S10 | Billboard entrevista: Monét X Change

Modo Escuro

Após ser a nona eliminada da décima temporada de RuPaul’s Drag Race, Monét X Change concedeu uma entrevista para a Billboard. Leia a seguir minha tradução.

Billboard: Eu sei que já faz um tempo desde que vocês filmaram, mas como você está se sentindo após assistir a sua eliminação?

Monet: Ainda sinto o mesmo, ainda sinto que fiz um ótimo trabalho. Se eu tivesse ido para casa em qualquer um dos outros dois desafios que fui mal, eu teria me sentido muito triste, eu teria me sentido péssima. Mas depois que eu reassisti o episódio, eu fiquei tipo “Oh, eu arrasei!” Eu ainda sinto que… Eu não sinto que houve qualquer outra coisa que eu poderia ter feito para impressionar os juízes, e eu sinto que meu parceiro estava muito feliz. Eu sinto que nós tivemos aquela semelhança familiar, e eu acho que eu fiz um trabalho incrível naquela maldita dublagem, então eu me sinto muito bem. Eu não me sinto amargurada ou triste de qualquer forma.

B: Fico feliz que você tenha dublado – eu sinto a necessidade de agradecer por três das melhores dublagens desta temporada, e francamente, na história do show.

M: Obrigado, isso é tão fofo!

B: Com essa dublagem, você teve aquela cena em que acabou quebrando as luzes na frente do palco. O que aconteceu lá e o que você estava pensando quando aconteceu?

M: O que aconteceu foi o que eu disse, “Eu vou me machucar nesta pista, e assim como quando Ru esbofeteou Asia, eles vão se sentir mal por eu cortar minha perna e eles me deixarem ficar”. [Risos] Não, mas de verdade, tentei fazer um pequeno momento de corrida e, como você viu, às vezes drag é perigoso. Às vezes você quebra coisas! Mas a parte mais importante é que quem estava assistindo em casa, ou os juízes, ou se você estava assistindo em um bar, onde quer que você esteja, é que você foi entretido e divertiu me assistindo.

B: Bem, você entregou, garota. Como você cultivou seu estilo único de dublagem com o tempo?

M: Muito disso vem de sair em Nova York, apenas como uma pequena bebê drag, e assistir Peppermint e Bob performando, acompanhar esses dois artistas incríveis fazerem sua arte e perceber que… dublagem não é sobre fazer um movimento de dança chamativo ou uma roda de carroça ou os pulos para entreter uma audiência. Não, a música é muito maior e mais profunda que isso. Então, é sobre realmente se aprofundar no que a cantora está tentando dizer. Então, o que Lizzo está tentando dizer nessa música? E então realmente fazendo isso, e não apenas passando pelos mesmos movimentos básicos de uma combinação de dança instantânea que você aprendeu em uma porra de aula de dança.

Tipo, muitos desses artistas, eu sei que soa brega, mas eles te dão asas para voar na música deles. As letras são muitas vezes muito maiores do que você cantando sobre elas, então eu realmente tento ouvir o que o artista está tentando dizer. E às vezes há um momento muito bobo na música em que você pega duas latas de spray de cabelo e tenta pintar seu cabelo no palco. Então, sim, às vezes é literal, e as pessoas vão tentar ignorar isso porque é bobo. Mas eu aprendi ao longo dos anos em Nova York que um público aprecia mais quando você está realmente passando por uma dublagem, e tentando dar a ele algo mais profundo do que apenas as palavras e as coisas básicas que outras pessoas fariam.

>  Drag Race UK | Geri Horner e Jade Thirlwall são juradas convidadas da primeira temporada

B: Você trabalhou com Tyler Oakley neste episódio, e ele se tornou sua primeira filha drag, como você apontou. Com foi trabalhar com ele?

M: Tyler foi muito divertido! Ele estava tão aberto ao processo, Tyler estava aberto a ter a melhor experiência na passarela. Ele realmente queria se tornar uma drag queen. E olha, a verdade é que muitos caras… muitos caras ainda estão com medo de tentar fazer drag. Ontem à noite, o que aprendemos através de Tyler e de Chester See é que quando você quebra essas paredes, e realmente se permite ver um lado diferente de si mesmo, você realmente se abre para se divertir e destrancar essa fera, que estava dentro de você o tempo todo.

B: Então, toda semana os juízes pareciam ter algo para criticar sobre sua aparência na passarela e você até mesmo twittou sobre como é simplesmente frustrante assistir isso. Como você se sentiu no momento?

M: Você sabe, foi muito frustrante, como você disse. Foi como: “Eu realmente não entendo o que esses juízes querem de mim, o que os impressionará em seguida?” E você sabe, eu não acho que eu entrei com as melhores looks de todos os tempos, mas… no passado, acho que todos nós podemos concordar que Drag Race era todo sobre o desempenho, mais sobre coisas que estavam além da passarela. Sim, os desfiles sempre foram um fator, mas Drag Race, especialmente durante a temporada de Bob, ou se você olhar para a 6ª temporada – que para mim, foram algumas das maiores temporadas de Drag Race – é realmente sobre arrasar na performance e as passarelas seriam apenas a cereja no topo do bolo. Você sabe o que eu quero dizer? Então, essa coisa com minhas perucas – tornou-se toda essa narrativa em que eu ouvia “cabelo curto não é bonito ou glamouroso”, o que eu acho completamente falso. Quero dizer, muitas mulheres da minha família têm cabelos muito curtos e são deslumbrantes. Halle Berry é uma das mulheres mais bonitas do mundo, e ela tinha cabelo curto por um tempo muito longo… até que ela usou aquele esfregão em sua cabeça naquele ano, aquela trama encaracolada. [Risos] Mas o cabelo curto pode e sempre será glamoroso. Então não, eu realmente não entendi nada.

