Conecte-se conosco

Hi, what are you looking for?

Drag Queens

Who’s That Queen? The Vixen

Ciente de que a dublagem é seu ganha-pão, mas que é a voz política que faz a mudança acontecer, The Vixen bateu um papo exclusivo com a Who’s That Queen?

Compartilhe!

Entre pro nosso canal do Telegram aqui!

APADRINHE A DRAGLICIOUS: Ajude a manter a Draglicious viva celebrando a arte drag, doando pelo nosso PIX, chave: draglicious@outlook.com. Ou doe pelo meu PicPay na conta @saullete, o link é: https://app.picpay.com/user/saullete. Ou nos apadrinhe em padrim.com.br/draglicious.

🕓 7 min de leitura

Há três anos ela avisou para todos nós que veio aqui para lutar. Sobre a passagem de The Vixen por RuPaul’s Drag Race muito já foi dito e explorado a exaustão, então, não espere deste texto detalhes de brigas, fofocas mil e qualquer coisa do gênero. A história que eu vou contar é outra.

Musical, o segundo episódio deste reality show é significativo na trajetória pessoal e profissional de The Vixen: é justamente a música, presente em sua vida desde os primórdios, o tema central dele e de sua despedida da competição. Foram oito semanas sobre as quais você pode dizer muitas coisas, menos que ela não se fez ser lembrada.

Exibido em 29 de março de 2018, “PharmaRusical” inicia com um mini-desafio country vencido por Asia O’Hara e The Vixen. Como vantagem, elas formam duas equipes com as 11 drags restantes. Para o desafio principal, um musical homenageando comerciais de medicamentos com Alyssa Edwards ajudando na coreografia. The Vixen garante sua primeira vitória.

Salva na sequência, esta rainha começa a amargar um histórico irregular mais a frente, ao ficar entre as três piores no episódio cinco e dublar, consecutivamente, nos episódios seis, sete e oito, este último, “Cher: The Unauthorized Rusical”.

Sua personificação da cantora pop, retratando os anos 70, não foi bem recebida pelos jurados. Ao lado de Asia O’Hara, The Vixen foi parar na dublagem pela vida ao som de “Groove Is In The Heart”, de Deee-Lite.

A partir daqui tudo começa a ficar mais interessante ainda, afinal, como uma cantora foi eliminada em um desafio de música? Em qual momento a mais subjetiva das formas de arte a encontra? Saiba no próximo parágrafo.

Para descobrirmos, de fato, quem é a The Vixen, a deusa super-heroína de Wakanda, torna-se necessário começarmos falando de Anthony Taylor, a pessoa por trás da montação e, claro, de toda plataforma que vem com ela.

Advertisement. Scroll to continue reading.

Nascido no dia 11 de dezembro de 1990, em Chicago, a cidade mais populosa do estado de Illinois, Anthony percorreu uma jornada peculiar até os dias de hoje, nos quais atua como drag queen, cantora, compositora, estilista e, por que não, ativista?

>  Ellen Pompeo e RuPaul trabalham juntas em projeto secreto
>  Drag queens são processadas em 5 milhões de dólares

Tudo começou na infância, quando ele já exibia uma certa imagem andrógina. Anos depois, durante o ensino médio, o androginismo seguiu mais forte até tornar-se comum o revezamento de roupas masculinas e femininas. Esta liberdade sobre si mesmo representa o primeiro contato de Anthony, ainda que inconsciente, com a arte drag.

Ao lado das novas descobertas, enquanto crescia, Anthony nunca negligenciou um dos principais traços de sua personalidade: a política. Ativista social durante a adolescência, contribuiu com sua comunidade ao virar presidente de um centro de orgulho juvenil. Para ele, pautas socioeconômicas e políticas pró LGBTQIA+ nunca foram estranhas.

Neste mesmo clima de autoconscientização Anthony começa a ganhar experiência de palco, ao fazer apresentações ao vivo com rap, além de outras performances criadas a partir de seu estilo. Em uma delas, as mãos do destino agiram por, veja só, uma drag queen, que a convida para fazer um show no Jeffery Pub. Caso você nunca tenha escutado falar deste local, vamos fazer uma pausa para reflexão, dois pontos:

Patrimônio histórico da comunidade LGBTQIA+ americana, o Jeffery Pub passa longe de ser apenas um bar. É o único pub gay de Chicago cujos donos são negros e que também funciona desde 1965, o que lhe confere o título de “points gays” mais antigos dos Estados Unidos.

E foi justamente nele que, em 11 abril de 2013, Anthony estreou como drag queen. Para a ocasião, ele passou quatro horas fazendo a maquiagem. Naturalmente nervoso, temia pela pressão do apresentador da noite chamando-o para o palco. E se desse tudo errado?

