Connect with us

Hi, what are you looking for?

Drag Queens

Who’s That Queen? Gingzilla

“Abram seus corações e mentes para as possibilidades ilimitadas de drag”, afirma Gingzilla, de Queen of The Universe, nesta edição exclusiva da Who’s That Queen?

Compartilhe!

Entre pro nosso canal do Telegram aqui!

APADRINHE A DRAGLICIOUS: Ajude a manter a Draglicious viva celebrando a arte drag, doando pelo nosso PIX, chave: draglicious@outlook.com. Ou doe pelo meu PicPay na conta @saullete, o link é: https://app.picpay.com/user/saullete. Ou nos apadrinhe em padrim.com.br/draglicious.

🕓 10 min de leitura

Neste artigo você encontra:

Introdução: Prazer, Sensação Global, Gingzilla
O criador por trás da criatura, Benjamin Hudson
Se descobrindo como o G de LGBTQIA+
Vivências pelo mundo
Fazer drag ou não fazer, eis a questão
O princípio como Gingzilla e o nome drag
Trabalhos importantes como rainha
The X Factor UK 15° edição
America’s Got Talent 14° edição
Queen of The Universe
This is Me (Part 1)
Turn Back Time
Duets
Sua monstra preferida é a Gingzilla
Monstra glamourosa no Brasil? Sim, temos
Conclusão: faça uma drag feliz com gorjeta/tip
Entrevista

Introdução: Prazer, Sensação Global, Gingzilla

Afamada na época da antiguidade clássica pela exportação de mármore, a ilha grega de Paros localiza-se no Mar Egeu central e serviu como morada para Gingzilla de 2019 à 2021.

Segundo a própria conta, é um lugar mágico.

Mas espera aí, não é assim que este artigo começa.

Vamos tentar de novo.

O criador por trás da criatura, Benjamin Hudson

Benjamin Hudson nasceu em uma das maiores cidades da Austrália, Sydney, New South Wales, em 13 de fevereiro de 1986.

Filho de Margaret e Graeme Hudson, tem 3 irmãs e, ao lado do apoio e amor maternal, foi criado por 1 pai solidário em um ambiente predominantemente feminino.

Advertisement. Scroll to continue reading.

Esta torcida faria a diferença em seus primeiros anos de existência.

Se descobrindo como o G de LGBTQIA+

Segundo Benjamin já contou à imprensa, a descoberta da homossexualidade veio junto com sua capacidade de raciocinar.

Então, em 1988, ao assistir a série televisiva The Wonder Years, aqui no Brasil conhecida como Anos Incríveis, e Sarah Jessica Parker em Sex and the City, apenas lhe reconfirmou o óbvio: ele era gay.

Enquanto crescia em Baulkham Hills, um subúrbio no distrito de Hills, antigamente conhecido como Cinturão Bíblico de Sydney, Benjamin era o único gay da região, logo, vivia acuado pelos meninos preconceituosos do colégio.

Benjamin chegou a fantasiar com Troy, um de seus professores do 3° ano do ensino médio, entretanto, devido à falta de representatividade LGBTQIA+, acabava se sentindo preterido nas questões amorosas, afinal, era sempre a madrinha do casamento, e nunca a noiva.

Mas as coisas mudariam em breve.

Assim, dividido entre o marasmo e a tranquilidade do local onde vivia, quebrado apenas pelo shopping center local e o bullying escolar, Benjamin inicia uma jornada inquieta.

Advertisement. Scroll to continue reading.

Esta fase é marcada sabe pelo quê?

Empoderamento e autoaceitação, incentivado pela amorosidade de sua família, toda radicada na Austrália, por sinal.

Vivências pelo mundo 

É neste país que ele estuda em uma escola de artes cênicas e tempos depois, no final de 2015, se muda para Londres, onde matricula-se numa escola para palhaços.

No Reino Unido, Benjamin, que sempre prezou por vestir-se bem e colocar aquele algo a mais em suas produções, nem desconfiava que teria a oportunidade de começar do zero e reinventar-se.

Fazer drag ou não fazer, eis a questão

Com um amigo, Benjamin discorreu sobre drag queens e como ambos queriam experimentar qual era a sensação de estar montado.

