AS4 | Billboard entrevista: Monét X Change

Monét X Change sobre ser a primeira campeã negra do All Stars: “Para mim é lindo”.

Modo Noturno

Quando Monét X Change entrou na sala de trabalhos RuPaul’s Drag Race All Stars 4, ela estava confiante de que poderia ganhar graças a uma conversa estimulante com a amiga de Nova York, e campeã da oitava temporada de Drag Race, Bob the Drag Queen:

“Não fiquei intimidado pela competição porque Bob realmente me ensinou muito sobre autoconfiança. Ele me ensinou: ‘Garota, quando você passa por aquela sala de trabalhos, você já venceu’. Essa é a mentalidade que eu tinha quando cheguei”.

Acontece que ele estava certa. Monét acabou vencendo o All Stars 4, ao lado de Trinity The Tuck na primeira dupla coroação da série. Enquanto a decisão de ter duas vencedoras foi recebida com polêmica entre os fãs, X Change está muito feliz por ela e Trinity terem a plataforma que vem com o título.

“É claro que todos os fãs estão em pé de guerra e eles acham que a única maneira de ter uma solução para a temporada é ter um vencedor. Mas acho que é uma ótima oportunidade para nós duas. Isso nos dá tanto os recursos para fazer o que queremos fazer com a vitória, o título e a coroa – mesmo que isso seja apenas ir a um fast-food e comprar uma casa e ter filhos, se quisermos”.

A Billboard conversou com Monét sobre o que significa ser a primeira vencedora negra do All Stars, seu novo álbum visual inspirado em Beyoncé e ser convidada no palco do show de Kacey Musgraves em Los Angeles para comemorar sua vitória:

“É lindo ter aliados heterossexuais que são muito vocais e orgulhosos em apoiar pessoas gays e queer e realmente nos amam por sermos quem somos. Especialmente drag queens”.

>  Bebe Rexha critica queens do top4 da S10 e Aquaria defende-as
>  AS4 | Manila Luzon usaria outro look na runway do 4º episódio
>  Drag Me Down the Aisle | Drag queens realizam casamento dos sonhos em programa especial

Você é uma das duas primeiras rainhas a ser coroada vencedora da mesma temporada. O que isso significa para você?

Eu acho ótimo. No fim das contas, Trinity e eu ganhamos a mesma coisa disso, do All Stars, e acho que isso nos dá os dois recursos para fazer o que quisermos com a coroa, o título e os recursos que vêm com isso. Então, eu acho ótimo. Quero dizer, o ego teria você dizendo, “Não, eu quero ser o único. Eu quero que seja apenas eu”. Mas, eu estou optando por olhar para ele [o título] fora do ego, e apenas ser grato por estar tendo a chance de ser a primeira vencedora de chocolate do All Stars.

O que isso significa para você – ser a primeira vencedora negra do All Stars?

É incrível e é lindo para mim. Eu acho que isso apenas reflete mais sobre como é a comunidade drag. Drag é composto de pessoas de muitas cores diferentes – preto, roxo, amarelo, verde, rosa, bege, bege fluorescente. Todos estão representados. Todo mundo está no drag. O fato de que eu sou a primeira All Star de chocolate é lindo para mim e espero que conforme assistirmos mais All Stars, vamos começar a representar mais  como a comunidade drag se parece no geral.

O que você pretende fazer como a vencedora do All Stars?

Meu objetivo é fazer com que drag seja algo comum para pessoas no mundo hetero. Por que não há drag queens no Grammy? Nós deveríamos estar nesses lugares e eu quero ver daqui a cinco anos drag queens nesses tapetes vermelhos com celebridades, porque nós estamos fazendo o mesmo trabalho duro e dedicado, e devemos ser tratadas como tal. Temos que ser ousadas ​​e ter orgulho do que drag é. Porque, honestamente, acho que o mundo precisa de mais drag. Realmente precisa.

>  Lady Bunny no final da S04 Legendado
>  S11 | MTV entrevista: Silky Nutmeg Ganache

No programa, você falou sobre jovens garotos gays que podem estar se escondendo pela casa deles para assistirem Drag Race por se verem em você. Conforme crescia, que tipo de representação você se lembra de ver?

Queer as Folk foi a primeira vez que me lembro de olhar para a TV e ver homens gays. Lembro-me de ter que me esconder por causa de Queer as Folk que passava todo domingo à noite, acho que às 22h horas, e minha hora de dormir era essa. Eu tinha que estar no meu quarto, deixar a porta meio aberta para que eu pudesse ouvir se alguém estava vindo, e deixar o volume da TV no mínimo, para que ninguém pudesse ouvir Brian Kinney se queixando, porque ele estava fazendo um boquete na banheiro. Então essa foi a minha experiência de tentar descobrir o que era essa coisa gay.

Algumas crianças estão fazendo isso com Drag Race e isso é uma droga, e é realmente lamentável, mas é uma espécie de rito de passagem. Todos nós já estivemos lá, todo homem gay esteve lá às escondidas. É uma merda agora, mas você vai aprender com isso e logo vai desfilar pelo seu quarteirão, ou seu bairro, ou onde quer que esteja, vivendo seus sonhos. Mas seja sorrateiro por enquanto, se você tiver que ser por agora.

Naomi Smalls recebeu muitas mensagens de ódio por mandar Manila para casa, mas você também escolheu Luzon para a eliminação. Eu sei que houve tensão, pois Manila havia escolhido te eliminar em certo momento também. Como é o relacionamento de vocês?

Eu não conversei com Manila. Eu perdoo, mas não esqueço. Eu fiquei brava com Manila de forma alguma. Estamos todos conscientes de que este é um programa de TV e é o que é. Às vezes você ganha e às vezes não. Os fãs precisam perceber que ninguém está em casa com raiva, amargura, chateação ou revoltada. Ninguém. Bem, talvez Gia, mas ninguém mais. [Risos]

>  Barraco Drag: Gia Gunn Vs. Monet X Change
>  S11 | MTV entrevista: Yvie Oddly
>  Bob e Thorgy lançam remix de Super Queen

Você acabou de lançar um EP visual, Unapologetically. Como você descreveria seu som?

Eu acho que o meu som é realmente representativo das cantores de voz baixa aí fora. Como os verdadeiros barítonos, sabe o que estou dizendo? Eu queria fazer um álbum que soasse como as outras músicas da minha playlist, que eram pessoas como Beyoncé, H.E.R., SZA e Sylvester. Eu queria fazer música que me fizesse feliz.

Kacey Musgraves levou você e Trinity para o palco do show dela em Los Angeles depois que vocês venceram. Como foi isso?

Isso foi tão legal. Kacey Musgraves. Eu não sabia o quanto ela era uma defensora LGBT, e ela é tão doce. Ela é tão gentil. E ela nos recebeu para aparecer em seu show. Foi tão inesperado. É lindo ter aliados heterossexuais que são muito vocais e orgulhosos em apoiar pessoas gays e queer e realmente nos amam por sermos quem somos. Especialmente drag queens. As pessoas adoram empurrar drag queens para o canto, porque nós podemos ser um pouco estranhas e loucas, mas Kacey Musgraves foi tipo “Não, foda-se, venha no meu palco”. E foi lindo.

Talvez ela te leve em turnê com seu novo EP?

Oh, ALÔ! Criança, deixe-me abrir os shows para Kacey Musgraves. Seria tudo. Eu estaria disposto para isso.

DEIXE UMA RESPOSTA

Conecte com




Please enter your comment!
Please enter your name here