Luto | Karl Lagerfeld faleceu aos 85 anos (1933 – 2019)

Karl Lagerfeld não foi apenas o salvador da Chanel, ele redefiniu a moda. O lendário diretor criativo da Chanel faleceu aos 85 anos.

Modo Noturno

Você não precisava saber nada sobre moda para saber sobre Karl Lagerfeld, o estilista mais reconhecível da nossa era.

Chanel, a casa de moda de luxo que Lagerfeld dirigiu por mais de três décadas, anunciou a morte do estilista na terça-feira.

Como em seus desenhos, sua própria imagem foi cuidadosamente trabalhada, misturando passado e presente: juba branca e rabo de cavalo como uma peruca empoeirada do século 18; óculos de aviador; um colarinho alto e engomado; luvas de motociclista pretas, sem dedos, usadas com vários anéis de prata.

Karl Lagerfeld e Lily Rose Depp no desfile de alta-costura Chanel Primavera-Verão 2017. Crédito: PATRICK KOVARIK / AFP / AFP / Getty Images
>  RuPaul’s Drag Race é vencedor do PGA 2019
>  Sia | Carta de amor para a comunidade LGBTQ

Karl Lagerfeld não foi apenas o salvador da Chanel, ele redefiniu a moda.

Profissionalmente, ele foi festejado por salvar a House of Chanel, mas também era um personagem de videogame (como DJ em Grand Theft Auto IV), um ursinho de pelúcia de edição limitada (1.400 dólares) e um boneco enfeitado com diamantes (190 dólares).

Seu gato birmanês, Choupette – tão branco como a neve e seu cabelo – foi o tema de seu próprio livro de mesa de café, e é relatado que gerou  4 milhões de dólares em taxas de modelagem em 2014.

Observando-o de perto no trabalho em 1991, o correspondente de Paris do Los Angeles Times perguntou: “Karl Lagerfeld nunca fica parado?” A resposta curta pareceu ser não.

“Faço meu trabalho como respirar”, disse Lagerfeld ao New Yorker em 2007. E o fez com uma ética de trabalho impressionante. “Eu só quero fazer o que tenho que fazer: moda, fotografia, livros. E isso é tudo”.

Lagerfeld nasceu em Hamburgo, na Alemanha, em 1933. Mais tarde, ele seria discreto sobre sua data de nascimento, geralmente cortando pelo menos cinco anos de sua idade.

No início dos anos 1950, ele viu seus primeiros desfiles de moda em Hamburgo, incluindo um de Christian Dior. Com o incentivo de sua mãe, ele decidiu deixar Hamburgo para a moda Paris.

Lagerfeld depois de vencer a categoria de casacos em um concurso de design patrocinado pelo International Wool Secretariat em 1954. Crédito: Keystone / Hulton Archive / Getty Images

Em 1954, ele ganhou uma competição de design feminino e se juntou à casa de alta costura de Pierre Balmain. Três anos depois, ele se mudou para a Casa de Patou. Depois disso, começou a trabalhar como freelancer para a Chloé e, em 1967, contava com a Fendi entre seus clientes.

>  Britney Spears | Carta de amor para a comunidade LGBTQ
>  Escola impede aluno de fazer drag em show de talentos, "é ilegal"

Sua decisão de aceitar uma oferta para ser diretor artístico da Chanel em 1983 elevou-o a uma esfera de moda infinitamente superior e transformou suas fortunas.

“Quando eu assumi a Chanel, era uma bela adormecida. Nem mesmo uma bela. Ela roncava”, disse ele em “Lagerfeld Confidential”, um documentário de 2007. “Então eu deveria reviver uma mulher morta”.

Lagerfeld reconheceu a história da marca, mas a tratou irreverentemente. Ele se tornou o rei Karl com uma corte de assistentes; implacável, sem sentimentalismo e constantemente inventivo. Para sobreviver “você tem que cortar as raízes para criar novas raízes”, disse ele à New Yorker.

“Porque moda é sobre hoje. Você pode pegar uma ideia do passado, mas, se você fizer do jeito que era, ninguém quer”.

Lagerfeld foi uma celebridade por tanto tempo que esquecemos que ele mudou sua imagem mais de uma vez. Em um impressionante retrato de Helmut Newton, do início dos anos 1970, seu cabelo é preto como azeviche, ele tem uma barba grossa e pirata e ostenta um monóculo sem aro. Por quase 20 anos, ele raramente foi visto sem um fã japonês, rapidamente dispersado e perseguido por fotógrafos. Como Warhol, Lagerfeld tinha um instinto sobre sua própria imagem.

Ele também tinha um certo prazer em ser politicamente incorreto. Adele era “um pouco gorda demais”; e “em um mundo que come carne, usando couro para sapatos e roupas e até mesmo bolsas, a discussão sobre peles é infantil”, disse ele à BBC em 2009.

Seu quadro intelectual de referência era amplo – Emily Dickinson, Sarah Bernhardt, Alfred Stieglitz e Isak Dinesen. Se estivesse relaxado, suas entrevistas poderiam se transformar em monólogos. Ele falava rápido, palavras rolando pela língua em um sotaque alemão pronunciado.

>  Cardi B briga com Nicki Minaj e sai de festa com galo na cabeça
>  RuPaul's Drag Race vence 4 Emmys, incluindo o de melhor apresentador de reality show para RuPaul

De acordo com uma entrevista com a estilista Camille Bidault-Waddington, Lagerfeld era um leitor voraz, “permanentemente preenchendo a cultura independente e a cultura do establishment… como uma máquina de amostragem”.

Havia um pavor de ficar antiquado. Como Lagerfeld sabia, você sempre teve que ser absolutamente consciente na moda, mesmo em seus 80 anos, mesmo quando seus concorrentes tinham metade da sua idade.

Via CNN.

DEIXE UMA RESPOSTA

Conecte com




Please enter your comment!
Please enter your name here