As vencedoras de RuPaul’s Drag Race refletem suas jornadas desde a vitória (pt3)

As vencedoras de Drag Race foram abordadas para contar sobre suas vidas desde a vitória no reality. A última parte é com Violet Chachki, Bob The drag Queen e Sasha Velour.

Modo Escuro

Em homenagem ao final da 10ª temporada de Drag Race e às inúmeras indicações ao Emmy, HuffPost abordou oito das vencedoras do programa para discutir suas vidas desde o show, o fenômeno cultural que RPDR se tornou e o que elas esperam para o futuro do show. Confira a seguir a última parte.

Pt1 | Pt2| Pt3

VENCEDORA 7ª TEMPORADA: VIOLET CHACHKI

LOS ANGELES, CA – APRIL 30: Violet Chachki attends the 3rd Annual RuPaul’s DragCon at Los Angeles Convention Center on April 30, 2017 in Los Angeles, California. (Photo by Santiago Felipe/FilmMagic)

Como tem sido sua vida desde que você ganhou?

Eu sou pago para viajar pelo mundo e ter total liberdade criativa quando se trata de minhas próprias performances ao vivo e meu próprio conteúdo digital. Eu colaborei com algumas das principais equipes de criação e marcas do mundo da moda, da arte, da beleza e do meio burlesco. Eu posso ser abertamente e visivelmente queer em grandes palcos (físicos e digitais) com grandes audiências. Eu posso afetar as pessoas, expandir os horizontes e ajudar a próxima geração de pessoas queer. Eu nunca estou em casa e nunca tenho uma vida social ou romântica estável e nem muita privacidade.

Qual foi o maior presente que a vitória da RuPaul’s Drag Race lhe deu?

Uma plataforma para inspirar mudanças.

Qual é a melhor dublagem da história em Drag Race?

Ajoelhem-se – Alyssa Edwards vs Tatiana. Drag de alta qualidade.

O que você deseja para o futuro de RuPaul’s Drag Race sendo um show e um fenômeno cultural como ele é?

Eu quero que o show e seus vencedores sejam reverenciados com a quantidade de respeito que o legado do drag merece. Eu sei que é um reality show, mas eu quero que o show e seus concorrentes honrem a arte drag como um meio de sobrevivência queer e protesto necessário. Eu nunca quero perder qualquer credibilidade. É um show muito mágico e sei que isso ajudou inúmeras pessoas com uma variedade de coisas.

>  AS2 | Divulgação
>  Alaska lança concurso: Drag Queen do Ano
>  Charli XCX entrevista Pabllo Vittar

VENCEDORA 8ª TEMPORADA: BOB THE DRAG QUEEN

GLENDALE, CA – JUNE 09: Bob the Drag Queen arrives at ‘RuPaul’s Drag Race’ Season 9 Finale Taping at Alex Theatre on June 9, 2017 in Glendale, California. (Photo by Tara Ziemba/Getty Images)

Como tem sido sua vida desde que você ganhou?

Viajar muito e não estar em casa com muita frequência. Você sabe, essencialmente de cidade para cidade, de avião para avião. Neste momento, estou realmente em Berkeley, Califórnia, fazendo uma produção de Angels in America. Então, na verdade, é o tempo mais longo que estou em um lugar há muito tempo. E isso é muito novo para mim, não estar fora de casa. Parece que é meio selvagem, na verdade, pois estou em um lugar fixo desde o final de janeiro. Fora isso, uma vez que eu terminei aqui, é literalmente de volta para a estrada Drag Race.

Qual foi o maior presente que a vitória da RuPaul’s Drag Race lhe deu?

Bem, você sabe, quando você trabalha em um microcosmo como a vida noturna de Nova York, você sente que pode ver o impacto que sua arte, ou seu trabalho, está tendo nas pessoas. Mas muitas pessoas verão você e nunca mais interagirão com você novamente, porque algumas delas acabam de chegar à cidade. Eles estão apenas visitando. Eles realmente não sabem como chegar até você e outras coisas. Mas com RuPaul’s Drag Race, você pode realmente viajar e ver as pessoas. E você começa a viajar para onde elas estão e realmente fazer parte de suas vizinhanças. Eu realmente tenho que ir e fazer parte da comunidade deles, o que é incrível.

Qual é a melhor dublagem da história em Drag Race?

Eu vou com o lipsync de Alyssa verso Coco Montrese. Aquilo foi realmente bom. A música foi Cold Hearted Snake.

O que você deseja para o futuro de RuPaul’s Drag Race sendo um show e um fenômeno cultural como ele é?

Eu não sei. Essa é uma pergunta pesada, e também não sei se cabe a mim decidir o que quero. Isso é um conceito egoísta para ser assim: “Bem, o que eu quero para RuPaul’s Drag Race?” Quando Drag Race é maior que eu… mas Drag Race é algo diferente para todos. Você sabe o que eu quero dizer?

