As rainhas negras da S10 de RuPaul’s Drag Race são revolucionárias

Modo Noturno

Cinco rainhas negras entraram na sala de trabalho da décima temporada de Drag Race, um número que a série não via em anos. Ao longo da décima temporada, as queens se abriram em curtos momentos sobre as lutas específicas que existem para as drags negras, mas no episódio de quinta-feira [S10E07], as rainhas mergulharam mais profundamente nas complexas realidades políticas de queens negras, nunca antes visto no show.

No centro da discussão estava Monique Heart, que admitiu que, ao contrário das outras rainhas negras, às vezes hesita em fazer drag política, pois se apresenta em Kansas City, Missouri, uma cidade que viu um aumento acentuado nos crimes de ódio nos últimos anos. De acordo com o Huffington Post, as estatísticas de 2015 do FBI mostraram que os crimes de ódio aumentaram 35% na maior cidade do Missouri e em suas áreas vizinhas, em comparação com um aumento de 7% em todos os EUA. Bibliotecas em Kansas City foram recentemente vandalizadas com insultos raciais anti-negros, suásticas foram pintadas em prédios escolares. Apenas dois meses atrás, Ta’Ron Carson, um negro gay, foi baleado e morto do lado de fora de um bar em Kansas City, embora a polícia não tenha certeza se ele era o alvo pretendido pelo atirador.

Dado este contexto, é fácil ver porque Monique Heart hesitaria em se tornar política. Durante o episódio, Monique confessou que queria homenagear o infame vestido de bandeira confederada de RuPaul de To Wong Foo, Obrigado por tudo, Julie Newmar. Mas, ela disse, “as tensões eram muito altas em Kansas City, e eu não queria voltar e apenas levar um tiro”.

“Eu não tenho feito muito trabalho político”, ela continuou, “porque eu trabalho em um antigo estado de escravos. Onde eu trabalho, afro-americanos não foram autorizados a trabalhar até o final dos anos 60, início dos anos setenta”.

E, Monique acrescentou que tudo tem a ver com geração de renda. Além de querer ficar em segurança, ela também precisava garantir que não se tornaria uma performer não desejada e que poderia pagar suas contas fazendo drag.

Monique falou anteriormente sobre seu orçamento em comparação com as outras drags da série, algo com o qual Chi Chi Devayne, outra rainha do Sul Preto, lutou. Durante o Untucked, Miz Cracker fala sobre sua capacidade de adquirir um empréstimo para pagar todos os custos associados ao programa, algo que sem dúvida seria muito mais difícil para uma rainha negra, dado o estado da dívida negra nos Estados Unidos.

>  Asia O’Hara desabafa sobre como o racismo a obrigou a ser sua própria estilista

Um dos aspectos mais interessantes da confissão de Monique é que ela é capaz de falar sobre isso com as outras rainhas negras na sala. Monet X Change e The Vixen falam sobre o quão importante eles pensam que é fazer uma drag política. É claro que Monet X Change se apresenta na cidade de Nova York, um cenário político muito diferente do de Kansas City. E enquanto The Vixen realiza seu show Black Girl Magic na cidade mais segregada da América, o contexto ainda é muito diferente do que o sul dos EUA.

Ver tantas rainhas negras se reunindo para discutir o viés político inerente à arte drag é um novo território para o show. À medida que o formato do programa evoluiu, permitiu que as queens tivessem mais tempo para falar sobre política, especialmente rainhas como Sasha Velour, Peppermint e Bob the Drag Queen. Mas o show nunca abordou um o cenário político de uma rainha negra como na quinta-feira.

Parte disso é o elenco. Não só o programa nunca lançou uma variedade tão grande de drags negras, mas também não o fez desde que a audiência do programa mudou em torno da sétima temporada. O público se transformou de seu público inicial de pessoas queer, especificamente pessoas de cor estranhas, para um grupo demográfico mais jovem e mais feminino. Com essa mudança, surgiu uma quantidade descomunal de atenção para as comediantes brancas e peculiares, como Katya, Trixie Mattel e Alaska, ou para queens visuais como Violet Chachki e Aquaria.

Mas as drags negras da 10ª temporada lentamente refizeram a narrativa sobre o que significa ser uma rainha negra. Quando Mayhem Miller foi eliminada no quinto episódio da temporada, ela disse que estava animada com as possibilidades da safra de queens negras da temporada 10 para quebrar o padrão e desafiar as noções do público sobre o que são as rainhas negras e o que elas fazem.

“Muitas pessoas pensam, especialmente quando se trata de drags negras, que todas as rainhas negras são iguais – uma nota, todos nós fazemos a mesma coisa”, disse ela. “Agora o mundo consegue ver que todos somos diferentes. Nós somos como impressões digitais, todas diferentes, e trazemos uma vibração totalmente diferente para o palco”.

“Nós somos como impressões digitais, todas diferentes, e trazemos uma vibração totalmente diferente para o palco” Mayhem Miller

Certamente a rainha que fez o maior trabalho para desafiar o fandom da série nesta temporada é The Vixen. Já chamei The Vixen de líder de pensamento desta temporada depois de sua conversa anterior sobre a competição e fã base, mas é hora de fazer isso de novo.

