Conecte-se conosco

Hi, what are you looking for?

Brasil

Drag Review: Frimes, Ep “F1”

Alerta de emergência: webhore e drag cantora na área. Aviso: Frimes, drag queen de São Luís, no Maranhão, quer carinho, digo, stream em seu primeiro EP, “F1”. Acesse a coluna Drag Review e saiba mais agora mesmo.

Compartilhe!
🕓 7 min de leitura

Não, não se deixe enganar pelo que seus olhos veem: ela não usa peruca, muito menos sintética. Bata o pincel de olho três vezes na penteadeira de jatobá e diga: B-R-I-T-N-E-Y-S-P-E-A-R-S. Alice Frimes Nicolaevna Romanov tem cabelo natural, naturalíssimo, só babosa.

São-luisense multi-facetada, Frimes é compositora, produtora musical, artista 3D e, claro, webwhore, além de drag cantora há três anos, quando debutou com uma mixtape intitulada como “Kawaii Dildo”, em 2017. De lá pra cá, ela já lançou mais sete músicas próprias, destas, “Fadinha” é a mais bem-sucedida comercialmente: no Youtube, seu videoclipe oficial, dirigido por Lucas Sá, disponível desde 21 de maio de 2018, conta com 622.424 visualizações.

Nascido no dia 16 de junho de 1993, em São Luís, Maranhão, Rafael Paes é o geminiano com ascendente em gêmeos de 27 anos por trás de Alice Frimes. Alice é a personagem de Natalie Portman em “Closer, Perto Demais”: dela a artista pegou o primeiro nome e a cor rosa como característica assinatura de sua drag. O sobrenome homenageia à primeira-dama da Tesla, Grimes, também cantora, por sinal.

Formado pelo Centro de Artes Cênicas do Maranhão, na Universidade Federal do Maranhão (UFMA), Rafael Paes tem a música no DNA. Seu pai era compositor e o avô, saxofonista, então, a sedução pela composição seria natural.

“Eu me inspiro em muita gente e muitas coisas para compor as letras, e nesse processo eu acabo visitando muitas referências… observo muitos comportamentos porque eu escrevo basicamente sobre isso: COMPORTAMENTOS, sejam eles de pessoas reais ou ficcionais, então começo a escrever sob a perspectiva desse ser em questão. Quando comecei na música as minhas letras eram sempre muito íntimas, sobre meus amores, dores e anseios… Com o nascimento da Frimes isso mudou um pouco. Eu não falo muito sobre mim enquanto out of drag, assumo a personagem e experimento esse outro lirismo”, diz.

Seu interesse pessoal pelo mundo musical – aliado a porção autodidata com boas doses de paciência e resiliência – lhe fez conseguir uma carreira que, se ainda não lhe dá a segurança de viver apenas dela, merece nota a partir de agora com o que eu vou te contar.

No último dia 16 de outubro deste ano, Frimes debutou com seu primeiro EP, “F1”, formado por cinco faixas autorais, assinadas e produzidas pela própria drag. Até chegar ao resultado final, o processo foi longo:

Advertisement. Scroll to continue reading.

“Eu já fiz e refiz o F1 umas três vezes. A primeira vez eu perdi meu antigo computador e com ele foram junto todas as faixas. Da segunda vez acabei mudando de ideia, e as músicas que entraram na versão que todos podem ouvir são as que eu acabei fazendo por último. Eu produzo de duas a três músicas por dia, então ficou muito material de fora que pretendo lançar futuramente, ou vender, sei lá”, conta.

A seguir, até mesmo para ajudar a Mama na hora de comprar o arroz de todo dia, você pode conferir a minha entrevista com Frimes onde ela fala de preconceito com drag music, custos para fazer uma música, divulgação orgânica, grupo pop só de garotas, orçamento, sons que andou escutando e, para fecharmos com uma cereja no bico do peito de plástico, Frimes revela o que as pessoas precisam saber urgente sobre ela.

>  Drag In Music: Dahlia Sin
>  Drag Review: Sederginne, Girls Just Wanna Have Fun

Frimes, quando eu falo de drag music com as pessoas, no geral, elas viram a cara e já dizem de pronto: “Não ouvi e não gostei”. Por que esse tipo de música é tão depreciada?