Para algumas pessoas, é realmente uma visão de uma cultura marginalizada que nunca vimos antes. Para algumas pessoas, é uma chance de perceber que talvez o filho deles não seja tão estranho quanto eles achavam que eram. Para algumas pessoas, talvez seja apenas uma chance de rir de vez em quando. Para algumas pessoas, é uma oportunidade de ser visto em uma plataforma nacional. São tantas coisas diferentes para tantas pessoas diferentes. Porque realmente é um fenômeno. Nunca houve nada parecido com isso na história da televisão, e eu não sei se vamos encontrar algo parecido novamente. Quero dizer, um show que fica cada vez mais popular a cada ano, por cerca de 11 anos, e nunca acaba. Isso é loucura. Isso nem faz sentido. É meio incomensurável

>  AS5 | Rumor | "Lipsync for your legacy" muda de formato
>  Kameron Michaels comenta sobre a revelação de Asia e se participaria de um All Stars
>  S11 | Pabllo Vittar fala sobre sua suposta participação em Drag Race

VENCEDORA 9ª TEMPORADA: SASHA VELOUR

GLENDALE, CA – JUNE 09: Sasha Velour arrives at ‘RuPaul’s Drag Race’ Season 9 Finale Taping at Alex Theatre on June 9, 2017 in Glendale, California. (Photo by Tara Ziemba/Getty Images)

Como tem sido sua vida desde que você ganhou?

Como é essa citação de Gaga, onde ela fala “Sem sono, outra boate, outra boate”? [risos] Avião, sem dormir, outra boate. É tipo uma repetição por 10 minutos. Tem sido muito ocupada [a vida]. As pessoas vêem e amam todas as coisas que acontecem no palco, ou no palco das mídias sociais, mas há tanta coisa… Eu acho que muitas pessoas talvez não saibam, ou o que elas estão aprendendo mais e mais é o quão sem glamour pode ser – muitos de nós, de repente, nos encontramos em mundos muito novos, lidando com negócios em um nível que é inimaginável e confuso e com a velocidade das viagens e a exigência de energia que é bastante intensa. Honestamente, é emocionante. É uma oportunidade muito incomum e é incrível que as pessoas da nossa comunidade estejam experimentando isso cada vez mais nesses momentos.

Qual foi o maior presente que a vitória da RuPaul’s Drag Race lhe deu?

A plataforma. A oportunidade de levar os projetos que eu acredito e tê-los atingem as pessoas de uma maneira significativa. Para enriquecer minhas relações com incríveis pessoas/projetos criativos, tipo Untitled Queen, tipo Vander Von Odd (campeã de Dragula, reality de drags monstras), Neon Calypso, designers como Diego Montoya e Florence D’Lee no Brooklyn. Pessoas da nossa comunidade e enriquecer essas relações e sentir que posso desempenhar um papel na expansão da conversa sobre drag, mesmo para além de RuPaul’s Drag Race. Esse foi o maior presente.

>  Os Simpsons | Artista faz Ilustrações das campeãs de RuPaul’s Drag Race inspirado no desenho
>  RuPaul's Drag Race Holi-slay Spectacular | Comentários

Qual é a melhor dublagem da história em Drag Race?

Para mim – eu acabei de reverr os dois para que eu pudesse corroborar isso, e é tipo, “Definitivamente”. Meu top 1 por muito tempo foi Latrice Royale grávida contra Kenya Michaels grávida dublando You Make Me Feel, ambas muito estranha às vezes e também tão profundamente envolvidas e essa é a combinação que faz drag incrível para mim. E depois também Alyssa Edwards e Tatiana dublando Shut Up and Drive com o bate-cabelo.

O que você deseja para o futuro de RuPaul’s Drag Race sendo um show e um fenômeno cultural como ele é?

Oh meu Deus. As pessoas sempre vão olhar para trás e ver Drag Race como essa força que catapultou tanta excitação e consciência sobre a arte drag. E eu espero que Drag Race continue pavimentando o caminho para que muitos drags e artistas queer brilhem no centro das atenções, sejam avaliados em seus méritos e fazendo seu próprio trabalho criativo. E espero que Drag Race abra o caminho para outros tipos de representações drag dentro da mídia. Para que, no futuro, possamos apontar para tantos lugares diferentes onde você aprende sobre a arte e conhece os artistas drag. A programação queer em geral precisa ser expandida – especialmente na televisão. E espero que continue a pavimentar o caminho e direcionar o público a todas as coisas incríveis que acontecem em toda a linha, dentro e fora da televisão.

>  As vencedoras de RuPaul's Drag Race refletem suas jornadas desde a vitória (pt1)
>  As vencedoras de RuPaul's Drag Race refletem suas jornadas desde a vitória (pt2)

Essas entrevistas foram levemente editadas e condensadas para maior clareza.

DEIXE UMA RESPOSTA

Conecte com




Please enter your comment!
Please enter your name here