O que um homem hétero pode aprender assistindo RuPaul’s Drag Race

Ale Santos é um homem hétero que já assistiu a todas temporadas de Drag Race e conta como elas foram importantes para ele desconstruir a masculinidade tóxica que possuía.

Modo Escuro

Eu já fui um daqueles caras que ofendia os amigos chamando de “viadinho”, é sério, se você é hétero e nasceu antes da década de 90 você provavelmente já foi ou continua sendo um babaca desses. Esse conceito de masculinidade é tão tóxica quanto frágil, daqueles que se quebra com uma simples demonstração de afeto ou mesmo com um elogio, como pudemos ver recentemente com o Nego do Borel.

Quando você reproduz esse pensamento vive preso em uma máscara de macho que lhe impede de se tornar um grande homem, mas a narrativa machista/patriarcal ocupa um espaço gigante na sociedade e acontece de muita gente viver em lugares onde ela é uma bolha impenetrável, pois o preconceito afasta essas pessoas de conhecer qualquer pessoa que possa ser taxada de “gay”.

Eu vivi a adolescência em espaços assim, que me cegaram a ponto de não perceber o drama de meus próprios parentes que fazem parte da comunidade LGBT. Dizem que a vida ensina, mas isso é uma grande farsa, é bem possível passar a vida sendo idiota e preconceituoso se ninguém te chamar e dizer “cara você está sendo babaca”.

Eu comecei a escrever o Estilo Black em 2013 e comecei a me envolver com assuntos que eram estigmatizados para um homem hétero: a moda. O público que construí aqui ajudou a desconstruir meus velhos conceitos, quando estamos próximos a gente pode perceber a vida que se esconde por trás dos estereótipos, suas histórias e suas dores, isso foi importante no meu aprendizado. Estar na linha de frente do confronto racial também me construiu. Talvez vocês que estejam lendo não tenham essa noção, mas se você começa a produzir conteúdo com foco na beleza negra em um país que finge não ser racista é opressor – eu não sabia disso, mas comecei a perceber o tamanho da opressão vigente e isso me fez pensar também em como era difícil a vida de outros grupos sociais “minoritários”.

>  O programa de Natal de Courtney Act foi muito gay e foi incrível
>  AS4 | Rumores | Nova formação do top 4
>  Resenha: Russian Doll | Morra e tente novamente

Enfim, alguns anos atrás eu percebi que o que me torna mais homem não é o quanto eu evito parecer gay, isso é uma besteira sem fim. Aliás, desde que decidi blogar sobre moda eu estava envolvido com aqueles programas que são indispensáveis para você não passar feio, tipo Esquadrão da Moda e Project Runway que maratonei todos na Netflix ao lado de minha noiva, foi quando terminei America’s Next Top Model que a própria Netflix me sugeriu um programa que seria parecido, o RuPaul’s Drag Race.

Nunca tinha ouvido falar e minha experiência com qualquer participação de uma Drag na TV era dos tempos em que o Silvio Santos levava algumas para fazer perguntas constrangedoras, sempre ressaltando a diferença com os héteros.

Algumas Drags são rainhas da comédia e isso é bem diferente de ridicularizar suas vidas

Essa é uma das principais diferenças da forma com qual a TV retrata Drags. Na década de 90, por aqui, era muito comum você ver personagens que ridicularizavam as Drags – o que acontecia principalmente quando um homem hétero atuava como um personagem gay nas novelas ou quando uma Drag participava de um programa que virava motivo de chacota.

Quem nunca assistiu alguma apresentação Stand Up da Shangela não sabe o que é a comédia. Ela manda muito melhor do que vários nomes famosos brasileiros e tem uma atuação impressionante que rendeu participações em vários filmes e em seriados como Glee.

Outras que se destacaram na comédia são Jinkx Monsoon e Bianca Del Rio que é um fenômeno a parte. Bianca tem um talento para escrever piadas e um timing para reproduzi-las consolidados em mais de 10 anos de carreira no teatro. Após a participação em Drag Race ainda estrelou dois filmes com seu nome. (Tem na Netflix, não são grandes produções mas vale pra passar a tarde e rever algumas Drags que fizeram sucesso juntas).


