Conecte-se conosco

Hi, what are you looking for?

Destaques

Drag queens falam sobre a importância da representação preta em RuPaul’s Drag Race

Asia O’Hara mediou um bate papo sobre racismo, igualdade e excelência negra com as últimas campeãs negras de Drag Race: Monét X Change, Yvie Oddly, Jaida Essence Hall, Heidi N Closet e Shea Couleé.

Compartilhe!
🕓 4 min de leitura

Mesmo em RuPaul’s Drag Race – uma monumental vitrine de televisão para a diversidade queer – é válido o compromisso com uma representação mais completa comunidade em que vivemos, por isso a EW montou um painel de drag queens para discutir por que a celebração da excelência negra do show em 2020 é um passo particularmente importante na luta pela igualdade nas plataformas convencionais.

Moderado pela finalista da S10 Asia O’Hara, a mesa redonda reuniu em um poderoso encontro as cinco rainhas negras que conquistaram títulos consecutivamente em RPDR: Monét X Change, campeã do AS4; Yvie Oddly, campeã da S11; Jaida Essence Hall, campeã da S12 e sua Miss Simpatia, Heidi N Closet; e Shea Couleé, campeã do AS5.

A mesa redonda começa com as rainhas chegando à raiz da representação contra tokenismo*, conforme explicam que a autenticidade que alimenta a maneira como Drag Race apresenta as histórias pessoais de seu elenco eclético foi a chave para atrair a atenção dos eleitores do Emmy 2020 que deram ao todo 13 indicações ao show neste ano,  10 para Drag Race e três para o Untucked. Yvie Oddly comenta que:

“A representação é um conceito mais difícil de digerir porque é meio cega, é abstrata, é algo em que a identidade não deveria importar tanto porque a identidade não está impedindo você e, infelizmente, nossa história como país tem sido exatamente o oposto. Se pudéssemos ajudar a promover a adoção da identidade de outras pessoas sem precisar nos concentrar nelas, seria incrível. Até agora, estamos na primeira etapa, que é uma boa etapa, mas reconhecer que nem todos têm as mesmas oportunidades e direitos à vida [é a chave]”.

>  Robbie Turner quebra o silêncio e confirma que suposto acidente de carro é falso
>  Campeãs e Miss Simpatia de RuPaul’s Drag Race

Na sequência, Monet conectou essa ideia à forma como a mídia social digeriu seu empate sem precedentes com Trinity The Tuck, uma rainha branca, durante o All Stars 4. A artista que vive em Nova York se lembra de ter recebido memes racistas e um dilúvio de críticas reivindicando que a cor de sua pele foi a única coisa que lhe valeu a coroa, embora ela encontre “garantias de amigos, família e de um monte de garotas da franquia” que reforçaram a noção de que o talento arrebatou a coroa, não uma caixa marcada em uma lista de verificação de tokenismo. Jaida Essence Hall, que ainda é a finalista da S12 menos seguida no Instagram, acrescentou a discussão que:

“Eu sinto que não há uma única rainha negra que não tenha passado por uma situação racial. Muitas vezes as pessoas vão jogar nossa arte contra outros artistas por conta de nossa raça, e eu não sinto que haja um lugar onde nossa arte deve ser igual à cor da nossa pele ou quem somos como pessoa e como vivemos nossa vida. Se a arte é boa, então é boa. Eventualmente, quando você continuar a ser você mesmo e continuar a ter excelência, as pessoas não terão escolha a não ser parar de odiar e, com sorte, virar a maré e passar a amá-lo!”

Shea Couleé especula que o trabalho que Drag Race está fazendo para espalhar uma gama mais diversa de vozes queer pela comunidade televisiva está afetando mudanças fora da tela:

“Isso ajuda a estabelecer e legitimar a arte de drag e a experiência queer como algo que é uma verdadeira forma de arte. As pessoas estão realmente tendo a oportunidade de entender que não é uma novidade, que esta é uma forma de arte enraizada em gerações após gerações”.

>  Translation, novo programa com pautas trans
>  TNT | Capítulo 7: Final

O grupo também reflete sobre os aspectos mais leves da competição, incluindo a intensa preparação para a final virtual sem precedentes da 12ª temporada filmado dentro das casas dos competidores devido à pandemia de coronavírus em curso, costurando looks de cair o queixo para o ball do All Stars 5, e o drama icônico que ajudou a tornar a Drag Race tão divertida quanto importante – especialmente em um ano de eleição presidencial, já que a série apresentava desafios com temática política e fechava cada episódio com um lembrete aos espectadores para se registrarem para votar, já que nos Estados Unidos o voto é facultativo, então para a população votar é preciso que ela se registre.

“Estou pronto para ver outra rainha negra coroada este ano”, disse Jaida Essence Hall sobre Joe Biden escolhendo Kamala Harris – uma mulher negra e sul-asiática – como sua vice-presidente na chapa democrata. “Isso seria incrível!”

Advertisement. Scroll to continue reading.

Confira o bate papo completo a seguir.


*Tokenismo (vem de token): Token é o comportamento problemático de se apropriar de pessoas ou grupos oprimidos para se justificar um ponto de vista ou para se isentar de ser preconceituoso ou opressor. Exemplo: “Não sou racista, tenho até amigos negros”. 

Compartilhe!
Clique para comentar

Deixe uma resposta

Veja Também

RPDR

Em vídeo, Mama Ru convida drag queens a se inscreverem para a décima quarta temporada de RuPaul's Drag Race.

Celebridades

“No que me diz respeito, Drag Race salvou minha vida”, Cameron Diaz é a celebridade mais recente a expressar seu amor por RuPaul’s Drag...

Drag Queens

“Arte é arte e a cor da sua pele não deve determinar o valor dessa arte”, Jaida Essence Hall afirma que não conhece uma...

Drag Queens

O início de um sonho… deu tudo errado? Bob the Drag Queen revelou que a edição Drag Race All Winners nunca vai acontecer… será?...

Propaganda

We're born naked & the rest is drag. Portal de notícias, humor e babados sobre RuPaul's Drag Race, drag queens, arte drag, comunidade LGBTQ+ e cultura pop.

Contato: draglicious@outlook.com

Draglicious 2020 © Todos os direitos reservados.