Vereadora do PSOL, Marielle Franco é morta a tiros no Centro do Rio

Modo Noturno

A vereadora Marielle Franco foi morta a tiros dentro de um carro na Rua Joaquim Palhares, Região Central do Rio, por volta das 21h30 desta quarta-feira (14). Além da vereadora, o motorista do veículo, Anderson Pedro Gomes, também foi baleado e morreu. Uma outra passageira foi atingida por estilhaços e levada para o Hospital Souza Aguiar. Investigadores da Delegacia de Homicídios disseram que a principal linha de investigação é execução.

Segundo as primeiras informações da PM, bandidos em um carro emparelharam ao lado do veículo onde estava a vereadora e dispararam. Eles fugiram sem levar nada. A perícia encontrou, pelo menos, nove cápsulas de tiros no local.

Marielle havia participado no início da noite de um evento chamado “Jovens Negras Movendo as Estruturas”, na Rua dos Inválidos, na Lapa. O caso está sendo investigado pela Delegacia de Homicídios da Capital (DH).

“Quantos mais vão precisar morrer para que essa guerra acabe?”

Uma dia antes de ser assassinada, Marielle reclamou da violência na cidade, no Twitter. No post, ela questionou a ação da Polícia Militar.

“Mais um homicídio de um jovem que pode estar entrando para a conta da PM. Matheus Melo estava saindo da igreja. Quantos mais vão precisar morrer para que essa guerra acabe?”

Na mesma rede social, Marielle chamou o 41° BPM de “Batalhão da morte”, no sábado (10). “O que está acontecendo agora em Acari é um absurdo! E acontece desde sempre! O 41° batalhão da PM é conhecido como Batalhão da morte. CHEGA de esculachar a população! CHEGA de matarem nossos jovens”, escreveu ela.

>  Ellen Pompeo e RuPaul trabalham juntas em projeto secreto
>  Evento sobre orgulho LGBT acontece em campo de refugiados
>  RuGirls e artistas internacionais se posicionam contra Bolsonaro #EleNão

Biografia

Marielle tinha 38 anos e se apresentava como “cria da Maré”. Ela foi a quinta vereadora mais votada do Rio nas eleições de 2016 com 46.502 votos, em sua primeira disputa eleitoral.

Socióloga formada pela PUC-Rio e mestra em Administração Pública pela Universidade Federal Fluminense (UFF), teve dissertação de mestrado com o tema “UPP: a redução da favela a três letras”. Trabalhou em organizações da sociedade civil como a Brasil Foundation e o Centro de Ações Solidárias da Maré (Ceasm). Coordenou a Comissão de Defesa dos Direitos Humanos e Cidadania da Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro (Alerj), ao lado de Marcelo Freixo.

Reportagem por G1.

DEIXE UMA RESPOSTA

Conecte com




Please enter your comment!
Please enter your name here