As vencedoras de RuPaul’s Drag Race refletem suas jornadas desde a vitória (pt1)

As vencedoras de Drag Race foram abordadas para contar sobre suas vidas desde a vitória no reality. A primeira parte é com BeBe Zahara Benet, Raja e Sharon Needles.

Modo Noturno

Em junho, RuPaul’s Drag Race fez de Aquaria a 10ª rainha a levar para casa o cobiçado título de America’s Next Drag Superstar.

Tem sido uma grande jornada para o reality show de enorme sucesso, de origens humildes na Logo TV a um horário nobre na VH1. Drag Race se transformou em um enorme fenômeno cultural, incluindo a convenção semestral DragCon, de RuPaul, onde fãs de todo o mundo conhecem as estrelas do show.

E só neste ano, RuPaul’s Drag Race e RuPaul’s Drag Race Untucked já conquistaram um total de 12 indicações ao Emmy.

Em homenagem ao final da 10ª temporada de Drag Race e às inúmeras indicações ao Emmy, HuffPost abordou oito das vencedoras do programa (Tyra foi a única não questionada) para discutir suas vidas desde o show, o fenômeno cultural que RPDR se tornou e o que elas esperam para o futuro do show. Confira a seguir a primeira parte.

Pt1 | Pt2Pt3

>  S1 | Divulgação
>  AS4 | Prévia do 4º episódio

VENCEDORA 1ª TEMPORADA: BEBE ZAHARA BENET

Como tem sido sua vida desde que você ganhou?

Os anos depois de “Drag Race” foram incríveis, mas isso veio atrelado a muito trabalho duro que você tem que fazer. Eu digo a todos que “Drag Race” nos dá uma plataforma, não uma carreira, então é depois [do show] que o verdadeiro trabalho começa. Tive a sorte de lançar muitas músicas, criar tours [e] espetáculos visuais ao vivo… Fiz muitas viagens nacionais e internacionais, para citar apenas algumas [coisas]. E acima de tudo, realmente identificando e solidificando minha marca.

Qual foi o maior presente que a vitória da RuPaul’s Drag Race lhe deu?

O maior presente que recebi é a oportunidade de compartilhar meus dons com o mundo em um espectro ainda mais amplo. A capacidade de ouvir muitas histórias pessoais de meus fãs e como meu trabalho inspira, encoraja e fortalece. Para mim, isso significa que meu propósito aqui na Terra está sendo cumprido e não há outra recompensa melhor.

Qual é a melhor dublagem da história em Drag Race?

Na minha opinião – para não soar tendenciosa [risos] – seria a minha dublagem na final com minha mana Nina Flowers. Foi feroz, honesto e divertido. Parecia mais uma performance do que uma batalha.

O que você deseja para o futuro de RuPaul’s Drag Race sendo um show e um fenômeno cultural como ele é?

Espero que o show continue apresentando uma grande variedade de diferentes facetas da arte, espero que ele mantenha sua autenticidade e a verdadeira forma das artes. Eu sei que é um programa de TV e não é para ser levado tão a sério, mas é importante para a nova geração entender as origens da cultura. Aprecie e respeite isso que transcende desde as competidores do show até os fãs que assistem. Há muito bullying e conversa fiada nas redes sociais e os fãs atacam muito as artistas. É lamentável, e espero que todos entendam que o que fazemos é abençoar os outros sem presentes e não pedimos nada além de amor em troca. A arte drag é para unir e não dividir.

>  DragCon NY 2018 | Destaques do 3º Dia
>  T05E08 | S11E07 - Farm to Runway

VENCEDORA 3ª TEMPORADA: RAJA

LOS ANGELES, CA – APRIL 29: Raja performs onstage during VH1 Presents RuPaul’s DragCon Party ‘Battle On The Runway’ at Globe Theatre on April 29, 2017 in Los Angeles, California. (Photo by Santiago Felipe/Getty Images)

Como tem sido sua vida desde que você ganhou?

Já se passaram sete anos desde a minha vitória em “RuPaul’s Drag Race”. Parece que o trabalho real veio depois da vitória, que os espectadores e os fãs não enxergam ou entendem muito bem. O que a maioria das pessoas também não vê é o valor que se aprende sobre eles após o fato. De alguma forma, eu mantive um fluxo constante de aparições, experimentação e exploração.