Em meio a dúvidas e o que RuPaul gosta de chamar de “sabotador interno”, começa a chover e Anthony reconsidera se deve mesmo ir performar. Sua mãe aparece e diz: “Você já se vestiu bem! Apenas vá”. Encorajado, ele faz o show acontecer, um medley com suas músicas prediletas de Beyoncé, que incluiu “If I Were a Boy” e “End of Time”. Neste processo, Savannah Westbrooke, sua mãe drag, fora fundamental: no meio da plateia lotada ela estava lá para apoiar sua filha e encorajá-la nos primeiros passos.

Advertisement. Scroll to continue reading.

The Vixen

>  Trinity The Tuck rebate críticas e diz que “drag queens não são trabalhadores essenciais”
>  A incrível trajetória de Shangela

Feito este rito de passagem, o nome The Vixen surgiu quando Anthony pesquisava fotos de pinups. Em uma delas a palavra Vixen apareceu e, tcharan: uma drag é nomeada, um passo a mais para quem tem consciência política desde o começo da carreira e, inclusive, temeu por isto, porque, segundo conta a própria, os contratantes dizem que as drags estão aí para entreter, logo, ela se perguntava: terei que deixar meu ativismo em segundo plano?

Sim, The Vixen recuou por um momento, porém, ao presenciar o racismo no meio drag, viu que era chegada a hora de agir. Quando morou em Boystown, a vizinhança gay de Chicago, ela notou um fenômeno no mínimo estranho e injusto: drags negras praticamente não tinham espaço na programação, com no máximo uma rainha sendo escalada por noite em comparação com o restante do elenco majoritariamente branco.

Motivada, The Vixen lança, no outono de 2016, a “BlackGirlMagic”, um show tributo as mulheres negras que, além de elevá-las, reúne muitas drags de destaque de Chicago que não necessariamente já tinham trabalhado juntas, por exemplo. Uma curiosidade é que este projeto nasceu no mesmo ano em que Donald Trump foi eleito.

Ciente de que a luta não para e está longe de acabar, The Vixen quer de você uma coisa: que você assine quantas petições forem possíveis. Se estivermos falando com uma drag queen, ela recomenda que você ultrapasse a figura da glamazon e lembre: a dublagem é nosso ganha-pão, mas é a nossa voz que faz a mudança acontecer. Em qual volume você está usando a sua? Para quem?

Politicamente, você já conhece a voz de The Vixen, sabemos. E musicalmente? Até hoje são quatro feats, cinco singles do álbum “Commercial Break” (01/08/20) e outros dois lançados de forma avulsa, fora os diversos videoclipes destas faixas. A maioria delas são faladas na entrevista disponível logo abaixo, na íntegra. Confira!

The Vixen

>  RuPaul lança álbum novo, Queen of Queens
>  Who's That Queen? Maddelynn Hatter

Sua estreia musical foi no single colaborativo de Dorian Electra, “Drag”, lançado em 5 de dezembro de 2016. Como o convite aconteceu? 

Eu sempre executei meus próprios versos de rap ao vivo quando eu me apresentava em drag, então, quando Dorian estava procurando rainhas que pudessem fazer rap, eu fui recomendada.

Musicalmente, Shea Couleé é uma das artistas com quem você colabora consistentemente. O que te faz querer trabalhar com ela? 

Shea e eu somos irmãs drag, logo, muitas de nossas vibrações são as mesmas. Nós amamos house music, voguing e excelência negra! Gostamos de nos encontrar e mostrar o Orgulho de Chicago.

Advertisement. Scroll to continue reading.

Se você pudesse formar um grupo pop de meninas com mais quatro drag queens, quem você escolheria e por que razão?

Shea Couleé, Dida Ritz, Lucy Stoole e Bambi Banks. Além de serem a minha coisa mais próxima de uma família drag, sinto que representamos uma bela mistura de magia negra. Seria um grande álbum!

Como foi o processo de criação da música Tea Party?

Tea Party é uma canção que escrevi quando tinha 20 anos, assim, a letra está na minha cabeça há dez anos. Foi ótimo finalmente ter uma batida que se encaixou no incrível B. Ames e gravar com meu produtor Mike Jones.

Seu trabalho musical tem uma marca autoral bem forte, com muitas letras escritas por você mesma. Quando surgiu o interesse pela composição?

Tenho escrito letras e melodias toda a minha vida. Eu sempre fui capaz de transformar minhas experiências em músicas ou cantar sobre minhas fantasias de uma forma que meio que previu minhas realizações. Minhas músicas são como mantras que se manifestaram. Isso é muito assustador!

>  Who's That Queen? Rebecca Glasscock
>  Anne Hathaway faz linda homenagem a Aquaria, Monet e The Vixen

Acho a sua participação na canção do Roy Kinsey muito interessante. Quando você se lembra das sessões de gravação, qual é a primeira coisa que vem a sua mente?

Advertisement. Scroll to continue reading.

