Conecte-se conosco

Hi, what are you looking for?

Drag Queens

Who’s That Queen? Veneno Drag

“Somos drag queens. Não damos a mínima para pessoas que baseiam suas atitudes e sentimentos em ódio”, afirma Veneno Drag, da season 1 de The Switch Drag Race.

Compartilhe!

Entre pro nosso canal do Telegram aqui!

APADRINHE A DRAGLICIOUS: Ajude a manter a Draglicious viva celebrando a arte drag, doando pelo nosso PIX, chave: draglicious@outlook.com. Ou doe pelo meu PicPay na conta @saullete, o link é: https://app.picpay.com/user/saullete. Ou nos apadrinhe em padrim.com.br/draglicious.

🕓 6 min de leitura

O ano era 2015 quando ela ganhou as telas de TVs por todo o mundo, lhe convidou para dividir uma taça, se apresentou e disse: prazer, Kristina La Veneno. Se você não sabe de quem eu estou falando, só resta uma pergunta. Who’s That Queen?

Kristina é a drag queen ou, vá lá, transformista de Camilo Aqueveque, um alemão nascido em quatro de julho, com apreço especial, desde criança, por videogames e, mais tarde, perucas e saltos altos. Antes disto estudou violino, assim como teatro, canto e música clássica.

Ainda pequeno, aos dez anos de idade, Camilo vive uma fatalidade que o marca para sempre: um abuso sexual cujas sequelas, além das psicológicas, influenciaram em parte de sua juventude, agitada e conturbada, com problemas que atingiram inclusive sua vida escolar, mas sabemos que toda tristeza tem seu fim.

Anos depois, radicado em Concepción, território na região central chilena e capital da região de Biobío, Camilo começara sua carreira artística como violinista, na rua. Certa vez, ele participou, em outubro de 2014, de um concurso de transformismo no pub Farinelli, local conhecido por lançar artistas famosos. Até então, nem desconfiava, mas este seria o primeiro passo rumo a um futuro que trazia consigo, no mínimo, possibilidades. Quais seriam elas?

No dia oito de outubro de 2015 estreou, através da emissora Mega, com direção de Ricardo Durán e produção executiva de Jaime Sepulveda, a temporada inaugural de The Switch Drag Race: El Arte Del Transformismo, com 17 rainhas no elenco e 24 episódios disponíveis. Kristina entre elas, então aos 21 anos de idade.

Considerado um primo de terceiro grau na árvore ‘dragalógica’ das franquias de RuPaul’s Drag Race, esta versão chilena, apesar do que dizem muitos fãs que não a assistiram, porém, a odeiam ou desprezam, tem valor histórico por ser a primeira interpretação internacional da maior competição drag de todas, no entanto, isto não lhe impede de ter, digamos, a sua própria cara.

Em The Switch Drag Race a dinâmica já se mostra particular com as drags sendo comumente separadas em dois grupos. Ao lado disto, são exibidos vídeos em formato documental onde suas biografias são esmiuçadas, o que, em termos de televisão, é ótimo para aproximar o público, especialmente quando este mesmo público é o do Chile, um país no qual LGBTQIA+ não podem adotar crianças e a união civil entre pessoas do mesmo sexo foi permitida apenas em 22 de outubro de 2015, coincidentemente, duas semanas após a estreia de The Switch.

Advertisement. Scroll to continue reading.

De qualquer forma, lições de diversidade devidamente anotadas, voltemos ao programa. Formado por desafios artísticos, de imitação, canto e duelos de eliminação, devidamente orientados pela apresentadora Karla Constant na companhia dos jurados Nicole Gaultier, Íngrid Cruz, Oscar Mediavilla e Patricia Maldonado, The Switch, para Kristina, durou 12 episódios.

Estranhamente eliminada por Laura Bell no dia 22 de novembro de 2015 em um desafio de comédia, área na qual Kristina se considera forte, esta drag, devido a um plot twist, acabou sendo a sexta colocada com um precoce décimo quarto lugar no histórico geral, com o adendo de ter voltado para a competição no episódio 17, mas sem prosseguir nela.

