Conecte-se conosco

Hi, what are you looking for?

Drag Queens

S11 | Billboard entrevista: Mercedes Iman Diamond

Entre pro nosso canal do Telegram aqui!

APADRINHE A DRAGLICIOUS: Ajude a manter a Draglicious viva celebrando a arte drag, doando pelo nosso PIX, chave: draglicious@outlook.com. Ou doe pelo meu PicPay na conta @saullete, o link é: https://app.picpay.com/user/saullete. Ou nos apadrinhe em padrim.com.br/draglicious.

🕓 4 min de leitura

No quarto episódio da décima primeira temporada de RuPaul’s Drag Race, as rainhas colocaram o P em “política” ao realizarem a dublagem do primeiro desafio musical da temporada: um show inspirado em Grease intitulado Trump: The Rusical.

Algumas rainhas subiram no palco – Silky Nutmeg Ganache marcou sua primeira vitória da temporada por seu retrato hilariante e preciso de uma Oprah angelical. Mas outros não se destacaram; depois de errar o alvo, Omarosa Manigault e Ivanka Trump, respectivamente, Ra’Jah O’Hara e Mercedes Iman Diamond se enfrentaram em uma dublagem de “Living in America”, de James Brown. Ru decidiu manter Ra’Jah por perto, dando sasha away em  Mercedes.

Mercedes conversou com a Billboard um dia depois de sua eliminação sobre sua emocionante herança muçulmana na televisão nacional, por que ela não se envolve com política e, é claro, a crescente popularidade de seus memes de “Opulence”.

>  Brita quase teve overdose fatal após ataques de "fãs" de Drag Race
>  S10 | Comentários do 3º Episódio
>  S10 | Billboard entrevista: Monét X Change

Como você está se sentindo depois de ver sua eliminação?

Eu estou, sabe o que, me sentindo ótima! Estou feliz, estou literalmente feliz e sou muito grata pela oportunidade. Sim, eu fiz muitos concursos, e quando eu faço uma competição, a única pessoa com quem eu realmente posso competir sou eu mesma, e só haverá uma vencedora. Alguém tem que ir para casa toda semana, querida! E foi Mercedes dessa vez! Estou tão feliz por ter estado naquele palco, por receber a críticas de Mama Ru, Michelle e todos os outros, é simplesmente incrível.

Antes de falarmos sobre qualquer outra coisa, há uma palavra que precisamos discutir – “Opulence”. Você se tornou um meme do dia pra noite depois daquele episódio, como tem sido isso para você?

“Appalance! You! Earn! Everything!” [risos] Quer saber, naquele dia, parece que foi ontem para mim. Eu estava entrando nessa cena tipo: “Vadia, você vai conseguir, garota!” Assim que Michelle falou “Não, não é isso”, eu fiquei tipo “Opulência?” E então ela estava criticando “earn” [receber] em vez de “own” [possuir], oh meu deus [risos]. Eu fiquei tipo “Mercedes, você estragou tudo, agora você está tirando sarro de si mesmo e as pessoas vão rir de você quando isso aparecer na TV”. Mas vendo todos os memes – quero dizer, Brooke Candy retweetou algo sobre mim. Foi tão incrível! Eu conversei com Brooke Candy e ela disse: “Garota, eu estou tão feliz, estou apaixonada por você, você é incrível”. Tipo, oh meu deus! Brooke Candy? Menina!

Advertisement. Scroll to continue reading.

>  Aja denuncia fandom racista de Drag Race
>  Entrevista Exclusiva: Bruno Alcântara, pitcrew brasileiro de Drag Race
>  Willam critica desvalorização de drag queens na DragCon

Isso foi ótimo. Além disso, você é uma das poucas rainhas escolhidas que receberam seu próprio remix de Adam Joseph! Isso é grande!

Eu sei, então você sabe que conversei com ele! Pode ter algo vindo aí, você nunca sabe! Quando ele me contatou, eu fiquei tipo “Mentira. Agora, muitas das rainhas estão se apresentando para essa música que ele fez, as garotas estão me marcando. É tipo… isso é muito maior do que eu pensei que seria. E é tão bom! [risos]

Um ponto mais sério, você foi muito sincera durante o show sobre suas experiências de vida, entre seu derrame e sua identidade muçulmana. Como foi para você, no momento, decidir ser honesta enquanto as câmeras estavam gravando?

