Insubmissas, a mulher preta protagonista

Modo Noturno

Eu fui convidado para o espetáculo Insubmissas, Vai ter mulher preta protagonista sim! e fui lá prestigiar. Eu não sabia muito o que esperar da peça, mas o que assisti foi incrível e compartilho com vocês agora minhas impressões.

Vamos começar pelo lado negativo logo, para não deixar que ele fique à espreita atrapalhando a experiência final.

Achei a entrada caótica. Quem ficou responsável por isso errou e muito. Primeiro que se o evento está atrasado é essencial informar alguma coisa ao público. Ficar sem saber o porque da demora é chato. O início que estava marcado para as 15h foi rolar quase as 16h.

Na hora de entrar mandaram grupos de 15 por vez. Mas aí tivemos que esperar de novo, dessa vez na porta da arena. Aí chegou um rapaz falando para quem quisesse ir ao banheiro ou beber água que o acompanhasse. Aí quem o fez, tipo eu, perdeu o lugar na fila.

A sonoplastia da arena é muito ruim, dificultando entender muitas falas e letras de música. Sem contar a arquibancada desconfortável. Ao fim da apresentação de quase duas horas minha bunda estava dolorida.

Exposto isso, vamos ao que importa, ao espetáculo em si e toda sua grandeza!

Quando eu fiquei sabendo o que é o Valores de Minas eu fiquei encantado: uma escola de artes livres que ensina arte e profissionaliza jovens periféricos de BH e região metropolitana. Mas ver isso na prática é muito mais impactante.

Poder assistir aquele monte de jovens negros, LGBTs e periféricos me emocionou demais. Porque pra mim isso é algo revolucionário. É uma alternativa aos programas de “primeiro emprego” que só dão como opção ao jovem um trabalho administrativo cansativo numa empresa qualquer.

Como a arte por si só tem o poder de transformar as pessoas, ver esse grupo de novos artistas que tem tudo para mudar o mundo ao seu redor com sua arte me dá muita esperança de dias melhores, especialmente por vivermos numa sociedade que tem apoiado cada vez mais o fascismo e discursos de ódio.

Por isso me encantou conhecer o resultado do trabalho do Valores de Minas, onde se fala e se faz arte.

>  S11 | Rainhas visitam universidade que ministra curso sobre Drag Race
>  AS4 | O segundo episódio do All Stars 4 é um dos melhores da história de RuPaul’s Drag Race

Tudo começa com o elenco se posicionando na arena: músicos, artistas circenses e atores.  O tema da peça é super relevante e mais atual do que nunca: o protagonismo da mulher negra, sendo assim elas são as grandes estrelas.

Tem homens na peça também, mas eles estão ali como suporte, as grandes estrelas são as mulheres. E conforme a obra se desenrola somos transportados para um universo dominado por figuras femininas pretas poderosas, jovens, vibrantes, lindas, de corpos e gêneros variados, com múltiplas texturas de cabelo, que nos encantam a cada novo ato.

A carne da mulher preta é a mais barata do mercado

Em Insubmissas as mulheres negras reivindicam seu lugar e importância na construção do Brasil, desde quando eram rainhas na África e foram trazidas à força para cá, onde foram escravizadas e tiveram toda sua ancestralidade apagada.

Em vários momentos nos é jogado na cara as brutalidades das quais as mulheres pretas foram vítimas: dentes arrancados pelas sinhá, por terem o sorriso bonito; estupros constantes pelos sinhô; filhos recém-nascidos arrancados de seus braços… e chegando mais perto de nossa linha do tempo a falta de anestesia em procedimentos médicos, especialmente partos, afinal a crença popular racista fez acreditar que pessoas negras são mais resistentes à dor que as demais raças. Enfim, muitos exemplos das dores e sofrimentos do povo preto, com forte destaque ao nosso apagamento da sociedade.

