Connect with us

Hi, what are you looking for?

Drag Race Brasil

RPDR 16 | RuView do episódio 10

Eu tenho o PODER! Mais um desafio político que nos fez refletir e gargalhar. Confira a resenha do episódio 10 de RuPaul’s Drag Race 16 à seguir.

Compartilhe!
🕓 9 min de leitura

Foi ao ar mais um episódio estréia de RuPaul’s Drag Race 16! Leia a seguir a resenha. Contém spoilers daqui em diante.

RuPaul’s Drag Race é, em última análise, uma comédia. São outras coisas também: uma exploração da identidade queer, uma vitrine para talentos notáveis, um exemplo irritante de interferência na produção, etc. Mas lembre-se de que o programa começou como uma paródia de programas de realities de competição como Project Runway e America’s Next Top Model. Hoje em dia, Drag Race às vezes pode cair na armadilha de se levar muito a sério, em parte devido à compreensão das rainhas sobre o que estar na TV pode fazer por suas carreiras; a competição pode ser arbitrária, mas os resultados são legitimamente importantes para a vida das competidoras. E, no entanto, a essência do show é boba e estúpida, e quando Drag Race se lembra disso, pode ser um episódio delirantemente divertido.

Esta semana é assim. A melhor parte do episódio é que as garotas falham comicamente, o desafio é principalmente ruim, mas de certa forma eu achei divertido (veja o UK vs. The World desta semana que serviu uma versão que foi muito menos divertida) e, no final das contas, ninguém é eliminado. Este é o meio da temporada reconhecido – eles até lançaram um episódio extra do Pit Stop esta semana para enfatizar esse fato – e o programa marca isso fazendo uma pausa na intensidade da competição para fazer o que eu chamaria de um “episódio charmoso”. No teatro musical, a canção charmosa (termo cunhado por Lehman Engel) refere-se a um número que não tem como objetivo fazer o público rir ou levar a trama adiante, mas é agradável o suficiente para nos encantar com o “cantar” do personagem. Este episódio faz o mesmo (embora seja muito engraçado). É uma pausa na temporada, fazendo com que nos preocupemos mais com as meninas sem realmente mudar o que está em jogo. O desafio de makeover de não eliminação na 12ª temporada fez a mesma coisa, entregando todo o episódio para as garotas se divertirem, o que tornou o top 6 (na verdade cinco, sem incluir Sh **** P **) mais adoráveis.

Este episódio é certamente leve, mas também acho que é eficaz. As cenas de gravação e ensaio são absolutamente hilárias e, embora o número resultante não seja ótimo, me fez reavaliar o nível de talento de pelo menos uma garota. A desvantagem é que uma das maiores subtramas da temporada, a poção de imunidade de Plane, é totalmente desperdiçada. Isso é lamentável, especialmente porque se transformou em uma situação bastante dramática. Isso é uma marca contra o episódio? Provavelmente. Se eles quisessem fazer um episódio de charme neste momento, provavelmente não deveriam ter programado a poção para expirar ao mesmo tempo. Os níveis de manipulação da produção parecem bem exagerados, o que pode ser amplamente desculpado dada a falta de consequências, mas ainda assim é irritante. Essencialmente, dou um sinal positivo para esta semana, mas não um aplauso.

O episódio começa com as garotas de Miami brigando umas com as outras, provavelmente porque sabem que são as rainhas mais descartáveis neste momento. Uma coisa que adoro é que Mhi’ya saiu de sua concha e o que ganhamos foi uma vadia.

>  Drag Race Brasil 1 | Resenha do episódio 11: Reunião
>  S10 | 19 revelações na grande final

De forma rápida e eficiente, somos envolvidos no desafio político que eles fazem em todo ano eleitoral. Na primeira vez, foi um debate confuso que Dan Savage tentou levar a sério e depois foi julgado como um desafio de comédia, então, as temporadas oito e 12 o usaram como um desafio de comédia. Desta vez, é um hino político, o que é um pouco decepcionante – tivemos uma escassez chocante de desafios de comédia nesta temporada. (É para proteger a Nymphia?) Isso deve ser remediado o mais rápido possível.

A sessão de escrita é mais notável pela total incapacidade de Nymphia de escrever letras. Isso é engraçado, porque ela está se debatendo muito, mas vou revelar que me tornei muito menos otimista com a ideia dela como uma vencedora. Em algum momento, ela precisará escrever algo com sucesso, porque Sapphira está aqui arrasando em todos os desafios que estão diante dela.

