Conecte-se conosco

Drag Queens

Especial Lady Bunny | Pt5: Eu sou o Wigstock

Publicado

on

🕓 2 min de leitura

Quando a noite caiu em Wigstock, Bunny estava segurando adiante sua sétima hora. “Agora estou brincando com a ideia de transição”, disse ela, agora usando um vestido de noite prata cintilante. “Bem, eu fui ao médico e disse: ‘Doutor, eu gostaria de uma mudança de sexo’. Ele disse: ‘De que para quê?'” Nos últimos anos, debates sobre linguagem ofensiva têm atormentado o mundo drag, como pessoas transgênero se opuseram a termos como “tranny”, que algumas drag queens de longa data veem como seu direito de nascimento de usar.

Lady Bunny se manteve firme, zombando do politicamente correto em seu show solo “Trans-Jester!”, Que ela apresentou no Stonewall Inn em 2016, mesmo quando Donald Trump estava recebendo críticas em sua campanha presidencial com queixas semelhantes.

Sua posição política, no entanto, é tão resistente quanto seu gênero. Uma esquerdista na economia, ela foi uma defensora tão comprometida de Bernie Sanders (concorrente de Hillary Clinton para concorrer a indicação do partido Democrata para concorrer à eleição presidencial contra Trump) durante a eleição de 2016 que as pessoas a chamaram de Lady Bernie. (No final, ela votou em Jill Stein.)

>  AS4 | Comentários do 5º episódio
>  The Vixen | Os dois pesos e duas medidas do racismo em Drag Race

“Eu perdi amigos”, ela disse sobre sua política. Mas isso só a fez mais determinada a ressuscitar o Wigstock.

Eu senti que agora são tempos sombrios e precisamos de algo divertido para fazer.

Sherry Vine, Jack Beat, Lady Bunny e Bianca Del Rio.

>  Wigstock: o festival drag de New York está de volta
>  Porque RuPaul não foi de drag ao Met Gala 2019

Quando retornou em setembro de 2018, uma escassez de patrocinadores e dificuldades em encontrar um local até que os organizadores foram forçados a cobrar 95 dólares por ingressos, com reclamações que o Wigstock, como o resto de Manhattan, não era mais acessível.

As pessoas sempre querem dizer: ‘O espírito da Wigstock está girando em seu túmulo porque você está cobrando a entrada. Mas deixe-me dizer uma coisa: eu sou o espírito da Wigstock. E Wigstock será o que eu disser que é.

Ela fechou a noite com uma mistura de músicas pop reescritas com letras pornográficas.

“You’re gonna hear me roar (Você vai me ouvir rugir)”, de Katy Perry, tornou-se “Boy, is it ever sore (Garoto, é sempre dolorido)”.

Ela apresentou seu elenco de rainhas de várias gerações para uma saudação final.

Mas, às dez da noite, as luzes se apagaram e o microfone cortou o som. Ela olhou para ele com curiosidade, depois continuou falando.

Se quiser ler mais sobre o festival Wigstock clique aqui.

Especial Lady Bunny

Pt1: Ela ainda é a rainha mais shady

Pt2: Conheça seu “gêmeo mau”

Pt3: Go-Go Boy por 40 dólares

Pt4: Reaproximando de RuPaul

Pt5: Eu sou o Wigstock

Wigstock: o festival drag de New York está de volta

Compartilhe!

Saullete é preto, gay e comunicólogo que criou a Draglicious com o intuito de compartilhar com outros fãs seu amor pela arte drag e por Drag Race. Além de informar e entreter seu público, Saullete levanta discussões relevantes para amantes da arte drag e para a comunidade LGBT.

Propaganda
Clique para comentar

Deixe uma resposta

We're born naked & the rest is drag. Portal de notícias, humor e babados sobre RuPaul's Drag Race, drag queens, arte drag, comunidade LGBTQ+ e cultura pop.

Contato: draglicious@outlook.com

Draglicious 2020 © Todos os direitos reservados.