>  S10 | Prévia do décimo episódio
>  S5 | Elenco
>  S11 | Comentários do 11º episódio

A orientação sexual não faz de ninguém uma pessoa melhor nem pior

Se você é um homem hétero e branco isso vai ser um choque, mas você não é melhor nem pior que ninguém. Só que o mundo te bajulou, fez você acreditar que tinha uma moral ilibada (quando foram pessoas como você que no passado promoveram guerras e genocídio de outros povos para poder ditar as regras do que seria “moral”)  e então você se acostumou a olhar para pessoas LGBT e atribuir promiscuidade aos seus comportamentos. A verdade é que pessoas são boas e ruins independentemente se são gays, lésbicas ou héteros. Não podemos esquecer que homens héteros no mundo todo assassinaram milhões de pessoas quando estiveram no poder.

Se você se permitir, vai encontrar histórias de uma humanidade tão elevada em Drag Race que apenas as pessoas mais insensíveis no mundo não vão se comover. Uma dessas é a história de Latrice Royale, que já foi presidiária, entrou em Drag Race e exibiu um coração tão grande que caiu nas graças do mundo todo e hoje se tornou uma empresária dona da Latrice Royale Inc que gerencia a carreira internacional de várias artistas drags.

>  WOW obriga Tyra a se desculpar por suas atitudes para que possa participar da DragCon
>  Jasmine Masters revela sobre seu comportamento no especial de Natal de RuPaul’s Drag Race
>  WOW+ legendará All Stars 4 em português

As drags de RuPaul conseguem te sensibilizar de várias formas, algumas vezes elas exibem amizades tão verdadeiras, dessas que falta no mundo moderno das grandes capitais. São pessoas que conseguem manter círculos íntimos que atuam como uma proteção emocional rara, nem precisa de muitas demonstração, parecem ser aquelas que sempre estarão lá pensando umas nas outras. Claro que também rola muita inveja, cobiça e vergonha. É disso que pessoas são feitas – algumas como a Gia Gunn, tem mais 😜

Drags sabem se divertir 

A maior parte das histórias das Drags que passam pelo programa de RuPaul compartilha alguns episódios bem tristes: rejeição da família, morte de amigos, uma vida difícil nas ruas, abusos… Sabe é bem difícil. Muita gente que eu conheço está tão longe de viver essa realidade e desiste da sua própria alegria por qualquer coisa que a abale.
As rainhas Drags passam por coisas tão intensas, que elas compartilham nos bastidores, e mesmo assim conseguem criar a ilusão de um mundo tão divertido. Esbanjam alegria e fazem dublagens memoráveis. Conseguem encontrar uma felicidade contagiante no programa e seguir em frente com seus sonhos. Se você pensou que é forte porque é hétero, pensou errado demais. Não tem como não lembrar da força que Ongina teve por se empenhar tanto em uma campanha para ajudar pessoas com HIV, ela desabou após a vitória revelando que era uma dessas pessoas em um dos momentos mais marcantes para mim.

>  As rainhas negras da S10 de RuPaul's Drag Race são revolucionárias
>  Jasmine Masters reagindo à coroação de Trixie Mattel no AS3
>  Miz Cracker causa polêmica em show no Rio de Janeiro

Não é fácil manter a alegria em momentos difíceis. É por tudo isso que RuPaul’s Drag Race se tornou um dos programas mais celebrados pela internet. Vale ressaltar o sucesso comercial de RuPaul Charles que já soma uma fortuna de mais de 7 Milhões de Dólares provando o valor para a indústria do Entretenimento. Sua inteligência para os negócios é invejável, além de promover parceria com várias marcas e personalidades ele amarra o programa com lançamentos de singles e seus próprios produtos.

Eu poderia escrever por horas sobre o que nós podemos aprender nesse programa, só que estragaria a surpresa de você aprender assistindo todas as temporadas e os Spin-offs Alls Stars – inclusive o mais recente teve um final polêmico

Imagem promocional do All Stars 4.

Assistir todos os episódios não me transformou em um cara desconstruidão, é besteira pensar isso e besteira maior me dar qualquer aplauso por isso. Mas sem dúvida me conectou com pessoas fantásticas que eu não me permitia antes. Só assim eu aprendi que ser um grande homem significa lutar para que o mundo seja melhor não só para mim, mas para todas as pessoas fantásticas que a gente puder, indiscriminadamente.

Esse meu post é um convite para você abandonar a máscara de macho alfa e deixar o mundo ver quem você é e o que você pode verdadeiramente fazer para que ele seja melhor. Como disse um grande pensador:

“Se você não consegue amar a si mesmo, como diabos vai amar outra pessoa?” – RuPaul


Texto escrito por Ale Santos e postado originalmente aquiAcompanhe o EBlack no Facebook.

Ale Santos é conhecido como “o cronista dos negros no Twitter”. Para saber mais sobre ele, leia aqui. Se quiser seguir Ale nas redes sociais, siga seu Instagram e seu Twitter.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here