As sessões de gravação – hilárias. A sessão de Mhi’ya, em particular, me deixou em estado de choque. “eQual [igual!” é a leitura de verso da temporada, e o fato de ela dizer isso como uma rima para… também “equal [igual]” é o tipo de absurdo de drag não intencional que eu preciso em minha vida. Igualmente bom: Leland tentando ver a interpretação única de Mhi’ya da palavra “rhyme [rima]” como algo positivo. “É uma escolha tão grande que você tem que vendê-lo”. A resposta de Mhi’ya? “equal [igual]!” Entre isso e a impressão de Cher, meu show de drag ideal agora é Mhi’ya sendo solicitada a fazer vozes aleatórias e dar o seu melhor por cerca de três horas seguidas. Drag queens são melhores em falhar catastroficamente do que qualquer outra categoria de pessoas. Também falhando de forma divertida está Nymphia: “Aspire. Pela. Comunidade!” Outras pessoas conseguiram encaixar poemas inteiros naquele espaço de tempo. Nymphia simplesmente grita palavras. Alguns outros destaques: Q acreditando que pode cantar (ela não pode), Dawn acreditando que pode cantar (ela também não pode) e Sapphira sabendo que pode cantar (ela pode).

Advertisement. Scroll to continue reading.

Os ensaios de dança – também hilários. Adoro a cabeça de galinha de Morphine, adoro Sapphira parecendo querer desossar a prima e odeio a roupa de Q, mas adoro suas mãos de Barbie. Sobre Nymphia: “Que porra ela está vestindo?” seria a pergunta certa.

>  S11 | Rumor | Spoilers do 11º episódio
>  Drag Race Brasil 1 | Resenha do episódio 10

Vamos à performance! Infelizmente, achei isso uma confusão de risadas. É tão frenético, a estrutura é tão estranha, a ideia geral é tão equivocada, que comecei a me maravilhar com isso como um trabalho de pura energia cinética. Escolher Dawn para dar início a tudo foi provavelmente uma má ideia – sua completa incapacidade de dançar de qualquer forma que pudesse ser mal interpretada como “descolada” me deixou confuso quanto ao objetivo geral do desafio. Então vem Mhi’ya, “eQuaL” intacto, dançando perfeitamente com uma cara de pedra completa o tempo todo. Finalmente, é Morphine, cujo movimento característico parece ser levantar a perna completamente esticada no ar, arqueá-la e depois pisar. Ela fez isso no desafio do grupo feminino também! Por que isso é coisa dela? O primeiro segmento termina com as três garotas dançando, e é aí que Morphine assume a liderança – eu não conseguia tirar os olhos dela, e o cabelo dela é tão lindo que ela deveria ter uma infinidade daquelas perucas.

O próximo grupo começa com Nymphia, que diz seis palavras, canta dois versos que não rimam, joga alguns confetes e depois destrói Plane na dança. O look dela é ótimo para esse desafio, com as bananas balançando por todo lado. Plane realmente não se destaca. Ela não é ruim, mas é definitivamente a mais sem graa da semana. Michelle atribui isso ao nervosismo, o que, talvez seja! Tudo que sei é que estava entediado e, para uma drag queen, isso é muito pior do que ir mal.

Depois é Q, que não faz coreografia e ainda consegue dançar mal. Além disso, eu odeio a roupa dela. O que há com essa peruca? Horrível. Sapphira explode como uma bomba atingindo o palco. O desafio é basicamente dirigido diretamente a ela, mas ela usa isso como uma oportunidade para estar à altura da ocasião. O fato de Q e Sapphira não terem que dançar uma ao lado da outra como os outros grupos tiveram que fazer é obviamente uma configuração para fazer Q parecer menos terrível. Imagine se elas tivessem feito obrigado as duas a dançarem lado a lado. (Eles deveriam tê-lo feito.)

Finalmente, o grupo se reúne para um momento final triunfante quando se reúne para cantar e dançar junto.

Advertisement. Scroll to continue reading.

>  Fontana defende rainhas de Drag Race Brasil de ataques
>  Reação das rainhas após anúncio do elenco de Drag Race Brasil

A passarela desta semana é monocromática. Mhi’ya vai bem. Os jurados a devoram como se ela tivesse dado mil passos à frente, mas não vejo muita melhora entre seu visual rosa e este, e seu desempenho neste desafio foi no mesmo nível de seu desempenho vencedor no girl group. Tenho certeza de que algumas pessoas não suportam mais a obsessão de Nymphia por bananas. Eu já não aguento, mas imagine também se ela não escolhesse o amarelo. O problema maior é que ela continua falando falando sobre isso, pelo menos dessa vez ela homenageou Carmen Miranda.

O look de Plane é feio. Essas ilusões de nude sempre parecem sem graça, as formas são indelicadas e as raízes não combinam com o elemento geométrico. Safira parece incrível. Como ela fez as malas? COMO?! Dawn é adorável e divertida. Andar na ponta dos pés é um ótimo toque. Gosto do chapéu e das calças de Q, mas o sutiã é tosco. Morphine está ótima. Uma coisa: eu sei que ela adora seu BBL, mas, por mais notável que seja fora do drag, no drag ela faz proporções tão elevadas que acho que ela ainda poderia preencher mais. A forma drag não é tão va-va-voom quanto seu rosto merece.

