S10 | Billboard entrevista: Blair St. Clair

Modo Noturno

Após ser a sexta eliminada da décima temporada de RuPaul’s Drag Race, Blair concedeu uma entrevista para a Billboard. Leia a seguir minha tradução.

Billboard: Como você está se sentindo depois de tudo o que aconteceu no episódio da noite passada?

Blair St. Clair: Você sabe, estou bem hoje. Eu filmei isso há cerca de seis meses atrás, e eu levei muito tempo para processar e me permitir sentir todas as emoções que estava sentindo. E ontem à noite foi, estranhamente, um belíssimo encerramento que eu não sabia que precisava.

B: Antes de entrarmos profundamente no que aconteceu ontem à noite, como foi sua experiência em fazer aquele painel com Miz Cracker e The Vixen? Eu sei que os juízes leram vocês por não serem informativas. Você achou isso justo?

BSC: Há várias coisinhas que entram nisso. Com nossa equipe especificamente, eu sinto que nós meio que fomos um navio afundando. Nós não tínhamos certeza do que era um forte painel de drag para começar. Nós não tínhamos certeza se queríamos ser meramente informativos e abordar o que queríamos falar sobre perucas, e não tínhamos certeza se queríamos apenas conversar e nos divertir discutindo o tópico das perucas. Eu acho que é onde, realmente, houve má comunicação entre nós.

Então, quando os juízes estavam conversando e dizendo que eu estava um pouco mais quieta e que estava sendo pisoteada, eu acho que a resposta é sim e não, tipo sim, nós escrevemos algumas frases engraçadas e algumas coisas para interpor durante as filmagens do desafio do painel. Mas eu sou um pouco quieta por natureza, e acho que o programa me descreve como uma pessoa um pouco mais quieta, e eu não acho que isso seja necessariamente o caso. Eu acho que talvez eu estivesse um pouco mais quieta no grande grupo de garotas tipo as que estavam na 10ª temporada [risos]. Mas eu não sou, necessariamente, quieta e, acho que aprendi com esse desafio que devo falar mais e mais vezes.

B: Vamos falar sobre o que aconteceu na passarela. Você se abriu sobre sua experiência com estupro e agressão sexual. Como você chegou à decisão de falar sobre isso não apenas na frente das pessoas naquela sala, mas na frente dessas câmeras?

BSC: Quando você está em Drag Race, você esquece tantas vezes que eles vão transmitir o que você diz sobre o mundo. Porque você está apenas em uma sala e em vários cômodos, porque há apenas câmeras e pessoas, parece que você está vivendo sua vida cotidiana com uma quantidade anormal de pessoas ao seu redor, e você esquece que esses momentos serão capturados na tela pelo resto de sua vida e serão transmitidos meses depois. Você esquece que isso é uma coisa.

>  S10 | Prévia do décimo quarto episódio, grande final

Então, não houve momento em que eu questionasse ou me perguntasse: “Essa é a hora, isso é apropriado, isso é algo que eu deveria ou não deveria fazer?” Foi apenas algo do meu coração que eu estava realmente me abrindo. Foi quase uma experiência fora do corpo, porque eu não tinha certeza do que estava dizendo. Eu estava esperando esse episódio sair por meses, porque eu não tinha certeza do que eu disse. Eu estava falando verdadeiramente do coração, com um sentido mais verdadeiro do termo, porque era apenas o tempo. Não há melhor maneira de descrevê-lo do que meu coração estava pronto para falar antes que meu cérebro soubesse que eu estava. E agora sei que é meu trabalho, especialmente com a plataforma que me foi dada.

B: Como você se sente sobre a resposta que seu público teve ao seu depoimento?

BSC: Você sabe, para começar, eu não estava muito focada no que o público pensaria. Eu estava mais focado no tipo de conclusão que eu teria. Eu tentei manter um bom equilíbrio do que eu acho que me valida e como me sinto, versus o que os comentários dizem online. Então, eu realmente tento ficar offline durante toda a jornada de Drag Race. Mas, acabei de receber tantos comentários positivos e amorosos, mensagens e e-mails desde que o episódio foi ao ar, e tem sido apenas uma enorme quantidade de amor que eu tenho experimentado. Eu estava chorando e dizendo ao meu namorado que havia tantas pessoas, especialmente nesta sala – eu estava em uma festa de exibição – que estavam apenas expressando e compartilhando tanto amor e alegria e gentileza, especialmente por causa de uma situação tão negativa e, tão difícil para mim. E é simplesmente incrível e tão empoderador que eu sou capaz de transformar essas experiências negativas em minha vida em amor, atualmente. E isso, por si só, foi uma incrível jornada para mim.

B: Uma dessas pessoas que estava enviando amor era The Vixen, com quem você acabou dublando. Seu tweet dizia: “Sei que Blair St. Clair é minha irmã por toda a vida. E nenhum programa de TV pode mudar isso”. Nós não conseguimos ver muito do desenvolvimento da amizade de vocês no programa, então como isso aconteceu?