>  S10 | Billboard entrevista: Yuhua Hamazaki

Para aqueles que não se lembram, durante o episódio 3 do Untucked, Aquaria criticou The Vixen por usar a peruca de outra pessoa para o visual “melhor drag”. Quando The Vixen respondeu, Aquaria se tornou emocional e chamou The Vixen de “negativa”, o que levou a Vixen a falar duramente sobre raça e mídia, em uma verdadeira homilia.

“E o problema é … quando você me ataca e eu vou atrás de você e você diz: ‘Oh, você é tão negativo’ – eu estava de boa. Você trouxe aqui, eu [trouxe] de volta, e de repente eu sou uma vadia ”, disse a Vixen. “Eu tenho que dizer isso – isso aqui é exatamente o que é. Você diz alguma coisa, eu digo outra coisa, você começa a chorar. Você criou uma narrativa [que] eu sou uma mulher negra agressiva que assustou a garotinha branca. Quando você fica super defensiva e me diz que sou negativa – quando estou apenas respondendo ao que você trouxe para mim -, isso sempre será lido para essas [câmeras] como uma questão de raça”.

The Vixen nunca se esquivou de conversas sobre raça. Ela mencionou que ela apresenta um programa chamado Black Girl Magic e, neste episódio, ela continua falando sobre o que significa ser negro, gay, drag queen e político.

“Às vezes, gosto simplesmente de jogar na cara dos dos brancos, algo tipo‘ você sabe o que você fez’ ”, diz a Vixen. Ela então passou a descrever seu ato, que inclui ela carregando um crucifixo gigante coberto de insultos raciais. Ela então o bate até que esteja quebrado.

“Muitas pessoas dizem que drag só deve ser uma fuga da realidade”, diz The Vixen. “Mas drag também pode nos ajudar a encarar a realidade e lidar com isso”.

Devido principalmente ao racismo, The Vixen provavelmente nunca terá a reputação de ser uma rainha intelectual como Sasha Velour. Mas toda semana, ela demonstra não apenas o quanto ela é atenciosa sobre seu trabalho como drag queen, mas sobre o que significa ser uma drag negra posta para consumo por um público branco.

“Devido principalmente ao racismo, The Vixen provavelmente nunca terá a reputação de ser uma rainha intelectual como Sasha Velour”

No início do episódio desta semana, Eureka tentou se dar bem com The Vixen e disse que ela poderia mostrar sua inteligência sem mostrar “a mordida do urso”. The Vixen contorna a situação e diz que muitas pessoas que a admiram o fazem por ela ser sincera, autêntica e não ficar se segurando. As muitas qualidades que Eureka pode ver nela como negativas são exatamente o que faz dela um exemplo para as pessoas que admiram The Vixen.

>  Pearl é vetada de participar de qualquer edição de RuPaul’s Drag Race All Stars

Asia O’Hara também articula o trauma de The Vixen, comparando-a a um cão abandonado que precisa de um terno carinho. A própria Vixen falou sobre seu trauma durante o episódio cinco com uma visão incrível também. Para que não nos esqueçamos, foi ela quem analisou que o principal problema dela e de Eureka era que seus traumas não conseguiam se misturar.

Além de analisar os próprios problemas de sua irmã, Asia O’Hara provavelmente viveu o exemplo clássico da tensão central da temporada, que é a natureza do drag contra a natureza de Drag Race. Durante o desafio do Ball (quarto episódio), Asia ajudou todas as outras a costurarem suas fantasias enquanto a própria negligenciou a construção de seus próprios looks. Quando ela confrontou as outras garotas sobre isso, a edição a fez parecer tola, mas no centro da questão da Ásia estava a forma como sua própria família drag estava centrada em torno da comunidade versus Drag Race, que promove a competição. Essa mentalidade estava em exibição durante o episódio desta semana também. A Asia pediu a The Vixen para brincar com ela durante o Snatch Game, para resultados não tão bons, é claro, mas até mesmo a pergunta mostrou que a Asia prefere apoiar e ajudar suas irmãs do que vê-las ficando para trás.

Drag moderna, a estética celebrada no RuPaul’s Drag Race, é uma forma de arte americana moldada pelas mãos e perucas dos artistas queers negros e latinos. Também é verdade que os artistas negros e latinos recebem apenas uma pequena parte da adoração fanática da qual merecem do fandom de Drag Race. É um problema que provavelmente começou na sétima temporada ddo show, como o meu colega Kevin O’Keeffe recentemente apontou, mas também é uma tensão que o show continua a sondar na décima temporada. E esta é sem dúvida a safra de rainhas que estão prontas para assumir a tarefa de educar os telespectadores sobre o que significa ser negro, queer, com poucos recursos e subestimado.

Agora, os fãs precisam ouvir.

Artigo escrito originalmente por Mathew Rodriguez e publicado aqui, traduzido por Saulo Adelino

DEIXE UMA RESPOSTA

Conecte com




Please enter your comment!
Please enter your name here