>  Paola Carosella topa participar de Drag Race Brasil
>  Drag Race Brasil 1 | Resenha do episódio 7

O grande momento do episódio seria Plane dando a poção de imunidade à Nymphia, mas isso não funciona. Este episódio é tão leve na trama e, em retrospecto, o fato de ninguém voltar para casa significa que as apostas estão completamente destruídas. É uma pena que o show tenha desperdiçado aquele momento. Mas então eles teriam que eliminar Plane ou Q, e isso provavelmente seria ruim para o que foi construído até aqui. (Vocês ficariam chocados ao saber que eu teria ficado tranquilo com a eliminação de Q.)

As meninas geralmente recebem críticas positivas, porque é isso que você precisa para que a não eliminação aconteça. Os jurados poderiam ter sido muito mais duros com Dawn, Mhi’ya e Q, se quisessem. Plane é a única pessoa em quem eles realmente insistem, mas isso é só porque ajuda a avançar no enredo do episódio. Sapphira e Morphine são, com razão, elogiadas como o top 2 e, após uma breve confusão de suas colocações, descobrem que farão dublagem para a vitória.

Advertisement. Scroll to continue reading.

Quanto à dublagem, embora Morphine tenha dado seu melhor, não tinha como não tirar os olhos de Sapphira, a rainha, tal qual no desafio principal, foi a estrela principal e por isso mereceu a vitória, fazendo assim ela ter finalmente seu mais que merecido segundo WIN na temporada.

>  RPDR S16 | Rumor | Spoilers do episódio 11
>  RPDR AS8E09 | Categoria: Snow Bunny

DESAQUENDANDO AS CONSIDERAÇÕES FINAIS

É uma loucura que a peruca que Morphine usou não fosse a peruca dela. Sério, ela deveria comprar dez dessas assim que chegar em casa. Além disso, Plane emprestar tantas perucas é legal, mesmo que ela esteja delirando sobre sua colocação.

Cantinho do trauma de maquiagem: Dawn fala muito sobre terapia esta semana.

Top 4 previsto: Idem. Ninfa, Safira, Avião, Q.

Advertisement. Scroll to continue reading.

Pensamentos Gays de Gay People: Perguntei por algumas opiniões sobre as rainhas mais quentes da temporada. Meu amigo Jake diz: “PJ, se ela parasse de comprar roupas masculinas na Gap”. Meu amigo Noam diz: “Estou sedento pelo tamanho dos armários de Sapphira, sejam eles drag ou não”. Meu namorado diz: “Eu não me importo se as rainhas são gostosas, quero que minhas rainhas fora do drag sejam pequenas aberrações estranhas que vivem para fazer drag e estariam fazendo drag mesmo se não houvesse um programa de TV popular sobre isso (por exemplo, Detox, Jinkx) – não garotos bonitos que se arrastam porque é a coisa mais moderna a se fazer (ou porque não sabem de que outra forma usar seus BFAs). Dito isto, Xunami é gostosa.”

Breve resenha de UK vs thw World 2: Esse número foi impressionantemente terrível. Gothy estava simplesmente triste, e os jurados, sendo tão legais, pareceram condescendentes. Ela simplesmente não está lá. Marina engoliu a competição. Marina também engoliu a dublagem. Tia foi… bem, suponho. Eu não a teria colocado no topo. Cada semana acredito que La Grande Dame já desfilou meu look favorito. Esta semana foi estupenda.

Esse episódio merece 5 coroas.

Via Vulture. Leia mais notícias de Drag Race 16 aqui.

Compartilhe!

APADRINHE A DRAGLICIOUS: Ajude a manter a Draglicious viva celebrando a arte drag, doando pelo nosso PIX, chave: draglicious@outlook.com. Ou nos apadrinhe em padrim.com.br/draglicious.

Click to comment

Deixe uma resposta

Veja Também

Drag Race

Saiba como será a grande final de de RuPaul’s Drag Race 16 a seguir.

Drag Race

Confira os looks que as rainhas usaram no "Lalaparuza" para o episódio 15 de RuPaul’s Drag Race 16. Quem merece Toot e Boot?

Drag Race

As rainhas eliminadas desta temporada têm mais uma chance de impressionar os juízes numa épica batalha de dublagens! Confira a resenha do episódio 15...

RPDR

Assista à prévia do episódio 15 de RuPaul’s Drag Race 16.

Advertisement

Portal de notícias sobre arte drag, RuPaul's Drag Race e suas rainhas.

Contato: draglicious@outlook.com

Draglicious 2024 © Todos os direitos reservados.