Laganja Estranja: a drag queen defensora da Cannabis

“Eu tenho sonhos dentro da indústria da cannabis”. Laganja fala sobre seu ativismo em prol da maconha e do impacto em sua vida e carreira drag.

Modo Noturno

Laganja Estranja (também conhecida como Jay Jackson) é uma ilusionista de muitos talentos. Mais conhecida por sua estonteante temporada em RuPaul’s Drag Race, Estranja provou ser multitalentosa em todos os ofícios, trabalhando como coreógrafa, musicista, modelo, embaixadora de marca e possivelmente ativista dos direitos da cannabis mais proeminente na história da arte drag. Seu último videoclipe, Look At Me, é dedicado a indivíduos e famílias afetados pela guerra contra as drogas, com um aceno para aqueles duramente perseguidos por conta de sua raça.

Na última edição de High Profiles, Laganja faou à Lift & Co. sobre a maconha medicinal, o ativismo político e suas aspirações empresariais na indústria da cannabis.

>  Michelle Visage e Fenton Bailey falam sobre como RuPaul’s  Drag Race mudou o cenário para reality shows
>  Laganja Estranja revela porque nunca participou do All Stars

“Como você inventou seu nome drag?”

É uma pergunta com a qual me deparo com frequência e, infelizmente, a resposta não é tão direta quanto você poderia esperar. Então aqui está uma versão condensada: Enquanto estudava no Instituto de Artes da Califórnia, eu tinha um amigo íntimo chamado Marquita Velveeta (seu nome drag) cujo nome verdadeiro era Marcus. Eu realmente gostei de como o nome dele referenciava seu nome de nascimento e que ele rimava. Eu sabia que, como drag queen, queria que a cannabis fosse minha plataforma. Toda drag queen deve ter uma plataforma – alguma profundidade – além da fabulosidade inerente ao show. Eu escolhi a cannabis como minha plataforma, porque eu cresci usando muitos produtos farmacêuticos e quando descobri a maconha medicinal na faculdade (mais sobre isso depois) isso mudou minha vida.

Minha irmã afirma que ela tinha algo a ver com o nome também. Ela dirigiu um Daewoo Leganza e o apelidou de “The Laganja”, então ela provavelmente está certa. É uma daquelas coisas em que é difícil identificar exatamente de onde veio o nome. Mas a verdade é que eu tive várias influências – e provavelmente estava realmente chapado.

Eu comecei a fumar maconha quando sofri uma lesão grave fazendo uma peça de dança na faculdade. Minha pelve estava desalinhada e eu estava vendo um quiroprático por várias semanas. Eu senti que sua prática era muito invasiva e, embora ajudasse no alinhamento, fazia muito pouco pela dor. Eventualmente, ele sugeriu o manejo da dor por meio da maconha medicinal. Por causa da Proposição 215 (também conhecida como Compassion Act, pela qual a comunidade LGBT lutou), a maconha medicinal estava disponível na Califórnia na época. Agora, claro, também está disponível de forma recreativa.

>  Uma Década de Drag Race | S6 | Laganja Estranja
>  Teria Violet Chachki roubado a coroa de Sharon Needles?

Logo, foi prescrito para tratar meus problemas de depressão, ansiedade, sono e alimentação e vi resultados imediatos. As coisas realmente se encaixaram para mim sem ter que tomar uma pílula constantemente. Eu usei a droga recreativamente por um tempo – se eu fizer atualmente, eu sento em um sofá e assisto filmes com amigos, mastigando Flamin ‘Hot Cheetos e bebendo Slurpee – mas eu diria que sou muito mais usuária medicinal.

Todo mundo tem um vício para ajudá-los a ser o melhor que podem ser. Para mim, isso é a cannabis. Sativa, para ser específico. Eu sou viciado em trabalho, então eu definitivamente preciso de remédio que possa me manter elevado e motivado. Com maconha recreativa – ou como eu chamo, “no sofá” – você está com mais sono e quer invadir e esvaziar sua geladeira.

Tanto quanto eu fumo todos os dias (manhã, meio-dia, antes de eu entrarem drag e antes de subir ao palco – para ajudar com o conforto de aquendar o saco e para fazer death drop) não é uma quantia excessiva. Na verdade, acabei de aprender a rolar um tiro no outro dia. Mas isso é só porque eu fui mimada; Eu sou uma rainha depois de tudo.