Papo vai, papo vem, após alguns meses, ele é informado da competição LIPSYNC1000, realizada no pub gay The Glory, em East London.

Benjamin, que até então nunca havia imaginado fazer drag, entrou no concurso e sua parceira e fiel escudeira, a drag queen Cazeleon, não.

Advertisement. Scroll to continue reading.

Ela ainda lhe deu a dica de outro certame e, entre as primeiras mechas de gengibre, mais uma pessoa acabara sendo rendida ao poder daquela que atende por arte drag.

O princípio como Gingzilla e o nome drag

Diva de Down Under, Gingzilla é um monstro glamoroso de 2,10 de altura.

Ela se reconhece como uma pessoa não-binária e entre seu trajeto rumo ao posto de sensação global chegou a criar a maioria de suas roupas, maquiando-se com maquiagem de palhaço nos primórdios da carreira.

E é sobre este tópico que falaremos agora.

Nomeada com o jogo de palavras que mistura gengibre e Godzilla, Gingzilla era pintada por Herr The Queen.

Enquanto dava seus primeiros passos como rainha, aprendeu sobre este mundo no YouTube, o que a levou a treinar na frente do espelho por horas para aperfeiçoar seu lado maquiadora e os looks, claro.

Trabalhos importantes como rainha

Indo à frente, em 2017, Gingzilla passa a trabalhar na portaria da Cirque Le Soir, o seu verdadeiro começo como drag, apesar de ter participado, em 2014, do concurso internacional Cabaret Your Theatrics.

Advertisement. Scroll to continue reading.

Enquanto fazia seu nome, Gingzilla fisgou o Reino Unido com o show esgotado The Gingzilla: Glamonster versus The World.

A sinceridade do que é visto em cena, um raio-x de sua persona drag, centrado na personagem que é sufocada pela caretice da sociedade e pelos desmandos do patriarcado, foi bem recebido pelo público.

A plateia comprou a história do ser humano que, cansado de ser os outros, rebela-se contra o ideal de beleza e abraça sua porção monstro. Sem pedir desculpa por isso.

Frutífera, esta empreitada desdobrou-se e descambou em um êxito internacional, com um convite para apresentar-se, sozinha, no Festival Fringe de Edimburgo, o maior de artes em âmbito mundial.

E veja só, tem mais.

Premiada, Gingzilla é animadora de teatro, artista performática, dançarina, apresentadora e cantora.

Como tal, ao microfone, já participou de diversas competições, algo que se tornaria uma constante em sua carreira, como veremos a seguir.

Advertisement. Scroll to continue reading.

The X Factor UK 15° edição

Então radicada em Londres, na Inglaterra (Reino Unido), Gingzilla participou da 15° temporada do The X Factor UK, em 2018.

Cantando Seven Nation Army (The White Strips) ela recebeu 4 votos dos jurados que a impressionaram de forma semelhante as críticas de Simon Cowell e a investida do cantor Robbie Williams.

O cantor disse ter ficado deliciosamente confuso com ela:

“Robbie, querido, vou ser tão diferente que você não saberá o que atingiu você”.

Quando questionada se toparia um 2° round, Gingzilla revelou que tranquilamente se apresentaria novamente para 15.000 pessoas no estádio de Wembley.

Bom, na dúvida, sua próxima participação em uma competição de TV logo bateria a sua porta.

America’s Got Talent 14° edição

Em 2019, Gingzilla entrou na 14° edição do America’s Got Talent, reality show no qual registrou uma audição viralizada, com sua apropriada versão da música She’s a Lady, de Tom Jones.

Advertisement. Scroll to continue reading.

Após sua performance, veio o sim de Simon Cowell (ele novamente), Julianne Hough, Gabrielle Union e Howie Mandel.

Aprovada para a próxima fase, ela tem seu futuro nas mãos do corte dos jurados.

Será que eles apreciaram sua releitura de Material Girl, da Madonna?

Infelizmente não e Gingzilla foi cortada do jogo, porém, sabemos que perder é o novo ganhar, concorda comigo, caro leitor?