Mesmo assim, não foi o suficiente para impedi-la de vencer um desafio, no episódio seis, homenageando o musical Chicago, sem contar os episódios em que, ao cantar, mostrou muito de si mesma e de sua relação com a arte e a cultura. Vale lembrar que nada disto impediu Kristina de levar uma enxurrada de críticas negativas que, a certa altura da competição, a deixaram saturada.

Em paralelo ao esgotamento mental que se anunciava, na época das gravações deste reality show, Camilo estava desempregado e morando há dois meses em Santiago, na casa de um tio. Em um dos episódios fora mostrado o dia em que ele foi para o centro da cidade procurar emprego em salões de beleza. Mas não pense que esta experiência se resume a drama e batalhas. Em uma das semanas seus avós lhe fizeram uma visita surpresa no programa. Mais do que validarem o trabalho do neto, para o qual cumprem um papel semelhante ao paterno e materno, mandaram para milhares de lares a mensagem de aceitação e amor que deveria imperar na sua casa, por exemplo.

Por fim, mesmo não levando para casa o prêmio principal de CLP$ 10.000.000, algo em torno de R$ 66.000, e um ano de mercadorias da AnyHair, Kristina pode se orgulhar de ter tentado mostrar que seu forte é o canto, com ênfase nos ritmos negros como o jazz e blues. E o que mais faz a sua cabeça atualmente?

Para entender a Kristina de hoje é preciso, primeiro, aposentar a Kristina que você agora conhece. Sim, esta mesma artista que, apesar do que tudo indica, não se chama assim pela icônica La Veneno. Não totalmente.

Na verdade, desde que era criança, ali pelos quatro anos de idade, os familiares de Camilo diziam que ele era um veneno devido a seu temperamento. O sangue italiano da avó ajuda nisto? Provavelmente, entretanto, é bom lembrar que o Kristina vem de Christina Aguilera, cantora que, com Amy Winehouse, a despertaram para o burlesco e jazz. Quanto à Cristina atriz, bom, ela é uma de suas referências em termos de atitude. Finalmente, dito isto, Kristina saiu de cena para a Veneno Drag entrar. E reinar. Diretamente de Santiago.

Advertisement. Scroll to continue reading.

Apresentação feita, quero dizer, reapresentação, vamos direto ao assunto, caro leitor. Logo abaixo você lê, na íntegra, a entrevista que fiz com Veneno. Confira!

>  Bob defende Monét contra produtora de turnê
>  Who's That Queen? Spankie Jackzon

Como você ouviu sobre as audições para a primeira temporada de The Switch Drag Race? Os testes foram difíceis ou fáceis?

Bem… na verdade eu nunca assisti as audições. Eu nem sei nada sobre o projeto chileno de Drag Race na TV. Eu estava fazendo compras com minha mãe e minha avó e recebi um telefonema do Mega, o canal de TV que faz o programa, então a produtora me disse que eles estavam trabalhando em uma versão chilena de RuPaul’s Drag Race e começou a falar sobre os requisitos: “Preciso ter que fazer parte disso”. Ela me disse que precisaríamos cantar ao vivo para vencer o desafio principal todas as semanas e eu amei isso.

Há quanto tempo você faz drag? Em que ponto você viu que este seria o seu verdadeiro trabalho, que você pagaria suas contas com drag? 

Comecei a fazer drag há 8 anos, mas simplesmente aconteceu. Eu entendo que vai ser o começo do resto da minha vida. Peguei esses sapatos de salto alto e comecei a andar. Me lembro de pensar sobre isso e minha família, meus amigos, meus círculos sociais, com um grande medo, porém, eu tomei a decisão de viver minha vida de cabeça erguida, não importa o que os outros pensem de mim e do meu estilo de vida.

Já se passaram cinco anos desde que a primeira temporada de The Switch Drag Race foi ao ar. Que análise você faz da sua trajetória no programa?