>  AS1 | Divulgação

B: Um de seus looks que precisamos falar é o vestido de esponja. Garota, ao lado da senhorita Vanjie, esse é o meme da temporada que provavelmente não morrerá. Quando vou te ver em um comercial do Scrub Daddy?

M: [Risos] Escute, se o Scotch-Brite ou o Scrub Daddy quiserem me patrocinar, estou aberto a isso. Eu acho que seria uma parceria linda, eles realmente deveriam olhar para isso. As pessoas pensam que eu cheguei a esta temporada com uma noção pré-concebida desta porção do que faria com esponjas! E eu fiquei tipo, “Sim, eu fiz a RuPaul preparar esse desafio para eu poder fazer um vestido de esponja”. Tipo, não! Mas as esponjas se tornaram uma coisa de sorte para mim. Tipo, eu pegava as peças na passarela comigo e as colocava debaixo do peito esquerdo o tempo todo. E a primeira vez que estive no bottom, foi a primeira vez que esqueci de colocá-la lá. Nós estávamos tão apressados, e estava super agitado, fazendo todos looks para aquele ball. Então eu as deixei de fora [as esponjas] e cai no bottom. E então, na semana seguinte fomos direto do desafio para nos prepararmos para o desfile, e eu esqueci, e então eu estava no bottom novamente. Então eu percebi: “Garota, esse é o seu amuleto da sorte na temporada, você foi poupada duas vezes, nunca mais fique longe da esponja novamente.” Isso nunca me ajudou a vencer, mas acabou fazendo o trabalho me levando para o top 6.

Scrub Daddy, famosa marca de esponja dos EUA.

B: Houve um momento neste episódio em que Eureka disse que não queria ver outra garota de Nova York chegar ao top 3. Você acha que existe algum estereótipo injusto entre as rainhas de Drag Race sobre ser de Nova York?

M: Você sabe, eu diria que em Nova York, nós temos o melhor drag do mundo, porque somos uma cidade onde pessoas de todo o país, literalmente de todo mundo, vem para ser atores, ser cantores, ser modelos, para ser dançarinos, para fazer todas essas coisas. Então, acabamos recebendo todos os artistas do Arizona, da Califórnia, de Wisconsin, você sabe o que quero dizer? Tipo, as pessoas vêm para Nova York e acabam fazendo drag. Tipo, olhe Cracker – Cracker é de Washington, Aquaria é da Pensilvânia, Yuhua, sim, ela viveu em Nova York desde que era criança, mas ela é da China, Dusty de Kentucky – você entende o que eu quero dizer? Tipo, eu sou a única pessoa nesta temporada que nasceu em Nova York. As pessoas vêm de todo o mundo e nossa arte drag é incrível por causa disso.

Infelizmente, nos tornamos alvos também. A cidade de Nova York teve o maior número de vencedoras de Drag Race. E mesmo esses vencedores de Nova York não são totalmente de Nova York – Bob é de Atlanta, Bianca de Louisiana, você entende. Então agora temos esses alvos nas nossas costas, como: “Nós não queremos que Nova York seja bem sucedida, porque eles ganham sempre!” Bem, você sabe o que rola, bitch, somos talentosos e merecemos.

>  AS4 | Grande final tem reviravolta chocante

B: Falando de sua irmã drag, você e Bob têm seu podcast juntas, Sibling Rivalry [rivalidade entre irmãs, em tradução livre]. De onde surgiu a ideia para esse programa?

M: Você sabe, pessoas… nós começamos este podcast porque percebemos que todos os nossos amigos adoram ver Bob e eu discutir. Literalmente discutimos o tempo todo sobre absolutamente tudo. Pode ser algo tão simples quanto nós indo para o IHOP, e isso se torna um debate de duas horas. Todo mundo sempre fica tão louco por isso. Então, como Bob está em Berkeley tocando em Angels in America, eu não consigo vê-la ou discutir com ele tanto quanto gostaria. Então, dissemos: “Vamos fazer um podcast onde discutimos sobre coisas diferentes. Se nossos amigos gostam de nos ouvir discutir, tenho certeza de que o mundo também vai gostar”. Então, somos apenas nós, falando sobre tópicos que nos sentimos muito apaixonadas e, geralmente, muito diferentes. É daí que isso veio. São sempre pelo menos duas horas em que Bob tem que sentar e conversar comigo, então eu acho ótimo.

B: Estamos perguntando a cada uma das meninas nesta temporada – quem é sua rainha local favorita em Nova York e por quê?

M: Vocês são tão obscuros com essa pergunta! Porque vocês não entendem que todas as rainhas vão ler isso e dizer: “Ah, então você não acha que eu sou a sua favorita, hein?” [Risos] Eu diria que tenho duas que são minhas favoritas: eu amo Pixie Aventura e Jasmine Rice. Pixie Aventura é uma artista tão feroz, ela é uma das melhores artistas em Nova York. Ela é realmente uma artista completa; eu fiz um show com ela chamado “The Help” que fizemos por dois anos e meio, até agora. Quer dizer, foi uma alegria e um prazer trabalhar com ela toda semana, porque ela me inspirou a elevar minha drag e nos divertimos muito juntas. E Jasmine Rice é outra rainha cantora de ópera como eu, e ela é super super talentosa em termos de performance e também visual. Além disso, ela foi top três em Miss Continental Plus, e nunca fteve uma iniciante entre as cinco primeiras colocadas em um Miss Continental, porque é um sistema de concurso tão rigoroso. Jasmine é incrível, e eu adoraria ver qualquer uma delas no show.

Fonte.

DEIXE UMA RESPOSTA

Conecte com




Please enter your comment!
Please enter your name here