Queen of The Universe

Seguindo esta máxima, Gingzilla entrou no elenco de Queen of The Universe, competição drag centrada integralmente no canto, a 1° do gênero.

Transmitida a partir do dia 2 de dezembro de 2021 pela Paramount+ com produção da World of Wonder, conta com a apresentação do amigo esquilo Graham Norton.

Com 14 rainhas na disputa, as drags foram julgadas, semana após semana, por Michelle Visage, Trixie Mattel, Leona Lewis e Vanessa Williams.

Advertisement. Scroll to continue reading.

Elas são as responsáveis pela coroação da próxima rainha do universo que, vale lembrar, poderá chorar em cima do prêmio de 250 mil dólares.

>  Who's That Queen? Bunny Be Fly
>  James Ross critica Drag Race, Michelle Visage e Kennedy Davenport

This is Me (Part 1)

E assim foi em This is Me (Part 1), o 1° episódio.

2° candidata a ser apresentada a plateia e 6° a cantar, neste caso, Human, de Rag’n’Bone Man, ela realmente fez jus ao desafio da noite: apresentar uma roupa e música que mostrem quem você é.

Afinal, Gingzilla viveu para arrasar na semana seguinte, não sem antes falar sobre este assunto no Instagram.

“Muito obrigada pela resposta avassaladora à minha primeira performance no Queen of the Universe. Muitos de vocês mencionaram como eu os afetei de uma forma profunda. Que minha voz chegou às profundezas do seu ser. Por trás de toda deusa há um incrível sistema de apoio. Muito crédito a ser pago a minha incrível treinadora vocal / espiritual, Deonna Marie”.

E complementou:

“Nos últimos 2 anos ela me guiou através do meu despertar montanhoso e me ensinou a usar meu instrumento para tocar do núcleo interno / luz da minha alma. Obrigada, Deonna, você é um anjo mágico da deusa e eu sou abençoada por tê-la conhecido!!! Se você precisa de orientação, apoio ou o dom de sua voz ser libertada, Deonna é a única”.

Advertisement. Scroll to continue reading.

Turn Back Time

Passada a estreia, Gingzilla aparece rapidamente no episódio 2, que apresenta o restante das rainhas, para enfim retornar definitivamente em Turn Back Time, a 3° semana competitiva.

Incumbidas de voltar no tempo, as rainhas tiveram que servir uma roupa e uma música de uma época que marcou suas vidas, com um pequeno adendo…

O público escolherá as drags que seguirão adiante, neste pacote, Gingzilla inclusa porque sua versão de Believe, clássico de Cher, arrebatou as pessoas e garantiu sua permanência na competição.

8° rainha a entrar em cena, e de novo a penúltima da noite, Gingzilla se inspirou em Psiquê, deusa grega da alma, para este momento:

“Tão grata a Misty Couture e Tina, a designer alemã genderqueering, por este belo look, e Da House of Phalanges pelas unhas”, disse nas redes sociais.

Duets

Em seguida, Gingzilla chega ao 4° episódio, Duets, com participações especiais de Leland e Tori Kelly.

Aqui ela precisa criar uma dupla para convencer o “Painel Diva Pop” de jurados.

Advertisement. Scroll to continue reading.

Emparelhada com Regina Voce, nossa estrela barbada teve que criar uma canção original para seguir no jogo.

2° duo a cantar, elas performaram Girl Power, mas a apresentação não foi bem recebida e ambas foram eliminadas pelos jurados.

O curioso é que Gingzilla, toda vez que usa a roupa que vestiu neste episódio, é eliminada, o que não impede o nosso monstro glamoroso de dar o melhor de si em cada momento que seus talentos são colocados a prova.

Sua monstra preferida é a Gingzilla

Ciente de que confunde as pessoas e faz com que elas questionem gênero e seus limites, esta rainha, que normalmente escova seus cabelos sábado à noite, teve seu talento definido pelo guia Fest Magazine da seguinte forma:

“A voz da Gingzilla cantando é uma mistura delirante de Shirley Bassey, uma trapaceira e um tiranossauro rex”.

Por fim, Gingzilla, ao lado de Vinegar Strokes, da 1° temporada de RuPaul’s Drag Race UK, será uma das juradas convidadas de Drag Den Philippines.