Onde quer que eu vá, uma coisa em que não me envolvo é religião e política. Esse é o tipo de coisa que pode estragar amizades, família e isso só causa drama. Então eu escolho não estar envolvido normalmente. Então, quando eles começaram a falar sobre política no terceiro episódio e mudou para religião, eu me mantive distante. Tipo, “Ok, é hora de você sair Mercedes!” Mas eu não estava pensando no fato de haver uma câmera lá. Quando eu eu me afastei, eu fiquei tipo… isso foi um grande erro. Eu percebi depois, e naquela noite inteira eu processei isso na minha cabeça. Tipo, você precisa consertar isso. Não quero que as pessoas pensem que não tenho orgulho de quem eu sou.

Foi uma oportunidade para mim, na verdade, falar sobre isso e ser uma voz para muitos muçulmanos gays por aí. Que está tudo bem em ser quem você é. Você pode ter qualquer religião e ainda seguir seu coração. O que faz a diferença? Eu estava pensando: “Eu sei que há um pequeno menino gay que é muçulmano e está aí assistindo Drag Race e que tem medo de ser ele mesmo”. Eu quero que eles saibam que tudo ficará bem. Você pode perder a família, mas você vai ganhar outra família que vai amar e apoiar você, não importa o motivo.

>  S11 | MTV entrevista: Silky Nutmeg Ganache
>  S11 | Billboard entrevista: Honey Davenport
>  Pabllo Vittar concorre como "Melhor Artista Brasileiro" no "MTV: EMA Bilbao 2018"

Isso deve ter sido tão difícil, ser alguém que evita a política, ter que atuar nesse desafio muito político.

Advertisement. Scroll to continue reading.

Pode acreditar, mana! [risos] Eu não sigo os Trumps, não sei nada sobre eles. Você sabe, eles não gostam de gays e eles não gostam de muçulmanos, então eu não os sigo! Então, para ter que interpretar Ivanka, eu falei “Vadia, faça o seu melhor”. Mas mana! Eu não sabia nada sobre essa garota! Em última análise, foi bonito e engraçado, foi divertido tirar sarro deles.

Mas você sabe quem me matou? Miss Shuga Cain, quando ela entrou naquela passarela parecendo Trump. Aquela merda foi tão engraçada [risos]. Ela é hilária – quando eu vi isso lá nos fundos, eu literalmente disse: “Mentira, você não vai levar esses Cheetos para a passarela”. Quando ela tocou seu rosto, eu morri. Pronto. É isso aí. [risos]

Então, depois de passar no show, falando abertamente de sua herança e tendo que se engajar na política, você se vê mais envolvida no lado político do drag?

Provavelmente não a política, para ser honesta. Definitivamente mais com religião, eu quero ser uma voz para a comunidade muçulmana, e especificamente a comunidade gay muçulmana. Mas no que diz respeito à política, eu não sei – isso é bem difícil! [risos] Eu realmente não sei muito sobre política, mas talvez! Eu possa aprender!

Para ler outras entrevistas clique aqui.

Compartilhe!

Entre pro nosso canal do Telegram aqui!

APADRINHE A DRAGLICIOUS: Ajude a manter a Draglicious viva celebrando a arte drag, doando pelo nosso PIX, chave: draglicious@outlook.com. Ou doe pelo meu PicPay na conta @saullete, o link é: https://app.picpay.com/user/saullete. Ou nos apadrinhe em padrim.com.br/draglicious.

Clique para comentar

Deixe uma resposta

Veja Também

Drag Queens

"Eu terei que ir em algum momento", revela Cher sobre uma possível participação em RuPaul’s Drag Race.

Drag Queens

Jaida Essence Hall revelou sua torcida para Kandy Muse vencer a 13ª temporada de RuPaul’s Drag Race.

Rumores

Saiba como será a grande final da S13 de RuPaul’s Drag Race e o suposto top 2.

Drag Queens

É chegada a hora de avaliarmos o desempenho das rainhas finalistas. E aí, Gottmik merece vencer RuPaul’s Drag Race S13? Confira nessa análise final!

Propaganda

We're born naked & the rest is drag. Portal de notícias, humor e babados sobre RuPaul's Drag Race, drag queens, arte drag, comunidade LGBTQ+ e cultura pop.

Contato: draglicious@outlook.com

Draglicious 2021 © Todos os direitos reservados.