Conecte-se conosco

Babados

Brita se defende de acusações de abuso sexual

Ex-filha drag de Brita acusou-a de abuso sexual e maus-tratos em 2018. Brita se defendeu das sérias acusações. Confira a seguir.

Compartilhe!

Publicado

on

🕓 5 min de leitura

Após Sherry Pie ter sido exposta como predadora sexual, agora foi a vez de outra rainha da S12 de RuPaul’s Drag Race passar pelo mesmo. A ex-filha drag de Brita, Delilah Pipes, acusou-a de abuso sexual e maus-tratos. A séria denúncia aconteceu em 2018 e ressurgiu recentemente. Mas Brita já se defendeu alegando serem acusações falsas.

“Ontem fui apoiar um amigo que estava atuando em uma peça sobre estupro/agressão sexual, o que me deu o ímpeto de finalmente escrever este post sobre a drag queen que foi a minha primeira mãe drag, “Brita Filter”/Jesse Havea:

Em 2015, saí na noite de Mardi Gras com alguns colegas do programa de ópera da Brooklyn College. Fomos ao Bourbon Street Bar, na 46th Street, em Manhattan, e depois eu disse que deveríamos ir ao bar gay do outro lado da rua, The Ritz. Nós caminhamos até lá e entramos em um show de drag na sala dos fundos. Fiquei impressionado com as performances de uma drag queen em particular, “Brita Filter”.

Eu me aproximei dela após o show para elogiá-la e disse que estava interessada em tentar fazer drag. Ela me disse que me ajudaria se eu quisesse. Algumas semanas depois, fui convidada para o apartamento dela para que ela pudesse pintar meu rosto pela primeira vez e me levar ao seu show [show] “GLOW” no G-Lounge.

Eu não sabia quase nada sobre maquiagem na época, então ela me aconselhou sobre quais produtos eu precisava comprar para que ela pudesse fazer minha maquiagem, e eu aceitei a palavra dela. Um dos produtos que ela me disse para comprar foi o Ben Nye Banana Powder para minha iluminação. Quem conhece maquiagem, no entanto, sabe que o Banana Powder é muito escuro e muito amarelo para mim, mas é para alguém de pele mais escura, como “Brita”.

Depois que ela maquiou meu rosto naquele dia, saí do quarto dela para colocar minha calcinha feminina e estofar no banheiro. Quando voltei para o quarto dela, notei que a garrafa de Banana em Pó havia sido removida da minha bolsa, onde a coloquei depois que ela usou em mim, por trás de uma moldura na penteadeira. Eu pensei: “Certamente ela não está tentando roubar isso de mim?” e coloque-o de volta na minha bolsa.

Depois do show dela naquela noite, fiquei um pouco embriagado e estava prestes a fazer uma viagem de uma hora e meia para casa em Sheepshead Bay, Brooklyn. Ela se ofereceu para me deixar dormir na casa dela e, ingenuamente, aceitei, apenas agradecida por não ter que andar bêbado no trem.

Quando chegamos à casa dela, ela alegou que o cachorro da colega de quarto me incomodaria se eu dormisse no sofá da sala, então aceitei a oferta dela para dormir na cama com ela.

Não muito tempo depois, acordei e encontrei meu pênis dentro de sua boca e ela estava colocando poppers debaixo do meu nariz para me deixar chapado. Afastei a cabeça dela e disse que não queria isso. Ela disse: “Tudo bem”, e adormecemos novamente. Acordei de manhã e fui embora sem mencionar.

Aquela noite foi a única vez que ficamos cara a cara fora de seus shows de drag. Tentei várias vezes levá-la para tomar café/almoço/jantar para falar com ela, e ela sempre recusava ou ignorava a oferta. Eu dei a ela o benefício da dúvida por algum tempo”.

>  S12E01 | Runway | Mini-desafio: Outono
>  Pabllo Vittar e Whindersson Nunes fazem a festa em Nova York

“Depois de recusar [as investidas dela], ela nunca mais foi agradável e calorosa comigo novamente. Ela começou a me tratar muito friamente e estava me ignorando. De qualquer forma eu continua aparecendo nos shows dela, e ela sempre me maltratava. Depois disso, nas poucas vezes em que ela me convidou para performar em um de seus shows, antes de subir ao palco ela me dizia coisas do tipo: ‘Se você estragar essa performance, eu definitivamente nunca vou aceitar você como minha filha drag’. Ela começou a fazer parecer que eu precisava ‘provar a mim mesma’, ou então ela desistiria de ser minha ‘mãe drag’. Uma noite ela me apresentou como sua ‘filha drag’ e depois dizia às pessoas que ‘Dalila é apenas minha filha drag quando ela se sai bem’.