Eu realmente queria ter a resposta para essa pergunta, mas vou colocar a culpa no gosto, né? Acho que as pessoas acabam fazendo uma ligação direta ao famoso bate-estaca, o tribal clássico… Principalmente as mais novinhas da comunidade que não vivenciaram esse outro momento da cultura drag e não fazem ideia do quão importante foi a drag music pra cultura do lipsync e o nascimento do bate-cabelo aqui no Brasil… Nosso país tem um problema sério com história. Quando a gente sabe da história de algo nos tornamos mais sensíveis aquilo.

A Kaya Conky já afirmou em um vídeo que pagou 50 reais, no Youtube mesmo, pela base da primeira música dela. Quanto custou para você fazer o seu primeiro EP, “F1”?

Que sortuda a Kaya, essa pessoa realmente queria dar a base pra ela.
Uma música custa muito caro e são muitas etapas até que ela ganhe o mundo das plataformas digitais, e cada etapa dessas custa um valor X. A produção do beat em si, a composição da letra/melodia, mixagem e masterização… fora a parte de captação de vocais (que é cobrado por hora em qualquer estúdio). Felizmente eu mesma produzo as minhas músicas, tenho um little home studio. Mas se fosse fazer isso com uma outra pessoa, dependendo de onde e com quem, por música, eu poderia gastar entre 600,00 a 1.500,00 reais. O F1 me saiu “de graça” porque eu tenho todo esse conhecimento e aplico em meu benefício, mas vejo muitas das irmãs penando pra lançar uma música, porque é um investimento alto.

Uma curiosidade sobre seu primeiro EP é que a divulgação foi orgânica, inclusive com as pessoas indicando o seu nome para essa entrevista. O público substituiu, de certa forma, o papel das gravadoras para o artista independente da atualidade?

Sim, sim e sim! Os maiores parceiros dos artistas independentes são as pessoas que os acompanham, principalmente quando não se tem grana pra impulsionar as publicações nas redes ou muitos contatos na mídia. Eu ainda tô muito surpresa em como o F1 foi bem recebido pelo público. Não que eu não acreditasse no meu trabalho, mas achei que ele atingiria um nicho um pouco menor. Felizmente as pessoas se mostraram super abertas não só a sonoridade como o conteúdo explícito ali presente, enxergando para além da putaria. E bom, tem artista de gravadora que ainda sim não tem o apoio que precisa, né? Então, com gravadora ou sem, a parte mais importante para um artista são seus acompanhantes: o público.

Advertisement. Scroll to continue reading.

Se você pudesse formar um grupo pop só de garotas com mais quatro drag queens, quem elas seriam e por qual motivo?

A primeira integrante dessa drag band seria a Divine; ator, performer, e pra mim, uma das mais lendárias queens que já passaram pela terra. Eu definitivamente a traria de volta a vida pra essa banda. Logo após, pegaria pelo braço a Reddy Allor, essa drag maravilhosa do interior de São Paulo que canta um sertanejo com uma voz hiperdelicada mas com uma potência de tirar o fôlego! Chamaria também a Maddax, pois ela é criativa, das redes, nordestina arretada e com um milhão de palavras na cabeça. Seria uma ótima compositora e letrista pra banda. E então chamaria a minha conterrânea e amiga pessoal, Butantan! Todo grupo precisa ter uma rapper, de atitude, porra loca, que fala manso fora dos palcos mas que em cima dele brilha mais que qualquer refletor ali presente, e definitivamente essa queen é a Butantan.

Algumas melodias das músicas novas me remeteram a um certo tipo de sonoridade feita por americanas, no geral. Essa “textura internacional” foi proposital ou os arranjos foram tomando este caminho?

Por muito tempo, enquanto produtor, tentei deixar a minha música parecida com a de artista A, ou de artista B… e isso no começo é normal, a gente tá se encontrando ali no meio, tudo o que conhecemos é o trabalho de outras pessoas. Mas para esse EP eu simplesmente sentei e pensei: “Vou fazer minha música”. Não tô fazendo nada que seja extremamente muito novo, porém quis experimentar outros sons. Em “Culito”, por exemplo, nunca tinha feito uma música dessa forma, e nem em espanhol. Foi um tiro no escuro que deu certo.

Advertisement. Scroll to continue reading.
>  Gia Gunn | 30 Dias em Transição pt3
>  Aquaria se manifesta sobre acusações de abuso contra Sharon Needles

Quais artistas, discos ou músicas você ouviu enquanto planejava seu primeiro EP?