>  AS4 | Billboard entrevista: Valentina

BSC: Oh, eu não tinha ouvido isso ainda, isso é tão fofo! Eu acho que a única coisa que eu gostaria que o show me mostrasse é que eu tenho um relacionamento muito próximo com Miz Cracker e The Vixen. No primeiro dia, The Vixen e eu entramos no Werk Room, e estávamos trabalhando no desafio Drag on a Dime. Ela definitivamente parecia um pouco difícil, e eu não acho que ela fez amigos tão facilmente quanto as outras garotas, porque ela era um pouco mais nessa mentalidade de “eu vim lutar”. Mas eu acho que ela me viu como… talvez alguém que fosse um pouco mais compreensível ou realista, e apenas fácil de lidar.

Então conectamos muito rápido, porque eu não tive problemas com ninguém. Ela nunca teve problemas comigo, e quando ela teve seus momentos em que estava esquentada ou tendo sua própria insegurança ou frustração, eu estava meio que ali para consolar ou conversar sobre algumas das coisas que ela estava sentindo. Eu fui muito, muito abençoada por ela ter sido capaz de fazer o mesmo por mim neste episódio.

B: Sim, absolutamente. Agora, você também é a rainha da Broadway desta temporada – como esse amor pelo teatro começou para você?

BSC: Meu amor pelo teatro quase veio de um lugar escuro também. Eu era muito inseguro e infeliz na minha adolescência e encontrei o teatro como uma maneira de escapar da vida. E eu sempre posso me encontrar no palco por horas e mergulhar em um personagem. Cada personagem que eu toquei – o teatro realmente me dava um espaço seguro, me dava um lugar onde eu não tenho que sentir a pressão do mundo. Eu posso ser esse garoto esquisito, divertido e não ser julgado por isso.

Toda vez que eu interpretei um personagem eu aprendi alguma coisa, ou pelo menos, apenas tirei um tempo da vida e me diverti e aproveitei. Essa foi a primeira vez que aprendi a aproveitar a vida, e é apenas um bom momento. Então eu comecei a atuar no final do ensino fundamental e no início do ensino médio, e foi isso que me inspirou a começar a fazer drag, porque hoje eu sinto que o drag é meu próprio mini-musical toda vez que eu vou para um palco.

>  Pabllo Vittar fala sobre inspiração musical, agenda de shows e drag queen

B: Você tem um programa favorito?

BSC: [Risos] As duas perguntas mais difíceis que me perguntam são musicais favoritos, e se você pudesse interpretar qualquer papel, qual seria? Um dos meus musicais favoritos de todos os tempos é algo que é subestimado. Foi originalmente um filme chamado Big Fish. É uma peça tão bonito. E na verdade, antes de ser escalada para Drag Race no verão passado, eu tirei alguns meses de férias, porque eu estava me preparando para a peça, e eu fiz o musical Big Fish. Ele estava chegando, e eu fui escalada como Will Bloom, que é uma das poucas lideranças na peça. E eu estava tipo: “Essa pode ser a última vez no futuro próximo que eu vou fazer um musical, e esse é um dos meus favoritos, e eu vou fazer isso”. Então, durante a minha preparação para Drag Race, eu meio que me afastei um pouco de drag para fazer isso, e realmente me reconectar com o meu primeiro amor, do motivo que eu faço drag, que é teatro. Eu tive muita sorte em fazer isso.

B: Você mencionou Ann Margaret como uma de suas inspirações, e há um tweet se tornando viral sobre como você devia estrelar um filme biográfico dela. O que te inspira em Ann e figuras como ela?

BSC: Eu diria o comportamento dela, e a beleza que ela exala é algo que foi realmente inspirador para mim. Em geral, as antigas atrizes de Hollywood daquela época me inspiraram a encontrar aquele tipo de vibe e qualidade, e beleza e glamour que o período de tempo oferecia. Porque o que eu tenho experimentado e falado muito é que a velha Hollywood era um período muito pouco glamuroso, especialmente para atrizes do sexo feminino, mas mostrava tal glamour na tela. E eu acho que é muito falso às vezes, mas é sobre fazer um show, e isso é muito inspirador para mim.

B: Estamos perguntando a todas as rainhas nesta temporada – quem é sua rainha local favorita em Indianápolis e por quê?

BSC: Bem, sou um pouco tendenciosa, porque minha irmã drag é uma das minhas amigas mais íntimas. O nome dela é Ida Kay, e ela tem sido uma grande amiga minha durante toda a minha carreira de drag, e eu só espero o melhor para ela no futuro.

Fonte.

DEIXE UMA RESPOSTA

Conecte com




Please enter your comment!
Please enter your name here