Drag Race me dá a confiança de que preciso para viver minha vida com honestidade e dignidade. Eu era tããão jovem e inexperiente naquele momento, mas foi a plataforma para eu começar minha própria carreira drag.

Advertisement. Scroll to continue reading.

Quais são, por ordem de importância, seus três momentos favoritos em The Switch Drag Race?

O primeiro momento neste grande e enorme palco. Esta é a melhor memória que eu tenho no meu tempo no Drag Race. Então temos a ocasião em que Nicanor Bravo me dá imunidade no meu primeiro desafio de canto. Finalmente, adorei o instante em que Pati Maldonado abriu a porta do dress room e me mostrou para minha avó atrás da parede de cristal. Foi tão emocional!

Se você pudesse formar um grupo pop de garotas com mais quatro drag queens, quem você escolheria? Por qual motivo?

Obviamente, minha querida irmã Yume Hime, minha amiga Fernanda Brown, Botota Fox e enfim minha vovó-mãe drag Luna Di Mauri.

Quais cantoras influenciaram você musicalmente? E quanto a cantoras drags? Quais você gosta de ouvir? 

Bem, claramente Amy Winehouse, Etta James, Nina Simone e Christina Aguilera. Eu amo a Le Voix. Ela é uma grande cantora drag do Reino Unido.

Como a população chilena se relaciona com a arte drag? Eles ficam bem com isto ou são preconceituosos? 

Advertisement. Scroll to continue reading.

Bem, o Chile é um país muito diverso e temos muitos tipos diferentes de pessoas. Algumas pessoas nos amam e nos tratam como divas e, obviamente, temos essas pessoas religiosas extremistas que nos odeiam. Mas realmente, nós somos drag queens. Nós realmente não damos a mínima para pessoas que baseiam suas atitudes e sentimentos em ódio. Precisamos abrir nossos corações e braços para receber amor em todas as formas que ele tem.

>  Who's That Queen? Natalia Pliacam
>  Shangela fala sobre ser a primeira drag queen no Oscar

Concluindo nossa entrevista: penso que o ideal é que drag queens consigam construir uma carreira que dure mais do que elas, além da vida. Como você acha que será lembrada? 

Eu sei que meu povo, amigos, família e fãs vão se lembrar de mim como uma grande vadia com admirável senso de humor, uma voz forte e bunda grande e gorda. Espero que sim.

Interessante conhecer você melhor. Obrigado, Veneno Drag!

Adorei responder tudo isso. Obrigada a você pela sua paciência!

Siga Veneno Drag no Instagram e Facebook.

Para ler outras entrevistas exclusivas do Who’s That Queen clique aqui.

Advertisement. Scroll to continue reading.
Compartilhe!

Entre pro nosso canal do Telegram aqui!

APADRINHE A DRAGLICIOUS: Ajude a manter a Draglicious viva celebrando a arte drag, doando pelo nosso PIX, chave: draglicious@outlook.com. Ou doe pelo meu PicPay na conta @saullete, o link é: https://app.picpay.com/user/saullete. Ou nos apadrinhe em padrim.com.br/draglicious.

Clique para comentar

Deixe uma resposta

Veja Também

Drag Queens

"Gostaria de poder estar aí no Brasil, dançando na praia ouvindo as batidas brasileiras", conta Art Arya nesta entrevista exclusiva para a Who's That...

Drag Queens

Eu estava pronta para a 1° temporada de Down Under, mas acabei perdendo", conta Spankie Jackzon, vencedora da S2 de House of Drag.

Drag Queens

"Eu sou parte de um legado. Sendo a primeira rainha de Atlanta de todos os tempos no programa, primeira rainha a entrar na segunda...

Drag Queens

"Meu momento Dragula favorito de todos os tempos até agora é sair no meu look Vampire Bat", diz Frankie Doom, da primeira temporada de...

Propaganda

We're born naked & the rest is drag. Portal de notícias, humor e babados sobre RuPaul's Drag Race, drag queens, arte drag, comunidade LGBTQ+ e cultura pop.

Contato: draglicious@outlook.com

Draglicious 2021 © Todos os direitos reservados.