Especial Lady Bunny | Pt1: Ela ainda é a rainha mais shady

Três décadas depois de aterrissar em Nova York com RuPaul, Lady Bunny reina como a rainha suprema de Nova York, mesmo quando uma geração mais nova morde seus calcanhares.

Modo Noturno

A New York Times fez uma matéria especial sobre a Lady Bunny ano passado e a postarei traduzida a seguir para vocês possam conhecer um pouco mais dessa rainha lendária.

Lady Bunny nos bastidores do Wigstock 2018.

“Testes, testes, um, dois, três!”, Uma voz raspou o sistema de som em um sotaque sulista atrevido.

Era o primeiro dia de setembro, e a ocasião foi Wigstock, a extravagância drag que estava fazendo um retorno deslumbrante na South Street Seaport depois de uma pausa de 17 anos.

Mas ele parou assim que começou, às 15 horas, com a cabine de som tocando a trilha errada. “Você já esteve em Wigstock antes? Nós já entendemos, certo? Todos os nossos microfones estão ligados? Verifica? Verifica?”, uma voz gritou.

Finalmente, a música correta tocou, e o dono daquele sotaque do Tennessee emergiu em pleno esplendor. Como a maioria da turma já sabia, era a boca suja Lady Bunny, fundadora e mestre de cerimônias do Wigstock, usando um minivestido de ouro metálico com mangas de kimono e um bouffant loiro imponente.

>  Especial Lady Bunny | Pt4: Reaproximando de RuPaul
>  AS4 | Comentários do 5º episódio

Ela era flanqueada por três outras veteranas drag vestidas em ouro, que trocavam farpas não publicáveis (principalmente sobre quem era a mais velha ou mais promíscua). Depois de alguns minutos, Neil Patrick Harris, que ajudou a revitalizar Wigstock com seu marido, David Burtka, apareceu no palco em uma camiseta regata. “É meu trabalho como produtor deste show manter as coisas em movimento”, disse Harris.

Sherry Vine, Jack Beat, Lady Bunny, Bianca Del Rio e Neil Patrick Harris.

Mas Lady Bunny continuou falando, prometendo “humor pesado” e outros atos picantes. “Você vai ver nudez hoje. Não se preocupe, não sou eu ”, disse ela à multidão barulhenta, muitos dos quais vieram em perucas e lantejoulas. “Vamos trancar as portas e vou me despir. E você vai pagar para sair!”.

Um cenário da vida noturna de Nova York desde o início dos anos 80, quando ela se mudou de Atlanta com seu amigo RuPaul, Lady Bunny é indiscutivelmente a drag queen reinante da cidade, menos uma mãe solteira e mais uma abelha rainha com muita picada. Seu visual característico – grandes curvas, cabelos imensos – resistiu, assim como o ato dela: comédia carrancuda, acidez, misturado com golpes políticos e apimentada com a severidade áspera do sul dos EUA.

>  Robbie Turner sofre acidente de carro, motorista faleceu
>  Delta Work faz revelações sobre eliminações de Drag Race

E enquanto muita coisa mudou em na vida LGBT nos últimos 17 anos (casamento gay, PrEP, Caitlyn Jenner e RuPaul’s Drag Race), Lady Bunny mantém o espírito rude e bruto que tem sido corroído ao longo das décadas, tanto do centro de Manhattan quanto da própria arte drag, agora que Drag Race cunhou uma nova safra de estrelas prontas para a câmera.

Lady Bunny no palco do Wigstock 2018.

Como uma loja de discos que se apega a um quarteirão gentrificado, seu estilo de comédia de insultos é um retrocesso para suas raízes fragmentadas no East Village – ou talvez apenas uma teimosa recusa em evoluir com os tempos. Michael Musto, um colunista de longa data da vida noturna declarou:

“Bunny é mais um artista da velha escola, enquanto RuPaul se tornou mais um oráculo à moda da Oprah. Eles se tornaram uma espécie de yin e yang do drag”.

Continua aqui.

Especial Lady Bunny

Pt1: Ela ainda é a rainha mais shady

Pt2: Conheça seu “gêmeo mau”

Pt3: Go-Go Boy por 40 dólares

Pt4: Reaproximando de RuPaul

Pt5: Eu sou o Wigstock

Wigstock: o festival drag de New York está de volta

DEIXE UMA RESPOSTA

Conecte com




Please enter your comment!
Please enter your name here