Por alguns anos, eu ignorei o que ela fez inicialmente, porque queria ter uma posição na comunidade de drag de Nova York e, por algum motivo, pensei que ela seria meu ingresso. Eu ignorei [o abuso] por ela e tentei ser efusivamente agradável e apenas apareceria para seus shows, sendo convidado ou não. Ela continuou sendo fria, insensível e má comigo, independentemente da minha abordagem com ela.

Fiquei muito desligado da comunidade drag por um tempo por causa disso. Eu nunca me deixei tornar amigo íntimo de qualquer drag queen, porque pensei que talvez todas fossem como ela. Rainhas me perguntava por que eu não participava muito dos shows delas e inventava desculpas como estar ocupado com a escola ou o trabalho, quando eu tinha tempo de sobra para dar apoio e me apresentar se quisesse. No último ano e meio, no entanto, conheci uma rainha adorável e acolhedora que me fez perceber que nem todas essas drag queens eram monstros como ela.

Eu também conheci várias pessoas desde então que tiveram experiências terríveis, semelhantes ou diferentes das minhas, com o “Brita Filter”. Isso começou a me dar coragem para falar contra ela e contar a minha história, porque eu percebi que havia uma comunidade de pessoas lá fora, para quem ela também era uma pessoa nojenta. Só espero que alguns deles tenham coragem de falar sobre ela também e sobre quaisquer outras rainhas/reis que passaram dos limites como ela. Infelizmente nesta comunidade, coisas como essa acontecem muito mais do que alguém deseja perceber.

Tenho certeza de que receberei alguma reação de algumas pessoas sobre isso, mas estou confortável em saber que algumas pessoas já sabem como ela é realmente e que algumas pessoas acreditarão em mim. Estou apenas começando a voltar a me arrastar como hobby, mas não me deixarei mais reter pela negatividade que comecei na comunidade de drag. Ela não estragou o drag para mim e nunca o fará”.

#metoo

>  #72 | Expectativas para Rupaul’s Drag Race S12
>  S12 | Elenco oficial da temporada

Confira a seguir a declaração de Brita.

2018: “Eu peço perdão pela demora em minha resposta, mas como alguém fez uma acusação muito séria contra mim, eu senti a necessidade de consultar um advogado antes de fazer uma declaração pública. Por favor, entendam que eu nego as acusações dele. Eu aprecio o respeito e maturidade de vocês enquanto eu lido com esta situação”.

2020: “Eu preciso falar sobre as falsas alegações feitas contra mim em 2018. Eu reitero que as acusações contra mim são falsas. Como alguém que se preocupa profundamente com a importância do consentimento (falo por experiência própria), eu sempre coloco isso a frente de meus encontros sexuais. Eu pretendo continuar fazendo o que sempre fiz com minha drag: tentar criar um ambiente seguro para as pessoas se sentirem confortáveis de se expressarem”.

Esta não é a primeira vez que uma participante de RuPaul’s Drag Race é acusada de assédio sexual, rainhas como Mimi Imfurst, Soju, Silky e Sherry Pie já foram expostas por tal comportamento abusivo, para ler tais denúncias clique aqui.

Para ler mais notícias da S12 clique aqui.

Compartilhe!

Saullete é preto, gay e comunicólogo que criou a Draglicious com o intuito de compartilhar com outros fãs seu amor pela arte drag e por Drag Race. Além de informar e entreter seu público, Saullete levanta discussões relevantes para amantes da arte drag e para a comunidade LGBT.

Propaganda
Clique para comentar

Deixe uma resposta

We're born naked & the rest is drag. Portal de notícias, humor e babados sobre RuPaul's Drag Race, drag queens, arte drag, comunidade LGBTQ+ e cultura pop.

Contato: draglicious@outlook.com

Draglicious 2020 © Todos os direitos reservados.