Eu pude comparar minha vida anos antes e depois de me tornar uma drag queen de televisão, e é isso que me impulsiona. Seria inútil para mim dar-lhe um currículo de sete anos. Tudo o que posso dizer é que sou tão abençoada e sortuda. Eu atraí uma audiência, uma tribo, fãs ao redor do mundo e eles têm sido o meu grande motivador. Eles me fazem querer inspirar [e] por sua vez, eles desafiam e me inspiram. No momento, estou me preparando para o meu segundo show solo, “Masque”. Eu vou me apresentar neste verão em Provincetown, por favor, venha!

Qual foi o maior presente que a vitória da RuPaul’s Drag Race lhe deu?

Amizades. A quantidade de amizades, não só dos membros do elenco, mas, em geral, das relações que fiz, tem sido a mais recompensadora.

Qual é a melhor dublagem da história em Drag Race?

Eu não sei. Eu suponho aqueles com menos revelações. Eu gosto de um lipsync limpo, emocional e inteligente. Eu detesto perucas e sapatos voadores, potencializados com alguma revelação.

O que você deseja para o futuro de “RuPaul’s Drag Race” sendo um show e um fenômeno cultural como ele é?

Eu gostaria que fosse mais educacional, mais diversidade no elenco. Drag não é só garotos em maquiagem. Existe um espectro inteiro que não está sendo representado. Eu gostaria que ele se sentisse mais provocativo e ousado, porque é por isso que eu me apaixonei pelo drag. Talvez eu precise do meu próprio show.

>  Vaza o top 4 da décima temporada de RuPaul's Drag Race
>  Por Que Raven Nunca Veio Ao Brasil?

VENCEDORA 4ª TEMPORADA: SHARON NEEDLES

LOS ANGELES, CA – MAY 11: Sharon Needles attends the 4th Annual RuPaul’s DragCon at Los Angeles Convention Center on May 11, 2018 in Los Angeles, California. (Photo by Santiago Felipe/FilmMagic)

Como tem sido sua vida desde que você ganhou?

Antes de “RuPaul’s Drag Race”, drag era um passatempo muito caro, uma paixão e uma absoluta necessidade de criar algo que não fosse eu mesma. Quando você tem grandes sonhos como criança de ser uma estrela famosa, drag é o veículo mais fácil de sentir que você é algo mais do que realmente é. Mas desde “RuPaul’s Drag Race”, tive a oportunidade de realizar todos os sonhos que já realizei. Eu sou modelo, produtora musical, inspiradora e, o mais importante, sou prestativa.

Qual foi o maior presente que a vitória da RuPaul’s Drag Race lhe deu?

Eu me lembro de ter 15 anos e ver Marilyn Manson no Antichrist Superstar Tour e ficar tão comovida com a totalidade de uma celebridade. A coisa mais importante que realizei foi ver aquele mesmo olhar que eu dei naquele programa quando criança, aos olhos de centenas de milhares de pessoas ao redor do mundo. Adoro lembrar as pessoas de que o mundo é um show de horrores e, quando em dúvida, assuste a todos.

Qual é a melhor dublagem da história em Drag Race?

A melhor dublagem na história de “RuPaul’s Drag Race” é Jujubee [realizando] Black Velvet, 2ª temporada. Inegável!

O que você deseja para o futuro de RuPaul’s Drag Race sendo um show e um fenômeno cultural como ele é?

Drag sempre foi feito à meia-noite em um bar esfumaçado para a comunidade gay. Mas o que a “RuPaul’s Drag Race” fez tomou uma cultura subpopular, a experiência guarda-chuva LGBTQ, e colocou nas salas de estar de todos mundo à fora. O que eu quero que as pessoas tirem [do show] é apenas respeitar esses artistas como os palhaços que são e os produtos danificados que estão por baixo.

>  As vencedoras de RuPaul's Drag Race refletem suas jornadas desde a vitória (pt2)
>  As vencedoras de RuPaul's Drag Race refletem suas jornadas desde a vitória (pt3)

Essas entrevistas foram levemente editadas e condensadas para maior clareza.

DEIXE UMA RESPOSTA

Conecte com




Please enter your comment!
Please enter your name here