Você sabe, a competição drag apresentada por Manila Luzon, com lançamento previsto para 4 de junho de 2022.

Advertisement. Scroll to continue reading.

Monstra glamourosa no Brasil? Sim, temos

Enquanto esta nova competição não estreia, Gingzilla está passando um tempo aqui no Brasil.

Isto mesmo, Brasil com S.

A musa ruiva chegou no Rio de Janeiro no último dia 4 de janeiro.

Na capital carioca ela infelizmente sofreu um triste causo:

“Há 2 semanas fui assaltada enquanto estava sentada na praia de Copacabana por volta das 20h. Embora não tenham pegado nenhum dos meus pertences materiais, quebraram meu rosto e feriram minha ingênua sensação de segurança“, relata no Instagram em publicação de 6 de fevereiro.

E de acordo com a postagem mais recente dela nesta mesma rede social, Gingzilla está em Florianópolis, Santa Catarina.

“Estou em uma missão/peregrinação ao redor do mundo para promover o amor próprio radical, a aceitação, a liberdade de expressão, a cura, a compaixão e a unidade“.

Advertisement. Scroll to continue reading.

>  Who's That Queen? Veneno Drag
>  Who's That Queen? Erika Klash

Para tal e como forma de produzir conteúdo, Gingzilla precisa de ajuda financeira e apoio. Você sabe como pode contribuir?

Conclusão: faça uma drag feliz com gorjeta/tip

“Você pode mostrar seu apoio e apreciação doando via www.PayPal.me/gingzilla ou reservando um cameo. Qualquer tamanho de presente, oferta, doação é muito honrado”.

Finalmente, você quer saber o que mais Gingzilla fará no futuro, o que ela pensa e detalhes sobre sua drag?

Confira na íntegra a entrevista exclusiva que fizemos para mais uma edição da Who’s That Queen?

Ao fazermos uma pesquisa na internet, é fácil encontrar pessoas discutindo sobre drag queens barbadas, mas elas não falam sobre a qualidade do trabalho destas rainhas, e sim se elas devem existir ou não. Estamos em 2021, não é uma discussão chata, Gingzilla? O que você diria para encerrar este assunto?
Não é uma conversa, é uma restrição à liberdade de expressão criativa. Drag não tem limites ou limitações. Abram seus corações e mentes para as possibilidades ilimitadas de drag. “Thank you… next”.

Você participou do X Factor em 2018. O que é mais difícil: entrar no programa ou fazer uma carreira depois dele?
Entrar no programa e fazer um respingo foi a parte fácil. Manter uma carreira e criar um trabalho inspirador é o desafio. A indústria das artes é uma fera… precisamos criar sistemas de suporte para que os artistas criem e mostrem seu trabalho. Vindo do circuito do Festival Fringe eu fui testemunha de uma arte incrível. Artistas ao vivo são vitais para a sociedade. Trazemos um reflexo dos tempos e atravessamos os corações e mentes do público.

Além do The X Factor, você também fez parte do America’s Got Talent na 14ª temporada. Eu entendo totalmente você participar uma vez de um reality show, mas duas? O que te atrai no mundo das competições?
O que posso dizer, eu amo um desafio… Além disso, esses programas de competição global precisam de uma sacudida e a arte queer é uma ferramenta poderosa para quebrar a norma social. Eu não os faço para ganhar, eu os faço para mostrar minha criatividade e trazer luz aos incríveis artistas de cabaré queer que vieram antes de mim e que precisam desse reconhecimento.

Advertisement. Scroll to continue reading.

Como surgiu a oportunidade de você fazer parte do elenco da temporada inaugural de Queen of the Universe?
Eu fui viral algumas vezes e era apenas uma questão de tempo que eu iria me espalhar pelo universo, querido. Drag queens super estrelas cantando… Eu estou no topo da lista, bebês. Eu marquei todas as caixas… Linda, cantora, única e um espírito amoroso e generoso para dar boot… Quero dizer toot. Sempre toot.