Cannabis comestível (tipo num bolo) são provavelmente minha maneira menos favorita de consumir. Acho muito difícil julgar os resultados da mesma forma que se pode julgar com um baseado ou das (estilo narguilé). Eu recentemente passei por uma grande fase de dab porque era tão fácil. Mas agora que eu tenho viajado muito e não tenho acesso a esses produtos, a flor é muito mais integrada ao meu regime. Então, por enquanto, meu método preferido é um baseado.

Em termos da minha plataforma, a legalização médica em nível federal é minha principal missão. Na verdade, eu votei não na Proposição 64 na Califórnia (legalização recreativa), porque havia muitas leis ocultas naquele projeto de lei e, infelizmente, elas esmagaram um monte de pequenas empresas e um grupo de homens brancos ricos está tomando conta da indústria ainda mais do que eles já tomam.

>  Farrah Moan conhece Christina Aguilera
>  Conta do Twitter de Azealia Banks é desativada após discussão com Monét X Change

A opressão racial é um grande problema em relação à legalização da cannabis e é o tema que explorei no meu videoclipe “Look At Me”. Houve 1,57 milhão de detenções nos Estados Unidos por violações de drogas em 2016. Embora os afro-americanos e hispânicos representem aproximadamente 32% da população dos Estados Unidos, eles representam 56% de todas as pessoas encarceradas em 2015.

Sendo um homem branco na era Trump, o privilégio branco está muito vivo. É algo que reconheço que tenho. Acho que é meu dever me impor e dar voz àqueles que não têm a plataforma que tenho a sorte de ter. No final do dia, estou fazendo música hip-hop, que veio da cultura afro-americana. Então, só faz sentido para mim que eu estaria representando uma comunidade que me inspirou, me ajudou e continua a ser oprimida por causa de mim (pessoas brancas). Eu não quero ser um entretenimento irracional. É o que eu tenho sido nos últimos cinco anos da minha vida – todos os okurrs e death-drop. Foi tão nauseante que neste momento estou pronto para deixar de fazer drag.

Naqueles anos de formação, drag era meu amor, minha diversão. Então tornou-se meu aluguel e agora eu tenho uma visão muito diferente do drag do que quando comecei e não posso ter isso acontecendo com a cannabis, porque é crucial para minha vida cotidiana. Mas eu tenho sonhos dentro da indústria da cannabis. Eu adoraria ter minha própria linha de produtos. Particularmente, estou interessado em criar uma caneta CBD (vaporizadora de cannabis). Eu noto que muitos dos meus apoiadores – ou como eu gosto de chamá-los de “amigos” – têm muitos problemas de ansiedade e então eu acredito que se eu criasse minha própria caneta CBD, ela faria sucesso e seria benéfica para o mundo, que é muito a minha missão. Estou pensando em mudar para Denver, onde colocaria todos os meus esforços na cannabis.

>  Gia Gunn faz revelações bombásticas para Perez Hilton

>  A era de Aquaria

>  Barraco Drag: Coco Vs. Roxxxy, AS2 pt2

Até este ponto, porém, não posso dizer que fui abraçada pela comunidade da cannabis. Eu acho que a cultura da maconha nos dias de hoje é muito homofóbica. É geralmente administrado por caras misóginos, surfistas e caras que querem muito dinheiro. Como ativista em prol da cannabis, não fui recebido com um grande apoio. Eu especulo a razão, é porque eu faço uma mulher atraente. Se eu fosse – sem shade – mais como Bianca Del Rio, que é mais parecida com um palhaço e não sexualmente atraente, poderia ser mais fácil para as pessoas digerirem. Eu acho que é difícil para pessoas heterossexuais. Quando me veem em drag, eles são confrontados com sua própria sexualidade. Eles não sabem o que pensar quando apreciam o que estou fazendo.

Eu entendo que vai levar tempo para pessoas como eu serem aceitas na cultura da cannabis. Será preciso que celebridades (como B-Real e Snoop Dogg) me apoiem. Realmente, ficará por conta desses ícones para os caras dizerem, “Ei, olhe, você tem que aceitar minha irmã aqui.” E, apesar das minhas experiências até agora, estou esperançoso que aconteça.

Via Lift&Co.

DEIXE UMA RESPOSTA

Conecte com




Please enter your comment!
Please enter your name here