Eu ouço muita música, ouço tanta música que comecei a fazer música!
Esses últimos meses ouvi muito as rappers dos anos 00’s como Trina, Lil’ Kim, Missy Elliott… Da atualidade ouvi muito, muito mesmo a CupkakKe (que tem umas letras bem explícitas), Ms. Sancha e Ayesha Erotica. Aqui no Brasil eu fiquei viciada em Linn da Quebrada, MC Carol e Kelly Key.

O “F1” praticamente acabou de debutar. No mundo pop, os anos passam num estalar de dedos. Como você quer que esse trabalho seja visto daqui com um ano?

Eu quero que ele envelheça como um vinho caro, que seja posicionado ali na estante entre as fodonas da indústria e seja visto como “essa bicha fez isso aqui sozinha no quarto da casa dela, calem a boca, vadias, é assim que se faz!”. Sério, eu tô muito orgulhosa do que fiz e isso se implica muito mais com a minha evolução pessoal. Ouço o que fiz e era exatamente o que eu queria ouvir.

“Culito” é a faixa do “F1” com mais views no Youtube. Você esperava isso? O que acha sobre?

Definitivamente não esperava por isso. É com certeza uma das minhas favoritas e eu amo de paixão a parte em espanhol, com certeza farei mais nesse idioma. E bom, Culito, pra mim, tem duas mensagens que pairam no ar, eu não queria falar sobre isso… porque quero que as pessoas percebam por si só e não que eu mastigue e lhes explique o conceito.

Você já falou da dificuldade para fazer videoclipe para essa era devido a orçamento, porém, caso dinheiro não fosse problema, como seria o vídeo perfeito da Frimes para “Fashion, Pretty, Expensive, Iconic”?

Advertisement. Scroll to continue reading.

O dinheiro é sempre a maior barreira e me acompanha desde a primeira era. Às vezes me sinto meio prepotente em assinar todas as coisas da ficha técnica do meu trabalho, mas é que muita coisa fui atrás de aprender justamente por não ter dinheiro para pagar o profissional da área, enfim. O clipe de Fashion, Pretty, Expensive, Iconic seria pra mim um retrato de uma noite típica paulistana, com uma mistura de gostosa do Leblon. Eu seria uma participante de um reality como Bad Girls Club, uma attention whore que nas câmeras faz as coisas mais estúpidas possíveis para ser minimamente memorável. Looks. Coreografias. Hahaha!

O que eu não perguntei sobre o seu novo trabalho que as pessoas precisam saber urgente?

QUANDO VAI SAIR O NOVO? [risos] O F1 é o primeiro de 4 EPs! E o F2 já tá no forno, tenho todas as demos prontas e diferente do F1, terei algumas participações nesse universo. Ainda não tenho datas de fato, mas será igualmente épico.

>  India Ferrah revela trauma pós-Drag Race por causa de Mimi Imfurst
>  Eureka se defende nas redes sociais e Asia se desculpa com a sister

Ouça a seguir o EP F1 de Frimes.

Visite o site da rainha frimesmusic.com e siga suas mídias sociais: Facebook, InstagramTwitter e YouTube.

Advertisement. Scroll to continue reading.
Compartilhe!
Clique para comentar

Deixe uma resposta

Veja Também

Drag Queens

Das 10 drag queens da S1 de Canada’s Drag Race, apenas 3 desenvolveram carreiras musicais. Scarlett BoBo é uma delas e a que mais...

Drag Queens

ENTREVISTA EXCLUSIVA | Parafraseando Cyndi Lauper: “As drags só querem se divertir”, sendo assim, Sederginne, primeira belga a competir em Drag Race, lança sua...

Cultura

Há pouco mais de um ano, Scarlet Envy, drag queen participante da 11° temporada de RuPaul’s Drag Race, estreava no mundo musical com a...

Brasil

Batizada pelo jornalista Maurício Coutinho, com faixa e tudo, em 2010, como a “Rainhas das Festas”, TchaKa Drag Queen é a primeira convidada da...

Propaganda

We're born naked & the rest is drag. Portal de notícias, humor e babados sobre RuPaul's Drag Race, drag queens, arte drag, comunidade LGBTQ+ e cultura pop.

Contato: draglicious@outlook.com

Draglicious 2020 © Todos os direitos reservados.