Gravar com Roy e Kaycee Ortiz foi muito divertido! É o orgulho de Chicago que partilhamos. Nós nos aplaudimos enquanto nos revezávamos em nossos versos.

Já se passaram oito meses desde que o seu primeiro álbum, Commercial Break, foi lançado. Quando você o escuta hoje, como se sente sobre ele? Ainda tem a mesma percepção de quando foi lançado?

Estou muito orgulhosa do meu álbum! Parece que escrevi um livro, é muito autobiográfico. Ouvir as músicas me deixa ansiosa para gravar mais e compartilhar mais da minha história. Eu estava subconsciente em alguns aspectos quando o álbum saiu, mas ouvi-lo agora estou mais impressionada comigo mesma.

Quais são seus três momentos favoritos em seu videoclipe para o single Chicago?

Estar no topo da torre Willis em drag com meu elenco BlackGirlMagic foi meu melhor momento de 2020. Parecia que tínhamos conquistado o mundo. Ter um grupo de rainhas negras de Chicago marchando pela rua comigo foi muito alegre. Nos bastidores, meus melhores amigos me ajudaram a pintar os pôsteres para a marcha, o que fez tudo parecer mais pessoal.

Dida Ritz e Lucy Stoole estão presentes em seu álbum de estreia. O que te fez escolhê-las e como foi trabalhar com elas?

Dida e Lucy são minhas coapresentadoras nos shows ao vivo da BlackGirlMagic. Foi natural tê-las como participações no meu álbum. Trabalhar juntas para nós é um prazer porque somos irmãs e fazemos a outra rir mesmo quando estamos cansadas. Depois de filmar tantos vídeos ficamos muito cansadas!

Advertisement. Scroll to continue reading.

Em 1 de agosto de 2025, Commercial Break terá completado cinco anos de lançamento. Como espera que ele envelheça? Quero dizer, você espera que as pessoas [e você mesma] ainda tenham a mesma ideia do álbum?

Espero que se mantenha como algo de que possa me orgulhar sempre. Espero ter mais músicas lançadas até lá e as pessoas possam curtir a evolução do meu trabalho.

>  DRUK S2 | Quem é Ellie Diamond?
>  The Vixen expõe ameaças de morte e Aquaria a defende contra seus fãs racistas

Diga-nos algo incomum ou engraçado que aconteceu nas gravações do videoclipe de Magic?

Para uma cena, deitamos no topo de uma tela verde, mas alguém colocou um pedaço de grama falsa na moldura, portanto, como a grama é verde, ela meio que desaparece na edição. Foi complicado contornar.

Imagine a seguinte situação: em um mundo ideal, o racismo finalmente acabou, a supremacia branca não existe mais. Para comemorar, você é convidada a cantar cinco músicas de cantores negros. Quais músicas você escolheria, The Vixen?

Uma vez que o racismo teria acabado, escolho músicas que só me fazem sentir bem sem uma mensagem pesada:

  1. The Glamorous Life (Sheila E)
  2. Show me How You Burlesque (Christina Aguilera)
  3. Partition (Beyoncé)
  4. Attitude (Leikeli47)
  5. Crzy (Kehlani).

Siga The Vixen no Instagram, Twitter, Facebook, YouTube e Spotify. Acesse seu site também!

Para ler outras entrevistas exclusivas do Who’s That Queen clique aqui.

Advertisement. Scroll to continue reading.
Compartilhe!

Entre pro nosso canal do Telegram aqui!

APADRINHE A DRAGLICIOUS: Ajude a manter a Draglicious viva celebrando a arte drag, doando pelo nosso PIX, chave: draglicious@outlook.com. Ou doe pelo meu PicPay na conta @saullete, o link é: https://app.picpay.com/user/saullete. Ou nos apadrinhe em padrim.com.br/draglicious.

Clique para comentar

Deixe uma resposta

Veja Também

Drag Queens

"As pessoas são ricas aqui em Munique, porém, não querem nos pagar, drag queens, de maneira adequada", diz Janisha Jones, de Queen of Drags,...

Drag Queens

"Dragula me ajudou a lembrar quem eu sou e quem fui", afirma Maddelynn Hatter, da terceira temporada de Dragula, nesta entrevista exclusiva.

Drag Queens

"Esse dia foi incrivelmente estressante, foi muito ruim, foi como ir para a guerra", diz The Macarena sobre ser a primeira eliminada de Drag...

Drag Queens

"Este homem (Bolsonaro) realmente não presta e me entristece saber o medo que ele criou para a comunidade LGBTQIA+", afirma Jade, da primeira temporada...

Propaganda

We're born naked & the rest is drag. Portal de notícias, humor e babados sobre RuPaul's Drag Race, drag queens, arte drag, comunidade LGBTQ+ e cultura pop.

Contato: draglicious@outlook.com

Draglicious 2021 © Todos os direitos reservados.