WHO’S THAT QUEEN é uma série de entrevistas semanais com drag queens ao redor do mundo: do Chile ao Estados Unidos, passando por México e Nova Zelândia, onde tem drag performando, tem a gente entrevistando.

Compartilhe!
Clique para comentar

Deixe uma resposta

Veja Também

Entrevistas

A rainha brasileira Rhubarb Rouge, que vive na Nova Zelândia, nos concedeu entrevista exclusiva em que relembra o começo da carreira, explica sua paixão...

Destaques

“Devemos lutar por nossos irmãos queer e trans”, Maxi Glamour, a drag monstra não binária de Dragula nos concedeu uma entrevista exclusiva, em que...

Drag Queens

Por onde anda Scaredy Kat? Um ano após sua passagem em Drag Race UK, a rainha vegana que gosta de novelos de lã e...

Drag Queens

 Entre para nosso canal do Telegram! Os fãs conhecem RuPaul como Mama Ru, mas ela não é a única “mãe” em Drag Race. Saiba...

Propaganda

We're born naked & the rest is drag. Portal de notícias, humor e babados sobre RuPaul's Drag Race, drag queens, arte drag, comunidade LGBTQ+ e cultura pop.

Contato: draglicious@outlook.com

Draglicious 2020 © Todos os direitos reservados.