Se você pudesse formar um grupo pop de garotas com mais quatro drag queens, quem você escolheria e por qual razão?
Ada Vox pela voz, ela é a Mariah, Whitney e Aretha do drag; Alaska para a faixa de vadia atrevida; Grag Queen para o sexo, sabor e rrrraa papapa e eu como o “homem” hype woot woot.

Qual será o nome do primeiro single?
O primeiro single se chamará “Dem Bitches” porque assim que ouvir a faixa você ficará como se, Dem BITCHES, estivesse fora deste mundo!

Da Escócia à Suécia, passando por Londres e Reino Unido, são alguns dos lugares onde você se apresentou. Qual foi o show mais incomum que você já fez e onde? Aquele que tinha tudo para dar errado e quase deu?
O show mais incomum foi quando eu voei para uma ilha particular em Seychelles para me apresentar para um Sheik e seus amigos. Muito bizarro. Tanto excesso de riqueza. Embora divertido ser tratada como uma deusa.

Eu confirmei que você nunca lançou um single. É algo que pretende fazer no futuro?
Sim, eu vou lançar um single e um single de Natal depois que o programa for ao ar. Muito animada. Por muitos anos eu me considerei apenas como uma cantora ao vivo/ artista e gravar não estava na lista de coisas para fazer. Mas agora essa oportunidade de compartilhar minha voz com o mundo voltou e eu vou aproveitá-la.

*Nota do repórter: ambos os singles ainda não foram lançados.

>  Who's That Queen? Mayhem Miller
>  Who's That Queen? Jessica Wild

Muitos artistas que não são LGBTQIA+ ainda têm um certo preconceito em gravar músicas, álbuns e videoclipes com drag queens. A arte drag chegou ao mainstream. O que falta para a drag music chegar lá também?
Espere o inesperado quando eu soltar minha música. Para mim não se trata de alcançar as massas, mas de me expressar e das palavras e melodias que vêm de dentro de mim. Eu quero cantar da minha alma e encorajar as pessoas a fazer o mesmo. Drag é tão válido quanto músicos “regulares”, Queen of the Universe prova isso!

Advertisement. Scroll to continue reading.

Para terminar por hoje: você chegou ao Brasil. Qual é a primeira coisa que você fará no meu país?
Dançar!!!! Vou dançar até a praia. Dançar meu caminho para a boate. Dançar meu caminho para os homens. Dançar pela floresta amazônica. Dançar! Dançar! Dançar! Quero dizer, eu não tenho nenhuma bunda mas este rabo branco e membros podem agitar, brincar e se empinar com o melhor deles. Tão animada!!!!

Siga Gingzilla no Instagram, Twitter, Facebook e visite seu site.

Para ler outras entrevistas exclusivas da Who’s That Queen clique aqui.

Compartilhe!

Entre pro nosso canal do Telegram aqui!

APADRINHE A DRAGLICIOUS: Ajude a manter a Draglicious viva celebrando a arte drag, doando pelo nosso PIX, chave: draglicious@outlook.com. Ou doe pelo meu PicPay na conta @saullete, o link é: https://app.picpay.com/user/saullete. Ou nos apadrinhe em padrim.com.br/draglicious.

Click to comment

Deixe uma resposta

Veja Também

Drag Queens

“Adoro música brasileira, minhas artistas favoritas são Anitta, Pabllo Vittar e Ludmilla”, conta Ivy-Elyse Monroe, da 2° temporada de Drag Race Holland, nesta entrevista...

Drag Queens

“É a 1° vez que interajo e me apresento a um público não italiano, estou realmente muito animada”, conta Farida Kant, de Drag Race...

Canada's Drag Race

“Todos os artistas drag querem fama e atenção. Mas para compartilhar sua arte para o mundo”, afirma Stephanie Prince, da 2° temporada de Canada’s...

Drag Queens

“Toda a gravação do Drag Race foi extenuante, muita pressão, muitas horas”, afirma Killer Queen, da 1° temporada de Drag Race España, nesta edição...

Advertisement

We're born naked & the rest is drag. Portal de notícias, humor e babados sobre RuPaul's Drag Race, drag queens, arte drag, comunidade LGBTQ+ e cultura pop.

Contato: draglicious@outlook.com

Draglicious 2022 © Todos os direitos reservados.