>  Netflix lançará nova série de comédia estrelada por RuPaul
>  DragCon LA 2019: destaques do 2º dia

Mas o espetáculo não é uma típica tragédia grega com final triste, ele é sobre a resistência da mulher negra no decorrer dos séculos e a celebração de sua existência. E é pela arte que as jovens pretas mostram isso.

Referências a mulheres negras históricas não faltam, desde Dandara à Rosa Parks, passando por Marielle (PRESENTE!).

E para ilustrar tudo isso vemos performances de tirar o fôlego, com artistas suspensos no ar em tecidos pretos ou artistas se pintando de branco, em referência ao auto-ódio histórico à própria raça preta que fez com que muitos negros tentassem em ato desesperados clarear suas peles para serem aceitos nessa sociedade racista.

Teve muita música, interpretada e tocada por homens e mulheres pretas, com suas vozes potentes que me arrepiavam a cada verso. Foi maravilhoso sentir as bastidas dos tambores, que me transportaram para um ritual tribal sagrado, então eu gritei a plenos pulmões: SOMOS HERDEIROS DE REIS E RAINHAS! SOMOS RESISTÊNCIA! MIRELLE PRESENTE!!! Neste momento todos congregamos juntos, conforme os tambores eram batidos, os dançarinos invadiam o palco e com roupas e maquiagens características de povos africanos dançaram ferozmente, nos inundando com sua energia e força ancestral.

E como não podia faltar teve samba e baile funk. E que baile funk maravilhoso, com todos os artistas voltando para a arena para dançar e se despedir do público. Jovens artistas pretos, brancos, indígenas, gordos, magros, LGBTs ou com alguma mobilidade física reduzida. Isso sim é representatividade e em sua plenitude!!!

Foi maravilhoso me ver representando em tantos jovens talentosos. E perceber que o que precisamos sempre é oportunidade. Chega dessa baboseira de meritocracia, de “quem quer faz”. Pois sem oportunidades como o povo preto e pobre vai saber o que quer fazer de verdade com suas vidas para ser feliz? Como vai descobrir suas aptidões? Afinal como falaram muito bem na peça: SUA CONTA BANCÁRIA CHEIA NÃO TE FAZ MENOS PRETO!

>  Como The Vixen expôs o racismo de RuPaul’s Drag Race
>  AS4 | Cinco rainhas negras, cinco desculpas para o fandom de Drag Race ser racista

Após as quase duas horas de espetáculo, que passaram voando, me senti verdadeiramente privilegiado de ter presenciado a criatividade humana em sua plena execução. E minha vontade era de abraçar cada artista e agradecê-los por sua arte, especialmente meu amigo, Emerson, que insistiu para que eu fosse, mesmo eu recusando o convite várias vezes. Valeu, mana, por acreditar na sua arte e por saber que testemunhá-la me fariam tão bem.

Ao fim do espetáculo a mensagem que mais ficou forte em mim foi que nós pretos somos mais fortes juntos, sem essa de cada um por si vencendo na vida a base da “meritocracia”. Por mais que nossos opressores tenham tentado apagar nossa história e raça desde o Brasil colônia, somos resistência e unidos somos invencíveis. A mulher preta é prova disso, seja dando sua vida na casa grande e senzala há séculos atrás, seja hoje reivindicando seu poder e sendo protagonista da sua própria história.

Insubmissas merece: 4 coroas!

Este espetáculo é obra das jovens alunas e alunos do Valores de Minas que concluíram o Módulo 1 de 2018. Se te interessou assistir ao espetáculo, ele está em cartaz no Plug Minas dos dias 6 à 9 de dezembro (às 15h e 19h). A instituição fica perto do Metro Santa Inês, na rua Santo Agostinho 1441, Horto (BH/MG). A entrada é franca e os ingressos são  retirados 1h antes do espetáculo. A quem for, BOM SHOW!!!

DEIXE UMA RESPOSTA

Conecte com




Please enter your comment!
Please enter your name here