Shangela declara: “Eu não preciso de uma coroa”

Modo Noturno

Shangela, uma das rainhas mais memoráveis ​​a competir em RuPaul’s Drag Race, irradia positividade. Mesmo quando a tempestade a cumprimentou depois de tocar em Auckland, seu ânimo estava extremamente alto.

É um pouco mais cinza aqui do que eu pensava. Mas querida, não se preocupe, porque eu vou trazer a luz do sol.

A artista nascida no Texas tem um charme contagiante do sul dos EUA, e é provavelmente por isso que ela é uma das únicas a concorrer três vezes Drag Race, um reality show de competição que se tornou um fenômeno cultural.

Apesar de suas três tentativas, Shangela nunca venceu.

Você não tem que usar uma coroa para ser uma rainha. Eu tenho a mentalidade de que vou fazer isso acontecer e nada vai me segurar.

Foto promocional de Shangela para a 2ª temporada de Drag Race.

Aparecendo pela primeira vez no programa há oito anos durante a segunda temporada, Shangela só vinha fazendo drag durante cinco meses quando foi a primeira rainha eliminada daquela temporada.

>  AS4 | Billboard entrevista: Valentina
>  RuPaul’s Drag Race | Episódio de Natal | Eureka O'Hara fala sobre o especial
>  Asia O’Hara desabafa sobre ameaça racista de agressão que sofreu recentemente

Ela desenvolveu sua personalidade drag e aumentou sua base de fãs, retornando no ano seguinte e novamente durante o All Stars3, que foi ao ar no início deste ano.

Desde o seu tempo na competição de drag queens, Shangela atuou em programas de TV como Glee e Arquivo X. Seu maior papel veio quando Lady Gaga a escolheu para estrelar o filme A Star is Born, ao seu lado e de Bradley Cooper.

Eu sempre quis continuar trabalhando como ator em Hollywood. Então, estar em um filme com Lady Gaga é algo que eu estou tentando entender. É um sonho fabuloso, querido, não me acord”.

Apesar da conexão de RuPaul com a competição de TV ganhadora de um Emmy Award, Shangela diz que as rainhas mal veem RuPaul quando as câmeras param de gravar.

Mesmo que ela não seja uma presença física, para mim, RuPaul é uma presença aspiracional. Ru está lá fora fazendo seu trabalho – sendo RuPaul. Isso leva muito tempo e muito compromisso. Além disso, eu não preciso que RuPaul fique no meu ombro me dizendo ‘Bom Trabalho’. Eu sei em meu coração que Ru colocou muita fé em mim e me deu uma grande oportunidade. Tenho orgulho do legado que ela criou.

RuPaul tem sido uma enorme influência para drag queens como Shangela.
>  Charli XCX entrevista Pabllo Vittar
>  Bob The Drag Queen aponta comportamento racista do fandom de Drag Race
>  Valentina se identifica como não-binária

Este ano, Shangela esteve em uma turnê de 184 cidades ao redor do mundo. A Nova Zelândia é a parada número 167 e era um lugar que Shangela estava determinado a visitar pela primeira vez.

Uma coisa que eu experimentei ao conhecer os Kiwis é que eles são as pessoas mais legais e alguns dos meus maiores fãs. Então eu queria trazer esse sabor de Shangela para a Nova Zelândia.

De descendência afro-americano e árabe, Shangela diz que é importante para ela alcançar jovens que estão tentando descobrir seu lugar no mundo.

Eu sei o que é estar do lado de fora, um lugar que você não pertence, sentindo que você é o único da sua espécie. Eu cresci como um menino gay em Paris, Texas, que era uma comunidade muito conservadora e eu também tinha uma sólida formação religiosa. Eu aprendi a nunca desistir de mim mesmo. Saiba que você pode encontrar uma comunidade que te ame, mas você precisa amar a si mesmo primeiro.

Shangela estava empolgada para levar sua mistura especial de entretenimento para a Nova Zelândia, o show rolou ontem (3/12).

É uma combinação de comédia, performance ao vivo e canto, eu trouxe meus dançarinos comigo. Então querida, é A performance.

Via stuff.

DEIXE UMA RESPOSTA

Conecte com




Please enter your comment!
Please enter your name here